‘Nós é que temos que nos engajar ativamente no processo de discussão pública’, diz secretário estadual da Fazenda em reunião na Fiesp

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Foi um convite à participação de todos na gestão pública. Convidado da reunião do Conselho Superior de Infraestrutura (Coinfra) da Fiesp, realizada na manhã desta quarta-feira (18/04), na sede da federação, em São Paulo, o secretário estadual da Fazenda, Helcio Tokeshi, destacou as perspectivas para o setor de infraestrutura.  O debate teve a participação do presidente do conselho, Marcos Marinho Lutz, e do diretor titular do Departamento de Infraestrutura (Deinfra) da Fiesp, Carlos Cavalcanti.

Para Tokeshi, a concorrência é a melhor forma de regulação do mercado. “Mas o estado deve criar as bases para que exista essa concorrência”, explicou. “A banca de pastel da feira é regulada, tem que ficar nas pontas, existe uma quantidade de barracas definidas e assim por diante”.

De acordo com o secretário, há situações de característica mista, em que o foco da regulação não é um serviço nem claramente privado nem público. “É o caso da  segurança nacional, iluminação pública e proteção ambiental”, afirmou. “A regulação, nesses termos, é complexa pelas características do bem”.

Numa análise dos investimentos recentes em infraestrutura no Brasil, Tokeshi destacou a boa estrutura dos aeroportos. “Os principais aeroportos novos são lindos, mas foram caros para construir e são caros para operar”, afirmou.

Já as concessões rodoviárias em São Paulo, conforme o secretário, se desenvolveram bem,  o que beneficia todo o país.  “O impacto seria geral se tivéssemos gargalos aqui”, afirmou.

As concessões ferroviárias, por sua vez, enfrentam problemas na avaliação de Tokeshi. “Mas, olhando para trás, vemos que essa regulação é mais difícil, os investimentos são pesados”.

Com as concessões portuárias, o ritmo de investimentos precisa ser mais acelerado. “Temos que fazer andar”, disse. “Quando a economia for retomada, vamos sentir o gargalo”.

No que se refere ao transporte metropolitano de São Paulo, o cenário é de mais avanços segundo o secretário. “Grande parte dos indivíduos vai poder abrir mão do carro em breve”, disse. “A questão vai ser mais cultural, de hábito”.

Assim, a discussão deve ser constante do plano de transporte de massa na cidade. “Temos que nos organizar para participar ativamente, de forma legitima, para acompanhar esse planejamento”, disse. “Felizmente, estamos fadados a viver em democracia”, afirmou. “Nós é que temos que nos engajar ativamente nesse processo de discussão pública”.

Nesse ponto, Tokeshi lembrou o envolvimento necessário para cuidar de um bonsai, árvore em miniatura ao estilo japonês com até 700 anos de longevidade. “Dá muito trabalho cuidar de um bonsai, mas a recompensa está na vida e na beleza”, disse. “Uma árvore passa por muitas mãos ao longo do tempo”.

Dessa forma, “somos todos passageiros, mas podemos ter o privilégio de sermos cuidadores de alguma coisa relevante”. “Todos devemos escolher um bonsai para cuidar”, disse. “Esse também pode ser um jeito de tomar conta da infraestrutura”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544441981

Tokeshi: “Felizmente, estamos fadados a viver em democracia”. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Foto: Paulo Skaf recebe secretário da Fazenda do Estado de São Paulo

Agência Indusnet Fiesp,

O secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, Renato Villela, se reuniu nesta quinta-feira (5/3) com o presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf.  O encontro aconteceu na sede das entidades, na Avenida Paulista.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544441981

Paulo Skaf e secretário da Fazenda de São Paulo, Renato Villela. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp