“Tenho fé que um dia isso possa ter um fim”, afirma Fabiana Claudino sobre racismo

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

A capitã e central do time de vôlei feminino do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), Fabiana Claudino foi mais uma vítima do racismo no esporte. Na última partida da equipe pela Superliga, contra o Minas, na casa do adversário, um torcedor passou boa parte do tempo gritando insultos racistas contra a jogadora.

Alertado por outros torcedores presentes na arquibancada, entre eles familiares de Fabiana, o torcedor foi levado para a delegacia por profissionais do Minas Tênis.

“Dá um sentimento de tristeza, por pensar que em 2015, algo assim ainda possa acontecer”, lamenta a atleta. “Foi ainda pior porque eu estava em casa, no estado onde eu nasci e comecei no vôlei, e por ter acontecido ao lado dos meus pais.”

Ela conta que foi a primeira vez que passou por uma situação de racismo. “Isso nunca aconteceu isso na minha vida. Nem quando eu era mais nova, ou quando fui jogar na Turquia, nem por brincadeira, nunca”, diz.

Após o jogo, ao ouvir o relato de seus familiares, Fabiana pensou sobre o episódio e decidiu expressar sua opinião. “Resolvi escrever e falar sobre o assunto para que isso possa mudar, para que as pessoas possam ver que todos nós somos iguais, seres humanos”, diz.

Sobre o torcedor, a jogadora diz que não sente raiva, mas vai buscar a justiça para que isso sirva como exemplo e não volte a acontecer. “Sinceramente, não sinto raiva, nem ódio desse senhor. Sinto pena. Como sou muito religiosa, peço apenas que Deus abençoe ele, mude o coração dele para que ele possa levar amor e alegria para as pessoas ao redor dele”, afirma.

“Tenho fé que o mundo possa melhorar e que, um dia, isso possa ter um fim”, deseja Fabi.

>>> Veja a nota oficial do presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, sobre o ato de racismo.

Três atletas do Sesi-SP ganham Prêmio Brasil Olímpico

Agência Indusnet Fiesp

Fabiana e Ana Marcela. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

As atletas do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) Ana Marcela Cunha (maratona aquática), Fabiana Claudino (vôlei) e Aline Silva (lutas) ganharam o Prêmio Brasil Olímpico, organizado pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), como as melhores em sua categoria no ano de 2014.

A cerimônia de premiação foi realizada na noite desta terça-feira (16/12), no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com presença de Ana Marcela – Fabiana não pode comparecer por estar em quadra no jogo em que o Sesi-SP venceu o Molico Osasco.

A 16ª edição do prêmio homenageou os esportistas brasileiros que se destacaram em 43 modalidades. Além disso, elegeu os Atletas do Ano (ginasta Arthur Zanetti e as velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze), o Atleta da Torcida (ginasta Flávia Saraiva) e entregou o Troféu Adhemar Ferreira da Silva ao maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima, por representar os valores éticos, esportivos e morais em sua trajetória.

Além de atletas e ex-atletas olímpicos de diversas modalidades, estiveram presentes à cerimônia o presidente do COB e do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman; o ministro do esporte, Aldo Rebelo; o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão; a vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional e presidente da comissão de coordenação do Rio 2016, Nawal El Moutawakel; presidentes de Confederações Brasileiras Olímpicas, entre outras personalidades.

Sesi-SP conta com Fabiana e volta à casa para conseguir a vaga na final

Agência Indusnet Fiesp

Ainda envolvida com o Campeonato Paulista, a equipe feminina de vôlei do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) tem uma tarefa complicada nesta quarta-feira (29/10), às 19h, na segunda semifinal contra o São Cristóvão Saúde/São Caetano. Com a derrota na primeira partida disputada na segunda-feira (27/10) por 3×2, Fabiana e cia agora precisam vencer o jogo e depois conseguir outra vitória no golden set para ficar com a vaga na final.

No último confronto, o Sesi-SP venceu os dois sets em que abriu larga vantagem, mas não conseguiu superar as rivais quando a pontuação ficou próxima. Para o técnico Talmo de Oliveira, um fundamento foi essencial para definir a partida, além da falta de ritmo. Com a classificação direta para a semifinal, o Sesi-SP ficou 16 dias sem jogar.

“O diferencial do primeiro jogo foi o saque. Quando sacamos bem, no segundo e no quarto set, vencemos. Nos outros, elas foram melhores. Me surpreendeu um pouco porque não foi como treinamos. O São Caetano tem um time muito rápido e muito bem preparado. Não conseguimos colocar em prática nosso melhor jogo. Também pesou a falta de ritmo de duas semanas sem jogar, enquanto elas vieram de uma semifinal dura contra o Uniara.

Agora que o jogo já passou, Talmo sabe a receita e ela passa por um jogo conjunto melhor e menos erros. O treinador não divide a partida em duas. É um jogo só.

“Para esta partida, precisamos jogar muito mais conscientes e com conjunto melhor. Demos muitos pontos de bobeira, temos que diminuir os erros. Tem que ser um jogo de pelo menos quatro sets. Então vamos entrar sabendo disso”.

Durante a partida da segunda-feira, Fabiana ficou no banco a maior parte do tempo, entrando só no terceiro set. Talmo justificou, mas garante que para esta quarta, a capitã começa jogando.

“A Fabiana chegou agora e o entrosamento com a Claudinha ainda não é o ideal. Claro que vamos trabalhar muito, mas a Bárbara e a Bia vinham jogando e estavam bem. Só que a Bárbara começou a ter dificuldade na virada de bola então coloquei a Fabiana. E a presença dela impacta, também. É uma imagem forte, marcante. Quarta, ela joga de início”.

Equipe feminina comemora a vaga na final da Superliga

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Ao som da música “Tempo de Alegria”, de Ivete Sangalo, as jogadoras da equipe feminina de Vôlei do Sesi-SP comemoraram muito a vitória sobre o Osasco neste sábado (19/04) pela semifinal da Superliga e a conquista da vaga para mais uma final. É a quinta vez que a equipe chega a uma decisão em cinco campeonatos disputados na temporada (Copa São Paulo, Campeonato Paulista, Copa Brasil, Sul-americano e Superliga).

Capitã Fabiana: “Entramos na história”. Foto: Caio Lopes/Fiesp

 

As jogadoras destacaram a união e a alegria do time como características fundamentais para a campanha positiva. “Fico feliz por ter jogado bem hoje, mas fico muito mais feliz pelo grupo. É muito bom jogar nessa equipe! Queria jogar mais 10 anos aqui. Se a gente conseguir manter essa alegria e essa união, quem sabe a gente não ganha a final?”, disse a ponteira Suelle, um dos destaques da equipe na reta final da Superliga.

“O Sesi-SP é muito merecedor, porque a gente começou com dificuldade na Superliga, ficamos em uma situação desfavorável, e desde a metade da competição, conseguiu virar. E agora estamos na final”, finalizou Suelle.

A oposta Ivna agradeceu a Deus pela vitória e citou um trecho bíblico, que fala sobre força e coragem. “O time foi forte e corajoso e estamos em uma final inédita! Agora é pensar no Unilever para buscar esse título”, comemorou a maior pontuadora da Superliga. “Estou em uma boa fase porque o Talmo me dá confiança e o time também. Estou muito feliz!”

“Entramos na história”, declarou a central e capitã do time, Fabiana Claudino. “Sei da minha responsabilidade e do que posso fazer e estou feliz por estar conseguindo a ajudar o grupo. A equipe vem trabalhando duro e é muito unida. Sabíamos das nossas dificuldades e limitações, mas uma acreditou na outra, deu força para a outra. Só o que a gente sabe o que passou para chegar até aqui.”

Fabiana contou que pediu para que a equipe jogasse com o coração. “O que eu falei para as meninas antes do jogo de hoje foi ‘ vamos nos divertir, vamos nos ajudar e jogar com o coração’, porque era isso que ia valer para o jogo de hoje. E mesmo nos momentos mais difíceis, a gente teve a tranquilidade para seguir buscando o tempo inteiro.” 

A levantadora Dani Lins, eleita a melhor em quadra na partida, acredita que união e versatilidade são as principais características da equipe. Foto: Caio Lopes/Fiesp

A levantadora Dani Lins, eleita a melhor em quadra na semifinal, também destacou a união do time. “Não tem o egoísmo de pedir ‘põe pra mim’. Pelo contrário! Se uma jogadora não está bem na partida, a gente combina de pôr para ela, exatamente para puxá-la para o jogo. Somos uma equipe, não é um jogo de pingue-pongue”, falou Dani, que destacou ainda a versatilidade da equipe. 

“As meninas do banco entraram, ajudaram a virar o jogo.  Usamos tudo hoje. A nossa equipe tem jogadoras que fazem tudo, é o famoso Severino. A ponteira faz meio, faz oposta, faz levantadora e chega na hora do jogo, graças a Deus, dá certo”, contou.

“Quando acabou o jogo, eu saí correndo, nem sei para onde. Não sei nem explicar como é bom estar em uma final”, concluiu Dani Lins.

>>> Equipe feminina do Sesi-SP vence, elimina o Osasco e vai para a final da Superliga de Vôlei

Técnico

O técnico Talmo de Oliveira foi muito questionado sobre a quebra da invencibilidade do Osasco, que há 12 anos não ficava fora de uma final. Mas o comandante da equipe diz que sempre teve certeza que o Sesi-SP tinha chance de vencer. “Nossa festa não é por ter quebrado a invencibilidade do Osasco, mas sim porque nós queríamos estar nessa final. Não tiramos ninguém da final, porque a disputa estava aberta, o Osasco ainda não estava lá. A gente não trabalha desmotivado nunca aqui. Mesmo que set esteja 19 a 1, que vamos lutar até o fim pela próxima bola, porque o jogo não acabou. Era ponto pacífico na equipe que a gente lutaria até o final”, afirmou o técnico.

“Em alguns momentos, elas sentiram muita dificuldade e minha orientação foi: ‘não pensa no final do jogo, pensa no próximo ponto’. ´Mesmo saindo atrás no tie-break, passamos a frente, depois eles passaram três pontos e tivemos capacidade e competência para minar uma das principais jogadas deles, que é a primeira bola, para virar e fechar o jogo”, explicou.  

Talmo destacou a importância do apoio oferecido pelo Sesi-SP. “Estou muito feliz no Sesi-SP porque a instituição entende o que é o processo do voleibol. Começamos há três anos, viemos melhorando e agora tivemos uma temporada muito vitoriosa. Chegamos na final de todos os campeonatos que disputamos, o que foi muito bom para a maturidade das jogadoras e para a força da equipe. A gente tem um grupo que trabalha muito forte e eu sabia que a gente ia colher o fruto de tanto esforço. É uma alegria ver um projeto tão sólido, como é o do Sesi-SP, onde as atletas entendem que elas têm responsabilidade não só dentro de quadra, mas também são exemplo para as crianças, para os trabalhadores, para a família.”

Vôlei feminino do Sesi-SP vence Praia Clube e está na semifinal da Superliga

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

No playoff mais disputado da Superliga feminina 2014, deu Sesi-SP. Em um jogo disputadíssimo, a equipe do Serviço Social da Indústria de São Paulo venceu o Praia Clube/Banana Boat por 3 sets a 2 (parciais de 17/21, 21/14, 19/21, 21/13 e 15/09), na noite de sexta-feira (04/04), no Ginásio da Vila Leopoldina.

Equipe comemora vitória de virada. Foto: Everton Amato/Fiesp

 

Com a vitória, o Sesi-SP já está entre os quatro melhores times do Brasil. Agora, enfrenta o Osasco na semifinal.

O Sesi-SP entrou em quadra com Fabiana, Dani Lins Pri Daroit, Francine, Suelle, Ivna e Suelen. Durante a partida, entraram Carol Albuquerque, Neneca e Dayse, que recebeu o troféu Viva Vôlei. A central e capitã do Sesi-SP, Fabiana Claudino, foi a maior pontuadora da partida, com 23 pontos.

“A gente sabia que ia ser um jogo difícil, mas mesmo com toda dificuldade, a equipe se manteve unida o tempo inteiro”, comentou Fabi, que saiu de quadra feliz por ter sido a maior pontuadora, mas também por ter sido a líder que a equipe precisava. “Ser capitã é complicado, porque temos que pensar no nosso jogo, mas também ajudar a equipe. Então, busquei ir pra cima e passar segurança para as meninas. Graças a Deus, consegui exercer bem o meu papel.”

Sobre a semifinal, Fabi acredita que o time precisa diminuir os erros. “O Osasco é uma grande equipe, com grandes atacantes. Mas estamos treinando e buscando para chegar a mais uma final. Para jogar com elas, não podemos errar. É um jogo que precisa de bastante sabedoria.”

Satisfeito com o desempenho da equipe, o técnico Talmo de Oliveira afirmou que a equipe estava preparada para uma disputa difícil com o Praia Clube. “Avisei no vestiário que o time tinha que se preparar para um jogo longo. Foi um grande jogo, definido em detalhes. Valeu a experiência da nossa equipe nos momentos decisivos, principalmente no tie-break, quando tivemos uma consistência boa.”

Para o técnico do Sesi-SP, o momento agora é de comemorar. “Colocamos o coração dentro da quadra e é isso que me dá a certeza de que demos o nosso melhor. Agora, temos que curtir esse momento, valorizar tudo que fizemos, comemorar o que aconteceu essa semana, descansar um pouco para depois pensar na semifinal.”

Assusta saber que a disputa da semifinal é contra o supercampeão Osasco? “Não, não. É um jogo de seis contra seis. Os quatro times que chegaram nessa etapa são os melhores, com melhor qualidade e os melhores elencos. Quem souber aproveitar melhor o momento e estiver mais preparado passa para a final.”

Equipe mostrou força de recuperação para virar o placar. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

O jogo

O primeiro set começou mostrando como seria o jogo. Foi o Praia Clube que fez o primeiro ponto, mas na sequência só deu Sesi-SP, que marcou 4 a 1. O time mineiro não facilitou a partida, passou na frente, marcando 9 a 8 e equilibrou a partida. Depois do segundo tempo técnico para o Sesi-SP, o Praia Clube veio pra cima e fechou o set por 21 a 17.

O Sesi-SP saiu na frente no segundo set, buscando impor seu jogo. Talmo mexeu no time, colocou a ponteira Dayse,  e deu mais força para o ataque. Foi o momento em que o time da casa conseguiu disparar no placar e abriu 11 a 6. O Praia Clube tentou virar, mas o set ficou com o Sesi-SP por  21 a 14.

Com a partida empatada, o terceiro set foi o mais disputado, com as duas equipes dando o seu melhor.  Atrás no placar no começo do set, o Sesi-SP virou com 13 a 12 e  agarrou a liderança, mas acabou cedendo no final e o Praia Clube venceu o set por 21 a 19.

Dayse recebeu o Troféu Viva Vôlei, reconhecimento dado ao melhor do jogo de acordo com escolha da comissão técnica da equipe vencedora. Foto: Fiesp

Para o Sesi-SP, ganhar o quarto set era obrigação para continuar na Superliga. Mas o Praia Clube queria definir o jogo. Ou seja, não faltou vontade, grandes jogadas e rallies incríveis dos dois lados da quadra.  Mas a partir do segundo tempo técnico, o Sesi-SP fechou a defesa, acertou o bloqueio e foi eficiente no ataque. O resultado foi a vitória por 21 a 13 e a chance de levar a decisão para o tie-break.

O set decisivo começou bem para o Sesi-SP, com um ace da central Fran. Mas como não podia deixar de ser uma decisão, a disputa não foi fácil. Ponto a ponto, nenhuma das equipes conseguia abrir vantagem. Mas o time da casa mostrou superioridade, com destaque para a atuação da capitã Fabiana Claudino, e a tão esperada vaga na semifinal ficou com o Sesi-SP, que ganhou o quinto set por 15 a 9.

‘Grande Sacada’: atletas do vôlei almoçam na casa de alunos do Sesi-SP

Agência Indusnet Fiesp, com informações de Caio Lopes, de Cajamar

Um dia inesquecível. Assim foi a manhã e a tarde deste sábado (23/11) para jovens alunos do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) dos municípios de Cajamar e Cerquilho. Ao lado de atletas e comissão técnica das equipes de vôlei do Sesi-SP, do novo formato do programa “Grande Sacada”.

Fabiana Claudino almoçando com aluno do Sesi-SP. Foto: Caio Lopes/Fiesp

 

Uma das novidades do programa, que inclui clínicas e treinos conjuntos, é o aumento da interação entre atletas e alunos – sete de cada equipe visitaram a casa de sete estudantes para almoçar com eles e suas famílias.

Foi o caso da bicampeã olímpica Fabiana Claudino. Eleita a melhor jogadora da Copa dos Campeões, torneio realizado na semana anterior no Japão, a central do Sesi-SP almoçou na casa do aluno Henrique de Oliveira, em Cajamar, município a pouco mais de 40 kms da capital.

“Esse projeto que o Sesi-SP tem com as crianças é superlegal. É uma inspiração e um exemplo. Mais importante de tudo é a criança praticar esporte, independente de ser vôlei. É fazer uma atividade. Ela aprende a ter respeito, aprende a conviver, a lidar com o grupo. E o Sesi-SP proporciona isso”, disse a capitã do Sesi-SP.

José Montanaro pediu a alunos que valorizem a escola. Foto: Caio Lopes/Fiesp

“Esse momento de estar na casa da família do Henrique foi maravilhoso. Fiquei 15 dias no Japão e cheguei no lugar certo para poder comer. Só tenho a agradecer à família por tudo e pelo almoço, por essa estadia. Estou me sentindo em casa”, completou Fabiana, elogiando o Sesi-SP por proporcionar essa experiência para a criança. “Eu me coloco no lugar dele.”

Seguindo a proposta do novo formato do “Grande Sacada”, atletas do time sub-21 do Sesi-SP permaneceram na escola e fizeram uma refeição com a turma dos alunos matriculados no esporte escolar.

De acordo com Talmo de Oliveira, técnico do vôlei feminino, o mais importante da iniciativa é deixar um legado que extrapola as linhas da quadra. “Esse projeto do Sesi-SP é fantástico. Primeiro porque você consegue trazer o aluno, o atleta, a família, para dentro de um universo como o esporte de rendimento que, talvez, muitas vezes, eles achem muito distante”, afirmou o treinador, campeão olímpico como jogador em Barcelona-1992.

Sandro no Grande Sacada. Foto: Divulgação

Segundo ele, possibilitar a experiência de almoçar juntos é um diferencial. “O brilho no olho acontece, mesmo! O feedback dos pais é muito positivo. Como diz o professor Walter [Vicioni, superintendente do Sesi-SP], a pedagogia do exemplo é fundamental. E o Sesi-SP em todas as categorias está comprando essa ideia. Essa ideia está dentro do coração de cada um.”

Também em Cajamar, o gestor do vôlei, José Montanaro, fez um discurso de abertura em que relembrou seus tempos de jovem interessado em esporte. “Comecei em uma quadra escolar, não numa escola tão linda como essa, mas tinha professores que me incentivavam muito.”

“Valorizem muito a escola. Tudo na vida da gente começa com o apoio dos pais e na escola”, ressaltou.

Em Cerquilho, a aproximadamente 143 kms da capital, a comissão técnica e o time masculino também participaram de atividades com 180 alunos do Sesi-SP. O objetivo foi motivar a prática da modalidade e passando os valores do esporte aos alunos do Sesi-SP. Entre os participantes, o técnico Marcos Pacheco e atletas como Murilo, Mão, Sandro, Serginho, Rogério, Lucianinho, Ary, Aracaju, entre outros.

A família da aluna Tailini, do 9° ano do Centro Educacional 428, chegou a confeccionar uma faixa para receber o jogador Tiago Wezs, o Mão. Ao final do almoço, Tailini revelou que o jogador admitiu ter adorado a comida de sua mãe e que nunca havia sido tão bem recebido assim em toda a sua vida.

Marcos Pacheco e atletas orientam alunos do Sesi-SP. Foto: Henrique Modenesi/Sesi-SP

Brasil conquista Grand Prix de vôlei feminino; três atletas do Sesi-SP integram equipe campeã

Agência Indusnet Fiesp

Depois de três anos consecutivos de hegemonia dos Estados Unidos, a seleção brasileira de vôlei feminino assegurou neste domingo (01/09) em Sapporo, no Japão, seu novo título do (1994, 1996, 1998, 2004, 2005, 2006, 2008, 2009 e 2013).

Três atletas da equipe do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) – a levantadora Dani Lins, a central Fabiana Claudino e a ponteira Priscila Daroit – participaram da conquista.

Equipe comemora mais um título. Foto: Divulgação/FIBV

 

O título veio com uma vitória sobre a China por 3 sets a 0 (25/15, 25/14 e 25/20), em 1h13 de jogo disputado no Hokkaido Prefectural Sports Center. O time comandado pelo técnico José Roberto Guimarães terminou a fase final invicto. Foram cinco jogos, cinco vitórias e nenhum set perdido.

Dani Lins foi eleita a melhor jogadora da partida.

Vôlei: Sesi-SP faz apresentação oficial da equipe feminina

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

A apresentação oficial da equipe de vôlei feminino do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) foi feita na manhã desta segunda-feira (17/06). As atletas que vão disputar a temporada 2013/14 foram recebidas pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Sesi-SP, Paulo Skaf.

“Temos um time fantástico. Vamos com muito otimismo, vibração e fé. Espero que a gente tenha o melhor resultado possível e dê o melhor exemplo possível. Não apenas para ganhar jogos, mas para milhões de crianças e jovens se estimularem com o vôlei e com o esporte”, afirmou Skaf.

Time feminino do Sesi-SP tem dez jogadoras novas no elenco. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

Em agosto, a nova equipe estreia no campeonato paulista. Ainda em 2013, elas vão disputar a Superliga de Vôlei e a Copa Brasil. Com 10 jogadoras novas, o atual time do Sesi-SP é mais jovem que o do ano passado, com a média de idade caindo de 27,5 anos para 24,4. Isso faz parte de um dos objetivos da instituição de formar atletas para os Jogos Olímpicos Rio-2016.

Para o técnico Talmo Oliveira, o mais importante é buscar a união da equipe. “Muitas jogadoras da nossa equipe são campeãs individualmente. Temos que aprender a ser campeões juntos. Esse é o grande diferencial. É dessa forma que vamos chegar no nosso grande objetivo: ser campeão e sustentar isso por um bom tempo.”

Na imagem: Talmo de Oliveira, Walter Vicioni, Paulo Skaf, Alexandre Pflug e Montanaro na reunião com atletas na apresentação. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

A levantadora Dani Lins, titular da seleção brasileira, está otimista com o novo time. “Por ser um time com pessoas mais jovens, sinto que as jogadoras estão com mais garra e mais vontade de jogar. Desde o meu primeiro ano no Sesi-SP, tivemos times bons, mas esse é especial. É um time que vai dar muito trabalho”, diz a atleta, que é a única jogadora que faz parte da equipe desde o primeiro ano do projeto de vôlei feminino do Sesi-SP.

Animada com a conquista do Torneio Internacional de Montreaux, na Suíça, e Alassio, na Itália, com a seleção brasileira, a ponteira Priscilla Daroit prevê um grande ano. “Estou muito feliz por estar vestindo a camisa do Sesi-SP. Nunca tinha jogado com a Dani Lins e, depois que nos encontramos na seleção, fiquei ainda mais animada para começar a temporada.”

Medalhista olímpica em Pequim-2008 e Londres-2012, Fabiana Claudino é a capitã da equipe. “Ainda temos que melhorar bastante e trabalhar muito. Estamos começando um trabalho. Agora é focar para chegar a uma final, que é nosso objetivo”, declarou Fabiana, que também destacou a importância da união. “Cada uma vem de um canto, cada uma é uma pecinha diferente. O quanto antes conseguirmos juntar as forças, melhor.”

O encontro teve a presença do superintendente do Sesi-SP, Walter Vicioni; do diretor da Divisão de Esporte do Sesi-SP, Alexandre Pflug; e do gestor do vôlei do Sesi-SP, José Montanaro.

Vôlei: Sesi-SP renova contrato de Bia e Suelle para temporada 2013/14

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Central Bia tem seu nome confirmado para a temporada 2013/14.

Campeão da Copa São Paulo de vôlei feminino e semifinalista da Superliga feminina de vôlei, o Sesi-SP já começou a montar a sua equipe para temporada 2013/14.

Nesta sexta-feira (05/04), a divisão de esporte do Sesi-SP anunciou a renovação do contrato da central Bia e da ponteira Suelle.

Outro nome confirmado é o da medalhista olímpica Fabiana, que já havia assinado um contrato de dois anos com a equipe.

De acordo com a divisão de esporte do Sesi-SP, outras renovações devem ser anunciadas em breve.

 

Em casa, Sesi-SP vence Usiminas/Minas por 3 sets a 1

Agência Indusnet Fiesp

A equipe feminina do Sesi-SP mostrou nesta terça-feira (29/01), no ginásio da Vila Leopoldina, que a derrota para o Vôlei Amil ficou  no passado. Em 2h06 de jogo, as campeãs olímpicas Dani Lins, Tandara e Fabiana Claudino comandaram a vitória sobre o Usiminas/minas por 3 sets a 1 (25/19, 25/22, 23/25 e 25/22) pela quinta rodada do returno da Superliga 2012/13.

Tandara, ponteira do SesiSP: 26 pontos na vitória sobre o Usiminas/MInas. Foto Everton Amaro.

 

A ponteira Tandara Caixeta foi a maior pontuadora do jogo, com 26 pontos. Já o Troféu Viva Vôlei, concedido ao eleito melhor em quadra, ficou com a central Fabiana Claudino (oito pontos). A central Bia fez 15 pontos.

Com o resultado, o Sesi-SP fica com 28 pontos, na quinta posição.

A próxima partida é na sexta-feira (01/02), às 19h30, na casa das adversárias, a equipe do São Bernardo.

Leia mais

 

 

Paulo Skaf participa da premiação Brasileiros do Ano 2012

Agência Indusnet Fiesp

Skaf entrega o troféu Brasileiras do Ano no Esporte para Fabiana Claudino, jogadora de vôlei do Sesi-SP, representando a seleção brasileira de vôlei medalha de ouro olímpica. Foto: Junior Ruiz

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), Paulo Skaf, participou da cerimônia de premiação Brasileiros do Ano de 2012, da revista Isto É, que aconteceu na noite desta segunda-feira (03/12), no Credicard Hall, na capital.

Paulo Skaf entrega o prêmio Personalidade Revelação do Ano para a atriz Débora Nascimento. Foto: Junior Ruiz

Skaf entregou o prêmio da Personalidade Revelação do Ano para a atriz Débora Nascimento, que interpretou a personagem Tessália na novela Avenida Brasil, da Rede Globo; e Brasileiras do Ano no Esporte para Fabiana Claudino, jogadora de vôlei do Sesi-SP, representando a seleção brasileira, que ganhou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres, em julho deste ano.

Sobre o prêmio

A revista Isto É, uma publicação da Editora Três, premia as 16 personalidades que mais se destacaram durante o ano de 2012 na política, nos esportes, na cultura, nos negócios e no setor da saúde. São pessoas que trabalharam pelo desenvolvimento nação, representaram o Brasil nos jogos de Londres ou inspiraram milhões através da música ou da dramaturgia.

Para conhecer a relação completa dos vencedores, clique aqui.