Presidente da BG: ‘Queremos nos tornar o segundo maior produtor de gás e óleo no Brasil’

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Nelson Silva, presidente da BG Brasil, companhia integrada de gás natural que atua na exploração e produção de hidrocarbonetos em mais de 25 países, participou do encerramento 13º Encontro Internacional de Energia da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), nessa terça-feira (07/08), no painel “O futuro do petróleo e do gás natural no Brasil e no mundo” e falou da importância do Brasil para a BG.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539873531

Nelson Silva, pres. BG Brasil: 'o mercado vai crescer substancialmente em termos de demanda de gás'

Segundo Silva, o Brasil representa, atualmente, 3% da produção total, mas a expectativa de crescimento para 2020 é que o Brasil chegue a representar 35% do total. “Queremos nos tornar o segundo maior produtor de gás e óleo no Brasil”, afirmou.

“Nós temos tido muito sucesso na área de exploração e parte disso tem a ver com nosso sucesso no Brasil”, disse o presidente da BG Brasil.

Sobre demanda de gás em bilhões de metros cúbicos por ano, Nelson Silva alertou que “o mercado vai crescer substancialmente em termos de demanda de gás” e afirmou que a China lidera o crescimento da demanda, seguida pelo Oriente Médio e África. A Europa, Rússia e Ásia Central não devem ter muita variação até 2020.

Os países onde mais devem crescer a demanda mundial de gás são China, Índia, Coreia do Sul e Japão – este último por conta da substituição da geração de energia por termoelétricas, consequência do terremoto que deve reduzir em parte a produção de energia elétrica nuclear.

“Existe uma necessidade de uma oferta adicional até 2020 de 2,4 trilhões de metros cúbicos de gás para fazer frente a essa demanda crescente que se espera”, alertou.

A perspectiva de oferta para 2020, de acordo com a análise do presidente, é que irá se produzir menos GNL em função dos projetos que existem em operação e construção.

Segundo o Silva, esse desalinhamento que existe entre oferta e demanda de GNL poderá colocar pressões nos preços e, portanto, não se espera uma queda de preços nesse período.