Comtextil debate licitações públicas e etiquetas por rádio frequência

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544785370

Elias Miguel Haddad, coordenador do Comtextil. Foto: Júlia Moraes

As licitações públicas podem ser uma ótima oportunidade de negócio para empresários dos mais variados segmentos da indústria. A opinião é do advogado da Sanegás, Paulo Magalhães, um dos convidados da reunião mensal do Comitê da Cadeia Produtiva da Indústria Têxtil, Confecção e Vestuário (Comtextil) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O encontro foi realizado terça-feira (16/10).

Segundo Magalhães, as licitações públicas oferecem uma série de vantagens. Entre elas o risco baixo da operação. A vitória em uma licitação, segundo o convidado do Comtextil, pode ser ainda excelente ferramenta de marketing no processo de captação de novos clientes.

Magalhães alertou os conselheiros sobre a importância da pesquisa prévia no processo de licitações eletrônicas. “Quando o empresário aprende a dinâmica correta dos pregões, ele saberá a hora certa de parar e agir”, afirmou.

Avanços tecnológicos

Durante o encontro, Marco Carbonari, representante da empresa CCRR, apresentou para os conselheiros os benefícios da marcação de etiquetas por rádio frequência – Raio Frequency Identification (RFID). A tecnologia, utilizada por empresas nos Estados Unidos e na Europa, ganha cada vez mais adeptos no Brasil.

De acordo com Carbonari, a etiqueta inteligente permite que os dados sejam lidos automaticamente sem a intervenção humana, facilitando a logística de distribuição dos produtos e o controle do estoque.

“Há muitas vantagens. A gente consegue ver o que há dentro de uma caixa cheia de produtos, fechada, com uma velocidade de três mil itens por minuto”, afirmou o representante da CCRR, empresa que é resultado da fusão da Colacril, maior fábrica de adesivos da América Latina, e da RR Etiquetas, responsável pela implantação do código de barras no Brasil.

Impressionado com a nova tecnologia, o coordenador do Comtextil, Elias Miguel Haddad, pediu que o palestrante oferecesse amostras de etiquetas de rádio frequência para a unidade do Senai Francisco Matarazzo, na região do Brás, unidade esta especializada na formação de profissionais para o setor têxtil.

A solicitação será atendida. “Nós acreditamos que esta tecnologia é inovadora e veio para ficar. Por isso, faz parte do nosso projeto investir na formação e treinamento”, afirmou Carbonari

Desoneração de folha

Durante o encontro, a sócia do escritório Honda, Estevão Advogados, Lumy Miyano Mizukawa, esclareceu as dúvidas de conselheiros sobre as mudanças na desoneração da folha de pagamento previstas no Plano Brasil Maior.