Vencedores do Acelera Startup são recebidos pelo presidente da Fiesp

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Os vencedores do Acelera Startup, uma das atividades mais disputadas do Festival de Empreendedorismo (Festemp), realizado nos dias 25 e 26 de setembro, no Anhembi, na capital paulista, foram convidados de honra do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, para reunião e almoço nesta segunda-feira (04/11), na sede da entidade, em São Paulo. Além dos campeões, estiveram presentes ainda o diretor titular do Comitê de Jovens Empreendedores  (CJE), responsável pela organização do Acelera e do Festemp, Sylvio Gomide, e investidores interessados nos projetos das empresas selecionadas.

O Acelera Startup teve 300 projetos selecionados pelos membros do CJE da Fiesp. Desses, os dez melhores tiveram a chance de vender seu negócio a uma banca de investidores por meio do formato “elevator pitch”, ou seja, de forma rápida, no tempo de uma conversa de elevador.

Primeiros colocados da disputa, os empreendedores Sérgio de Andrade Coutinho Filho e Satoru Narita, sócios da Sayyou Brasil, de São Paulo, comemoravam a conquista de um quarto investidor interessado no projeto de sua empresa: a capina elétrica. Trata-se de uma peça que, acoplada ao trator, capina o campo sem o uso de outro tipo de energia além da própria energia mecânica vinda do movimento do veículo. “O encontro na Fiesp foi muito bom, trabalhamos com um produto inovador”, disse Narita. “Só temos a agradecer à Fiesp por esse trabalho fantástico, que incluiu ainda dicas e orientações do próprio Paulo Skaf”, explicou Coutinho Filho.

Skaf (ao centro) em encontro com os vencedores do Acelera Starup e investidores. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Skaf (ao centro) em encontro com os vencedores do Acelera Starup e investidores. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp


De acordo com o sócio da Sayyou Brasil, o presidente da Fiesp ajudou na definição do modelo de negócios da empresa. “O Skaf deu dicas ótimas de como levar adiante um trabalho contínuo dentro do nosso projeto”, afirmou Coutinho Filho.

Inteligência e diferenciais

Co-fundador da Contatix, do Rio de Janeiro, empresa idealizadora do software de mesmo nome,  desenvolvido para aumentar a produtividade das companhias que trabalham com vendas diretas, Erwin Getzel era outro a destacar a maior visibilidade do seu negócio com a conquista do terceiro lugar no Acelera. “Foi muito importante ter participado, estamos sendo bem assediados”, disse. “Trabalhamos com o objetivo de melhorar as técnicas de vendas e dar suporte de inteligência para o setor de venda direta”, explicou.

O Contatix também ajuda na comunicação com os clientes, identificando oportunidades nas redes sociais, por exemplo. Entre outros diferenciais. Nesse ponto, segundo Getzel, o encontro com o presidente da Fiesp foi esclarecedor. “O Skaf tem uma técnica muito boa de pinçar os diferenciais de cada empresa”, contou.

Volta ao mundo

Sócio da Kidu, de São Paulo, José Luiz Aliperti Jr explicou que o quarto lugar no Acelera Startup já abriu muitas portas para o projeto da empresa, um sistema educacional que oferece aos professores temas e propostas de estratégias para trabalhar esses conteúdos em sala de aula. “A partir da temática da volta ao mundo, por exemplo, sugerimos que os professores desenvolvam atividades como textos sobre para qual lugar os alunos querem ir ou como calcular a distância de um lugar para o outro”, afirmou.

Aliperti Jr disse ainda que a empresa vai apresentar a sua ideia para a rede de ensino do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP). “É difícil encontrar empreendedores preparados e investidores que não estejam receosos”, disse. “Por isso é tão importante que existam iniciativas como o Acelera”.

Esse trabalho de aproximação de empreendedores e investidores também foi destacado pelo o diretor titular do CJE. “A terceira edição do Acelera foi excelente, só tivemos projetos bons”, disse Sylvio Gomide. “Os resultados já aconteceram in loco, no Anhembi, quando muitos contatos foram feitos e muitos investidores se identificaram com os projetos das empresas”.

De acordo com Gomide, é motivo de “orgulho” trazer o tema do investimento-anjo para a Fiesp. Ou seja, aquele feito diretamente, de forma mais prática. Um trabalho que, segundo ele, só vai ganhar força na próxima edição do Acelera, prevista para março de 2014.

Investidores

Atento às oportunidades e projetos das empresas vencedoras da disputa, o sócio-gestor da Performa Investimentos, Humberto Matsuda, disse que “todas as ideias apresentadas eram interessantes”. “Foi muito bom ter tido acesso a esse grupo de empreendedores tão qualificados”, afirmou. “Isso sem falar que, antes das ideias e das empresas, estão as pessoas por trás delas”.

Segundo Matsuda, o evento da Fiesp confirma a “fé no empreendedor brasileiro”. “Existe um gargalo de cultura empreendedora no Brasil”, explicou.

Outro investidor que não economizou contatos foi Adalberto Brandão, da Health Interactive, de desenvolvimento de negócios na área de saúde. Ele também foi um dos jurados do Acelera no Festemp. “O encontro desta segunda-feira (04/11) muito produtivo”, disse. “Mas desde a seleção já tinha percebido que os projetos apresentados eram muito qualificados”.

Na mira de Brandão, há um “entendimento” com a Can Game, do Recife, Pernambuco, segunda colocada na disputa. A empresa criou um software para ajudar no desenvolvimento de crianças com autismo. “Trabalhar junto com os empreendedores é a nossa vocação”.

Vencedores do Acelera Startup comemoram disputa e começam a ser procurados por investidores

Giovanna Maradei e Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Uma capina elétrica, um software para ajudar na inclusão social de crianças autistas e um programa para estimular as vendas diretas foram os vencedores do Acelera Startup, uma das atividades mais disputadas do Festival de Empreendedorismo (Festemp), realizado nos dias 25 e 26 de setembro, no Anhembi, na capital paulista.

A iniciativa teve 300 projetos selecionados pelos membros do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Desses, os dez melhores tiveram a chance de vender seu negócio a uma banca de investidores por meio do formato “elevator pitch”, ou seja, de forma rápida, no tempo de uma conversa de elevador. Vencido o desafio, os campeões já colhem os frutos de seu trabalho. E começam a conversar com investidores.

Primeira colocada na disputa, a Sayyou Brasil está começando as suas operações agora e atualmente tem quatro sócios e quatro funcionários, com sede na capital paulista. A empresa desenvolveu um equipamento chamado capina elétrica. Do que se trata? De uma peça que, acoplada ao trator, capina o campo sem o uso de outro tipo de energia além da própria energia mecânica vinda do movimento do veículo. “É uma alternativa ao uso de produtos químicos para a capina”, explica Sérgio de Andrade Coutinho Filho, um dos sócios-diretores da Sayyou. “Uma alternativa limpa e com custo reduzido”, diz ele.

Paulo Skaf com os vencedores do Acelera Startup, no Anhembi, em setembro. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Paulo Skaf com os vencedores do Acelera Startup, no Anhembi, em setembro. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


Para o empreendedor, fez toda a diferença ter participado do Acelera. “Não esperávamos ganhar, vimos muitos projetos bons na seleção”, diz. “Já fomos procurados por investidores interessados na nossa ideia e estamos conversando com alguns fundos de investimento”.

Lá do Recife

O projeto que ficou em segundo lugar no Acelera do Festemp surgiu durante pesquisa para uma dissertação de mestrado no Centro de Estudos Avançados do Recife (Cesar), na capital pernambucana. Foi quando o responsável pela iniciativa, Eraldo Guerra, começou a pensar no desenvolvimento de um software que ajudasse crianças autistas a se desenvolverem, o Can Game. “Acho que não escolhi o tema, mas o tema me escolheu, não foi nada premeditado”, diz. “Entre tantos temas, foi o autismo que me conquistou”.

Guerra explica que o programa foi desenvolvido por meio de uma proposta interdisciplinar voltada para alunos do ensino médio. “É muito bom empreender algo que possa beneficiar a sociedade”, explica.

Sobre a participação no Acelera, o empreendedor diz que essa foi uma experiência “única”. “Fiz excelentes contatos, aprendi bastante e espero ter projetos todos os anos para participar do evento”, afirma. “Valeu a pena cada momento, mesmo que o ar condicionado estivesse tão forte”, brinca.

Depois da vitória, Guerra explica que já existem interessados “colaborando de alguma forma”. “Acredito que em um espaço curto de tempo iremos atingir os nossos objetivos”.

Para vender mais

Terceiro colocado no Acelera, o Contatix consiste num software desenvolvido para aumentar a produtividade das empresas que trabalham com vendas diretas, por sinal um setor de atuação muito forte no Brasil. A iniciativa ajuda na comunicação com os clientes, identificando oportunidades nas redes sociais, por exemplo.

A ideia é oferecer um sistema simples, que possa ser usado pelo maior número possível de usuários. Segundo informações da empresa, o objetivo principal é ser simples o suficiente para que qualquer pessoa possa usar e poderoso o suficiente para que grandes usuários possam extrair o melhor da solução.

No último dia do Festemp (26/09), as três empresas vencedoras receberam os cumprimentos do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, no Anhembi.

‘Se você quer salvar o mundo, antes precisa salvar a si mesmo’, diz o vietnamita Thai Nghia, no Festemp

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

O vietnamita Thai Nghia encantou a plateia com sua história de vida no auditório do Festival de Empreendedorismo (Festemp) durante toda a tarde desta quinta-feira (26/09). O evento reuniu empreendedores que apresentaram seus cases, ocasião em que o criador da Goóc mostrou como suas experiências pessoais resultaram no sucesso da sua empresa.

O Festemp é realizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem da Indústria de São Paulo (Senai-SP) no Anhembi, na capital paulista.

Filho caçula de uma família de boas condições no Vietnã, Nghia nunca se conformou com o regime imposto em seu país, o que motivou sua necessidade de fugir.

E o destino trouxe Thai para o Brasil. Ele e outros fugitivos do Vietnã foram resgatados por um navio petroleiro brasileiro e acabaram no Rio de Janeiro “em pleno Carnaval”. “Cheguei em 1979 na Cidade Maravilhosa, mas o Brasil não tinha preparação nenhuma para receber os estrangeiros, integrá-los na sociedade”, contou. “Ficamos na favela e meses depois fomos para São Paulo, para morar em um albergue.”

Segundo o empreendedor, “só depois que começou a cair a ficha”. “Eu tinha 21 anos, era filhinho de papai, nunca tinha trabalhado, não tinha uma profissão. O que fazer da minha vida? Não conhecia ninguém, não sabia para onde ir, não encontrava ninguém que falava minha língua”, lembrou. “Mas foi quando eu pensei: estou na Praça da Sé, em terra firme, não vou afundar como no alto-mar”, contou. “Procurei livros para aprender português e só encontrei um dicionário francês-português. Foi o primeiro caminho.”

Thai Nghia: chegada ao Brasil em pleno Carnaval carioca, em 1979. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Thai Nghia: chegada ao Brasil no Rio de Janeiro, em pleno Carnaval, em 1979. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Aos poucos, ele foi colocando em prática seus objetivos: se comunicar, se sustentar, estudar – consegui até realizar o sonho de estudar na Universidade de  de São Paulo (USP )– e ter seu primeiro emprego. Trabalhando em um banco, seu primeiro plano foi tornar-se um executivo. Mas, quando percebeu que era um objetivo que não se realizaria tão rápido, o espírito empreendedor começou a aparecer.

Bolsas da 25 de Março

Começou vendendo bolsas da 25 de Março em bairros próximos da USP, onde estudava. Em duas semanas, vendeu tudo. “Mas as coisas não são foram tão simples assim. Quando trabalhava no banco, tinha carro, podia ir para a praia, ir para a balada”, disse. “Quando comecei meu próprio negócio, não tem mais balada, nem praia, nem nada. Meu apartamento passou a ser estoque de tecido. Com a inflação alta, precisava comprar e estocar ”, contou o empresário.

Thai aproveitou para aconselhar o público a não “dormir com o inimigo”, ou seja, não deixar que outras pessoas o tirem do caminho. “A gente tem que ser determinado. Se não, a pessoa vai demarcar nosso território e você deixa sua vida pela decisão do outro.”

A inspiração para criar a Goóc surgiu em uma visita que ele fez ao Vietnã. “Vi uma sandália usada no Vietnã feita com câmara de caminhão. As pessoas montam essa sandálias e vão para luta”, disse. “Para mim, ela  é símbolo da resistência”, comentou. “O meu país passou por muitos ataques e problemas, mas continua resistindo.”

Para ele, no caso da  Goóc, a mensagem é mais importante do que o produto. “O produto acaba, é volátil, o que importa é levar o conceito”, explicou o empresário, que concluiu apresentando as mensagens principais de seus produtos.

“Ecologia, preservação das raízes e superação. Uma tem tudo a ver com a outra. Se você quer salvar o mundo, antes precisa salvar a si mesmo”, explicou. “Aguente os problemas da vida. Reclame cinco minutos e depois volte a trabalhar, a fazer as coisas”, alertou.

E isso não é tudo. “Depois, proteja as pessoas ao seu redor, a sua família, as pessoas que você ama, a sua cultura, as suas raízes. Goóc significa raízes. Isso é sustentabilidade.”


Internacionalização e inovação

Outros empreendedores trouxeram seus cases para o Festemp nesta quinta-feira. De forma descontraída, Flavio Pripas, da Fashion.me – Fashion Social Discovery Platform, contou como surgiu a rede social de moda, criada no final de 2008.

“Meu sócio e eu trabalhávamos no mercado financeiro e as nossas esposas se conheciam e queriam abrir uma loja de roupas. Pensamos em fazer algo na internet”, disse. “Entre o final de 2008 e o começo de 2009, começaram a falar de rede social e percebemos que o site que tínhamos criado para as nossas esposas em agosto de 2008, onde as pessoas podiam interagir, era uma rede social de moda.”

Pripas: “Muitas coisas deram certo, outras não, de modo que precisamos voltar para casa e fazer a lição”. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Pripas e suas lições de empreendedor: “Muitas coisas deram certo, outras não”. Foto: Everton Amaro/Fiesp


No fim de março de 2009, o Fashion.me – que na época ainda chamava ByMK – alcançou 20 mil visitas por dia com zero de investimento. Foi quando as mulheres deram lugar aos maridos no comando da start up.

Hoje, a empresa está iniciando seu processo de internacionalização. “Para nós, foi um aprendizado”, contou. “Muitas coisas deram certo, outras não, de modo que precisamos voltar para casa e fazer a nossa lição.”


O melhor atendimento

Considerado um dos melhores sites de comércio on-line no Brasil, o Netshoes também teve sua história contada no Festemp pelo seu fundador, Marcio Kumruiam.

O sucesso da empresa veio de atitudes corajosas, como a decisão de se dedicar exclusivamente a artigos esportivos – a Netshoes era uma loja de calçados em geral – e o encerramento das lojas físicas para realizar vendas somente on-line. “O Brasil é um país desenvolvido, mas o interior é fraco em comércio, não tem grandes lojas. Pela internet, podíamos colocar uma loja de esporte com todos os lançamentos disponíveis para todos.”

Os três pilares defendidos pela Netshoes também foram fundamentais para garantir o reconhecimento que a empresa tem hoje. “Um dos pilares da companhia, desde o princípio, foi oferecer o melhor atendimento ao cliente. O segundo é a inovação. E, por fim, o investimento na equipe”, disse Kumruiam.

Kumruiam: foco no cliente e na qualidade do atendimento na Netshoes. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Kumruiam: foco no cliente e na qualidade do atendimento à frente da Netshoes. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Hoje a Netshoes já está no México e na Argentina, para onde a empresa despacha cerca de 2 mil pedidos/dia. No Brasil, são entre 25 e 30 mil pedidos/diariamente.


Oportunidades escondidas

Encerrando a apresentação dos cases, Flavio Rocha, presidente da Riachuelo, falou sobre história da empresa, “que começou a ser escrita há 67 anos”. “A missão da Riachuelo é dar acesso à moda, que sempre foi algo excludente.”

Rocha, da Riachuelo: fim da exclusão na moda e foco no varejo. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Rocha, da Riachuelo: fim da exclusão na moda e foco no crescimento do varejo. Foto: Beto Moussalli/Fiesp


Rocha também analisou a atual situação do varejo no Brasil. “Não existe economia de primeiro mundo sem varejo e estou certo que esse será o setor mais promissor da próxima década”, afirmou. “Quero incentivar os jovens que querem empreender a ter um olhar mais amplo sobre o varejo e aos investidores a ver as oportunidades escondidas no setor.”

Jogos Olímpicos transformarão o Rio de Janeiro, afirma gerente do Comitê Organizador Internacional

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

João Saraiva, gerente de suprimentos do Comitê Organizador Internacional dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio de Janeiro de 2016, falou sobre os intensos preparativos para os eventos, durante painel do segundo dia do Festival de Empreendedorismo (Festemp). O evento é realizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem da Indústria (Senai-SP) no Anhembi, na capital paulista.

Saraiva, responsável por contratar servidores e fornecedores para atuaram diretamente durante o “maior evento da humanidade”, contou que jamais pensou em trabalhar com administração esportiva. “Os jogos sempre pareceram longe da nossa realidade. Nunca havia trabalhado com administração esportiva. Era apenas um fanático por esportes”, lembrou.

Saraiva em sua palestra no Festemp: preparação para as competições de 2016 no Rio a todo o vapor. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Saraiva em sua palestra no Festemp: preparação para as competições de 2016 no Rio. Foto: Beto Moussalli/Fiesp


De acordo com ele, trata-se de uma organização complexa, afinal, “são dois grandes eventos, a Olimpíada e a Paralimpíada”.

De acordo com o dirigente, as duas atrações não são uma conquista do Rio de Janeiro. “É uma conquista do Brasil. Muita gente vem trabalhando há três anos para realizar uma competição de alto nível”, disse.

Números olímpicos

“Realizaremos, em 15 dias, 41 campeonatos mundiais”, disse Saraiva.

Os números dos jogos comprovam a complexidade para a organização. “São 10.500 atletas de 204 países, 25.100 profissionais de mídia credenciados e 70 mil voluntários”, explicou. “E isso com uma estimativa de 8,8 milhões de ingressos vendidos”.

Os Jogos Paralímpicos, que acontecem duas semanas após o encerramento das Olimpíadas, também são de encher os olhos. “São 22 categorias em 12 dias, 4.200 atletas de 164 países e 30 mil voluntários”, detalhou.

A vez do Rio

Segundo Saraiva, as Olimpíadas de 2016 serão diferentes de todas as anteriores. “Terão a nossa cara”.

Saraiva listou os “pilares estratégicos da competição”.  “Precisamos de excelência técnica, trabalhamos ao lado de grandes empresas para entregar celebrações memoráveis. Trabalhamos, também, com a imagem que o mundo terá do Brasil”.

Para o dirigente, a capital carioca precisa se servir dos Jogos.  “Usaremos o evento para desenvolver a cidade, com investimentos pesados em infraestrutura”.

Segundo ele, a rede hoteleira dobrará até 2016. “Para isso, trabalhamos com empresas estrangeiras para que se estabeleçam por lá e desenvolvam a capacidade local”, afirmou.

“Os jogos transformarão completamente a cidade maravilhosa”, prometeu.

 >> Conheça a programação do Festemp

Festemp: aplicativo para facilitar pesquisa de mercado é grande vencedor da ‘Maratona Hackaton’

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Depois de 17 horas ininterruptas de competição, iniciada às 17h da quarta-feira (25/09), a “Maratona Hackaton” divulgou na manhã desta quinta-feira (26/09) seu resultado do evento, parte da agenda do Festival de Empreendedorismo (Festemp) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-SP).

O vencedor foi o aplicativo “Ponto Certo”, projeto que tem a finalidade de auxiliar pesquisas de mercado, buscando os preços mais acessíveis, com o objetivo de facilitar a tomada de decisão do empreendedor. Três grupos participaram da iniciativa.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544578303

Equipe vencedora do Hackaton. Foto: Everton Amaro/Fiesp


A equipe desenvolvedora explicou o funcionamento da ferramenta gratuita e ficou bastante satisfeita com o resultado. “Foi uma experiência muito puxada, mas bem importante. Vamos levar frutos daqui, pois todos temos ideias de start-ups e vamos conversar para levar nossos projetos adiante”, afirmou a porta-voz do grupo, Glenda Alcântara, de 28 anos.

Para ela, que não tem conhecimento em programação, a Maratona Hackaton foi uma oportunidade de agregar conteúdo. “A gente se complementou durante todo esse período e foi uma experiência inesquecível”, ressaltou ao destacar que sua grande motivação para participar do evento foi o networking. “Recomendo que as pessoas participem de eventos como esse porque aqui os profissionais se complementam. Vale muito a pena”, concluiu.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544578303

Sylvio Gomide: manter relacionamento com participantes. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Na avaliação do diretor-titular do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Fiesp, Sylvio Gomide, a adoção desse formato representa uma mudança para a Fiesp. “Queremos manter esse relacionamento de parceria com vocês, que assim como a gente, acreditam na bandeira do empreendedorismo”, afirmou.

De acordo com o diretor do CJE, Cristiano Miano, os participantes são heróis. “Fiquei muito orgulhoso da garra de cada um dos participantes. Eles foram mais longe do que imaginei”, elogiou.

O método de avaliação foi baseado em três critérios: o quanto o aplicativo ajuda o empreendedor na sua jornada, se  a ideia pode dar retorno e tem potencial para ter sucesso; e a capacidade de implementação técnica, ou seja, se a equipe é capaz de produzir o aplicativo.

Segundo Miano, com base em alguns dados pré-fornecidos, as equipes refinaram as ideias, a fim de auxiliar o empreendedor. “Essa é uma oportunidade de avaliar quem foi mais longe e quem foi mais criativo.”

Passe livre para a educação

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544578303

Clayton de Oliveira. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Além da equipe vencedora, a Maratona Hackaton premiou um participante com um passe livre vitalício para os cursos oferecidos pela Faculdade de Informática e Administração Paulista (Fiap): oito graduações e 18 MBAs.  O vencedor foi, 21 anos, aluno de engenharia aeroespacial da Universidade Federal do ABC.

“Ganhar esse prêmio é muito bom, principalmente porque tecnologia é o que eu quero fazer minha vida inteira. E participar do Hackaton foi uma experiência muito válida por causa do networking. Eu cresci muito”, afirmou o premiado.

‘Falar de empreendedorismo é falar de vontade, nunca percam o entusiasmo’, diz Renata Fan em palestra no Festemp

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Ao lado do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, a apresentadora  do programa Jogo Aberto, da TV Bandeirantes, Renata Fan, contou sua trajetória profissional de sucesso diante de um auditório lotado no Festival de Empreendedorismo, na noite desta quarta-feira (25/09).

O Festemp é uma iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), sendo coordenado pelo Comitê de  Jovens Empreendedores (CJE) da Fiesp. Aberto nesta quarta-feira (25/09), no Anhembi, em São Paulo, o evento segue até esta quinta-feira (26/09).

“Falar de empreendedorismo é falar de vontade. Nunca percam o entusiasmo com o seu sonho”, disse Renata,  a  primeira mulher a apresentar uma mesa redonda diária na TV aberta no Brasil.

Apresentadora há dez anos e dona de uma biografia de “lutas, encontros e desencontros” desde pequena, ela contou que sempre foi “muito estudiosa”. “Jamais pensei que trabalharia com futebol, ainda mais na televisão, trabalhando com o público masculino, apesar de ser apaixonada pelo esporte desde pequena”.

Renata: entusiamo e muita vontade de vencer. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Renata: entusiamo, vontade de vencer e uma história de encontros e desencontros . Foto: Everton Amaro/Fiesp


Para Renata, acima de tudo, vale o debate. “O que me estimula é debater, falar o que eu realmente penso sobre o esporte”, explicou.

A loira mais famosa do jornalismo esportivo brasileiro ainda falou sobre como é trabalhar em um meio dominado por homens. “Uma mulher precisa respeitar sua feminilidade em qualquer ambiente. Foi o que fiz desde o início da minha carreira”, contou. “Sabia que precisava ser eu mesma, ser feminina. Trabalho de igual para igual e coordeno muitos homens”.

Skaf e Renata, ao centro: estímulo à força de vontade e ao empreendedorismo. Foto: Talita Camargo/Fiesp

Skaf e Renata, ao centro: estímulo à força de vontade e ao empreendedorismo. Foto: Talita Camargo/Fiesp


De acordo com a apresentadora, futebol é “sentimento, devoção e escravidão”. “Mas, acima de tudo, para mim, futebol é realização”.

Minha história

A trajetória de Renata, segundo ela própria, é feita “coragem”. “Trabalhava como locutora de rádio em Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul, quando fui convidada para disputar o Concurso de Miss Santo Ângelo”, contou. “Venci o concurso e ganhei projeção, indo para o Miss Brasil, que também ganhei”.

Com isso, depois de “muita luta”, ela foi contratada pela TV Record. “Tem coisa mais importante do que trabalhar com o que te dá energia? Eu vivo essa vida”, finalizou.

O futuro

Presidente da Fiesp, Paulo Skaf acompanhou a apresentação de Renata e agradeceu a presença da apresentadora.  Além disso, ele convidou os participantes do Festemp, a visitarem o São Paulo Skills, evento “que faz o futuro” e acontece também no Anhembi.

“O que fazemos aqui é o futuro. Tanto o São Paulo Skills quanto com o Festival de Empreendedorismo. Pensar em inovação e empreendedorismo é pensar no futuro”, disse. “É assim que construímos o país”.

 >> Conheça a programação do Festemp

‘Inovação é pensar no futuro’, diz Paulo Skaf na abertura do São Paulo Skills e do Festemp no Anhembi

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

“Inovação é pensar no futuro. Educação é pensar no futuro, empreendedorismo é pensar no futuro”. Foi com essas palavras que o presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf, abriu, na manhã desta quarta-feira (25/09) dois grandes eventos  no Pavilhão de Exposições Parque do Anhembi, em São Paulo: o São Paulo Skills 2013 e o Festival de Empreendedorismo (Festemp).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544578303

Paulo Skaf: "Estamos aqui porque acreditamos num futuro melhor". Ayrton Vignola/Fiesp


“O que está acontecendo aqui no Anhembi é algo muito positivo para o país”, disse Skaf, também presidente do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP).

Segundo Skaf, os dois eventos – o São Paulo Skills, iniciativa do Senai-SP com atividades que têm a participação do Sesi-SP e o Festemp, uma realização da Fiesp e do Senai-SP –  foram possíveis graças ao “esforço de centenas de pessoas”. Em agradecimento a esse trabalho, ele chamou ao palco alguns dos profissionais envolvidos na organização do SP Skills e do Festemp, para quem pediu aplausos.

Emocionado, o presidente da Fiesp destacou que reunir todos os 726 competidores, 254 avaliadores e 116 coordenadores no SP Skills, além dos jovens empreendedores e investidores do Festemp, era “fazer o futuro”. “Estamos aqui porque acreditamos num futuro melhor”, afirmou. “E um futuro melhor depende do esforço de cada um de nós.”

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544578303

Vicioni: parabéns a todos os que "fazem o Senai-SP". Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Também presente à cerimônia de abertura dos dois eventos, Walter Vicioni, superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Senai-SP,  destacou o empenho do presidente das instituições em prol da educação. “Não basta uma orquestra ter os melhores instrumentos e os melhores músicos”, afirmou. “É preciso ter um maestro competente.”

“O lema de Paulo Skaf, ‘Crescem as pessoas, cresce o Brasil’, já mostra que, para ele, o desenvolvimento econômico está ligado ao desenvolvimento das pessoas”, destacou Vicioni.

De acordo com Vicioni, o Senai-SP trabalha num “modelo único” e vê os alunos “de forma única”. “Por isso eu parabenizo a todos os que fazem o Senai-SP”, disse.

Jovens empreendedores

Diretor titular do Comitê de Jovens Empreendedores na Fiesp, Sylvio Gomide também participou da cerimônia de abertura dos dois eventos. E destacou que o Festemp é um “divisor de águas para o CJE”. “Há oito anos, quando o Comitê foi criado, o Paulo Skaf nos disse para pensar grande”, contou. “Sempre buscamos essa meta e esse ano, graças ao apoio da Fiesp e do Senai-SP, estamos aqui, nesse espaço.”

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544578303

Sylvio Gomide: “É o empreendedorismo que gera mais empregos, mais renda, mais arrecadação de impostos”. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Para Gomide, empreendedorismo é o “brilho nos olhos que vai fazer a diferença no país”. “É o empreendedorismo que gera mais empregos, mais renda, mais arrecadação de impostos”, disse. “Aprendemos que é preciso fazer com vontade o que quer que se faça, pensar grande, como nos ensinou o Paulo Skaf.”

O Festemp vai até esta quinta-feira (26/09) e tem mais de 9 mil participantes. O evento terá atividades como a aceleração de start-ups, o desenvolvimento de um software para empreendedores e uma área de recrutamento de jovens executivos. Isso além de palestras variadas com personalidades de todas as áreas. Para saber mais, só clicar aqui.

Alunos de todo o estado

Alunos do Senai-SP e do Sesi-SP também foram convidados de honra no Anhembi na manhã desta quarta-feira (25/09). O evento teve ainda a apresentação da Orquestra Firlamônica do Senai-SP.

Ao falar do tema, Skaf destacou que está sendo programada a criação de 22 orquestras na rede do Sesi-SP em São Paulo.

O SP Skills é a maior competição do ensino técnico e profissionalizante do estado, reunindo alunos de 19 diferentes áreas tecnológicas de 83 unidades escolares do Senai-SP. O evento tem atividades simultâneas como o Inova Senai-SP, o Desafio de Ideias e o 5º Torneio Sesi-SP de Robótica. O evento prossegue até o domingo (29/09).

Uma marca, hoje, é o que o cliente quer que ela seja, afirma consultor na abertura do Acelera Startup

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Fábio Reis, sócio fundador da empresa de marketing de conteúdo Flying Fishes, abriu, na manhã desta quarta-feira (25/09), no Anhembi, São Paulo, o Concurso Acelera Startup, agenda do Festival de Empreendedorismo, evento promovido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544578303

Fabio Reis da Flying Fishes. Foto:Beto Moussali/Fiesp


Reis, jornalista de formação, conta que “trabalhou 10 anos em televisão e depois largou tudo para investir em sua ideia, que era trabalhar com comunicação na internet”.

“Quando criamos a Flying Fishes, ninguém investia em internet. Era o começo da rede. Ninguém fazia ideia do que era o ‘content marketing’, o marketing voltado para conteúdo”, disse.

Segundo Reis, o foco do “content marketing” é a gestão do conteúdo publicado na internet, utilizando de técnicas de criação e distribuição relevantes para a geração de ações dessa pessoa, “seja um compartilhamento, seja uma compra”.

Reis listou regras para se fazer “content marketing” na web. “[Que] Não seja apenas promocional, crie algo relevante para consumo, que preencha lacunas na vida do público-alvo. Esse conteúdo, lógico, precisa ser bem escrito, relevante para a empresa e – acima de tudo – uma mensagem que seja verdadeira.”

Tudo isso, segundo Reis, são táticas para criar engajamento do público alvo.

“Hoje uma empresa não escolhe estar no mundo digital. Ela estará, quer queira ou não. Afinal, com as redes sociais, a marca é o que o cliente quer”, analisou.

No fim da apresentação, Reis deu dicas para os participantes do Concurso Acelera Startup. “Definam objetivos para mensurar seus primeiros passos. Escolham, depois, o canal mais apropriado para seu conteúdo. Executem suas ideias, criando grades de conteúdo e definindo a linha editorial apropriada. Por fim, mensurem seus resultados através de ferramentas e criem recomendações para manutenção do plano e correção de curso”, finalizou.

O Festemp prossegue com atividades no Anhembi até quinta-feira (26/09).

 >> Conheça a programação do Festemp

‘Festemp representa uma oportunidade única para os jovens empreendedores’, diz diretor da Fiesp

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Disposto a “mergulhar” no Pavilhão de Exposições Parque do Anhembi, na capital paulista, nos dias 25 e 26 de setembro, o diretor titular do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Sylvio Gomide, não vê a hora de o Festival de Empreendedorismo (Festemp) chegar. Iniciativa da Fiesp e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), o evento  terá palestras e atividades diversas voltadas para a educação empreendedora, como programas de capacitação, rodadas de negócios e debates.

De acordo com Gomide, o Festemp representa uma oportunidade única para os jovens empreendedores. E isso principalmente por meio de atividades como o Acelera Startup. Do que se trata? De uma ação em uma chamada “arena de aceleração” a fim de selecionar os 300 melhores projetos de negócios. Após quatro fases de educação e capacitação, os inscritos com as dez melhores ideias terão a chance de apresentar o seu negócio a uma banca de investidores. “Recebemos em torno de mil projetos para o Acelera”, diz.

Além disso, explica o titular do CJE/Fiesp, os empreendedores receberão mentoria (orientação) por um time formado por alguns dos maiores empresários brasileiros, o que inclui o próprio presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

Gomide: “Vamos desmistificar a Fiesp”, diz diretor titular do CJE na federação. Foto: Julia Moraes/Fiesp

Sylvio Gomide: “Vamos desmistificar a Fiesp”, diz diretor titular do CJE na federação. Foto: Julia Moraes/Fiesp


Segundo Gomide, na soma do potencial de investimentos dos investidores que formam a banca do Acelera, tem-se um montante de R$ 0,5 trilhão.

Outro destaque do Festemp apontado pelo diretor é o fato de o evento oferecer informação de alta qualidade, por meio das palestras com personalidades renomadas, e, ao mesmo tempo, vivências práticas. “Quem for ao Festemp vai ver tudo acontecer na prática”, anuncia.

Entre os palestrantes do evento estão nomes como o presidente do Grupo Boticário, Artur Grymbaum, o fundador do site Netshoes, Marcio Kumruian, o presidente do Linux Internacional, Jon Maddog Hall, o fundador da rede de lojas de chocolate Cacau Show, Alexandre Tadeu da Costa e a jornalista Renata Fan, primeira mulher a apresentar uma mesa redonda diária na TV aberta no Brasil. E isso para citar apenas alguns dos 53 confirmados.

Ao convidar os jovens empreendedores a participar do festival, o diretor titular do CJE lembra que não faltarão oportunidades nas salas e corredores do Pavilhão de Exposições Parque do Anhembi. “Se você tem uma ideia, vai conseguir transformá-la em realidade nesses dois dias de Festemp”, diz.

Outras atividades

O evento terá ainda ações como o Jovem Executivo, iniciativa que teve 320 inscritos. Destes, 100 candidatos foram selecionados na primeira fase online, sendo que 30 foram escolhidos durante uma maratona de coach e treinamentos, com o apoio da Arezza, na Fiesp. O prêmio? A oportunidade de ser entrevistado por alguns dos 100 maiores representantes de Recursos Humanos das empresas e participar de palestras exclusivas durante o Festival.

Já o Hackathon, que tem o apoio da Intel, teve 150 inscritos e, destes, 100 participarão de uma maratona de 15 horas reunindo programadores, designers e demais profissionais ligados à tecnologia da informação a fim de criar um aplicativo gratuito de apoio aos empreendedores. Para o primeiro lugar, a Faculdade de Tecnologia da Informação (FIAP) oferecerá um “VIP Pass”  (bolsa de estudos vitalícia) para qualquer curso e em qualquer ano, desde que a pessoa passe no vestibular. Os participantes que apresentarem a melhor solução móvel terão ainda como benefícios a divulgação do aplicativo criado no Hackathon pelos parceiros da Fiesp, a divulgação de aplicativos Android previamente desenvolvidos pelos membros da equipe, contato com Investidores, cursos da Impacta (com vales de R$ 1.000,00) e passes para a CampusParty, entre outros mimos.

Há ainda o Happy Business, que teve 826 inscritos, sendo 200 os vencedores para participar de uma festa com a presença de grandes empreendedores, empresários e investidores. O objetivo é confraternizar no momento final do Festival e propor redes de networking aos convidados. Para concorrer à entrada, bastava responder a pergunta “Por que devo ser selecionado (a) para o Happy Business?” O evento é exclusivo para aqueles que forem selecionados pelo site.

O Festival reunirá startups, empreendedores, executivos, universitários, free lancers e pesquisadores. O foco é a formação de novos líderes, além de refletir sobre a cultura empreendedora. Quem quiser apenas assistir à programação pode se inscrever gratuitamente inclusive nos dias do evento. Para saber mais, acesse: www.festemp.com.br.

Festival de Empreendedorismo da Fiesp encerra inscrições para maratona de atividades

Agência Indusnet Fiesp

As inscrições para o Festival de Empreendedorismo (Festemp) do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) foram encerradas nesta semana com saldo positivo. O evento, que é realizado pela Fiesp e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), promete agitar o Pavilhão de Exposições Parque do Anhembi, na capital paulista, nos dias 25 e 26 de setembro, com palestras e atividades diversas voltadas para a educação empreendedora, programas de capacitação, rodadas de negócios e debates.

O Jovem Executivo é uma dessas atividades e teve 320 inscritos. Destes, 100 candidatos foram selecionados na primeira fase online, sendo que 30 foram escolhidos durante uma maratona de coach e treinamentos, com o apoio da Arezza, na Fiesp. O prêmio? A oportunidade de ser entrevistado por alguns dos 100 maiores representantes de Recursos Humanos das empresas e participar de palestras exclusivas durante o Festival.

Já o Acelera Startup teve 950 inscritos. A ação será realizada em uma arena de aceleração a fim de selecionar os 300 melhores projetos de negócios. Após quatro fases de educação e capacitação, os inscritos com as dez melhores ideias terão a chance de apresentar o seu negócio a uma banca de investidores em curtíssimo prazo, com a duração de uma conversa de elevador, num método chamado de “elevator pitch”. Além disso, receberão mentoria por um time formado por alguns dos maiores empresários brasileiros. Os projetos ainda podem receber ajuda de um ou mais investidores para realizar a ideia.

O Hackathon, que tem o apoio da Intel, teve 150 inscritos e, destes, 100 participarão de uma maratona de 15 horas reunindo programadores, designers e demais profissionais ligados à tecnologia da informação a fim de criar um aplicativo gratuito de apoio aos empreendedores. Para o primeiro lugar, a Faculdade de Tecnologia da Informação (FIAP) oferecerá um “VIP Pass”  (bolsa de estudos vitalícia) para qualquer curso e em qualquer ano, desde que a pessoa passe no vestibular. Os participantes que apresentarem a melhor solução móvel terão ainda como benefícios a divulgação do aplicativo criado no Hackathon pelos parceiros da Fiesp, a divulgação de aplicativos Android previamente desenvolvidos pelos membors da equipe, contato com Investidores, cursos da Impacta (com vales de R$ 1.000,00) e passes para a CampusParty, entre outros mimos.

Happy Business

Há ainda o Happy Business, que teve 826 inscritos, sendo 200 os vencedores para participar de uma festa com a presença de grandes empreendedores, empresários e investidores. O objetivo é confraternizar no momento final do Festival e propor redes de networking aos convidados. Para concorrer à entrada, bastava responder a pergunta “Por que devo ser selecionado (a) para o Happy Business?” O evento é exclusivo para aqueles que forem selecionados pelo site.

O Festival reunirá startups, empreendedores, executivos, universitários, free lancers e pesquisadores. O foco é a formação de novos líderes, além de refletir sobre a cultura empreendedora. Quem quiser apenas assistir à programação pode se inscrever gratuitamente inclusive nos dias do evento. Para saber mais, acesse: www.festemp.com.br.

Palestras são destaque no Festival de Empreendedorismo da Fiesp, nos dias 25 e 26 de setembro

Agência Indusnet Fiesp

Palestras inspiradoras esperam os participantes do Festival de Empreendedorismo (Festemp) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O evento, organizado pelo Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da entidade e programado para os dias 25 e 26 de setembro no Pavilhão de Exposições Parque do Anhembi, em São Paulo, vai reunir empresários e especialistas de diferentes áreas. Estarão presentes nomes como o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, o presidente do Grupo Boticário, Artur Grymbaum e o fundador do site Netshoes, Marcio Kumruian, entre outros.

Quer mais? Então saiba que também estarão presentes o presidente do Linux Internacional, Jon Maddog Hall, o fundador da rede de lojas de chocolate Cacau Show, Alexandre Tadeu da Costa e a jornalista Renata Fan, a primeira mulher a apresentar uma mesa redonda diária na TV aberta no Brasil.

Outro nome de destaque é o empreendedor Rodrigo Rocha Loures, fundador da Nutrimental, a primeira empresa do país a criar a categoria de barras de cereais, com a marca Nutry. Loures também é Presidente do Conselho Superior de Inovação e Competitividade (Conic) da Fiesp.

Para mais informações, como a grade completa de palestras do Festemp, só clicar aqui.