Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Social discute relação entre educação e qualidade

Agência Indusnet Fiesp

Na última quinta-feira (27/08), o auditório do 4º andar do prédio da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) se transformou em uma verdadeira sala verde. O último dia da Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental foi marcado por discussões sobre a educação como elemento para o desenvolvimento sustentável.

Em clima de descontração, a psicóloga norte-americana Susan Andrews começou sua palestra explicando o conceito de Felicidade Interna Bruta (FIB) que, diferentemente do indicador econômico (PIB), mede o desenvolvimento de uma nação pelos índices de felicidade de seu povo.

Susan falou da importância do desenvolvimento das relações humanas, que envolve respeito entre familiares, sociedade e o próprio meio ambiente. “O contato com a natureza é a base da nossa felicidade”, disse a psicóloga.

Sala verde: lição de cidadania

Respeito à natureza e aos recursos naturais é a lição do projeto Sala Verde Cidade Ademar para professores e alunos do Centro Educacional Unificado (CEU) Alvarenga.

A pediatra Maria da Glória Zenha Wieliczka, da Associação Congregação de Santa Catarina, explicou que o projeto visa criar um espaço para desenvolver atividades de educação, saúde e cidadania com moradores de áreas em situação de vulnerabilidade social. “Mesmo se levarmos o projeto para outro lugar, queremos que as pessoas continuem, possam caminhar sozinhas”, disse.

O projeto Sala Verde, em parceira com as Secretarias municipais do Verde e do Meio ambiente, da Educação e da Saúde, busca desenvolver essa consciência de preservação por meio de oficinas de artesanato e sabão, encontros de educação ambiental com pesquisas virtuais e ambientes de interação e exibição de filmes com foco nesta temática.

O engenheiro Luiz Mucerino encerrou a discussão e apresentou o projeto Ecopolo, que há cinco anos faz parte do cotidiano dos moradores do município de Pardinho, a 190 quilômetros de São Paulo. “Idealizamos uma cidade que promova o desenvolvimento econômico em harmonia com o ambiental para que as pessoas possam viver isso em todas as ações do dia a dia”, explicou Mucerino.

Para Mucerino, é preciso conter o êxodo rural, criar alternativas e oportunidades para aqueles que estão fora dos grandes centros urbanos. “O nosso comprometimento é com a qualidade de vida das pessoas, despertando nelas a consciência de desenvolvimento e preservação”, finalizou.