Mais experiente e preparado, Sesi-SP quer título inédito no Polo Aquático

Agência Indusnet Fiesp

Em 2013 o time ficou no quase. Ao chegar em sua primeira final de Liga Nacional, a equipe de Polo Aquático do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) acabou derrotada pelo Fluminense em jogo equilibrado, em que a experiência da equipe carioca pesou. Agora, em 2014, o cenário é diferente.

Para a final da Liga Nacional contra o Esporte Clube Pinheiros, neste sábado (13/12), na Vila Leopoldina, às 19h15, o time entra na piscina com outro perfil. Bicampeão paulista, a equipe de André Avallone acumulou experiência, resultados, deu mais “cancha” aos jogadores e chega a sua segunda final de Liga Nacional bem mais preparada e consciente do que deve ser feito, segundo o próprio treinador.

“O time entra muito mais experiente. No ano passado, eu e muitos jogadores disputávamos nossa primeira final de Liga. Agora a gente já sabe como será o ambiente, como vai funcionar, já sabemos como é a dor de barriga. O time está pronto desde a semifinal. Diminuimos um pouco o ritmo de treino agora, mas estudei todos os vídeos do Pinheiros e sabemos o que devemos fazer”, disse Avallone, que joga o favoritismo para o outro lado e não espera nenhuma surpresa na partida. Pelo menos pelo lado dos rivais.

“O favorito e mais experiente é o Pinheiros. Terminaram em primeiro, só perderam um jogo e tem um time de jogadores estrangeiros, mais velhos, de seleção. Eles têm cinco ou seis na seleção brasileira e nós só temos um. Estudei bem o jogo deles. Lógico que pode pintar alguma surpresa, mas eles também não vão jogar debaixo d’água. E eu também posso colocar algumas surpresas”.

Nos confrontos diretos, realizados nos primeiros turnos do torneio, o Pinheiros levou a melhor nos dois jogos sobre o Sesi-SP, ao vencer pelos placares de 15 a 13 e 13 a 11. Porém, a equipe da Vila Leopoldina tem o vice-artilheiro da competição, Gustavo Grummy, com 49 gols. O atacante da touca nº 11 é uma das maiores esperanças de título do Sesi-SP. Para Grummy, o que importa é jogar bola e confiar no taco do time, sem perder a cabeça ou se desesperar

“Precisamos ter tranquilidade e saber das responsabilidades de cada um. Como foi no Paulista. Não importa o placar, se estiver bom ou ruim, o foco é o mesmo e não pode parar de jogar”, disse o atacante, que também considera o rival favorito para o jogo.

“O Pinheiros é favorito pelo histórico. São três títulos da liga, então a bomba está do lado de lá”. O Sesi-SP tem sua responsabilidade, mas na final a pressão fica na cabeça. É entrar na água e jogar o seu melhor”. Além de Grummy, Tony Azevedo e Marcelo Chagas estão confimados no Sesi-SP. Avallone não quis adiantar se Rudá Franco joga.

O jogo de sábado será logo após a decisão do terceiro lugar, entre Fluminense e Paulistano, às 18h. A entrada é gratuita.

Passado, presente e futuro: jogadores do Sesi-SP encaram final com histórias diferentes

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp 

Sandro, Lucão e Lucarelli, três titulares do Sesi-SP terão sensações diferentes no próximo domingo, 13, quando o time do Serviço Social da Indústria de São Paulo fará a final da Superliga Masculina 2013-2014 contra o Sada Cruzeiro, no Ginásio do Mineirinho, às 10h. Para o capitão Sandro, o jogo será um déjà vu, em que espera o mesmo resultado. Para Lucão, será a reprise da final da última temporada, quando jogava pelo RJX e foi campeão. Lucarelli estará em sua primeira decisão de Superliga, após anos chegando bem perto e vendo-a escapar nos últimos pontos.

Equipe do Sesi-SP campeã da Superliga Masculina 2010/2011. Foto: Divulgação/Fiesp

 

Mais experiente em tempo de Sesi-SP, Sandro estava na final de 2010-2011, no mesmo ginásio e contra o mesmo adversário do próximo domingo. Naquele jogo, o Sesi-SP foi campeão pela primeira vez – e única até aqui – da Superliga, ao vencer os mineiros por 3 sets a 1 (25/19, 19/25, 27/25, 25/17). O camisa 5 ainda não era o capitão (a função cabia a Murilo), mas liderou o time com jogadas rápidas que minaram a defesa do Cruzeiro. Para Sandro, apesar das coincidências, o jogo é completamente diferente. Mas fará de tudo para o resultado final se repetir.

“É tudo diferente. É outro ano, as equipes mudaram, se reforçaram para melhor e será uma grande final. Vamos trabalhar muito duro essa semana pensando no jogo. É o mesmo adversário, a mesma final, o mesmo lugar, mas é outro jogo. E temos que entrar muito bem para conquistar esse título no Mineirinho, um templo do voleibol, que terá casa cheia, onde a torcida rival será maioria”, disse o capitão do time, que garante estar muito motivado para o jogo, e admitiu que sentia saudades de uma decisão como essa.

“É muito bom (voltar a jogar a final). A gente trabalha o ano todo pensando nesse momento e na chance de conquistar um título desse. Não tem motivação maior do que jogar no Mineirinho lotado, contra um grande adversário, e aí está. Chegou a hora de matar a saudade da final. Agora é trabalhar muito forte para conquistar o título, que é o grande objetivo”.

Campeão na última temporada, quando foi apontado como o melhor jogador da Superliga, o central Lucão tem fresco na memória o confronto que decidiu o campeonato, quando ainda atuava pelo RJX e conquistou o título sobre o Sada, no Maracanãzinho. Para ele, o Sesi-SP precisa entrar forte e concentrado, mas com calma e sem afobação.

“Contra eles é um jogo de paciência. No ano passado, entramos muito afobados e tomamos uma surra no primeiro set. Depois, quando pensamos o jogo, tivemos resultado. Tem que entrar com vontade, com garra, manter um ritmo intenso, mas com paciência para conseguir enfrentar o time deles”.

Lucão não quis saber de “missão cumprida” por chegar à final. Para o craque, o Sesi-SP foi montado para vencer e a missão só será finalizada em caso de título.

“O Sesi-SP foi montado para ser campeão, então essa é a nossa missão. Tivemos muito problemas na Superliga por lesões. Perdemos o Evandro num momento extremamente importante. O Renan teve um papel fundamental e segurou a bronca quando mais precisamos dele. Foi assim que o time foi montado, pensando no coletivo. Não importa quem entra ou sai, a equipe mantém a regularidade. E agora é trabalhar na semana. A final é um jogo só, é do time que estiver melhor, mas, com certeza, o Sesi-SP fará de tudo para estar melhor”.

A experiência de Lucão e Sandro contrasta com o debutante em final Lucarelli. O jovem de carreira meteórica no voleibol brasileiro disputará sua primeira decisão de Superliga e logo no seu estado natal. E Lucarelli já deixou claro que embora tenha uma semana inteira antes do jogo, a cabeça já está agitada com a partida do próximo domingo.

“Vai ser uma semana intensa! É a minha primeira final. Bati três vezes na trave e agora finalmente consegui. E isso foi graças ao time, que ajudou demais. Nós somos muito unidos e trabalhamos muito bem juntos. Na semifinal (contra o Campinas), conseguimos reverter os dois sets ruins que fizemos e vencemos bem, no tiebreak, jogando juntos. Agora é estudar o Sada, que é uma equipe fenomenal, e se preparar, pois vai ser um jogão”, afirmou o ponteiro, que terá a chance de ser campeão pela primeira vez jogando diante dos familiares.

“Espero que todos compareçam. Vou chamar todo mundo e será um momento muito feliz para mim. Imagina, disputar a minha primeira final no meu estado natal. Vou fazer o máximo para dar de presente para todo mundo esse título”, concluiu.

A equipe do Sesi-SP treinará nesta terça-feira (08/04) na Vila Leopoldina e segue para Belo Horizonte na quarta-feira (09/04) à tarde. A partir de quinta (10/04), os treinos já serão realizados na capital mineira. A final será domingo (13/04), às 10h, com transmissão da TV Globo.

Sesi-SP conta com entrosamento afinado de Sandro e Renan para garantir vaga na final

Agência Indusnet Fiesp

O time do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) tem neste sábado, às 9h30, no ginásio do Taquaral, em Campinas, mais uma disputa contra o Vôlei Brasil Kirin pela vaga na finalíssima da Superliga Masculina de Vôlei. Em caso de vitória da equipe da Vila Leopoldina, a série se encerra. Caso o Campinas vença, uma terceira partida será disputada nesta segunda-feira, às 18h30, na Vila Leopoldina. Na outra chave, o Sada Cruzeiro já se garantiu na decisão após vencer as duas partidas contra o Vivo Minas. A final da Superliga será domingo, 13/04, em Belo Horizonte.

O SESI-SP estava completo e pronto para a disputa dos playoffs da Superliga Masculina 2013/2014. Mas o azar bateu nas portas da Vila Leopoldina e, no primeiro jogo das quartas-de-final, contra o São Bernardo, o oposto Evandro se machucou e deu adeus à competição.

A missão de ser o “desafogo” do levantador Sandro passou para o gigante Renan, de 2,17m, que respondeu muito bem e manteve o nível. Na segunda partida contra o time do ABC paulista, vitória do Sesi-SP por 3×1 e Renan fez 12 pontos. Na primeira semifinal contra o Vôlei Brasil Kirin, a dupla funcionou de novo e Renan desceu mais 11 bolas nas quadras rivais.

O canhoto da camisa 1 reconhece um pouco de dificuldade no início, mas comemorou as semanas de treino e hoje já se sente bem mais acertado com Sandro.

“O entrosamento foi bem difícil no começo, ao entrar no meio do jogo [primeiro playoff diante do São Bernardo, nas quartas de final] em que o Evandro lesionou. As duas últimas semanas foram bem intensas no trabalho de acerto de bola. Recebi muitas bolas durante os treinos para a gente se entrosar mesmo, para afinar bem os detalhes. No último jogo foi bem melhor. Já estou bem mais acostumado com a bola do Sandro”, disse Renan, que só ficou atrás de Lucarelli na pontuação das duas últimas partidas.

O outro lado da jogada também gostou do tempo que o time ganhou para treinar e se ajustar com seu “novo” atacante. Para Sandro, só com treino para acertar tudo, e todo tempo disponível deve ser utilizado.

“Sempre tem coisa para se ajustar. O Renan está entrando, teve uma semana de treinamento com a equipe titular, foi bem no último jogo e ajudou bastante. Temos tempo bom para ajustar esses detalhes, continuar trabalhando nossas virtudes e chegar bem para o segundo jogo em Campinas”, apontou o capitão.

Para o técnico Marcos Pacheco, o cenário não é simples e passa por uma adaptação dos dois lados. Também elogiando os 10 dias de treinos até a segunda partida, Pacheco só ressaltou que a intensidade precisaria aumentar para os dois. E o foi exatamente o que a equipe fez.

“Botamos intensidade e treinamos forte para que o time tenha cada vez mais sincronismo, para que a relação Sandro/Renan melhore. Era um destro na posição (Evandro) e entrou um canhoto. Para o levantador não é fácil. Parece que é fácil, mas não é. Mudaram o timing e a velocidade de bola, e isso precisa de treino. E agora, finalmente, estamos tendo tempo para treinar”

Sesi-SP está na grande final da Superliga de Vôlei

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Duas equipes e um sonho: a conquista, inédita, do título da Superliga  Masculina de Voleibol. Dos 15 times que iniciaram a competição, os finalistas Sesi-SP e Sada Cruzeiro garantiram, pela primeira vez, uma vaga para disputa da final do campeonato nacional, considerado um dos torneios de voleibol mais fortes e equilibrados do mundo.

Emoção e garra, certamente, não faltarão neste duelo que acontecerá domingo (24), às 10h, no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte. Partida terá transmissão, ao vivo, pelos canais Rede Globo, Sportv e Esporte Interativo. Já os internautas podem conferir os principais lances do jogo no Twitter do Sesi Esporte.

Melhor time da fase classificatória, o Sesi-SP venceu a equipe mineira nos dois confrontos da primeira etapa do campeonato, pelo placar de 3 sets a 2 e 3 sets a 1, respectivamente.

“O Sada é uma equipe forte, que chegou à final com méritos, batendo dois times de altíssimo nível, como Pinheiros e Vôlei Futuro, jogando um vôlei de qualidade, com muito volume. É um adversário perigoso, que merece o nosso respeito”, disse o técnico Giovane Gávio.

O técnico do Sada Cruzeiro, Marcelo Mendez, enfatizou a qualidade técnica da equipe do Sesi-SP e o desafio de enfrentar atletas que compõem a base da seleção brasileira:

“O Sesi é uma equipe fantástica. Tem jogadores estrangeiros, campeões olímpicos e mundiais. Acho que vai ser um jogo igual. A base da Seleção Brasileira vai estar em quadra. Quem quiser vencer o jogo vai ter que suar muito”, afirmou o treinador.

Ingressos

Estão esgotadas as entradas para final da Superliga Masculina de Voleibol. O jogo será realizado no dia 24 de abril, às 10h, no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte, com transmissão ao vivo pelos canais Rede Globo, SporTV e Esporte Interativo.

Leia mais:

Acompanhe todas as notícias do Sesi-SP na Superliga Masculina de Voleibol