File São Paulo 2018 celebra relação entre corpo e tecnologia

Agência Indusnet Fiesp

Considerado o mais importante evento de arte eletrônica da América Latina, o FILE (Festival Internacional de Linguagem Eletrônica) fica em cartaz no Centro Cultural Fiesp até 12 de agosto, com entrada gratuita. Aberto para o público nesta quarta-feira (4 de julho), ele aborda, em seu 19o ano, o paradoxo entre o físico e o virtual, representados pelo corpo e por realidades e sensações criadas por meio do uso da tecnologia. As possibilidades criadas a partir dessa simbiose formam o fio condutor da mostra, que faz, nesta edição, uma alusão a célebre frase de Marshall McLuhan, “O meio é a mensagem”, e adota como tema central “O corpo é a mensagem”.

Um dos mais reconhecidos méritos do FILE é sua capacidade de reunir obras de artistas que utilizam, com criatividade e pioneirismo, plataformas tecnológicas para construir poéticas que exploram os limites entre os mundos real e virtual e produzem sensações inusitadas.

De acordo com Ricardo Barreto e Paula Perissinotto, idealizadores e organizadores do FILE, “os artistas têm se apropriado, cada vez mais, das tecnologias geralmente usadas por outras disciplinas, como a medicina e a biologia. Por outro lado, do ponto de vista externo, o corpo humano vem enfrentando reações, paradoxos e alteridades no uso das tecnologias em óculos 3D, em que o corpo convive com duas realidades simultaneamente: a física e a virtual. Chamamos esta fusão de realidade mixada”.

Outrospecter” é um exemplo emblemático dessa tendência. A obra dos holandeses Frank Kolkman e Juuke Schoorl permite experimentar a sensação de flutuar fora do próprio corpo, situação que a ciência vem pesquisando em pacientes que se encontram no chamado “estado de quase morte”. Com o uso da realidade virtual, o projeto investiga questões não respondidas sobre a mortalidade e o fim da vida.

Além dela, são diversas as instalações que remetem à frase tema da exposição. “SyncDon II“, dos japoneses Akihito Ito e Issey Takahashi, por exemplo, induz a sincronização do batimento cardíaco de um usuário com o batimento de outro participante por meio de estímulos auditivos, táteis e visuais. A sincronização remete à comunicação humana primitiva, baseada em emoções e no ritmo circadiano.

Segundo Débora Viana, gerente executiva do Centro Cultural Fiesp, o FILE já se tornou um dos eventos mais aguardados do ano. “Cada edição é uma oportunidade única para o público entrar em contato com o que há de mais inovador no campo da tecnologia aliada à produção artística, não só do Brasil, como do mundo todo. É uma exposição para pessoas de todas as idades”, afirma.

Vicious Circle e Arabesque, instalações coreográficas do FILE. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Ao todo, o FILE 2018 reune mais de 240 trabalhos de artistas de 38 países – incluindo as instalações que ocuparão a Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp –, o FILE LED SHOW, projetado na Galeria de Arte Digital, instalada na fachada do prédio, e o FILE Online, nas categorias Animação, Games, Gif, Soudart, Videoart, Web e VR Quadros (acesso pelo site file.org.br).

Muitas das obras são interativas, já outras convidam à observação e à reflexão. Todos os trabalhos, porém, têm em comum um caráter instigador e inovador. Diferentemente de outras exposições em que o público aprecia as obras, o FILE precisa ser experimentado, sentido, explorado. E incitado pela magia da mistura da realidade física e virtual e da relação entre o corpo e a tecnologia, cada visitante acaba criando a sua própria realidade.

DESTAQUES

Com ineditismo e originalidade, Outrospecter, dos artistas holandeses Frank Kolkman e Juuke Shoori, é uma instalação que funde três realidades simultaneamente: a física, a virtual e a robótica. Na obra, é possível provar da sensação de estar fora do próprio corpo. Há um deslocamento espaço-psicológico da própria existência em um mundo multidimensional.

Do alemão Peter William Holden, as obras Vicious Circle (Círculo Vicioso) e Arabesque são instalações coreográficas inspiradas nos dois possíveis fins da robótica: a guerra e a paz. O visitante poderá ver a dança de fragmentos de corpos robóticos sob a música bélica e marcial inspirada em A Dança dos Cavaleiros, do compositor russo Serguei Prokofiev, ou sob o compasso ternário das valsas de Johann Strauss, em um prazeroso sentido circular.

Unlimited Corridor (Corredor Infinito), do japonês Keigo Matsumoto, permite que os visitantes vivenciem uma situação inédita e paradoxal entre a realidade física e a virtual, em que se caminha em um espaço circular guiado pelo tato, mas se tem a sensação de andar em um corredor reto, estreito e infinito.

Objective Realities (Realidades Objetivas), criada pelo projeto coletivo de design e pesquisa automato.farm, baseado em Xangai e formado por Simone Rebaudengo, Matthieu Cherubini, Asad Datta e Lorenzo Romagnoli, é uma experiência em realidade virtual que muda a perspectiva de um ponto de vista do corpo humano para a do corpo de um objeto. Aqui, pessoas assumem uma vida centrada no objeto e interagem entre si dentro de uma mesma casa virtual. Depois de “vestir-se” um dos objetos, o participante pode varrer o chão como um robô de limpeza, soprar coisas na casa como um ventilador ou passar de uma tomada para outra por fios elétricos. Este trabalho foi inspirado nas obras do escritor de ficção científica, Bruce Sterling.

Outro experimento de realidade virtual (VR) é The New Body (O Corpo Novo), criado pelo Estúdio APVIS, da Holanda, no qual o animador Demian Albers e o artista Jack Timmermans estudam a dança de uma forma disruptiva (que rompe com os padrões e tecnologias já estabelecidos). Nesta obra, ao contrário do que dançarinos de todo o mundo fazem, o público pode modificar um corpo humano virtual para assim construir uma nova coreografia. Dessa forma há uma inversão inédita e radical, já que não se trata de fazer uma coreografia para o corpo dos bailarinos.

FILE LED SHOW 2018

A Galeria de Arte Digital do Centro Cultural Fiesp, plataforma de LED de 3.700 m² instalada na fachada do prédio da Fiesp e do Sesi, recebe uma programação especial, das 19h às 6h. Com curadoria de Fernanda Almeida, o FILE LED Show 2018 apresenta a mostra “Combate e colaboração”, que visa compreender a relação humana com os diversos programas existentes. Serão exibidas seis obras que abordam questões que permeiam sistemas digitais, tais como suas estruturas subjacentes e a capacidade de produzir padrões, variações e restaurações. A autonomia desses sistemas pode ser compreendida como metáfora para a liberdade de ação relativa aos diversos aparelhos e programas técnicos, políticos e culturais. Destaque para as obras brasileiras Lugares do Invisível (Anna’s Hummingbird), de Lucas Morais, e Float (Flutuar), de Frê Vidovix.

A exposição apresenta ainda outras três mostras na Galeria de Arte Digital, frutos de parcerias com centros internacionais de formação de jovens artistas: o Departamento de Artes Digitais do Instituto Pratt, de Nova York, a Universidade Americana de Sharjah e a Universidade de Nova York Abu Dhabi. Ao todo, as quatro mostras reúnem 25 obras de artistas do Brasil e do exterior.

Dentro da Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp, o FILE LED Show 2018 também exibe um apanhado do seu arquivo de videoarte, com obras das três últimas edições, em uma instalação produzida por Felix Beck e Barkin Simsek, da Universidade de Nova York Abu Dhabi.

Para mais informações sobre a programação completa, acesse o site www.centroculturalfiesp.com.br.

SOBRE O FILE

Desde 2000 o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (FILE) tem promovido espaços de exposição e discussão das formas de apropriação das tecnologias eletrônicas e digitais no âmbito artístico. Com concepção, organização, pesquisa e curadoria dos artistas Ricardo Barreto e Paula Perissinotto, as exposições convidam o público para experimentar a mescla da arte eletrônica com arte contemporânea. Realizado anualmente em São Paulo desde 2000, e no Rio de Janeiro desde 2006, o Festival já aconteceu nas cidades de Porto Alegre, Curitiba e Belo Horizonte, somando 48 exposições realizadas no Brasil. A mostra é realizada no Centro Cultural Fiesp desde 2004.

Serviço:

FILE São Paulo 2018

Local: Centro Cultural Fiesp (Avenida Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)

Período: 4 de julho (quarta-feira) a 12 de agosto (domingo) de 2018

Horários: de terça-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos, das 10h às 20h

Classificação indicativa: livre para todos os públicos

Entrada grátis. Agendamentos escolares e de grupos pelo e-mail ccfagendamentos@sesisp.org.br

Mais informações: www.centroculturalfiesp.com.br e www.file.org.br.

Obra digital inspirada em jogo de Atari conscientiza sobre segurança no trânsito

Raisa Scandovieri, Agência Indusnet Fiesp

Dois jogadores precisam atravessar uma avenida cheia de carros, ônibus, motos e bicicletas virtuais, enquanto tentam ajudar outros personagens do jogo a chegar ao outro lado em segurança. Pode parecer mera brincadeira, mas a proposta da obra digital Street Crosser, que estreia na Galeria de Arte Digital do Centro Cultural Fiesp (fachada do prédio da Fiesp e do Sesi-SP) no dia 19 de maio, é levar o público a refletir sobre os hábitos no trânsito.

Até 31 de maio, de terça a domingo, das 20h às 22h, a Galeria servirá como um telão digital de mais de 3 mil m² para os participantes tentarem completar a missão, por meio de tablets disponibilizados para a interação na alameda das Flores (travessa para pedestres, que fica do outro lado da avenida Paulista). Cada partida dura de 30 a 90 segundos.

Criada pelos coletivos internacionais NOOBWARE e NUTONE, a obra interativa busca no clássico jogo de Atari Frogger a inspiração para tratar de uma forma diferente os índices de acidentes no trânsito em São Paulo – segundo dados do Observatório Nacional de Segurança Viária somam-se mais de 6.500 óbitos em acidentes de trânsito em 2013.

A programação integra o movimento Maio Amarelo, que discute ações para melhorar a segurança no trânsito. Nesse sentido, a obra-jogo é uma crítica à falta de segurança nas travessias e cruzamentos em vários pontos da cidade, além de um apelo para que pedestres e motoristas evitem acidentes.

Mais informações: www.centroculturalfiesp.com.br

Representação de Street Crosser na Galeria de Arte Digital do Centro Cultural Fiesp

 

Muito mais do que uma fachada

Primeira e maior galeria de arte digital a céu aberto da América Latina, a Galeria de Arte Digital é um imenso painel de LED composto por 26.241 mil clusters (cada um formado por quatro lâmpadas), instalados nos 3.700 m² da estrutura metálica que reveste a fachada do prédio da Fiesp e do Sesi São Paulo. Esse dispositivo elétrico de baixo consumo possibilita a formação de até 4,3 bilhões de combinações de cores. Desde sua criação, em 2012, já foi placo de mais de 15 mostras de sucesso e conquistou espaço entre os ícones culturais da cidade, além de se tornar uma referência para a arte digital.

Sobre os coletivos NOOBWARE e NUTONE

Com base atual na Espanha, ambos os coletivos se juntaram especialmente para o desenvolvimento do projeto Street Crosser. Provenientes de diversos países, seus membros têm experiência nas áreas de design, entretenimento, desenvolvimento de jogos, rich media (anúncio que conta com recursos avançados, como vídeo e áudio, para estimular a interação dos espectadores com o conteúdo), multimídia e arte digital.

Sobre o jogo Frogger

Criado em 1981 como um fliperama, no ano seguinte foi transportado para o Atari 2600 e se tornou um dos jogos mais famosos do console. A proposta é que o jogador controle um pequeno sapo que deve atravessar a tela. A cada nível, cenários diferentes exigem que o jogador desvie de objetos em movimento ou passe por cima deles, sem encostar na água.

Sobre o Maio Amarelo

Maio Amarelo é um movimento de conscientização social sobre o alto índice mundial de mortos e feridos no trânsito. Pauta constante nas discussões entre autoridades nacionais e internacionais, a segurança viária também recebeu atenção especial por parte da Organização das Nações Unidas (ONU), que em maio de 2011 definiu o período de 2011 a 2020 como a “Década de Ações para a Segurança no Trânsito”. A escolha da cor amarela para marcar o movimento é inspirada no conjunto semafórico, no qual o amarelo significa “atenção” e “cautela”.

Serviço:

Street Crosser

Exibição: diariamente, de 19 de 31 de maio

Interatividade: terça a domingo, das 20h às 22h (alameda das Flores – travessa para pedestres da avenida Paulista); das 22h às 6h serão exibidas vinhetas animadas da obra.

Local: Galeria de Arte Digital (fachada do prédio da Fiesp e do Sesi-SP – Av. Paulista,1313)

Grátis. Classificação indicativa livre

Telefone: 3146-7439

Mais informações: www.centroculturalfiesp.com.br

Realidade virtual e arte interativa desafiam a percepção do público na Galeria de Arte Digital Sesi-SP

Raísa Scandovieri, Agência Indusnet Fiesp

Com a proposta comum de lançar um olhar mais atento para aspectos pouco evidentes da cidade de São Paulo, a mostra digital Vestígios Paulistanos – Poética da Metrópole Distraída traz quatro projetos inéditos para a experimentação do público na Galeria de Arte Digital Sesi-SP. As obras desenvolvidas por artistas brasileiros e britânicos especialmente para a maior plataforma de arte digital da América Latina estarão em cartaz entre os dias 30 de setembro e 15 de novembro de 2016.

Ouvir e sentir na pele o pulsar da cidade, ser transportado para lugares inusitados por meio de óculos de realidade virtual, ver seus próprios vídeos em uma enorme tela em plena avenida Paulista. Tudo isso poderá ser feito na alameda das Flores (travessa para pedestres de frente à fachada do prédio), todos os dias, das 20h até as 22h. Depois desse período, das 22h às 6h, serão reproduzidas na fachada as versões em vídeo de interações ocorridas anteriormente.

Além das obras, a programação da mostra conta ainda com um circuito de workshops e debates gratuitos com os artistas brasileiros. As inscrições para o primeiro workshop, sobre Arte Generativa, começam dia 3 de outubro pelo site www.sesisp.org.br/galeriadigital/workshop.

Para Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Sesi-SP, “só se constrói uma sociedade independente e democrática promovendo o acesso de todos ao que de fato faz a diferença: o conhecimento. Por isso, ao investir em diferentes formas de arte e cultura, o Sesi-SP reforça a convicção de que o conhecimento pode vir de pequenos detalhes, em alguns ‘vestígios’, que só o olhar atento do artista é capaz de revelar”.

As obras

Dividing Lines (Marshmallow Laser Feast – MLF)

Pela primeira vez no Brasil, o coletivo de arte londrino Marshmallow Laser Feast (MLF) desenvolveu ao longo de duas semanas um projeto inédito em colaboração com 13 artistas locais, a convite do Sesi-SP e da organização internacional British Council.

Durante a residência artística, concluída em março, o grupo saiu desbravando os bairros de São Paulo para encontrar e registrar alguns locais que representassem “linhas divisórias”, mas com um detalhe: o mapeamento dos ambientes foi feito com o Lidar Scanner. O dispositivo de escaneamento panorâmico mapeia o ambiente ao seu redor em 360º e o recria no computador em uma versão de imagem tridimensional e imersiva.

Todas as imagens foram processadas em duas placas de vídeo de alta performance NVIDIA GeForce GTX 1080, cedidas pela A NVIDIA, empresa referência em processadores gráficos para games e computação acelerada por GPUs, além de softwares de realidade virtual, inteligência artificial, visualização profissional entre outros.

Como estrangeiros recém-chegados, os integrantes do MLF precisaram da ajuda dos brasileiros selecionados para encontrar esses pontos de divisão. “Quando você olha a cidade de uma perspectiva externa como a nossa, a cultura é diferente, a cidade é cheia de contrastes que não conhecemos”, explica um dos diretores do MLF, Barney Steel. “Procuramos lugares que representassem esse contraste cultural, a riqueza com a pobreza, a natureza com o concreto, e isso só foi possível com a ajuda dos brasileiros que vivem aqui. Esse é o ponto principal do que buscamos nessa troca com os artistas locais”, completa Steel.

Outro diferencial do trabalho é o uso dos óculos de realidade virtual, o Oculus Rift, para colocar os visitantes da mostra dentro desses cenários incrementados pelos sons captados in loco. A experiência promete mexer com os sentidos e com a percepção do público por meio da imersão na realidade virtual 3D. Também será disponibilizado ao público um par de Google Cardboards (outro tipo de óculos de realidade virtual) com fotos em 360º tiradas pelos participantes durante a produção do projeto.

Fragmentos (Lucas Lespier e Marcelo Nogueira)

O público será convidado a colaborar com a obra enviando vídeos de 5 a 15 segundos com imagens da Avenida Paulista, para o site do projeto (www.fragmentosvp.com.br). Os artistas farão uma seleção semanal de alguns vídeos para serem processados por um programa de computador. O resultado dessa obra de arte generativa, ou seja, aquela criada pelo público, pelos artistas e pela máquina (o software) ao mesmo tempo, será então projetada na Galeria, dando nova dimensão e destaque a pequenos padrões do cenário urbano.

Para o editor e documentarista Lucas Lespier nada é melhor para instigar um novo olhar, do que a questão da participação. “As pessoas se entenderão como autoras ao compartilharem seus cliques, já que a obra será uma combinação de visões pessoais e únicas da cidade, mas nunca um trabalho de uma pessoa só”, comenta o artista.

Zonas de Indiscernibilidade (Alessandra Bochio, Felipe Merker Castellani e Fernando Falci de Souza)

A instalação interativa é composta por quatro painéis sensíveis aos movimentos e vibrações do coração financeiro de São Paulo. As imagens e sons serão processados e reproduzidos em tempo real na fachada do prédio da FIESP e do Sesi-SP. Ao mesmo tempo em que modifica a paisagem do entorno, a obra se torna uma interface para a criação de materiais audiovisuais, dando uma proporção enorme aos pequenos gestos e sons do público.

A artista Alessandra Bochio explica que a obra traz como uma de suas referências os ‘Penetráveis’ de Hélio Oiticica, com suas grandes estruturas criadas para que as pessoas pudessem entrar e assim constituir uma outra relação com o espaço circundante. “A ideia desse trabalho é justamente trazer elementos que modifiquem a relação cotidiana das pessoas com a cidade, proporcionando outras experiências a partir do seu contato com a obra”, comenta Alessandra.

Contemplação do Invisível, parte da mostra Vestígios Paulistanos. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Contemplação do Invisível (Clássicos de Calçada)

O projeto audiovisual reativo do casal de artistas DeCo Nascimento e Tatiana Travisani, busca captar e revelar a energia eletromagnética gerada pelos telefones celulares, redes wi-fi e antenas dos edifícios nos arredores da Avenida Paulista.

As imagens sofrerão interferências de acordo com a quantidade de energia eletromagnética captada, que também será direcionada para um banco instalado na Alameda das Flores. Quem for conferir, poderá sentir essa presença eletromagnética no corpo. A ideia é trazer para o campo sensorial, algo que está o tempo todo em ação, mas que quase nunca é percebido no dia a dia dos paulistanos.

Segundo Tatiana, a proposta está ligada à ideia de que ‘não se deve dormir com a cabeça perto do celular”. “Ninguém sabe bem o porquê disso, mas dentro da física quântica já foi provado que qualquer raio que interfira nas partículas próximas a ele, acarreta transformações físicas, então alguma consequência essa energia tem”, explica ela, “a gente quis trazer essa discussão de uma maneira poética”.

A Galeria de Arte Digital Sesi-SP

É a maior galeria de arte digital a céu aberto da América Latina, um imenso painel de LED composto por 26.241 mil clusters, cada um formado por 4 lâmpadas. Todos os clusters estão instalados em 3.700 m² da estrutura metálica que reveste o prédio da FIESP e do Sesi-SP na Avenida Paulista. Pioneira desde 2012, ao longo de sua existência a plataforma já foi palco de 14 mostras de sucesso e conquistou espaço entre os ícones de São Paulo, além de se tornar uma referência na arte digital.

O Marshmallow Laser Feast (MLF)

Formado por Eleanor Whitley (produtora), Robin McNicholas (co-fundador e diretor), Barney Steel (co-fundador e diretor) e Ersinhan Ersin (diretor de criação e tecnologia), o Marshmallow Laser Feast é um estúdio criativo londrino que explora a tecnologia na criação de projetos que reinterpretam a ideia da percepção humana. Entre seus trabalhos anteriores, o MLF desenvolveu um projeto para a banda irlandesa U2, que pode ser visto no clipe da música Invisible (https://vimeo.com/101504851).

A NVIDIA

É uma empresa de tecnologia computacional pioneira em computação acelerada por placas de vídeo. Ela tem como alvo os usuários mais exigentes — jogadores, designers e cientistas — com produtos, serviços e software que potencializam experiências incríveis em realidade virtual, inteligência artificial, visualização profissional e carros autônomos. Mais informações no site http://www.nvidia.com.br/object/newsroom-br.html.

Serviço:

Vestígios Paulistanos – Poética da Metrópole Distraída

Local: Galeria de Arte Digital Sesi-SP (Av. Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)

Período: 30 de setembro a 15 de novembro de 2016

Interação com as obras (Alameda das Flores): diariamente, das 20h às 22h

Obras em vídeo: das 22h às 6h

Gratuito. Mais informações http://www.sesisp.org.br/galeriadigital

Workshop Softwares de Arte Generativa – com Lucas Lespier e Marcelo Nogueira

Período: 10 de outubro, das 18h às 22h

Local: Espaço Mezanino do Sesi-SP (Avenida Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)

Capacidade: 15 Vagas

Inscrições: a partir de 3 de outubro pelo site www.sesisp.org.br/galeriadigital/workshop

Gratuito – Para participar, é necessário trazer computador próprio.

Workshop Construções Audiovisuais: Experimentação e Criação em Tempo Real – com Alessandra Bochio e Felipe Merker Castellani

Período: de 25 a 28 de outubro, das 14h às 18h

Local: Espaço Mezanino do Sesi-SP (Avenida Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)

Capacidade: 15 Vagas

Inscrições: a partir de 17 de outubro pelo site www.sesisp.org.br/galeriadigital/workshop

Gratuito – Para participar, é necessário trazer computador próprio.

Workshop Work in Progress de Integração Audiovisual em Tempo Real – com Clássicos de Calçada

Período: de 9 a 11 de novembro, das 14h às 18h

Local: Espaço Mezanino do Sesi-SP (Avenida Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)

Capacidade: 15 Vagas

Inscrições: a partir de 1º de novembro pelo site www.sesisp.org.br/galeriadigital/workshop

Gratuito – Para participar, é necessário trazer computador próprio.

Bate-papo com os artistas

Componentes da mesa: DeCo Nascimento, Tatiana Travisani, Alessandra Bochio, Felipe Merker Castellani, Fernando Falci de Souza, Lucas Lespier e Marcelo Nogueira

Data e horário: 4 de novembro, das 15h às 17h

Local: Espaço Mezanino Sesi-SP (Avenida Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)

Vagas: 50

Inscrições: a partir de 27 de outubro

Gratuito. Mais informações em www.sesisp.org.br/galeriadigital/workshop.

Galeria de Arte Digital do Sesi-SP apresenta a 2ª edição da mostra Play

Agência Indusnet

Em 2013, a primeira edição da mostra de arte digital Play! foi um sucesso. A fachada externa do edifício Fiesp/Sesi se tornou um videogame gigante e as enormes filas para jogar que se formaram, na avenida Paulista, repercutiram até na imprensa internacional.

A partir do dia 7 de abril, e até 4 de maio, o sucesso deve se repetir com a segunda edição da mostra, que abrirá a temporada 2014 da Galeria de Arte Digital Sesi-SP.

A mostra Play! trata de criatividade, interatividade e design, abordando a influência dos videogames na formação da cultura contemporânea. Afinal, não é à toa que o assunto games é um dos mais populares na internet atualmente.

Pensando nisso, a mostra pretende elevar o valor cultural do vídeo e dos jogos interativos para uma forma de arte, propondo que a noção de “jogar” se torne uma ferramenta para intensificar a experiência cidadã e ainda, estimular o uso qualificado do espaço público.

A segunda edição da mostra Play! começa dia 07 de abril na Galeria de Arte Digital do Sesi-SP. Foto: Divulgação

A edição 2014 reúne três obras interativas, três obras visuais e um show audiovisual de artistas nacionais e internacionais. Os sete participantes criativos têm, como dever artístico, abordar temas sociais e de políticas públicas. Os convidados a imaginar novas formas de jogos que possam ser colocados nas mãos dos participantes.

Com o uso de smartphones e tecnologia móvel, a Play!2014 levanta a questão de como seria o desenvolvimento dos jogos se o usuário estivesse mais domínio na execução dos mesmos.

A interação do público é gratuita e por ordem de chegada. A grande novidade deste ano é que a alameda das Flores – do outro lado da avenida Paulista, em frente ao edifício sede da Fiesp/Sesi – será preenchida com uma espaço de interação. Em uma estrutura semelhante a um container, os monitores da mostra orientarão os jogadores, que podem competir entre si ou contra o tempo, dependendo do jogo.

Confira todas as informações sobre a mostra no site do Sesi-SP Cultura: www.sesisp.org.br/cultura.

Para saber mais sobre a Galeria de Arte Digital, clique aqui.

Serviço:

Mostra Play!
Data: de 7 de abril a 4 de maio
Local: Galeria de Arte Digital Sesi-SP – Avenida Paulista, 1313
Gratuito 

Sesi-SP oferece oficinas gratuitas de arte multimídia na capital paulista

Agência Indusnet Fiesp

O Serviço Social da Indústria em São Paulo (Sesi-SP) vai realizar dois workshops sobre criação digital em telas urbanas multimídias.

A primeira oficina será nos dias 5 e 6 de novembro e a segunda de 18 a 22 de novembro deste ano, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso. Os artistas brasileiros Paloma Oliveira e Matheus Knelsen  e o dinamarquês Rune Madsen serão os professores das aulas prática e experiências com o universo digital.

A programação faz parte da mostra de mídia facade SP_Urban Digital Festival, que acontece, a partir do dia 4 de novembro, na Galeria de Arte Digital do Sesi-SP, sob a curadoria de Marilia Pasculi e da dinamarquesa Tanya Toft.

As obras visuais e interativas serão exibidas até 28 de novembro na plataforma de LED instalada na faixada do prédio da Fiesp, na avenida Paulista. Nesta edição desembarcam em São Paulo os principais artistas mundiais da cena multimídia como o norte-americano James George, o inglês Julian Opie e o coletivo internacional United VJs, que atua na Europa e na América do Sul.

Programação das oficinas

No workshop (Des)Visualização de identidades, os artistas Paloma Oliveira e Matheus Knelsen abordarão questões sobre identidade na contemporaneidade da globalização, do copy-paste e do pós-humano.

Partindo da figura do rosto e da criação de máscaras, os participantes serão convidados a desenvolver códigos com uma câmera de vídeo, trabalhando a visualização e “desvisualização” de suas próprias identidades, mesclando-as com a de seus colegas. Com a criação de códigos integrados à câmera de vídeo, as oficinas serão nos dias 5 e 6 de novembro, das 19h às 22h no Espaço Mezanino e na Sala de Ensaios no edifício da Fiesp.

Nos dias 18 a 22 novembro, o inglês Rune Madsen vai conduzir as experiência do workshop Espetáculo ou estética: um panorama sobre o pensamento crítico na arte interativa. O workshop oferece embasamento teórico e prático, no qual os participantes são orientados a desenvolver programação para obras interativas inspiradas pelos programas de computação generativa. A oficina também será no Espaço Mezanino.

Para saber mais sobre todas as oficinas, clique aqui.

Workshops SP_Urban Digital Festival – 2a edição
Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso
Av. Paulista, 1313, Bela Vista, São Paulo/SP
Facebook: SPUrbanDigitalFestival
Twitter: @spurban
Instagram: @spurban
#spurban

 

Veja também: O que é e tudo que já rolou na Galeria de Arte Digital do Sesi-SP

Galeria de Arte Digital Sesi-SP recebe exposição interativa Vivacidade: Poéticas Socioambientais

Agência Indusnet Fiesp

Simulação de uma das imagens da exposição 'Vivacidade'.

A Galeria de Arte Digital do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) apresenta, de 12 a 30 de setembro, a mostra de arte digital “Vivacidades: Poéticas Socioambientais”. As obras visuais e interativas serão exibidas na plataforma de LED instalada na parte externa do prédio da Fiesp e do Sesi-SP, na avenida Paulista.

O projeto tem curadoria de Marília Pasculli, da Verve Cultural, e seu objetivo é provocar nas pessoas a reflexão sobre a relação de suas vidas nas metrópoles e os fenômenos naturais, como o fluxo dos mares, a força dos ventos e as mudanças climáticas. A mostra pretende traduzir esta questão para uma linguagem digital e universal, que irá captar a atenção de quem passa pelo coração de São Paulo.

A busca do equilíbrio entre as forças da natureza e o papel do homem em um ecossistema em constante mutação é o ponto de partida das obras dos artistas nacionais e internacionais que fazem parte da exposição. A partir de diferentes óticas, eles analisarão quais são os desafios e as questões urgentes para melhorar a qualidade de vida dos habitantes de uma megalópole como São Paulo. Os artistas visuais dialogarão sobre o consumo desmedido dos recursos naturais pelo homem e sua interferência nas relações socioambientais.

Ao todo serão seis obras digitais criadas, exclusivamente, para tornar a fachada do edifício mais icônico da avenida Paulista um canal de informação e contemplação. As relações de interação com público se estabelecem pela interpretação de dados climáticos, ambientais e por meio do uso de interfaces que exploram as linguagens artístico-estéticas, tais como tablets, celulares, mesa de interação tangível e leitores RFID (como o cartão de transporte público, por exemplo).

Grade de Programação

12 a 30 de setembro 
20h às 22h – Obras interativas, alterando em 10 minutos cada
Open Enviroment – Late!
Waterdrops – Music Thecnologic Group (Carles F. Juliá, Daniel Gallardo e Sebastián Mealla)
SCSD – Nina Valkanona & Mortiz Behrens

22h às 23:30h – Obras  de visualização de dados e em vídeo

In the Air – Neréa Calvillo & Martin Nadal
SP Reflections – Tecné Collective
Mimesis – memeLab + Grão

23:30h ás 06:00 – Todas as obras  transmitidas anteriormente em formato de vídeo (loop)

Pela primeira vez, Galeria de Arte Digital Sesi-SP vai fazer parte do File

Agência Indusnet Fiesp 

Inaugurada no fim de 2012, a Galeria de Arte Digital do Sesi-SP, localizada na fachada do prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), estará, pela primeira vez, no Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File), evento de arte e tecnologia que começa no próxima terça-feira (23/07).

No gigantesco painel de LED, de 3.700 m², será apresentado o File Led Show, trabalho inédito e interativo do grupo francês 1024 architecture, dos artistas Pierre Schneider & François Wunshel. Da Avenida Paulista, os visitantes poderão mudar as imagens do painel, por meio da voz, falando ou cantando.

O File Led Show fica em exposição até o dia 11 de agosto.

Para saber mais sobre o File 2013, só conferir a programação no site do Sesi–SP Cultura.

File Led Show na fachada do prédio da Fiesp na avenida Paulista. Foto: Divulgação

 

Galeria de Arte Digital Sesi-SP

Em uma iniciativa pioneira do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), o edifício da sede da Fiesp se tornou, desde o final de 2012, uma galeria de arte digital a céu aberto. Inaugurado em 1979 e localizado no epicentro cultural de São Paulo, o prédio com imponente fachada piramidal abriga a Galeria de Arte Digital Sesi-SP, um presente para a cidade de São Paulo

A fachada do prédio tornou-se a primeira galeria de arte digital nesse formato da América Latina. A plataforma eletrônica é formada pela instalação de 26 mil clufsters de LED (light emitting code), que juntas formam um pixel.

O projeto foi idealizado pela produtora Verve Cultural e adotado pelo Sesi-SP e a inauguração da galeria aconteceu com a mostra SP_Urban Digital Festival, em dezembro de 2012.

Serviço

File LED Show
Local: Fachada do prédio da Fiesp (Av. Paulista, 1313)
Data e horário: de 23 de julho a 11 de agosto, diariamente das 20h às 22h (obras interativas) e das 22h às 6h (obras não interativas)
Livre para todos os públicos

Mostra digital ‘Play!’, dedicada ao mundo dos games, começa a ser exibida dia 25 de março

Agência Indusnet Fiesp 

Quem passar pela avenida Paulista, a partir desta segunda-feira (25/03) será convidado a relembrar os jogos clássicos das décadas de 1970 e 1980 e também a jogar em dupla em um videogame gigante (3 mil metros quadrados) instalado na fachada do prédio da Fiesp.

A mostra reúne seis trabalhos de consagrados criadores de videogames — Alberto Zanella, Andrei Thomaz, Suzete Venturelli e as equipes Midialab-UnB (Brasil), Les Liens Invisibles (Itália), Lummo (Espanha) e Mark Essen (Estados Unidos) —, obras inteiramente engajadas no contexto sociocultural das grandes metrópoles, sendo três delas interativas, jogos executáveis, e três configuradas em vídeo.

As grandes imagens que serão visualizadas na fachada do prédio são criadas  por 100 mil lâmpadas de LEDs,  uma cadeia elétrica que possibilita a transmissão de até 4,3 bilhões de combinações de cores.

A partir de Play!, a galeria passa a exibir não apenas obras digitais, mas abre espaço para a interação com o público.

O visitante encontra vários traços da história dos videogames, o jogo de corrida, a estética do atirador, a navegação do labirinto, a dicotomia do ganhar e perder e a visão com perspectiva em terceira pessoa.

A exposição interativa acontece de 25/03 a 07/04, das 20h às 22h, com monitores disponíveis das 19h30 às 22h30. Das 22h às 5h haverá exibição de obras e vídeos.

Clique aqui para conferir a programação completa da mostra.

Acompanhe e compartilhe a mostra Play! nas redes sociais utilizando a hashtag #SesiSPDigital.

Galeria de Arte Digital Sesi-SP

Em uma iniciativa pioneira do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), o edifício da sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) se tornou, desde o final de 2012, uma galeria de arte digital a céu aberto. Inaugurado em 1979 e localizado no epicentro cultural de São Paulo, o prédio com imponente fachada piramidal abriga a Galeria de Arte Digital Sesi-SP, um presente para a cidade de São Paulo

A fachada do prédio tornou-se a primeira galeria de arte digital nesse formato da América Latina. A plataforma eletrônica é formada pela instalação de 26 mil clufsters de LED (light emitting code), que juntas formam um pixel. Esta cadeia elétrica possibilitará a transmissão de

O projeto foi idealizado pela produtora Verve Cultural e adotado pelo Sesi-SP e a inauguração da galeria aconteceu com a mostra SP_Urban Digital Festival, em dezembro de 2012.

Fiesp e Sesi-SP abrem suas fanpages para fotos amadoras da Galeria Digital

Agência Indusnet Fiesp

Um dos principais cartões postais paulistanos, o prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) é desde segunda-feira (03/12) um espaço inédito e permanente de arte digital para exibição de obras visuais a céu aberto: a Galeria de Arte Digital do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP).

Estimulando ainda mais a interação do público, a Fiesp e o Sesi-SP abrem aos interessados a possibilidade de compartilhar suas fotos desse presente das entidades para a cidade de São Paulo.

Para participar, basta enviar a foto da exibição, visível das calçadas na fachada principal da Avenida Paulista entre 20h e seis da manhã.

Todo dia, será selecionada uma foto, que será publicada nas fanpages da Fiesp e do Sesi Cultura– a foto deve ser enviada via e-mail (galeriadigital@fiesp.org.br), no limite de até 3MB, com nome, profissão/atividade, idade e cidade (ou bairro, para quem é do município de São Paulo).

A iniciativa, que não envolve nenhum tipo de premiação, prossegue até o dia 20/12, podendo ser prorrogada no mês seguinte.

A Galeria de Arte Digital é um presente da Fiesp e do Sesi-SP para São Paulo.

Paulo Skaf recebe governador da Província de Buenos Aires

Agência Indusnet Fiesp

Skaf e Scioli durante troca de presentes. Foto: Junior Ruiz

Depois de encontro durante a 18ª Conferência Industrial da Argentina, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, recebeu na tarde desta quinta-feira (06/12) o governador da Província de Buenos Aires, Daniel Scioli.

Scioli veio acompanhado de comitiva para reuniões com empresas brasileiras.

Na sequência, a Fiesp ofereceu um jantar ao governador com a presença de empresários argentinos e brasileiros. No final, Skaf convidou a todos para ver a Galeria de Arte Digital exposta na fachada do prédio da Fiesp, onde, em homenagem à comitiva, acenderam-se milhares luzes reproduzindo a bandeira argentina.

Paulo Skaf recebe o governador da Província de Buenos Aires, Daniel Scioli. Foto: Junior Ruiz

Paulo Skaf e Daniel Scioli conferem a iluminação especial na fachada do prédio da Fiesp: bandeira argentina

Fiesp e Sesi-SP publicam anúncio nos jornais para divulgar Galeria de Arte Digital

Agência Indusnet Fiesp

Edições dos jornais Estado de S. Paulo (caderno principal) e Folha de S.Paulo (caderno Ilustrada) trazem anúncios de página inteira sobre a Galeria de Arte Digital, presente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) que tem abertura na noite desta segunda-feira (03/12).

A galeria funcionará de 20h às 6h, no prédio onde localizam-se as sedes das instituições, na Avenida Paulista, 1313.

Com 26.241 mil clusters, cada um formado por quatro lâmpada de LED, instalados em 3.700 m² da estrutura metálica que reveste o prédio da Fiesp, o novo espaço cultural transmitirá até 4,3 bilhões de combinações de cores. A inauguração é também a primeira edição do SP_Urban Digital Festival, com curadoria da brasileira Marília Pasculli e da alemã Susa Pop.

Durante o festival que será realizado até o final de dezembro, todas as noites das 20h às 6h, o edifício icônico da avenida Paulista será uma grande tela urbana de novas formas de expressão de arte digital.

Veja o anúncio: