Senai-SP inaugura laboratório de bebidas e planta de alimentos para animais

Felipe Agne, Agência Indusnet Fiesp,de Campinas

As novas instalações da escola do Senai-SP Prof. Dr. Euclydes de Jesus Zerbini foram inauguradas na manhã desta quarta-feira (07/05), em Campinas.

A unidade recebeu um laboratório de ensaios em bebidas, uma planta de alimentos para animais e investimentos nas áreas de chocolates e drageados, carnes, leites e derivados, panificação e confeitaria.

Escola Senai-SP Prof. Dr. Euclydes de Jesus Zerbini, em Campinas: inovação e tecnologia. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Paulo Skaf, reafirmou que este e todo investimento na educação é fundamental para o desenvolvimento do país. “A indústria põe em prática aquilo que ela acredita. Acreditamos que a única forma de dar oportunidades para as pessoas é através da educação. Investimos pesadamente na qualidade da educação. Estamos investindo no melhor patrimônio que um país pode ter: as pessoas.”

Já o diretor técnico do Senai-SP, Ricardo Terra, destacou o papel do Senai-SP para a constante inovação da indústria. “Hoje, o Senai-SP mais uma vez se apresenta como um grande motor de inovação e tecnologia. Estamos constituindo um novo Senai-SP, um Senai-SP moderno que vai apoiar – e já está apoiando – essa indústria complexa e competitiva do Brasil.”

O laboratório de ensaios em bebidas foi projetado para atender às necessidades das empresas de bebidas fermentadas, destiladas, não alcoólicas e vinagre. Os recursos tecnológicos permitem detectar adulterações, falsificações, contaminações e possíveis desvios dos Padrões de Identidade e Qualidade de Bebidas.

Entre os equipamentos instalados estão o espectrofotômetro de absorção atômica, espectrofotômetro de massas, cromatógrafo líquido, cromatógrafo gasoso, espectrômetro ultravioleta / visível, destilador eletrônico por arraste de vapor e balança hidrostática eletrônica.

A unidade recebeu um laboratório de ensaios em bebidas, uma planta de alimentos para animais e investimentos diversos. Fotos: Everton Amaro/Fiesp

A planta de alimentos para animais é uma verdadeira fábrica de ração projetada e construída como um recurso didático inédito na área de alimentos do Senai-SP dentro da grade do Curso Técnico de Alimentos da Escola. Também se destina à oferta de produtos tecnológicos de interesse do segmento de alimentação animal, pois nela podem ser realizados serviços sob medida para empresas, incluindo projetos de inovação, assessorias e pesquisa e desenvolvimento.

As quatro plantas educacionais existentes foram totalmente remodeladas, recebendo equipamentos e máquinas que possibilitam a realização de uma variada carteira de cursos de formação inicial e continuada, além do incremento das estratégias didáticas empregadas pelos professores para formação de técnicos de alimentos de alto nível, com ampla empregabilidade e aceitação pelas empresas do setor.

O Senai-SP de Campinas atende 560 alunos em Educação Profissional Técnica e 3.940 alunos em Formação Inicial Continuada. Os investimentos na unidade somam mais de 30,1 milhões.

Hackathon reúne 200 participantes na Fiesp com a missão de desenvolver aplicativos

Felipe Agne, Agência Indusnet Fiesp

Sylvio Gomide: sucesso do Hackathon tem a ver com diversidade de perfis dos participantes. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Começou na manhã deste sábado (26/04) a segunda edição do Hackathon, iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Na competição, programadores, desenvolvedores, designers e empreendedores têm o desafio de criar até a manhã deste domingo (27/04) aplicativos com soluções para três áreas – saúde, educação e segurança – que proporcionem melhoria da qualidade de vida das pessoas. Mais de 200 pessoas participam da segunda edição do Hackathon, que acontece no edifício-sede da Fiesp.

“O evento superou as expectativas. Seu sucesso não tem a ver com a quantidade de pessoas, mas com o perfil. Tem que ter programador, designer e empreendedor. Nós conseguimos reunir estes públicos e a casa está cheia”, afirmou o diretor titular do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Fiesp, Sylvio Gomide.

Após a abertura, os participantes assistiram a painéis em que especialistas apresentaram um panorama com os problemas que os grupos poderiam trabalhar para resolver em cada um dos quatro temas propostos.

Desafio dos inscritos é criar aplicativos que proporcionem melhoria da qualidade de vida das pessoas em três áreas. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

O evento atraiu participantes de diversos perfis e faixas etárias. “Eu me inscrevi no Hackathon para desenvolver melhor minha capacidade de empreender, de ter um network e conhecer ferramentas que não conheço”, explicou o consultor de TI Fernando Silva, de 29 anos. “Escolhemos a educação porque é uma área onde trabalho, então conhecemos mais. Pensamos em um aplicativo que oferecerá cursos.”

Segundo o economista Ricardo Carvalho de Santos, de 63 anos, desenvolver conhecimento e contribuir para o desenvolvimento de uma solução foi o que motivou. “Escolhemos a saúde porque, dentro do que foi apresentado no painel, pensamos podemos desenvolver algo mais útil nessa área, voltado a prevenção na área da alimentação.”

Mais jovem, a supervisora de RH Kelly Marques, de 19 anos, disse que se interessou em participar do Hackathon por já estar na área de informática. “Acho que a segurança é um ponto a ser investido em nossa sociedade, porque a partir de uma sociedade segura tudo fica melhor de desenvolver. No momento estamos discutindo duas ideias de aplicativos.”

Os painéis

Ruy Baumer: reduzir perda de tempo do paciente no setor de saúde é uma das oportunidades de melhoria. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Em sua breve apresentação, o coordenador do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde na Fiesp, Ruy Baumer, destacou os problemas que o paciente enfrenta no sistema de saúde. “Neste setor existem várias oportunidades de melhoria, e uma delas é a evitar a perda de tempo. Não existem meios de ajudar o paciente nos deslocamentos, mas podemos antecipar a triagem”, afirmou.

Para Baumer, cada vez que um paciente chega a um hospital é atendido como se fosse a primeira vez que precisa do serviço de saúde. “Se tivesse a orientação prévia de um sistema, ajudaria a preservar o paciente, a sua saúde e a diminuir os gastos”.

Na área de segurança, o coronel Alfredo Deak Junior, diretor de Serviços do Setor Público da Microsoft no Brasil, explicou a dinâmica de distribuição do efetivo no policiamento preventivo, apresentando os critérios que determinam esta atuação. “Com base no diagnóstico, o comandante daquela área definirá o que é mais importante. Isso é a distribuição inteligente do efetivo. O desafio é como a comunidade pode participar deste processo”.

Na temática de educação, o gerente de Inovação e de Tecnologia do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Osvaldo Maia, demonstrou que os problemas do país nessa área tem causas estruturais. “Há uma ausência de integração entre as políticas educacional, industrial e tecnológica, e uma falta de interação do aluno no contexto sócio educacional e cultural”, afirmou.

Como resultado, segundo ele, falta aos alunos a compreensão necessária para relacionar a aplicação das disciplinas no mundo real.

Participantes podem virar a madrugada desenvolvendo o aplicativo. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Cristiano Miano, coordenador do Hackathon, destacou a força que a união entre governo e sociedade pode ter para provocar mudanças. “Este tipo de evento mostra que estamos empenhados em mudar a sociedade.”

Após os painéis, os participantes foram organizados em grupos e definiram as áreas para as quais desenvolverão os aplicativos. Durante o processo, que prossegue de forma ininterrupta durante a noite e a madrugada, eles são acompanhados por mentores.

O anúncio do resultado está programado para 12h30 deste domingo (27/04).

Em Guarulhos, Paulo Skaf inaugura quadra poliesportiva e celebra aniversário e ampliação do Try Rugby

Felipe Agne, Agência Indusnet Fiesp

Criar novos espaços para a prática esportiva, homenagear um grande atleta e comemorar a ampliação de um projeto esportivo que atende 10 mil jovens e crianças. Assim foi a manhã deste domingo (06/10) no Centro de Atividades do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) “Morvan Dias de Figueiredo”, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Sesi-SP, Paulo Skaf, inaugurou a nova quadra poliesportiva na unidade. O patrono é Carlos Domingos Massoni, o “Mosquito”, ex-jogador de basquete que se destacou com diversas conquistas em jogos de campeonatos mundiais e olimpíadas defendendo o Brasil.

“Hoje estamos inaugurando uma quadra nova, com o nome do ‘Mosquito’, que é um atleta que foi campeão várias vezes, foi medalhista olímpico, e vamos homenageá-lo”, afirmou Skaf.

Atletas, treinadores e profissionais do Sesi-SP Esporte acompanharam o evento em Guarulhos. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

“É uma grande honra receber esta homenagem. Eu sou um homem de poucas palavras. Desejo que assim como meu nome ficará marcado neste ginásio, que o meu exemplo de amor ao esporte também permaneça vivo no coração de todos os jogadores e atletas deste país”, declarou “Mosquito”.

Try Rugby será ampliado para 14 mil alunos

“O rugby é mais um esporte olímpico a partir de 2016. Por isso nós decidimos implantar um programa para 10.000 alunos na rede Sesi-SP que deve se encerrar agora, em dezembro de 2013. E para o próximo ano nós vamos ampliar para mais 4 mil alunos, ou seja, teremos 14 mil alunos treinados em rugby. Hoje temos aqui o campeonato das 12 escolas com quase mil alunos que treinaram rugby”, afirmou Paulo Skaf.

O presidente explicou a importância de investir na divulgação de outros esportes no Brasil. O Sesi-SP tem hoje 20 modalidades de esporte de rendimento. Informou que mais sete escolas serão incluídas na ampliação do programa de rugby, que teve neste ano investidos R$ 1,4 milhão. “Isso não aconteceu só por vontade do Sesi-SP ou só por vontade do presidente do Sesi-SP, nem só pela vontade dos nossos alunos. Isso aconteceu pela dedicação e pela competência dos nossos professores”, lembrou o presidente.

“O Sesi-SP é um grande parceiro nosso. Temos de agradecer ao presidente Skaf pelo apoio tanto na área cultural quanto no esporte. É um grande prazer estar aqui pelo British Council. Há mais de 100 anos, o brasileiro Charles Muller trouxe um esporte britânico para para o Brasil, o futebol, mas ele também jogava rugby, que não decolou naquela época. A ideia e que agora decole”, disse Eric klug, diretor sênior de parcerias do British Council de São Paulo.

Igor Rogério, 15 anos, é aluno do Sesi-SP e começou a treinar rugby desde o início do proejto. “Estou achando muito legal. Comecei com os meus amigos, porque a gente não conhecia nada e se interessou pelo esporte. Acho que esta iniciativa está ajudando a divulgar e o rugby ainda vai ser grande no Brasil”, declarou.

Sesi-SP inaugura escola em Porto Ferreira; unidade atende 608 alunos

Felipe Agne, de Porto Ferreira, Agência Indusnet Fiesp

O Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) inaugurou na manhã desta sexta-feira (02/08) mais uma escola – desta vez em Porto Ferreira, município a aproximadamente 227 km da capital paulista.

A unidade atende a 608 estudantes, dos quais 225 em período integral. “A forma de atingir a independência é a educação. As pessoas não querem ajuda – querem oportunidades iguais. E você só dá oportunidades iguais através da educação”, destacou Paulo Skaf, presidente do Sesi-SP e da Federação da Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), durante a inauguração.

Skaf: 'As pessoas não querem ajuda – querem oportunidades iguais. E você só dá oportunidades iguais através da educação.' Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

A escola está dentro do novo modelo educacional da entidade iniciado em 2007, que prevê a oferta de ensino fundamental em tempo integral, ensino médio articulado com a educação profissionalizante do Senai-SP e a construção de 70 escolas no estado.

A solenidade foi acompanhada pelo superintendente do Sesi-SP, Walter Vicioni Gonçalves. “É a harmonia entre a educação, a tecnologia e a cultura que cria o ambiente propício ao desenvolvimento humano”, afirmou.

Em seu discurso, a prefeita de Porto Ferreira, Renata Braga, falou de sua ligação familiar com o Sesi-SP. “Meu pai foi dentista do Sesi-SP. Então, eu me sinto parte da ‘família Sesi-SP’. E muito feliz em participar da inauguração desta escola”, disse a prefeita, que aproveitou a ocasião para solicitar a construção de um teatro do Sesi-SP.

Para a diretora da escola, Paula Maria Jussiani, a unidade realiza um velho anseio. “É o sonho de todo educador ter um prédio maravilhoso. Hoje, temos tudo que é possível para fazer o melhor pelo aluno: a estrutura, os recursos tecnológicos e humanos. Esta inauguração é uma valorização da comunidade e do trabalho realizado pelo Sesi-SP”.

A nova estrutura tem 12 salas e oferece uma biblioteca com acervo atualizado, um laboratório de informática educacional, um laboratório de ciência e tecnologia, um laboratório de química e biologia, um laboratório de física, uma sala multidisciplinar, uma sala de atendimento aos pais, cozinha com despensa e refeitório e quadra poliesportiva coberta.

O ensino em tempo integral permite que os alunos permaneçam nos períodos da manhã e tarde na escola realizando vivências complementares de esporte, arte, cultura e tecnologia, além das refeições diárias compostas de café da manhã, almoço e lanche da tarde.

Comunidade integrada à escola do Sesi-SP

São 225 alunos matriculados em período integral. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Na inauguração, pais, alunos e professores demonstraram sua satisfação com as instalações. “A escola do Sesi-SP significa uma boa educação. Meu filho não estuda no ensino integral, mas quer estar na escola o dia inteiro. Ele gosta de estar na escola. E ela é o melhor lugar para um estudante estar”,  explicou Maria Eunice Martz de Oliveira, mãe de aluno.

“É uma evolução que acompanhamos. Na escola anterior já tínhamos uma boa educação. Aqui, aliamos a teoria à prática. O que é legal é que aqui temos diversos meios, como os laboratórios, para ampliar nossa aprendizagem. Há coisas que antes fazíamos em casa e hoje podemos fazer aqui, com auxílio do professor”, destacou Yure Monroy, 14 anos, aluno da 8ª série.

“A nova escola ampliou todas as possibilidades de ensino, tanto em relacionamento humano quanto didático. Investiram muito na preparação do professor e agora nós temos tecnologia, o que nos permite aprofundar o conhecimento com o aluno”, afirma Vânia Basi Rissatto, professora de matemática.

Dos 608 estudantes atendidos, 314 estão matriculados no ensino fundamental, sendo 225 em período integral. A escola também oferece ensino médio para 127 alunos e educação de jovens e adultos para 167 pessoas.