Troféu José Finkel: estrutura do Sesi-SP oferecida a atletas supera expectativas

Edgar Marcel, Agência Indusnet Fiesp

O suporte dado aos nadadores que competem no Troféu José Finkel 2012, no complexo aquático do Sesi-SP, na Vila Leopoldina, é um show à parte. Além dos organizados espaços para o público acompanhar as competições, nas quadras poliesportivas, foram montadas tendas para o preparo e descanso dos atletas.

“Lá tem tudo o que eles precisam: massagistas, fisioterapeutas, piscina de gelo, frutas, água. O pessoal que voltou recentemente da Olimpíada de Londres elogiou muito, é um estrutura de primeiro mundo”, afirmou Fernando Possenti, técnico de natação do Sesi-SP.

Essa é também a opinião do fisioterapeuta do Clube de Regatas Flamengo (RJ), Raldrei Natividade. “Há muito tempo não víamos uma estrutura assim, com conforto e espaço para trabalharmos”, observou, destacando que a área destinada a atletas e comissão técnica ajudou a promover interação entre as equipes, que trocaram experiências e informações. “O Sesi-SP está de parabéns, a logística foi o mais importante, pois todas as equipes estão felizes”, completou.

Segundo o fisioterapeuta, apesar de todos os times conviverem nas tendas durante o torneio, não há espaço para rivalidade. “A rivalidade aqui não existe, ela só aparece dentro d’água. Aliás, uns incentivam os outros, pois todos fazem parte de uma equipe chamada Brasil”.

Correspondência

A visão de Miguel Carlos Cagnoni sobre o evento vai na mesma direção. O presidente da Federação Aquática Paulista (FPA) elogiou o Sesi-SP ao dizer que a entidade “não mediu esforços para oferecer um equipamento [complexo aquático] de ponta”.

“A ótima estrutura proporcionada pelo Sesi-SP foi muito importante para receber um campeonato como esse. Geralmente, o atleta ou o técnico reclamam de quase tudo em competições com piscinas novas, e aqui eu não ouvi queixa nenhuma”, declarou o dirigente, que acredita que a boa organização aliada ao equipamento adequado como um todo ajudou nos resultados.

“Alguns recordes importantes foram quebrados aqui e muitos índices para campeonato mundial foram conquistados. Então, está tudo correspondendo”, analisou Cagnoni.

No encalço

A nadadora juvenil do Sesi-SP, Gabriele Lima e Silva, de 16 anos, participou na tarde desta quinta-feira (23/08) da final dos 50 metros costas, disputando com experientes nadadoras bem mais velhas do que ela. Gabriele, a mais nova entre as atletas, ficou em 8º lugar, com o tempo de 29s70.

“Foi muito bom representar o Sesi-SP nessa prova, e manhã [sexta-feira] cedo tenho outras duas: 50 metros borboleta e 100 metros costas. Quero ver se consigo ir a mais uma final. À tarde, participo do revezamento 4×100 livre”, disse ao sair da piscina, com um sorriso ofegante no rosto.

Leia mais