Com presença de presidente da Fiesp, FILE abre 15ª edição com esculturas e tecnologia

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Com artistas e convidados, a 15ª edição do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (FILE) foi aberta na noite desta segunda-feira (25/08), no Centro Cultural Fiesp. O evento contou com a presença do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), Benjamin Steinbruch. A solenidade teve ainda a participação da superintendente do Sesi-SP, Débora Cypriano Botelho, e do diretor titular do Comitê de Ação Cultural (Comcultura) da Fiesp, Fernando Greiber.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Benjamin Steinbruch (à esquerda) durante visita às instalações do FILE. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp


Maior do gênero na América Latina, o festival marca a reabertura da Galeria de Arte do Sesi-SP – o local passou por amplas reformas ao longo deste ano e ganhou uma loja.

“A reforma trouxe um olhar diferenciado para esse espaço”, comentou o diretor da Divisão de Educação e Cultura do Sesi-SP, Fernando Carvalho, para quem o FILE apresenta uma leitura à frente da tecnologia. “Estamos todos acostumados com o nosso celular, nosso tablete, mas o FILE sai da caixinha. E de uma forma repentina e arrojada.”

De acordo com a fundadora e organizadora do festival, Paula Perissinoto, o festival conta uma história “que vem se transformando”.

“No ano 2000, quando o festival começou, a proposta era explorar o ambiente da internet, que estava começando a existir no Brasil, ou seja, a gente começou descobrindo um nicho de produção estética para esse novo ambiente. E de lá para cá, a própria tecnologia se transformou. As interfaces mudaram radicalmente e hoje você entra na exposição e praticamente não vê computador, mas vê esculturas”, explicou Paula durante a festa de abertura.

Ela relembrou ainda que a parceria com o Sesi-SP nos últimos 10 anos de FILE trouxe substância ao projeto, principalmente na cena internacional.

“Hoje a gente representa uma plataforma cultural que é muito representativa na área das artes eletrônicas”, acrescentou.

Nesta primeira semana do evento (de 26 a 31 de agosto), a 15ª edição do festival apresenta performances interativas na calçada junto a três estações do Metrô: Consolação, Trianon-Masp e Brigadeiro.

Segundo Paula, as atrações do FILE são para todo tipo de público.

“A gente consegue atingir faixas etárias, classes sociais e formações diferentes. A pessoa, para aproveitar a exposição, não precisa ser um conhecedor das artes. Ela precisa estar disposta a vir porque uma vez que ela entrar ela vai curtir.”

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Debora Cypriano Botelho, Fernando Carvalho e Fernando Greiber, diretor do Comcultura, na solenidade de abertura oficial. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Marco

A fundadora do FILE também afirmou que, ao longo de 15 anos, a mostra tem conseguido se projetar cada vez mais para fora de seu espaço de exposição.

“Ano passado a gente teve o marco da fachada, por exemplo, que foi uma novidade. Pra gente, marco também são as conquistas que escapam da galeria. Ir para a rua é um marco importante. A parceria com o Metrô, com o Sesi-SP, tudo isso são marcos que fazem a gente se desenvolver”, observou.

Este ano, o Centro Cultural Fiesp apresenta 28 instalações do FILE de 12 países. Os visitantes podem manipular os sons da floresta Amazônica por meio da réplica de um rio ou caminhar numa esteira de ginástica para movimentar figuras que representam a sociedade. Também podem ver os sons transformados em luz em outra obra interativa.

>> Saiba mais sobre as atrações da 15a edição do FILE 

Confira os destaques da 15ª edição do FILE

Agência Indusnet Fiesp

Aberto para o público a partir desta terça-feira (26/08), o FILE – Festival Internacional de Linguagem Eletrônica é principal encontro da América Latina sobre arte digital. Com entrada gratuita, a mostra reúne diversas formas de expressão artística: instalações, animações, games, vídeos e performances.

A programação vai ocupar a Galeria de Arte do Sesi-SP, reaberta depois de uma reforma de cinco meses, e mais quatro áreas: o Espaço Fiesp, a Galeria de Arte Digital Sesi-SP (fachada do prédio), o Espaço Mezanino e a calçada das estações Consolação, Trianon-Masp e Brigadeiro, que recebe performances interativas.

Veja quais são os destaques desta edição do FILE:

Galeria de arte do Sesi-SP
Espaço principal de exposições do Centro Cultural Fiesp 

Rio Amazonas interativo (clique aqui para ver mais)
The Mamori Expedition, da belga Els Viaene, é uma instalação de madeira que replica o caminho que a artista seguiu durante uma expedição pela floresta Amazônica brasileira, em 2009. Ela levou consigo um dispositivo para gravar sons e um GPS para registrar sua jornada. Uma vez que o visitante interage com a obra por meio da vareta chamada “hidrofone”, ele escutará os sons da floresta na mesma posição que a artista se encontrava no rio.

Esteira de ginástica que dá vida a figuras que representam a nossa sociedade (clique aqui para ver mais)
Esta instalação Down with Wrestlers with Systems and Mental Nonadapters!, dos russos Dmitry & Elena Kawarga, traz à tona a noção da fascinação pela máquina e pela tecnologia que tinha a sociedade antes da Primeira Guerra Mundial. Segundo os artistas, ao caminhar em uma esteira, o visitante sente-se como um Deus, pois o movimento do “mecanismo social” depende de seus passos, no entanto, a proposta é que ao final de experiência ele perceba que é apenas mais uma figura entre tantas outras.

Sons que se transformam em luz (clique aqui para ver mais)
Murmur é uma obra dos franceses Chevalvert, 2Roqs, Polygraphik & Splank, que permite a comunicação entre os visitantes e a parede na qual está ligada por uma fita de LED. A instalação simula o movimento de ondas sonoras, criando uma ponte luminosa entre os mundos físico e virtual. Há um efeito visual mágico no modo como as ondas sonoras se movem e se transformam em imagens projetadas.

Japan Media Arts (clique aqui para ver mais)
Uma das instalações do festival Japan Media Arts é a Falling Records, do artista Ei Wada – Toki Ori Ori Nasu. Nesta obra, a fita magnética se desenrola amontoando-se no recipiente enquanto a música toca e o tempo passa. Quando a fita para, ela é rebobinada em alta velocidade ao som de uma trilha sinfônica.
Performances interativas FILE Metrô
Calçada das estações Consolação, Trianon-Masp e Brigadeiro

Ver a partir do toque (clique aqui para ver mais)
Touchy, performance do artista de Hong Kong, Eric Siu, é uma câmera humana – um dispositivo que é vestido e que transforma um ser humano em uma câmera operante. O indivíduo que está usando o dispositivo é constantemente “cegado”, a menos que alguém toque sua pele. O toque faz com que os obturadores na frente das lentes se abram e restaurem a visão do usuário. Quando o contato físico é mantido por 10 segundos, a câmera tira uma “Touch-Snap” (uma foto é tirada pelo Touchy), que é exibida no LCD do dispositivo.

Rosto do público no corpo do artista japonês (clique aqui para ver mais)
O artista japonês Katsuki Nogami usa os rostos de pessoas nas ruas no lugar de sua própria face com um tablet na performance YamadaTaroProject. Você pode reconhecê-lo por um rosto exibido no tablet, como um nome ou ícone da internet. As pessoas nas redes sociais escolhem um rosto para si mesmas, um rosto de uma celebridade ou de um personagem de animação. Essa performance expressa a temporalidade e o anonimato da internet. O nome desse projeto, YamadaTaro, é um nome extremamente comum no Japão, como “João da Silva”.

Ver o mundo sob novos pontos de vista (clique aqui para ver mais)
A performance dos alemães The Constitute: Sebastian Piatza & Christian Zoellner, Eyesect, permite que os usuários vivenciem seu ambiente sob novos pontos de vista. Duas câmeras portáteis captam o entorno e transmitem os dados das imagens direto para os olhos. As percepções espaciais se formam dentro do sistema sensorial humano. Braços e dedos se tornam músculos oculares e criam perspectivas humano-biológicas.
FILE Anima+ (Espaço Fiesp)
Área reservada para as animações

Javier Polo / Turanga Films – Europe in 8 bits – Espanha
Europe in 8 bits é um documentário de 76 minutos que explora o mundo da chip music, um estilo musical que reaproveita aparelhos antigos de videogames e os transforma em instrumentos para criar novas sonoridades.

Rosana Urbes – Guida – Brasil
Na história, Guida, uma doce senhora que há 30 anos trabalha como arquivista em um fórum da cidade, tem sua rotina entediante modificada ao se deparar com um anúncio para aulas de modelo vivo em um centro cultural.

Wesley Rodrigues – Viagem na Chuva – Brasil
A ideia central deste curta-metragem é utilizar a simbologia da chuva como representação metafórica de passagem e trajetória da vida.


FILE Games (Espaço Fiesp)
Para os fãs dos jogos

Minority Media Inc. – Papo & Yo – Canadá (jogo de PS3)
Papo & Yo é a história do menino Quico e de seu melhor amigo, o Monstro. O Monstro é uma fera enorme com dentes afiados, mas isso não o impede de querer brincar com ele. O Monstro, porém, tem um problema muito perigoso: o vício em rãs venenosas. Basta ver uma rã pulando que ele se transforma em um ser violento, que põe todos em risco, inclusive Quico. Mesmo assim, Quico ama seu Monstro e quer salvá-lo.

Through Games – FRU – Holanda (mostra Interplay)
FRU é um jogo eletrônico de enigma inspirado em Kinect, que apresenta um uso inovador do aspecto periférico: o jogo usa a silhueta do jogador como uma “máscara” entre dois mundos diferentes. Os enigmas no jogo são desvendados quando uma pose é feita ou de acordo com a velocidade do movimento. O jogador dita o ritmo da experiência.

Jason Roberts – Gorogoa – Estados Unidos (mostra Game Comics)
Gorogoa é um mundo encantador ilustrado à mão e inserido em um enigma singular. Para desvendar o enigma, o jogador reorganiza alguns azulejos em uma grade simples e os coloca lado a lado ou empilhados. Mas cada azulejo também é uma janela para uma parte distinta do mundo nesse jogo, ou talvez para um mundo diferente – e cada janela tem seu próprio jogo. Todavia, a chave para avançar nunca está em um só azulejo, mas nas conexões entre todos os azulejos.


Serviço
FILE – Festival Internacional de Linguagem Eletrônica
Local: Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso – Av. Paulista, 1.313 (Metrô Trianon-Masp)
Informações: (11) 3146-7405/ 7406
Classificação indicativa: L – Livre para todos os públicos

Entrada gratuita

Exposição (Galeria de Arte do Sesi-SP)
Datas e horários: De 26 de agosto a 5 de outubro de 2014 (diariamente, das 10h às 20h)

FILE Anima+, FILE Games e Vídeo Arte (Espaço Fiesp) L – Livre para todos os públicos
Datas e horários: de 26 de agosto a 7 de setembro de 2014 (diariamente, das 10h às 20h)

FILE LED SHOW (Galeria de Arte Digital Sesi-SP) L – Livre para todos os públicos
Datas e horários: de 26 de agosto a 7 de setembro de 2014 (todos os dias, das 20h às 22h – obras interativas, e das 22h às 6h – obras visuais)

FILE Metrô – Performances (calçada das estações de Metrô Consolação, Trianon-Masp e Brigadeiro) L – Livre para todos os públicos
Datas e horários: de 26 a 31 de agosto de 2014 (das 12h às 21h)

FILE Workshop (Espaço Mezanino) 16 – Não recomendado para menores de 16 anos
Datas e horários: de 26 a 29 de agosto de 2014, das 10h30 às 21h

Programação completa e inscrições gratuitas para workshops: www.file.org.br

Retrospectiva 2013 – Um ano para entrar na história das produções culturais e artísticas

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp 

Uma agenda cultural agitada e variada. Na área cultural, o ano de 2013 foi intenso, com diversas exposições, espetáculos teatrais, apresentações musicais e bate-papo com personalidades da cena cultural no Inteligência PontoCom.

O ano também foi marcado pelo lançamento do Projeto Sesi-SP em Teatro Musical – que incluiu o espetáculo ‘A Madrinha Embriagada’, dirigido por Miguel Falabella.

Segundo o superintendente do Sesi-SP, Walter Vicioni Gonçalves, as ações culturais das entidades da indústria visam abarcar o maior número de pessoas. “O incentivo, fomento e difusão das diversas linguagens artísticas, democratizou o acesso de milhares de pessoas às manifestações culturais, destacando o Sesi-SP como uma das mais proeminentes entidades apoiadoras da arte e cultura no país”, ressalta.

Veja os destaques da área cultural ao longo do ano.


Agenda cultural em um clique

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682Uma das novidades para o público que acompanha as atrações do Centro Cultural Fiesp Ruth Cardosos e nos espaços culturais do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), espalhados por todo os estado, foi o lançamento do aplicativo mobile do Sesi-SP Cultura.

Gratuitamente o dispositivo disponibiliza, na tela do celular ou tablete, toda a programação cultural nas categorias Cinema, Dança, Exposições, Música e Teatro, em cartaz nas 54 unidades do Sesi-SP.

Teatro Musical e ‘A Madrinha Embriagada’

Uma iniciativa pioneira nas áreas cultural e de educação foi o lançamento, no mês de maio, foi lançando o projeto Teatro Musical.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Atriz Stella Miranda e integrantes do elenco de 'A Madrinha Embriagada' cumprimentam Paulo Skaf. Ao fundo, nas poltronas, Walter Vicioni e maestro João Carlos Martins. Foto: Everton Amaro.

Na ocasião do lançamento, o presidente das entidades, Paulo Skaf, ressaltou que os investimentos que a indústria faz em cultura busca beneficiar o maior número de pessoas. “Educação é única forma de dar oportunidade a todos,” afirmou.

A iniciativa foi elogiada por representantes da classe artística – como as cantoras Fafá de Belém e sua filha Mariana Belém, os atores Tiago Abravanel, Rosi Campos e Odilon Wagner, entre outros que estiveram no lançamento. A novidade despertou também o interesse de estudantes e profissionais da área artística.

Com investimentos de R$ 12 milhões, bancados pelas entidades da indústria paulista sem utilização de leis de incentivo.

O projeto Teatro Musical contemplou oficinas de vivência em Teatro Musical, curso de formação de atores e a montagem do musical A Madrinha Embriagada”, que estreou em agosto e ficará 11 meses em temporada no Teatro do Sesi-SP.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Oficinas de vivências no Centro Cultural Sesi Vila Leopoldina

As oficinas de vivências foram realizadas no mês de agosto, no Centro Cultural Sesi Vila Leopoldina, e deverão ser realizadas em outras unidades.  O curso de formação de atores terá início no mês de março de 2014, com duração prevista de três anos.

O ator Miguel Falabella, que dirigiu o musical “A Madrinha Embriagada” é fez a adaptação do premiadíssimo musical “The Drowsy Chaperone” é um grande entusiasta do projeto e considerou a iniciativa da Fiesp e do Sesi-SP sem precedentes na história dos musicais. “É a realização máxima de poder abrir a porta do sonho e da possibilidade para meninos como eu fui um dia. Tenho certeza que vários meninos vão sentar aqui na temporada de ‘A Madrinha Embriagada’ e sair transformados”, afirmou.

O musical “A Madrinha Embriagada”, desde sua pré-estreia, foi marcado pela emoção.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Figuro impecável assinado por Fause Haten e elenco de grandes estrelas do musical brasileiro

Com figurinos de Fause Hauten, o espetáculo reúniu no palco uma orquestra com 15 músicos e um elenco composto por uma constelação de grandes nomes do teatro musical brasileiro, como Stella Miranda, Saulo Vasconcelos, Frederico Reuter, Sara Sarres, Paula Capovilla, Ivan Parente e Kiara Sasso.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682No dia 08 de novembro, o espetáculo comemorou a sua 100ª apresentação, com direito a bolo no palco e muita festa! Após um breve recesso de fim de ano, as apresentações retomam ao ritmo normal no dia 08 de janeiro e fica em cartaz até julho de 2014.

Com sistema de reserva on-line de ingressos, o espetáculo tem tido sucesso de público e crítica.

O projeto Teatro Musical  foi destaque na mídia nacional, como nos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo; e internacional, como o site Broadway World. E o espetáculo “A Madrinha Embriagada foi indicado Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) como um dos melhores espetáculos teatrais de 2013.


Sucessos nos Teatros do Sesi-SP

No início do ano, o palco do Teatro do Sesi-SP teve uma estreia pra lá de especial: a peça teatral “A Viagem do Capitão Tornado”, dirigida por Leonardo Cortez e encenada por atores com Síndrome de Down do Grupo ADID de Teatro. Após a sessão gratuita, que emocionou a plateia, Leonardo Cortez e o elenco participaram de um bate-papo com o público.

O sucesso de público foi tanto, que a peça retornou ao palco do Teatro do Sesi-SP em abril. O espetáculo, que havia sido encenado em três cidades do interior paulista do Estado no ano passado, ganhou apresentação extra na capital paulista.


Inspirados na campanha do ator Ariel Goldberg para trazer o astro norte-americano Sean Penn à estreia do longa Colegas no Brasil, o elenco do grupo ADID de Teatro também criou sua própria mobilização (#VemAriel) para levar o próprio Ariel à estreia da peça  A Viagem do Capitão Tornado.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

O ator Cassio Scapin (em primeiro plano) é o narrador que faz o fio condutor da história

Em março, o musical ‘Lampião e Lancelote’  abriu temporada teateal no Teatro do Sesi-SP. A montagem, que teve direção musical de Zeca Baleiro, contou com a participação dos atores Cássio Scapin, Leonardo Miggiorin, Daniel Infantini e Vanessa Prieto.

Sucesso de público e de crítica, o espetáculo recebeu três prêmios Bibi Ferreira, ganhou Prêmio Arte Qualidade Brasil e, também, foi premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Cena da peça 'Crônicas de Cavaleiros e Dragões – O Tesouro dos Nibelungos'. Foto: Vivian Fernandez P

Para o público infanto-juvenil, o destaque da programação foi a montagem ‘Crônicas de Cavaleiros e Dragões – O Tesouro dos Nibelungos’, baseado na obra de Tatiana Belinky (1919-2013), que ficou em cartaz no Teatro do Sesi-SP da avenida Paulista de março a junho.

No mês de maio,  o espetáculo “Poema Bar” voltou ao palco do Teatro do Sesi-SP, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, com o ator Alexandre Borges declamando versos dos poetas Vinícius de Moraes e Fernando Pessoa.

Encerrando a temporada de peças teatrais no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, “Fogo Azul de um minuto”, de Daniel Graziane, autor do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council, ficou em cartaz no Espaço Mezanino, de agosto a dezembro, com entrada gratuita.  A direção foi de Zé Henrique de Paula e o elenco formado por atores do Núcleo Experimental de Artes Cênicas do Sesi-SP Cultura.

Exposições

Os  espaços expositivos do Centro Cultural Fiesp Ruth Cardoso — a Galeria de Arte do Sesi, Espaço Fiesp e Galeria de Arte Digital — receberam, ao longo do ano, exposições nacionais e internacionais e de temáticas diversas.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Exposição Fundição Artística no Brasil. Foto: Julia Moraes/FIESP

Como um presente à cidade de São Paulo, que comemorou os seus 459 anos no dia 25 de janeiro, a exposição Fundição Artística no Brasil, no mês de fevereiro, propôs uma visita pela história de quinze esculturas em bronze presentes no dia a dia do paulistano.

A mostra “Evita: paixão e ação” foi o destaque de maio no Centro Cultural Fiesp –Ruth Cardoso. Seis vestidos usados por Eva Perón,  além de acessórios e fotografias em situações diversas que expressam seu carisma,  estavam disponíveis durante a exposição.

A mostra ‘A Arte da Tapeçaria – Tradição e Modernidade’ reuniu, pela primeira vez no Brasil, 48 tapeçarias de Portalegre, do Alentejo. A região é conhecida por suas tapeçarias murais decorativas que reproduzem obras de pintores famosos, por meio de uma técnica manual. A mostra ficou em cartaz até março.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Paulo Skaf e ministro Aldo Rebello. Exposição tem 1.330 obras de arte. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

A exposição “Grandes Mestres da Arte Popular Ibero-Americana”, na Galeria de Arte do Sesi-SP, que estreou em outubro, foi uma parceria entre o Sesi-SP e o Fomento Cultural Banamex, do México. A exposição trouxe 1.330 obras de arte. No total, foram mais de 2.300 peças de cerca de 600 artistas da América Latina, Espanha e Portugal.

Em novembro, foi inaugurada com a presença do Rei da Suécia, Carl XVI Gustaf, a exposição ‘O Prêmio Nobel – Ideias Mudando o Mundo’, mostra que celebrou os benefícios que as criações dos laureados com o Prêmio Nobel proporcionaram à humanidade. “Tais esforços ecoam e continuaram a ecoar para sempre”.

De cunho social, exposição fotográfica do projeto #Adotei, no mês de dezembro, reuniu 17 imagens de personalidades, artistas e anônimos com seus animais adotados. A iniciativa teve a participação ativista e protetora dos animais Luisa Mell e homenageou o Dia dos Direitos Animais;

No mês de abril, no Espaço Fiesp deu lugar à duas exposições alusivas ao mundo do esporte: a mostra interativa “Jogos Olímpicos: Esporte, Cultura e Arte” e exibição de 48 fotos denominada “Olhar a toda prova”.

Arte digital 

A capital paulista sediou mais uma edição do principal evento de arte e tecnologia do Brasil, o 14º Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File), que aconteceu durante o mês de julho. Os organizadores destacaram o estímulo à arte digital promovido pelo evento.


A programação ocupou quatro espaços no prédio da Fiesp, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso:  a Galeria de Arte, Galeria de Arte Digital Sesi-SP (que participou pela primeira vez do File, com a mostra File Led Show); o Espaço Fiesp I e o Espaço Mezanino,  além da estação Trianon-Masp do metrô, localizada em frente ao prédio. Com programação inteiramente, o principal evento de arte e tecnologia do Brasil promoveu também encontros com artistas, mesas redondas e workshops.

Um dos destaques da Galeria de Arte Digital do Sesi-SP do ano foi a  “Mostra Play!”, dedicada ao mundo dos games, exibida em março.  A edição reunindo trabalhos de consagrados criadores de videogames e abrindo espaço para a interação com o público, que pôde jogar clássicos na fachada do edifício-sede da Fiesp, ícone da arquitetura paulistana.

No mês de maio, por  celebração pelo ano Alemanha + Brasil 2013-2014, a Galeria de Arte Digital inaugurou a mostra “Brasil-Alemanha: Culturas Conectadas“.

“Vivacidades: Poéticas Socioambientais”, foi a atração do mês de setembro. De forma inédita, a mostra reuniu obras visuais e interativas, a fim de se comunicar quem passou pela Avenida Paulista sobre as ações do homem no meio ambiente.

Em novembro, foi inaugurada a segunda edição do SP_Urban Digital Festival, composta por animações, obras de arte interativas, vídeos e performances integradas a dispositivos visuais.

Para encerrar o ano, em exibição desde o dia 9 de dezembro, a Galeria de Arte Digital do Sesi-SP, apresenta uma programação especial de Natal e Ano Novo. As imagens ficam em exibição até o dia 2 de janeiro de 2014, na fachada do edifício-sede da Fiesp.

Além das mostras, o Sesi-SP também realizou, em junho, workshop sobre criação digital em telas urbanas multimídias. E, em outubro, oficinas gratuitas de arte multimídia.


Música e dança
 

A temporada 2013 do Sesi Música começou com uma atração internacional: a banda Budapest Bár, uma das mais expressivas da atualidade na Hungria. O repertório mesclou a música tradicional húngara ao pop, rock, jazz e tango – incluindo composições autorais e releituras de sucessos como “Milonga del Angel”, do compositor argentino Astor Piazzolla, e “Carinhoso”, do mestre Pixinguinha.


Em abril, o Grupo Patérnope, de música erudita, apresentou-se no Centro Cultural Fiesp. A Banda Sinfônica do Estado de São Paulo apresentou-se, em junho, no palco do Teatro do Sesi-SP, que também recebeu o ‘Quarteto Nó na Madeira’, em agosto.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Mais de 500 alunos participaram do coral de alunos dos Novos Núcleos de Música do Sesi-SP


Para encerrar o ano, ao menos 3.500 pessoas assistiram na noite de 14 de dezembro a uma apresentação da orquestra Bachiana Sesi-SP, sob regência do maestro João Carlos Martins, interpretando peças de compositores como Beethoven, Mozart e Villa-Lobos no Ginásio Municipal de Esportes Castelo Branco, em Araraquara. O evento contou com a presença de Paulo Skaf.

Na ocasião, o coral de alunos dos Novos Núcleos de Música do Sesi-SP, projeto que deve formar ao menos 22 orquestras de cordas até o final de 2014, apresentou-se pela primeira vez. O projeto inova pelo método Alla Corda, desenvolvido pelo violinista e educador Ênio Antunes. É o primeiro método nacional de ensino de instrumentos de cordas.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Paulo Skaf retribui homenagem recevida do maestro João Carlos Martins

Além disso, 2013 foi um ano de homenagens da Bachiana Sesi-SP, regida pelo maestro João Carlos Martins, ao presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf.

Em fevereiro, Skaf recebeu uma placa de homenagem pelo incentivo das entidades da indústria paulista à cultura musical. Em março, recebeu uma placa de ouro durante apresentação na Sala São Paulo. Em novembro, nova homenagem durante a última apresentação da Bachiana na capital paulista, no Masp.

O fim de ano também contou com o projeto Concertos Natalinos – somam dez no total -, do Sesi-SP, na esplanada do edifício-sede da Fiesp.

A segunda edição do Encontro de Dança do Sesi-SP, realizado em São José do Rio Preto, em outubro, reuniu cerca de 630 alunos de 31 unidades do Sesi-SP.

Outubro foi marcado pelo Festival Sesi Música 2013 – Edição São Paulo, concurso estadual direcionado aos trabalhadores da indústria paulista. O evento contou com show de Chico Cesar, no Teatro do Sesi-SP, em Campinas.


Videoarte e Cinema

O Sesi-SP e a Fundação Bienal de São Paulo anunciaram, em abril, o lançamento da 1ª Bienal no Sesi-SP: Mostra Itinerante de Videoarte.

De maneira inédita, a 1ª Bienal no Sesi-SP: Mostra Itinerante de Videoarte foi exibida simultaneamente em 55 unidades do Sesi-SP pelo estado, permitindo que mais pessoas tivessem acesso a essa seleção de obras contemporâneas. E, no segundo semestre, foram realizadas atividades nas unidades móvel de arte e cultura do Sesi-SP.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Cao Hamburguer: prêmios de melhor diretor e melhor filme por 'Xingu' no IX Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema. Foto: Julia Moraes/Fiesp

Ao longo de todo ano, o Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso recebeu diversas mostras de cinema. Em maio, exibiu filmes do cinema francês; em junho, realizou um festival de curtas; e em dezembro, exibiu a mostra inédita de cinema alemão.

De agosto a outubro, realizou-se uma mostra gratuita e itinerante de cinema, com sessões semanais e entrada gratuita, em 53 unidades do Sesi-SP, com exibição de oito filmes finalistas da edição 2013 do Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema. Além disso, de junho a agosto ofereceu a mostra “Cinema e Trabalho”, um projeto que envolveu 52 unidades na capital e no interior do Estado.

Os grandes vencedores do IX Prêmio Fiesp/Sesi-SP de Cinema, anunciados em junho, foram os filmes “Xingu”, que recebeu prêmios em três categorias: longa-metragem de ficção, direção (Cao Hamburguer) e trilha sonora, e “Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios”, também com tripla premiação: atriz (Camila Pitanga), ator coadjuvante (Zé Carlos Machado) e fotografia (Lula Araújo).

A cerimônia de premiação contou com a presença de personalidades do cinema nacional.

Debates sobre cultura e arte  

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Uma expedição ao lado de Amyr Klink no InteligênciaPontoCom. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

A programação “Inteligência PontoCom” trouxe bate-papos mensais entre o público e principais criadores e pensadores das artes, cultura, sociedade e mundo. Nomes expressivos da literatura, artes visuais, cinema, filosofia, sociologia, esporte, teatro e música participam dos fóruns.

Passaram pelo InteligênciaPontCom, em 2013, a diretora Beth Lopes e do autor e dramaturgo Paulo Rogério Lopes. o poeta Sergio Vaz, criador do Sarau da Cooperifa, os cineastas Gregorio Bacic e Ugo Giorgetti  Maria Thereza Vargas, especialista na obra de Cacilda Becker, foi a convidada de setembro.

Chacal convidou o público a experimentar a diferença entre a poesia escrita e a poesia falada, em outubro; e o rapper Emicida e o jornalista Paulo Terron, e o navegador Amyr Klink. 

Literatura

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540042682

Obras das editoras Sesi-SP e Senai-SP indicadas ao Prêmio Jabuti

A Sesi-SP Editora e Senai-SP Editora realizaram diversos lançamentos ao longo do ano, com destaque para o livro “Programa Sesi-SP Trilha dos Saberes”, de Walter Vicioni Gonçalves, superintendente do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP),  em dezembro, na Livraria Cultura no Conjunto Nacional, na Avenida Paulista.

O grande feito das editoras, foram os cinco títulos indicados ao Prêmio Jabuti, o mais tradicional e conhecido na área de literatura no Brasil. Além disso, as editoras promoveram duas feiras do livro. A primeira, em maio; e a segunda, em novembro.

Exposição no Centro Cultural Fiesp permite ver de perto ‘força criadora de um povo que não se abate’, avalia professor de artes visuais

Giovanna Maradei, Agência Indusnet Fiesp

“Exposições como essa dos ‘Grandes Mestres da Arte Popular Ibero-Americana’ permitem ver de perto a força criadora de um povo que não se abate, apesar das mais duras condições em que vivem”. A afirmação é do professor do Curso de Artes Visuais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, Nelson Rodrigues,  convidado para apresentar sua visão de especialista sobre a exposição homônima em exibição até o dia 19 de janeiro de 2014, na Galeria de Arte do Sesi-SP. O espaço fica no Centro Cultural Fiesp, na sede do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na Avenida Paulista.

“Na exposição, é feito um resgate da herança cultural que forma a nossa identidade e reforça, em cada um de nós, o sentido de pertencimento a uma comunidade e a uma cultura sincrética, produto da fusão de várias tradições culturais”, explica o professor.

Ala da exposição Grandes Mestres da Arte Popular Ibero-Americana: resgate da herança cultural que forma a nossa identidade. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Ala da mostra Grandes Mestres da Arte Popular Ibero-Americana: herança cultural. Foto: Beto Moussalli/Fiesp


As mais de 2.300 peças, de cerca de 600 artistas da América Latina, Espanha e Portugal, foram reunidas em parceria com o Fomento Cultural Banamex, do México. E chamam atenção não só pela quantidade, mas também pela diversidade de materiais, estilos e técnicas usadas.

As preferidas de Rodrigues são as obras que refletem as culturas pré-colombianas, vindas do México, Peru e Bolívia, além do Brasil. Nesses trabalhos, o professor destaca as cores e a qualidade técnica, segundo ele uma das principais diferenças entre o artesanato que encontramos em feiras e as obras que são selecionadas para estar em uma galeria de arte, por exemplo.

“Objetos que incorporam a complexidade das técnicas ancestrais, uma herança cultural, valores simbólicos tradicionais e ainda buscam a beleza para além de sua função utilitária, são objetos de arte”, afirma o professor, que admite ser polêmica a distinção entre arte popular e artesanato.

Peças de diferentes países compõem a mostra: cores e qualidade técnica destacadas. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Peças de diferentes países compõem a mostra: cores e qualidade técnica destacadas. Foto: Beto Moussalli/Fiesp


No Brasil, de acordo com Rodrigues, existem diversas iniciativas que colaboraram com a revitalização da arte popular. Como resultado, hoje podemos afirmar que há “uma preocupação sistemática com a arte popular e, sobretudo, em mostrá-la e divulgá-la, apoiando os nossos artistas”, explica.

Rodrigues: após analisar a exposição, “insistência” para que os alunos visitem a mostra. Foto: Arquivo Pessoal

Rodrigues: após analisar a exposição, “insistência” para que os alunos visitem a mostra. Foto: Arquivo Pessoal

Nesse ponto, o professor ressalta o papel da Fiesp e do Sesi-SP, que não só promovem a exposição, mas “têm impulsionado iniciativas para aproximar designers e artesãos e qualificar seus objetos sem, no entanto, interferir e transgredir os fundamentos de suas tradições e herança cultural.”

Do conjunto de obras expostas, o especialista destaca os objetos de cerâmica e os têxteis, “modalidades muito características da América Latina, com maior variedade de exemplos e que preservam mais claramente as tradições indígenas.”

Concluída a sua visita, Rodrigues elogia a exposição. E promete reforçar a recomendação aos seus alunos. “Estou insistindo para eles virem” afirma o professor, que só lamenta o espaço da galeria não ser maior.

Serviço

Exposição Grandes Mestres da Arte Popular Ibero-Americana
Local: Galeria de Arte do Sesi-SP, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso (Av. Paulista, 1.313, em frente à estação Trianon-Masp do Metrô).
Período expositivo: De 15 de outubro de 2013 a 19 de janeiro de 2014 – Diariamente, das 10h às 20h.
Classificação indicativa: Livre
Informações: (11) 3146-7405 e 7406
Agendamentos de grupos e escolas: (11) 3146-7396, de segunda a sexta, das 10h às 13h e das 14h às 17h.
Entrada gratuita.
Espaços com acessibilidade.

Exposição “Nelson Leirner 2011-1961 = 50 anos” vence 8º Prêmio Bravo! de Cultura

Agência Indusnet Fiesp

A exposição Nelson Leirner 2011-1961 = 50 anos, promovida pelo Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) de 6 de setembro a 6 de novembro de 2011, foi a vencedora do 8º Prêmio Bravo! de Cultura na categoria Melhor Exposição.

A premiação, que contempla as áreas artísticas acompanhadas pela revista entre agosto de 2011 a julho de 2012, aconteceu na noite desta terça-feira (30/10), no Auditório Ibirapuera, em São Paulo. Com Lázaro Ramos como mestre de cerimônias, o evento reuniu várias personalidades, entre elas o cineasta Abbas Kiarostami e o ator Juca de Oliveira.


Serviço

Ao completar 80 anos, Nelson Leirner ganhou uma retrospectiva de seus 50 anos de carreira, na Galeria de Arte do Sesi-SP, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso.

A mostra dividiu a trajetória do artista em três fases, desde a mais convencional, com pinturas e desenhos, até a mais experimental, com intervenções e o uso de objetos em suas obras – passando pelo período do ensino da arte e da compreensão do espaço pedagógico como extensão de seu trabalho artístico.

Reconhecimento

O Prêmio Bravo! de Cultura reconhece e homenageia os melhores artistas da produção cultural do país nas áreas de artes visuais, cinema, teatro, dança, literatura, música popular e erudita.

Para chegar aos finalistas, a redação da Bravo! forma comissões julgadoras compostas por artistas, críticos, jornalistas e estudiosos que elegem os vencedores em 11 categorias. Nesta edição, os jurados convidados para a escolha da Melhor Exposição foram Bruno Moreschi, Mario Gioia e Rodolpho Parigi.

Leia mais

Maior exposição de fotos da cena britânica estreia na Galeria de Arte do Sesi-SP dia 25/09

Danusa Etcheverria, Agência Indusnet Fiesp

A Galeria de Arte do Sesi-SP, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, apresenta de 25 de setembro a 25 de novembro de 2012 a exposição Observadores: fotógrafos da cena britânica desde 1930 até hoje. Parceria entre o Sesi-SP e o British Council, esta é a primeira e maior mostra já apresentada na América Latina que traça um perfil da fotografia britânica nos últimos 80 anos.

Exposição "Obervadores" - Humprey Spender - Open market - shoppers, 1937-1938

Humprey Spender - Open market - shoppers, 1937-1938

Com curadoria de João Kulcsár e Martin Caiger-Smith, a exibição cobre desde os novos rumos fotográficos, na década de 1930, até a fotografia contemporânea. São 240 imagens – selecionadas de acervos como TATE Gallery, National Portrait Gallery, British Council Collection, Arts Council Art Collection e Bolton Museum – de 36 fotógrafos que voltaram suas lentes para a cultura, os costumes e as pessoas da Grã-Bretanha.

A mostra é focada na tradição da prática documental presente na fotografia produzida no Reino Unido, e revela quase um século da cena britânica com imagens captadas no universo analógico e na era digital, retratando uma época que viu o nascimento da televisão, do cinema falado e da circulação em massa de jornais e revistas.

Os trabalhos exibidos vão desde a cena urbana até a alta sociedade, passando pelo realismo subversivo e corajoso da cultura de rua inglesa. Entre os influentes fotógrafos que assumiram uma postura voyer diante de seu próprio país, seja por nascimento ou longa estadia, estão Bill Brandt, Martin Parr, Wolfgang Tillman, Cecil Beaton, George Rodger, Richard Billingham, Derek Ridgers, Tony Ray-Jones, Daniel Meadows, Chris Killip, Paul Nash e Keith Arnatt.

Hábitos e costumes

Exposição "Obervadores" - Shirley Baker - Cheeky Young Graffiti artist, Manchester, 1967

Shirley Baker - Cheeky Young Graffiti artist, Manchester, 1967

A exposição teve seu título inspirado no projeto Mass Observation, criado em 1937 pelo antropólogo Tom Harrisson, pelo poeta Charles Madge e pelo cineasta Humphrey Jennings. A proposta foi examinar e documentar de forma antropológica como a classe trabalhadora inglesa vivia, por meio de seus hábitos e costumes.

No período entre guerras, os criadores do Mass Observation perceberam que havia uma diferença entre o que se conhecia e a vida real das pessoas comuns da Inglaterra.
Esse cenário foi uma oportunidade para artistas, antropólogos, sociólogos e artistas trabalharem juntos de forma criativa e desenvolverem a melhor forma de entender o que as pessoas, de fato, estavam fazendo na Grã-Bretanha.

Observadores: fotógrafos da cena britânica desde 1930 até hoje é uma parceria do Sesi-SP com o British Council e faz parte da temporada UK Season – programação de atividades culturais e educativas do Reino Unido no Brasil, que acontece de setembro de 2012 a março de 2013.

Serviço
Exposição: Observadores: fotógrafos da cena britânica desde 1930 até hoje
Local: Galeria de Arte do Sesi-SP – Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso
End.: Av. Paulista, 1313 (metrô Trianon-Masp)
Visitação: 25 de setembro a 25 de novembro de 2012
Datas e horários: segunda-feira, das 11h às 20h; terça a sábado, das 10h às 20h; e domingo, das 10h às 19h (entrada até 20 minutos antes do fechamento)
Agendamentos escolares e de grupos: de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h, pelo telefone (11) 3146-7439
Classificação indicativa: livre
Informações: (11) 3146-7405 e 7406
Entrada franca. O espaço tem acessibilidade
Leia mais

Prorrogada a exposição Nelson Leirner 2011-1961=50 anos

Agência Indusnet Fiesp

A mostra Nelson Leirner 2011-1961=50 anos, que reúne mais de 40 obras do irreverente artista Nelson Leirner, foi prorrogada até o dia 11 de dezembro de 2011. O público pode conferir a brilhante e controvertida trajetória de Leirner, gratuitamente, na Galeria de Arte do Sesi-SP.

A exposição é uma retrospectiva dos anos em que o artista reinou absoluto no meio da arte. Uma série que reúne as obras que o colocaram em posição de destaque na história cultural. A mostra inclui, ainda, monumental e inédita instalação “Um, nenhum e cem mil”, realizada ao longo dos últimos 15 anos.

Serviço
Exposição Nelson Leirner 2011-1961=50 anos
Local: Galeria de Arte do Sesi-SP – Av. Paulista, 1313, metrô Trianon-Masp
Datas e horários: até 11 de dezembro de 2011 – segunda-feira, das 11h às 20h; terça a sábado, das 10h às 20h; domingo, das 10h às 19h
Informações: (11) 3146-7405 / 3146-7406 / http://www.sesisp.org.br/cultura/
Entrada: franca
Recomendação etária: Livre
Agendamento de grupos: (11) 3146-7396 – de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h

Leia mais:

Acompanhe a programação cultural do Sesi-SP

Exposição Nelson Leiner 2011-1961=50 Anos retrata a trajetória do artista intermídia

Agência Indusnet Fiesp

Até 6 de novembro de 2011, a convite da Fiesp, Nelson Leirner repassa na Galeria de Arte do Sesi São Paulo a sua brilhante e controvertida trajetória. A mostra Nelson Leirner 2011-1961=50 anos apresenta, gratuitamente, a retrospectiva dos anos em que o artista reinou absoluto no meio da arte. Uma série que reúne as obras que o colocaram em posição de destaque na história da nossa arte. A exposição inclui, ainda, a monumental e inédita instalação Um, nenhum e cem mil, realizada ao longo dos últimos 15 anos.

Sua obra é considerada uma das mais provocativas na história da arte brasileira, com trabalhos iconoclastas, fundamentados no persistente desmantelamento da noção de arte, na crítica de seus processos e valores e, acima de tudo, na compreensão do seu caráter grandioso.

A exposição tem curadoria de Agnaldo Farias e abarca três momentos decisivos da trajetória de Leirner:

  • Os primeiros anos, quando o artista mesmo fazendo uso de suportes convencionais – pintura, pintura/objeto e desenho – alcança resultados;

  • A segunda fase, de meados de 1965 até 1994, quando alcança a maturidade sob a forma de obra polimórfica (troca a noção de criação pela de apropriação), realiza happenings, performances, intervenções em espaço público até trabalhos pautados na paródia do circuito artístico, passando por ensino da arte e a compreensão do espaço pedagógico como extensão de seu trabalho artístico;

  • A terceira fase, inaugurada com a mostra retrospectiva de 1994, sua primeira exposição do gênero, quando utiliza objetos industriais, materializadores do repertório infinito proporcionado pelas empresas comprometidas com o imaginário social, de crianças aos adultos, cuja devoção encontra um poderoso apoio em imagens e estatuetas.

Essa fase, em que o artista enxerga seu trabalho como um verdadeiro hobby, coroa-se com a realização da grande instalação Um, nenhum e cem mil, composta por objetos e trabalhos portáteis de toda sorte, a exemplo de colagens e intervenções gráficas realizadas sobre cartões postais, livros, revistas e tudo o mais que cai nas mãos do artista e o faz se sentir estimulado a acrescentar algo.

Serviço:
Exposição Nelson Leirner 2011-1961=50 anos

Local: Galeria de Arte do Sesi – Av. Paulista, 1313, metrô Trianon-Masp, Capital
Temporada: de 6 de setembro a 6 de novembro de 2011 – segunda-feira, das 11h às 20h; terça a sábado, das 10h às 20h; domingo, das 10h às 19h.
Informações: (11) 3146-7405 / 3146-7406 / www.sesisp.org.br/centrocultural
Entrada: franca
Recomendação etária: Livre
Agendamento de grupos: (11) 3146-7396 – de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h

Confira a programação completa do Centro Cultural Fiesp

Galeria de Arte do Sesi expõe A Arte na Mecânica do Movimento

Evelyne Lorenzetti, Agência Indusnet Fiesp

Entre 19 de abril e 30 de junho de 2011, a Galeria de Arte do Sesi-SP apresentará, gratuitamente, a exposição A Arte na mecânica do movimento. Pela primeira vez no Brasil, a mostra resulta de uma iniciativa do Sesi-SP em parceria com a Municipalidade de Sainte-Croix (Suíça), que compartilha a curadoria com o historiador Lucas Bittencourt.

A exposição está estruturada em três núcleos temáticos – História, Música e Autômatos –, por meio dos quais o público terá a oportunidade de conferir a vocação da cidade para a mecânica de precisão, bem como a passagem do trabalho artesanal para o trabalho industrial, materializados nas caixas de música e nos autômatos.

Serviço
Exposição A Arte na Mecânica do Movimento
Local: Galeria de Arte do Sesi-SP – Av. Paulista, 1313, metrô Trianon-Masp, Capital
Datas e horários: de 19 de abril a 26 de junho de 2011. Segunda-feira, das 11h às 20h. Terça-feira a sábado, das 10h às 20h. Domingo, das 10h às 19h.
Informações: (11) 3146-7405 / 3146-7406 / www.sesisp.org.br/centrocultural
Entrada: franca
Recomendação etária: Livre
Agendamento de grupos: (11) 3146-7396 – de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h.

Temporada da exposição As Construções de Brasília termina dia 30/1

Evelyne Lorenzetti, Agência Indusnet Fiesp

A exposição As Construções de Brasília, promovida pelo Sesi-SP e pelo Instituto Moreira Salles (IMS), foi prorrogada até 30 de janeiro de 2011.

Em cartaz desde setembro na Galeria de Arte do Sesi-SP, a mostra está aberta à visitação pública gratuita e conta com 140 fotografias do acervo do Instituto Moreira Salles, além de uma seleção de cerca de 60 obras de linguagens variadas, de artistas modernos e contemporâneos, que abordam a imagem da capital federal.

A coleção, com curadoria de Heloísa Espada, conjuga conteúdos de interesse histórico, estético e crítico. Organizada em dois núcleos, apresenta algumas das mais importantes fotografias sobre a construção e os primeiros anos da capital e, também, obras recentes que discutem os simbolismos de Brasília e a condição atual da arquitetura e do urbanismo contemporâneos.

Serviço
Exposição As construções de Brasília
Local: Galeria de Arte do Sesi-SP
Endereço: Av. Paulista, 1313 – metrô Trianon-Masp, Capital
Datas e horários: até 30/01/2011. Segunda-feira, das 11h às 20h. Terça a sábado, das 10h às 20h. Domingo, das 10h às 19h. Excepcionalmente neste final de ano, a Galeria fechará a partir das 18h do dia 30/12, reabrindo no domingo (2/01).
Informações: tels. (11) 3146-7405 / 7406 – site: www.sesisp.org.br/centrocultural
Entrada: franca
Recomendação etária: livre
Agendamento de grupos: tel. (11) 3146-7396, de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h.

Centro Cultural Fiesp: Em cartaz, a Mostra 1961 – A Arte Argentina na Encruzilhada: Informalismo e Nova Figuração

Um acervo de 53 peças – telas, colagens e esculturas – produzidas de 1959 a 1962, nove fotos e 16 catálogos de exposições do mesmo período, estará exposto gratuitamente na Galeria de Arte do Sesi até domingo (14).

O acervo, composto por produções de 25 artistas do movimento informalista, conta com nomes de artistas argentinos com intensa e influente produção no período, como Keneth Kemble, Luis Wells, Clorindo Testa, Antonio Berni, Nicolas Garcia Uriburu, Luis Felipe Noé, Ernesto Deira, Antonio Segui e Jorge de La Vega.Resultado de parceria entre a Associação de Amigos da Pinacoteca do Estado de São Paulo, o Museo Nacional de Bellas Artes – Buenos Aires, Argentina e o Sesi-SP para a viabilização do projeto, a mostra 1961 – A Arte Argentina na Encruzilhada: Informalismo e Nova Figuração reúne importantes obras de acervos particulares de colecionadores argentinos.

A mostra, que tem curadoria do crítico de arte portenho Roberto Amigo, está disposta em seis núcleos de obras: Abstrato, Matéria, Transição, Barbárie, Inferno e Síntese. Além destes, haverá mais dois módulos distintos: Destruição, em homenagem ao movimento homônimo e que apresentará nove fotos de bastidores da produção artística dos anos 60, e 1961 e Documentos, com 16 catálogos daquela época, de exposições em cartaz na Argentina e no Brasil.

Serviço:

Exposição: 1961 – A Arte Argentina na Encruzilhada: Informalismo e Nova Figuração

Local: Galeria de Arte do Sesi – Av. Paulista, 1313 – Metrô Trianon-Masp

Datas e horários: de 21 de março a 14 de junho – às segundas-feiras, das 11h às 20h, de terça-feira a sábado, das 10h às 20h, e aos domingos, das 10h às 19h.

Informações: tels. (11) 3146-7405 / 7406

Agendamento de grupos: de segunda-feira a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14 às 17h, pelo telefone (11) 3146-7396, com Leni

Entrada franca