África Ocidental quer parceria com indústria brasileira

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542789974

Soumaila Cissè (dir.), presidente da Comissão da Uemoa. Foto: Vitor Salgado

Motivada pela política brasileira de biocombustíveis, uma comitiva da Comissão da União Econômica e Monetária do Oeste Africano (Uemoa) visitou a Fiesp nesta quinta-feira (29).

Os africanos foram recebidos pelo diretor-titular do Departamento de Energia da Fiesp, Carlos Cavalcanti, e pelo diretor-adjunto do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex), Thomaz Zanotto.

“Os objetivos do Brasil são os objetivos do futuro”, afirmou o presidente da Comissão da Uemoa, Soumaila Cissè, ao conhecer detalhes da política de biocombustíveis, apresentada pelo diretor Carlos Cavalcanti. “As mudanças climáticas são realidade e nos países da Uemoa já vemos seus efeitos de maneira mais dramática. Sabemos que o continente africano será o mais prejudicado”, comentou.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542789974

Thomaz Zanotto, diretor do Derex. Foto: Vitor Salgado

Cissè explicou que as tecnologias desenvolvidas no Brasil interessam aos países africanos. “Temos matéria-prima e poderemos oferecer trabalho aos camponeses”, completou.

O presidente da Comissão acredita que uma parceria com o Brasil para a produção de biocombustíveis poderia minimizar problemas sociais dos países do Oeste Africano.

Já o diretor Cavalcanti lembrou que “sem independência energética não é possível ter desenvolvimento econômico e social”. Ele falou ainda que a experiência do Brasil com biocombustíveis em grande escala “é única no mundo” e que o País está desenvolvendo pesquisas para que, a exemplo dos veículos leves, o etanol também seja usado em veículos de carga e de transporte (como ônibus e caminhões), além de turbinas nas indústrias.

Atraso

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542789974

Carlos Cavalcanti, diretor do Departamento de Energia da Fiesp. Foto: Vitor Salgado

O presidente da Comissão da Uemoa cobrou investimentos brasileiros na África. “Temos presença forte de Índia e China, mas o Brasil não está presente. Entretanto, estou convencido de que em breve vocês terão previsão do que podem fazer lá”, afirmou.

Cavalcanti reconheceu que o Brasil está atrasado na participação em projetos africanos e prometeu empenho da classe empresarial para investir no continente.

Por outro lado, o diretor Thomaz Zanotto disse que “o Brasil está atrasado, mas está despertando para isso”. Segundo ele, há grandes interesses de empresas, especialmente as de construção e de mineração.

O embaixador do Brasil em Burkina Fasso (um dos países da Uemoa), Santiago Luis Bento Fernández Alcázar, revelou que o governo brasileiro está “entusiasmado” e considera este “um novo começo” nas relações do Brasil com a África Ocidental. “O ponto de partida foi a África e o ponto de chegada será a África”.

Uemoa

A União Econômica e Monetária do Oeste Africano (Uemoa) é uma organização de integração regional criada em 1994 e reúne os seguintes países: Benim, Burkina Fasso, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Mali, Níger, Senegal e Togo. Todos eles têm em comum a mesma moeda, o franco.