São Paulo ganha primeira galeria de arte digital a céu aberto da América Latina

Agência Indusnet Fiesp

O prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), um dos principais cartões postais paulistanos, agora é também em um espaço inédito e permanente de arte digital para exibição de obras visuais a céu aberto.

[veja mais fotos ao final deste texto]

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540252265

Inauguração da Galeria Digital no prédio da Fiesp. Foto: Mauren Ercolani

A abertura oficial se deu na noite de segunda-feira (03/12), por volta de 20h, quando teve início uma contagem regressiva de aproximadamente 20 minutos até que as luzes foram apagadas e a fachada e as laterais do prédio passaram a exibir a primeira galeria de arte digital da América Latina: a Galeria de Arte Digital do Sesi-SP.

Com 26.241 mil clusters, cada um formado por quatro lâmpada de LED, instalados em 3.700 m² da estrutura metálica que reveste o prédio da Fiesp, o novo espaço cultural transmitirá até 4,3 bilhões de combinações de cores. A inauguração marcou também o início da primeira edição do SP_Urban Digital Festival, com curadoria da brasileira Marília Pasculli e da alemã Susa Pop.

Durante a exibição, centenas de pessoas ficaram no lado oposto da Avenida Paulista para apreciar o espetáculo. Entre elas, Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), e Walter Vicioni Gonçalves,  superintendente do Sesi-SP, além de diversos diretores da Fiesp, artistas e convidados.

Presente da Fiesp e do Sesi-SP para São Paulo

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540252265

São 26.241 mil clusters, cada um formado por quatro lâmpada de LED. Foto Mauren Ercolani.

O festival aconteceu durante o mês de dezembro, todas as noites das 20h às 6h, quando o edifício icônico da avenida Paulista virou uma grande tela urbana de novas formas de expressão de arte digital.

Segundo Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Sesi-SP, a Galeria Digital do Sesi-SP é um presente das entidades da Indústria para São Paulo.

“A cidade é pulsante e efervescente durante o dia e a noite. A galeria, baseada em tecnologia e modernidade, traduzirá esse ritmo produtivo e será mais um marco de São Paulo, como existem poucos no mundo.”

Obras audiovisuais

O SP_Urban Digital Festival segue o conceito de Media Facade – a transformação de fachadas arquitetônicas em “telas” para exibição de obras audiovisuais. Na edição 2012, foram expostos trabalhos dos artistas paulistanos VJ Spetto (United VJs), o coletivo BijaRi e Goma Oficina, além dos internacionais Esteban Gutierrez, da Colômbia, do francês Antoine Schmitt, e da dupla Mar Carnet & Varvara Guljajeva, respectivamente da Espanha e Estônia.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540252265

Imagem feita durante testes, dias antes da abertura oficial da galeria na Avenida Paulista.

Cada artista teve cinco dias do festival dedicados exclusivamente à transmissão de sua obra, das 20h às 23h. Entre 23h e uma da manhã, o trabalho de Antoine Schmitt tomou conta do prédio0. E a partir desse horário, a programação foi mista e randômica até as 6h.

A obra do francês Antoine Schmitt, renomado mundialmente pelo projeto City Sleep Light, foi um dos destaques do festival. Traduzida como “luz do sono da cidade”, tem como matéria-prima os dados de atividades socioeconômicas do local onde está sendo realizado.

Estes dados são recolhidos a partir de um software que coleta os códigos de fluxos disponíveis na internet de uma cidade específica: trânsito, transações bancárias e movimentação nas redes sociais, por exemplo. Quando a cidade vai dormir, Antoine transforma estes códigos em pulsações de luz branca. Todos os pixels piscam juntos, transformando o edifício em um organismo vivo, que “respira” de acordo com o ritmo da cidade. “Será como observar os batimentos cardíacos da capital paulistana a cada noite”, diz a curadora Marilia Pasculli.

Alguns exemplos de edifícios que sediaram galerias de arte digital em suas fachadas são o ARS Electronica Center, na Áustria; a Uniqa Tower, em Viena; o Shopping Iluma em Cingapura; o MediaLab-Prado, na Espanha, além do renomado Media Facades Festival, que acontece desde 2008 em diversas cidades da Europa.

Veja aqui os artistas que participaram do SP Urban Digital Festival