Em seminário sobre barreiras técnicas, MDIC pede mais participação do setor privado

Katya Manira, Agência Indusnet Fiesp

O cumprimento das exigências regulatórias (técnicas, sanitárias e fitossanitárias) é, hoje, o principal fator para o acesso a terceiros mercados. As medidas podem incidir sobre diversas etapas do processo produtivo e, apesar de possuírem objetivos legítimos, como a proteção da vida, muitas vezes são utilizadas para provocar restrições ao comércio.

Preocupada com os possíveis custos de produção dos setores afetados por essas barreiras, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), por meio do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex), realizou na manhã desta quarta-feira (23/3) o Seminário de Barreiras Técnicas ao Comércio.

Durante o evento, as analistas de Comércio Exterior do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) Juliana Ghizzi Pires e Lúcia Darós pediram uma maior participação do setor privado quanto à identificação de barreiras técnicas ou qualquer irregularidade encontrada na hora de exportar.

Já o chefe da divisão de Superação de Barreiras Técnicas do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), Rogério de Oliveira Corrêa, falou sobre os processos de certificação de produtos e adequação a exigências técnicas, esse também tema de Renato Fonseca e Gustavo Marques, do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).

A Fiesp tem permanentemente atuado para viabilizar o acesso das empresas aos canais governamentais atuantes na superação de barreiras técnicas. Com o intuito de obter subsídios dos diversos setores da indústria, o Derex promove diálogos com entidades setoriais quanto às restrições comerciais de natureza técnica observadas nos países de destino de exportações (“Diálogos sobre Exigências Regulatórias”).

Seminário de Barreiras Técnicas ao Comércio, realizado na Fiesp. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp