Sesi-SP é derrotado pelo RJ Vôlei e perde chance de assumir a liderança da Superliga

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp, do ginásio da Vila Leopoldina

Jogo teve em 2h06 de duração. Reprodução: SporTV

O time de vôlei masculino do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) perdeu a partida contra o RJ Vôlei por 3 sets a 2, na noite de sábado (22/02), no Ginásio da Vila Leopoldina. As parciais foram de 21/18, 18/21, 20/22, 21/12 e 20/22 em 2h06 de jogo.

Se vencesse, o Sesi-SP assumiria o primeiro lugar na tabela da Superliga, mas com o resultado, a equipe somou apenas um ponto, chegando a um total de 52 – um a menos que o líder Sada Cruzeiro.

Agora, para terminar em primeiro lugar na etapa de classificação, o Sesi-SP precisa vencer o Montes Claros Vôlei (MG), na próxima quarta-feira (26/02), às 19h, no ginásio Tancredo Neves, em Montes Claros (MG), e torcer por uma derrota do Sada Cruzeiro diante do RJ Vôlei, no mesmo horário, no ginásio do Tijuca T.C., no Rio de Janeiro (RJ). O dois jogos valem pela 22ª rodada da Superliga, última antes dos playoffs.

Maior pontuador do confronto, com 34 acertos, o oposto Evandro lamentou o resultado. “Infelizmente, fazer muitos pontos não vale muito se a equipe perde. A equipe do Rio de Janeiro se superou, veio com tudo e conseguiu jogar bem. Nós cometemos muitos erros e o resultado disso foi a derrota.”

Para o técnico Marcos Pacheco, o Sesi-SP falhou como time. “A gente fez uma trajetória e nosso objetivo era chegar em primeiro. Hoje, nós falhamos como time, como grupo. Porque perdemos o jogo e o primeiro lugar, que era algo que a gente queria muito, em casa. O mundo não acabou, mas a minha tristeza hoje é porque não poderíamos ter falhado como time, que é mais triste do que uma falha técnica.”

A formação inicial do Sesi-SP foi com o levantador Sandro, o oposto Evandro, o ponteiro Mão, o central Rogério, o ponteiro Ary, o central Sidão e o líbero Serginho. Também entraram o ponteiro Murilo, o levantador Thiaguinho e o oposto Renan. O RJ Vôlei atuou com Índio, Bob, Rodriguinho, Vini, Riad e Uallas, além do líbero Mário Jr. Entraram: Satiro e Guilherme. O Sesi-SP teve o maior pontuador do confronto, Evandro, com 34 acertos. O ponteiro Rodriguinho, do RJ Vôlei, recebeu o Viva Vôlei.

O jogo

RJ Vôlei venceu quinto set por 22/20. Reprodução: SporTV

Diante de um ginásio lotado, o Sesi-SP liderou o primeiro set do começo ao fim, tendo sempre o RJ Vôlei em seu encalço, com pouca diferença no placar. Mas o Sesi-SP não permitiu a reação do adversário e fechou o set por 21/18.

No segundo set, o jogo seguiu equilibrado e, apesar da vantagem da equipe paulista na maior parte do tempo, o RJ Vôlei conseguiu passar na frente e devolver o resultado do primeiro set, vencendo por 21/18.

O placar continuou apertado no terceiro set e os times chegaram empatados ao 18º ponto. Mas o time do RJ Vôlei levou a melhor e ganhou por 22/20.

No quarto set, o Sesi-SP precisava vencer. Caprichou no ataque, bloqueou tudo e levou a partida para o tie-break, marcando 21/12.

O quinto set foi disputadíssimo, ponto a ponto. Nenhuma das equipes desistiu da vitória e prolongaram enquanto puderam o set, que teoricamente é o mais curto. No fim, deu RJ Vôlei, que venceu por 22/20.

Sesi-SP busca vitória contra o Moda Maringá para definir a liderança no sábado

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp 

O time masculino do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) volta à quadra nesta terça-feira (11/2), na Vila Leopoldina, contra o Moda Maringá, pela Superliga. Se já era importante, o jogo ganhou um peso bem maior após a última derrota para o Minas, e com o Cruzeiro se isolando na liderança com 51 pontos, contra os 48 do Sesi-SP (que tem um jogo a menos). Em caso de vitória por 3 sets a 0 ou 3 sets a 1, o time paulista fica a apenas dois do rival e o confronto do próximo sábado ganhará ares de final.

Sesi-SP enfrenta o Moda Maringá nesta terça-feira (11/02). Foto: Divulgação/Sesi-SP

Para o oposto Evandro, sexto maior pontuador do campeonato com 204 pontos, a derrota contra o Minas deixou lições, mas veio em péssima hora e o time precisa vencer para retomar a disputa pela liderança, faltando apenas quatro jogos para o fim da fase de classificação.

“Não era o momento de perder. Foi uma derrota amarga e temos que tirar lições disso para nos prepararmos melhor. Tanto para amanhã (terça), que é um jogo complicadíssimo, e principalmente para a partida contra o Sada, sábado, porque se quisermos vencer a competição, temos que começar a ganhar deles agora”, disse Evandro, que elogiou o Maringá, a quem o Sesi-SP já venceu duas vezes nesta temporada (3 sets a 0 pela Superliga e 3 sets a 2 pela Copa Brasil). “No último jogo, foi 3 sets a 2 para nós e todo mundo viu como o time deles é difícil de ser vencido. Conseguimos e amanhã precisamos entrar com mais atenção e força ainda para vencer de novo. A vitória é fundamental”.

O confronto entre as equipe marca também um duelo de opostos ídolos da torcida da Vila Leopoldina. Evandro já marcou seu nome com os fãs, que confiam no seu ataque e na sua capacidade de virar as bolas levantadas por Sandro. Mas o Maringá vem com Lorena, que jogou a última temporada pelo Sesi-SP e conquistou um espaço no coração dos torcedores. Evandro elogiou o rival e sabe que não pode deixa-lo jogar, mas ressaltou que o confronto é dos times e que desde que a vitória final seja do Sesi-SP, nada mais importa.

“Nós temos que ganhar o jogo, isso é o que vale. Se eu fizer 20 pontos e ele também, no final teremos que fazer mais que o time deles. O Lorena é um grande oposto, joga muito bem, mas eu quero e vou fazer a minha parte aqui dentro de casa para ajudar o time e garantir nossa vitória. Ele vai marcar pontos e temos que ter atenção com ele, mas vamos fazer o nosso trabalho para vencer e chegar bem na partida de sábado”, finalizou.

Na segunda colocação na tabela, o Sesi-SP enfrenta, após o Maringá, o Cruzeiro, no sábado, o RJ Vôlei, dia 22/02, na Vila Leopoldina, e fecha o returno fora de casa contra o Montes Claros, dia 26/02.

Serviço
Superliga 2013/2014
Sesi-SP x Moda Maringá
Data e horário: 11 de fevereiro, terça-feira, às 19h
Local: Ginásio do Sesi – Vila Leopoldina (Rua Carlos Weber, 835 – Vila Leopoldina, São Paulo)
Entrada gratuita

Sesi-SP supera o calor, vence São Bernardo e se mantém na liderança da Superliga

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp 

Com termômetros marcando 31 graus na Vila Leopoldina, Sesi-SP e São Bernardo fizeram um jogo bem quente dentro da quadra. A vitória do time da indústria por 3 sets a 0 (parciais de 21/19, 21/19, 21/15) rendeu três pontos, mas não mostrou a dificuldade da partida.

Voltando de pequenas férias, a equipe comandada por Marcos Pacheco sentiu o ritmo e teve dificuldades para se manter na frente do rival durante todo o jogo, mas graças às estrelas que compõem o elenco, a vitória, bastante suada, veio e com ela a liderança na tabela,  com 37 pontos na tabela, cinco de diferença pro Sada Cruzeiro, mas temos um jogo a mais. O time agora se prepara para encarar o Volta Redonda, no sábado, às 20h, na cidade Fluminense, último jogo antes da parada da Copa Brasil.

Para Marcos Pacheco, o jogo foi mais complicado do que poderia ser. Segundo o treinador, a equipe cometeu muitos erros e correu riscos desnecessários. “Temos que aproveitar as oportunidades. Não trabalho com sorte, mas com aproveitamento das oportunidades. E o time hoje não aproveitou bem as que surgiram, deu muitos pontos ao São Bernardo e deixou a partida chegar sempre em 18 /18, o que pode dar uma vitória de bobeira para o rival. Vencemos, temos os três pontos, mas não foi muito bom, não”.

O oposto Evandro levou o Viva Vôlei da noite e concorda com o chefe. Para ele, a volta do descanso pode ter interferido, mas o time jgou um pouco abaixo do que pode.

“Primeira partida, sentimos isso e cometemos erros bobos. Mas vamos sanar isso e nos preparar bem para o Volta Redonda e a Copa Brasil”, afirmou o maior pontuador do jogo, com 18 pontos. O Sesi-SP começou com Evandro, Sandro, Murilo, Lucão, Sidão e Lucarelli, além do líbero Serginho. Entraram Thiaguinho, Renan e Ary.

Sesi-SP vence São Bernardo por 3 sets a 0 e segue na liderança da Superliga. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

O jogo

O primeiro set teve todo o equilíbrio que o jogo prometia, mesmo com elencos tão diferentes. O São Bernardo, graças ao seu líbero Felipe, impedia que o Sesi-SP fugisse no placar. Mas a eficiência de Evandro de um lado e Murilo e Lucarelli de outro fizeram a diferença para a equipe que comandou as ações do início ao fim do set. Mesmo assim, o time ainda cometia erros cruciais que não permitiam uma maior vantagem no marcador, inclusive forçando Marcos Pacheco a pedir tempo quando o jogo estava 13/12 para o time da casa.

Com 15/15, o treinador fez a inversão com Renan e Thiaguinho nos lugares de Sandro e Evandro, reforçando o bloqueio e alteração deu certo. Em dois ataques rápidos com Lucarelli e Murilo, o time abriu 17/15, forçando o pedido de tempo por parte do São Bernardo. Porém, o adversário se acertou com o oposto Michael e empatou o jogo em 18×18, desfazendo a inversão e levando de volta Evandro e Sandro para a quadra. Mais uma vez a mudança fez efeito e um bloqueio sensacional de Sidão reabriu a vantagem de dois pontos, que consumou com a vitória na etapa após erro de saque de Michael. Em 27 minutos, 21/19.

O começo do segundo set foi uma autêntica caça ao ponto perdido. As equipes não perdiam suas oportunidades de marcar e o jogo foi seguindo com igualdade até 6/6, quando Lucarelli, fazendo as vezes de Serginho, que estava fora por conta dos centrais em quadra, fez duas defesas importantes salvando o time da casa e Evandro soltou o braço para marcar o sétimo ponto e fechar o primeiro tempo técnico.

Mas diferentemente do primeiro set, o São Bernardo conseguiu a vantagem graças Ceará e Leozão e uma diminuição dos erros em comparação à etapa anterior, chegando a fazer 15/14. A liderança no marcador, porém, durou pouco. Com Sidão no saque, o time da casa marcou três vezes seguidas e remotou a frente, até fechar em 21/19 após ataque de Lucão pelo meio.

Para o último set, o Sesi-SP veio determinado a fechar a partida sem passar tanta dificuldade. Não que o rival tenha diminuído o ritmo, em absoluto, mas a equipe da casa soube tirar vantagem do maior poder de fogo para construir uma diferença no placar difícil de alcançar. Após o segundo tempo técnico, e com Ary no lugar de Murilo, poupado, o Sesi-SP chegou a 17/12, gordura essencial para decidir a partida. O São Bernardo ainda tentou chegar, mas Lucarelli, com uma defesa incrível de saque e logo em seguida um ataque fulminante na saída de rede marcou o décimo oitavo ponto da equipe da Vila Leopoldina, minando as esperanças do adversário. E com bloqueio de Renan, aos 21 minutos, o Sesi-SP fechou a partida em 21/15 garantindo mais três pontos e a liderança na tabela.

Com quatro atletas do Sesi-SP, Brasil é tetracampeão da Copa dos Campeões de vôlei

Agência Indusnet Fiesp

Em jogo neste domingo (24/11), no Japão, a seleção masculina de vôlei venceu a Itália por 3 sets a 2 (25/22, 25/22, 23/25, 20/25 e 15/11), em 2h03, e garantiu o título da Copa dos Campeões de vôlei, competição por pontos corridos que envolve as campeãs continentais. A equipe comandada pelo técnico Bernardo Rezende, o Bernardinho, contou com quatro atletas do Sesi-SP: Lucão, Sidão, Lucarelli e Evandro.

Seleção brasileira de vôlei campeã da Copa dos Campeões 2013. Foto: FIBV

 

É o quarto título do Brasil em seis edições da competição – 1997, 2005, 2009 e 2013. A seleção encerrou a competição com 12 pontos somados em quatro vitórias e uma apenas derrota.

Lucão, central do Sesi-SP, foi eleito o melhor jogador da partida, marcando 21 pontos – 17 de ataque, três de bloqueio e um de saque.

“Hoje, conseguimos jogar com inteligência, paciência e acredito que o nosso grupo amadureceu muito nesse campeonato passando por situações difíceis. Soubemos construir a competição. Por ser por pontos corridos, não demos mole e conseguimos fazer bons jogos”, disse Lucão ao site da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

“Os jogadores que estão chegando tinham que sentir o gostinho de ser campeão com a camisa do Brasil em uma competição fora do nosso continente. Temos que comemorar mesmo, mas logo botar a cabeça no lugar e saber que ainda temos muito o que evoluir. Temos, por exemplo, que ser um pouco mais decisivos em alguns momentos”, completou o atleta do Sesi-SP.

Além do Brasil, participaram da Copa dos Campeões as seguintes seleções: Irã, Estados Unidos, Japão, Rússia e Itália. Todos são campeões continentais com exceção do Japão que participa da competição por ser o país sede e da Itália, que foi convidada pela organização.

>> Conheça a equipe de vôlei masculino do Sesi-SP

Pela Superliga masculina, Sesi-SP derrota Brasil Kirin por 3 sets a 0

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Em jogo na noite de sábado (02/11), o time masculino do Serviço Social da Indústria venceu pela terceira vez seguida o do Brasil Kirin/Campinas por 3 sets a 0 (21/15, 21/11 e 21/17) – desta vez pela Superliga masculina 2013/14. O jogo foi realizado no ginásio do Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo.

Sidão e Lucarelli. Bloqueio do Sesi-SP funcionou. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

 

Com o resultado, o Sesi-SP chega à sexta vitória em seis jogos na competição – bateu o Funvic/Taubaté, UFJF, São Bernardo Vôlei, Voltaço e Kappesberg Canoas. O time do técnico Marcos Pacheco é o terceiro na tabela de classificação, com 17 pontos, um atrás do líder Sada Cruzeiro e do vice-líder RJX.

Depois de superar o Brasil Kirin duas vezes consecutivas pelo Campeonato Paulista, o Sesi-SP não perdeu a concentração, pressionando a equipe visitante desde o início de cada set, com saques demolidores de Evandro e Lucão, e bem em todos os fundamentos. O bloqueio funcionou, a linha de passe distribuiu a bola na mão do levantador e Sandro variou bem as jogadas.

Evandro, oposto do Sesi-SP, com o goleiro Cássio. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

“A gente está numa sequência boa. Conseguimos jogar bem, muito bem”, comentou o oposto Evandro depois de receber o troféu Viva Vôlei das mãos de um convidado especial: o goleiro Cássio, do Corinthians. O reconhecimento é concedido ao atleta melhor em quadra em escolha do treinador da equipe vencedora – Marcos Pacheco, no caso.

“Foi uma vitória importantíssima, que dá confiança. Foram duas semanas duríssimas, com três jogos por semana, mas está todo mundo de parabéns”, disse o central Sidão.

Uma das novidades do jogo foi a camisa customizada usada pelo líbero Serginho, em alusão ao apoio do Sesi-SP ao movimento Novembro Azul, alertando para a necessidade do exame de prevenção ao câncer de próstata.

O Sesi-SP entrou com Sandro, Ary, Sidão, Lucão, Evandro, Sidão e Serginho (líbero). Entraram Renan, Thiaguinho e Rogerio.

A equipe volta às quadras pela Superliga somente no último dia do mês (30/11), às 19h30, no ginásio Chico Neto, onde enfrenta o Moda Maringá (PR).

O jogo

Serginho - Vôlei

Serginho com camisa em alusão à campanha "Novembro Azul". Foto: Lucas Dantas

O primeiro set começou equilibrado. Alexandre Rivetti, técnico do Brasil Kirin, surpreendeu ao escalar Bergamo e Mineiro. Lucão, pelo meio de rede, levou o jogo para a primeira parada técnica: 07/06. Bem nos fundamentos, o Sesi-SP fez 10/07 com Lucarelli, em ponto de bloqueio. Lucão soltou o braço, a recepção devolveu e Lucarelli matou o ponto (15/08). Depois de uma sequência de pontos dos visitantes, que reduzira a diferença para 17/12, o técnico Marcos Pacheco pediu tempo. O Sesi-SP  voltou a rodar e o oposto Renan fechou o jogo em 21/15.

No segundo set, o Sesi-SP seguiu com ritmo forte no saque e bem em todos os fundamentos – a vantagem chegou a sete pontos quando Sidão, pelo meio, levou o jogo para a segunda parada técnica obrigatória. O set point veio com um ace de Evandro: 20/11. Um erro de Bergamo, do Brasil Kirin, decretou o fim do parcial: 21/11.

O terceiro set começou mais equilibrado depois de uma mudança na equipe visitante, que escalou o oposto Rivaldo, preterido na formação inicial. Lucão, que vinha bem no saque e no ataque, fez um ponto de bloqueio para levar o jogo para a primeira parada obrigatória do terceiro set. A vantagem aumentou depois de um erro de recepção do Brasil Kirin: Sandro não perdoou e fez o 08/05. Na segunda parada técnica, o técnico Marcos Pacheco, percebendo o risco de a equipe diminuir o ritmo, pediu mais concentração aos jogadores. Deu certo e a equipe conseguiu rodar até abrir cinco pontos de diferença em bloqueios de Lucarelli (17/13) e Sidão (18/13). Foi o suficiente para fechar o jogo com tranquilidade, em bola do ponteiro Ary: 21/17 e 3 sets a 0.

>> Conheça o elenco da equipe masculina do Sesi-SP 

Vôlei: Bernardinho chama sete atletas do Sesi-SP para a seleção brasileira

Agência Indusnet Fiesp

Bernardinho. Foto: Alexandre Arruda CBV

Dos 15 atletas convocados, cinco são jogadores do time do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP): o oposto Evandro, os ponteiros Ary e Lucarelli e os centrais Sidão e Lucão.

Bernardinho também convidou o ponteiro Murilo e o levantador Thiaguinho, ambos do Sesi-SP, para participarem das atividades anteriores à viagem para o Japão.

A apresentação à comissão técnica está programada para a próxima segunda-feira (04/11), no Centro de Desenvolvimento do Voleibol, o Aryzão, em Saquarema.

Vôlei: Sesi-SP estreia com vitória na Superliga masculina: 3 sets a 0 sobre o Funvic/Taubaté

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp, de Taubaté

Começou bem a campanha do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) na temporada 2013-14 da Superliga masculina de vôlei. Com a vitória fora de casa por 3 sets a 0 (21/14, 21/16 e 21/14) sobre o Funvic/Taubaté, o time conquistou três pontos e a tranquilidade necessária para a segunda partida das quartas de final do campeonato paulista, diante do São Caetano, na quinta-feira (19/09), no ginásio do Sesi-SP Vila Leopoldina. O troféu Viva Vôlei foi entregue ao oposto Evandro, maior pontuador do Sesi-SP, com 12 pontos.

Sidão ataca pelo meio da rede. Central marcou oito pontos. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

 

O resultado aparentemente fácil não surpreendeu o treinador Marcos Pacheco. Ele elogiou a postura a equipe, que fez exatamente o combinado, não dando muitas chances a um adversário que ainda não conta com Giba – o campeão olímpico (2004) é o principal reforço do Funvic para a temporada.

Segundo Pacheco, o volume de jogo do Sesi-SP é que definiu o resultado.

“Os jogadores sabem que, com o sistema de 21 pontos, precisam entrar em quadra muito ligados e com um ritmo muito forte. E eles fizeram isso hoje. Temo suma equipe muito talentosa que está começando a ter cara de time. As individualidades são importantes, mas como conjunto é que vamos vencer. E hoje o time se apresentou muito bem”, comentou o técnico, que agora poderá pensar na próxima partida, pelo campeonato paulista.

“Nós trabalhamos jogo a jogo, sempre. Não adianta pensar em cinco rodadas, ou um mês lá na frente. Temos agora uma missão em casa e vamos pensar nesse jogo. Outro estilo, outra [marca de] bola. Uma situação nova. Nunca disputei competições paralelas à Superliga. E olha que já joguei 20 superligas.”

O Sesi-SP entrou em quadra com Sandro, Evandro, Lucão, Sidão, Lucarelli, Manius e o líbero Serginho. Entraram Thiaguinho, Renan, Aracajú e Ary. Além de Evandro, Lucão e Lucarelli marcaram nove pontos, cada um. Sidão fez oito e Manius, dois.

O Funvic/Taubaté do técnico João Conceição entrou com Bernardo, Lukianetz, Jotinha, Leandrão, Tiago Barth, Jurquin e o líbero Diego.

O jogo

O primeiro set começou equilibrado. Empurrado pela torcida, o Taubaté forçou o jogo e conseguiu virar bolas importantes, aproveitando também os erros de saque do time da indústria, que ainda se acostumava com o espaço. Aos poucos, o Sesi-SP foi se acertando e, forçando o saque no cubano Jurquin, virou a partida. Com a entrada de Thiaguinho no saque e uma sequência de quatro bolas boas, o Sesi-SP abriu ótima vantagem fechando o set em 21/14 em 18 minutos.

O segundo set foi mais disputado que o primeiro. Com boas alternâncias nas jogadas e variações, o time da casa não deixou o Sesi-SP escapar no placar. Mas embalados por Lucão, Lucarelli e, principalmente, Evandro, o time impôs seu volume de jogo e manteve-se sempre à frente no placar, até terminar a etapa em 21 minutos: 21/16.

O jogo seguiu à feição do Sesi-SP no terceiro e definitivo set. Sem fazer muitas alterações no time, Pacheco apenas deu orientações para os jogadores que mantiveram o controle da partida. Estava tudo dando tão certo que até Serginho fez ponto. Ao final de 19 minutos, vitória por 21/14 e três pontos na conta.

Pela Superliga, o próximo confronto será fora de casa contra o UFJF, em Juiz de Fora, no sábado (21/09).

Sesi-SP vence São Caetano em estreia no campeonato paulista de vôlei

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

No primeiro jogo oficial sob o comando do técnico Marcos Pacheco, o time masculino do Sesi-SP venceu neste sábado (03/08), na Vila Leopoldina, a equipe do São Caetano por 3 sets a 0 (21/18, 21/15 e 21/12). O jogo, válido pela primeira rodada no campeonato paulista, teve 60 minutos de duração.

Sesi-SP precisou de 60 minutos para superar adversário da estreia. Foto: Juan Saavedra/Fiesp

 

No primeiro set, o Sesi-SP abriu 07/04, mas foi para o segundo tempo técnico em desvantagem (13/14), fechando o parcial em 22 minutos com 21/18. No segundo set, o Sesi-SP foi para o primeiro intervalo obrigatório atrás do placar (06/07), mas virou e manteve a dianteira (14/11), concluindo em 20 minutos com 21/15. O terceiro foi o mais tranquilo – o Sesi-SP fechou em apenas 18 minutos por 21/12. O oposto Evandro foi o maior pontuador do jogo, com 13 pontos, 10 de ataque e três de bloqueio.

Além de Evandro, o Sesi-SP atuou com o levantador Sandro, os ponteiros Ary e Mão e os centrais Rogério e Tarcisio. Serginho foi o líbero. Entraram Bernardo Roese, Lucianinho, Wagner e Alisson.

Na avaliação de Marcos Pacheco, o time como um todo funcionou bem, apesar dos erros de saque.

Marcos Pacheco fez sua estreia oficial pelo Sesi-SP. Foto: Juan Saavedra/Fiesp

“Um fundamento importante para nós é o saque. E os jogadores que têm saque forte não foram felizes hoje – principalmente Evandro e Rogério, que erraram bastante”, disse Pacheco. “Mas o time funcionou bem como uma engrenagem.”

Ainda sem poder contar com alguns dos principais reforços contratados para a temporada, como o ponta Lucarelli e o central Lucão, ambos a serviço da seleção, o técnico Marcos Pacheco elogiou a atuação de Alisson, Wagner, Bernardo e Tarciso – todos atletas da base do Sesi-SP escalados na estreia oficial na temporada.

“Gostei muito dos garotos que entraram. São jovens, mas sabem que vão ter suas oportunidades e que, principalmente, vão ter suas responsabilidades de executar e fazer bem feito”, afirmou o técnico, que assumiu o Sesi-SP credenciado por sete títulos na Superliga, três como treinador e quatro como auxiliar.

Sandro, levantador do Sesi-SP. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

Para o levantador Sandro, o desempenho do time foi fraco no primeiro set, mas evoluiu durante a partida.  “Começou um pouco abaixo. No segundo set foi bom e no terceiro set foi ótimo.”

No próximo compromisso, marcado para sábado (10/08), o time masculino do Sesi-SP viaja até São José dos Campos, onde enfrenta a equipe local no ginásio Cidade Jardim.

“São José dos Campos é um adversário perigoso, principalmente quando joga em casa. Eles tentam de tudo. Então, vamos atentos para lá”, disse Sandro. “É um ginásio um pouco diferente dos padrões. Então, a gente vai preparar bem essa semana para não ter surpresas”, completou o capitão do Sesi-SP.

Novas regras

O campeonato paulista vai ser utilizado como evento teste para as novas regras referentes aos sets, aplicadas pela Federação Internacional de Volleyball (FIVB).

Com o objetivo deixar as partidas mais atraentes comercialmente, em função das transmissões de TV, a quantidade de pontos por set diminuiu de 25 para 21.

“A tônica do jogo muda, a dinâmica muda. O jogo se torna muito rápido e fica difícil tirar vantagem do adversário porque tem pouco tempo”, comentou Marcos Pacheco.

Os jogadores ainda terão um limite de 15 segundos para sacar. Outra mudança é o golden set para a decisão dos playoffs. Em caso de uma vitória para cada time, na segunda partida, será disputado um set a mais, para desempatar.

“Como em toda mudança, e essa é uma mudança radical, precisamos de um tempo de adaptação”, completou Pacheco.

Sets foram reduzidos - de 25 para 21 pontos. Foto: Juan Saavedra/Fiesp