Iniciativas Sustentáveis: InterCement – incentivo à cultura e infância

Por Karen Pegorari Silveira

Os impactos negativos de uma indústria cimenteira ao se instalar em uma cidade já são conhecidos pela maioria da população. Eles vão desde os ruídos estrondosos até a emissão de gases poluentes que prejudicam a saúde e a vida da comunidade do entorno. Apesar disso, muitas cimenteiras investem no uso de avançadas tecnologias de produção e controle de processos, além do diálogo aberto e transparente com seus diversos públicos. A intenção é reduzir ao máximo estes transtornos com vistas a melhorar a vida da população e consequentemente impactar da menor forma possível esta comunidade, como é o caso da InterCement.

Esta indústria possui diversos projetos de investimento social privado, entre eles: a restauração da Capela da Graça, tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) na cidade de João Pessoa (PA); e os projetos de ação cultural em seis cidades do Estado de São Paulo.

O projeto da Capela da Graça apoia, desde 2008, o restauro do santuário e também uma pesquisa do sítio arqueológico na região, além do curso de formação de jovens para atuar na profissão de restaurador. Como próximo passo, a empresa cita também o desenvolvimento de um projeto para viabilizar a visitação da comunidade à capela. Já o programa de Ação Cultural consiste em apresentações com temas de educação ambiental para crianças utilizando um ônibus itinerante, chamado de BUZUM, que estaciona em frente as escolas públicas municipais selecionadas. As agendas são sempre articuladas com as secretarias municipais de educação e com as escolas para que o maior número de alunos possa participar. Segundo Carla Duprat

Diretora Executiva do Instituto InterCement, este projeto deu certo. “O BUZUM tem sido elogiado pelas escolas e secretarias municipais de educação pois proporciona conteúdos que podem ser trabalhados na sala de aula e ao mesmo tempo uma vivência sociocultural relevante para as crianças que assistem as apresentações”. Essas exibições acontecem desde 2014 e já beneficiaram cerca de 32 escolas em 6 municípios paulistas: Barueri, Cubatão, Jacareí, Itaoca, Apiaí e Cajati.

Os dois projetos acima utilizam as Leis de Incentivos Fiscais Rouanet e PROAC/ICMS (Programa de Ação Cultural), porém a empresa conta ainda com outros programas e ações de investimento social que vão além das Leis de Incentivos, e que inclusive possuem impacto e estratégia de atuação mais sofisticados.

Em 2013, os investimentos somaram R$ 13,9 milhões, com foco em projetos dirigidos à infância, à educação e à geração de renda.

O mote do Instituto InterCement “Pelo Desenvolvimento Comunitário”, se fundamenta através das ações de mobilização, capacitação de profissionais e fortalecimento da rede de atendimento e até das secretarias municipais de educação no sentido de contribuir para a educação de qualidade. Além disso, uma parceria com o departamento de economia solidária do BNDES também apoia grupos produtivos rurais e urbanos para aumentarem a renda e diminuírem a dependência das famílias aos programas sociais do governo.

Ainda de acordo com a diretora executiva do Instituto, os profissionais da empresa são engajados. “Eles estão cada vez mais sensibilizados em relação ao papel social da empresa e a responsabilidade de atuar de forma sustentável e em parceria com as comunidades. Este nível de sensibilização e engajamento aumenta na medida em que envolvemos estes profissionais para construírem esta atuação em parceria com o Instituto, via comitês locais ou conselhos. Percebemos que quando as lideranças da empresa acreditam no trabalho que é realizado, os demais profissionais e até a própria comunidade se inspiram para iniciar algum processo de mudança, relata Carla.

Sobre a InterCement

Com 40 unidades ativas de produção de cimento, possui capacidade instalada de 46 milhões de toneladas/ano, e está posicionada entre as dez maiores produtoras de cimento do mundo. A InterCement mantém um quadro de mais de 8800 colaboradores em oito países da América do Sul, África e Europa. É signatária do Pacto Global, da Organização das Nações Unidas (ONU), do Cement Sustainability Initiative (CSI), Empresas pelo Clima (EPC), RedEAmérica, Convênio de Lucha contra El Trabajo Infantil, e ainda as certificações ISO 9001, ISO 14001 e OSHAS 18001.

 (27/10/2015)

Setor precisa crescer tecnologicamente, destaca presidente do Conselho Superior da Construção da Fiesp na feira Concrete Show

Do Observatório da Construção

Na abertura da edição 2013 da Concrete Show, na manhã de quarta-feira (28/08), no Centro de Exposições Imigrantes, o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e presidente do Conselho Superior da Indústria da Construção (Consic), José Carlos de Oliveira Lima, ressaltou que o setor precisa crescer tecnologicamente.

“Estamos em um momento muito antigo de construção. O setor precisa ser mais automatizado e atualizado em tecnologia. E a Concrete show vai oferecer tudo isso durante esses três dias de feira”, disse Oliveira Lima.

José Carlos de Oliveira Lima, presidente do Consic. Foto: Divulgação

 

O presidente do Consic representou Paulo Skaf, o presidente da Fiesp, na solenidade, que teve a participação da secretária nacional da Habitação, Inês Magalhães, e do secretário estadual da Habitação, Silvio Torres.

De acordo com Oliveira Lima, a Concrete Show tem tradição de contribuir para o desenvolvimento tecnológico do setor ao promover o encontro entre empresas brasileiras e mundiais.

“A Concrete Show se tornou o ícone da cadeia produtiva da indústria da construção civil e do concreto, sendo um evento importante para todo o setor de produtos de cimento, equipamentos, entre outros”, disse o presidente do Consic.

De acordo com Inês Magalhães, a Concrete Show tem se consolidado como um evento que oferece soluções para o setor do concreto. ”O entusiasmo insuperável do Dr. Jose Carlos [Oliveira Lima] traz um componente importante para nossa reflexão: o Brasil hoje enfrenta uma expansão da sua infraestrutura, que não tem retorno, mas tem se tornado um importante pilar para a consolidação num processo de desenvolvimento.”

Em seu discurso, Silvio Torres falou sobre a importância de investimentos no país. “Mais uma vez a Concrete Show dará a sua contribuição para motivar os empresários a continuar investindo no Brasil, que ainda precisa de muitos investimentos em infraestrutura e tecnologia”, assinalou.

“Empresários, acreditem no Brasil”, completou, acrescentando que o setor da construção, mesmo em cenário mundial de retração, “ainda alavanca a economia, gerando mais empregos para o país”.

Neste ano, o espaço destinado ao projeto “Mulheres que constroem” ganhou uma área maior.

Participaram do evento o deputado estadual e presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo (Sintracon-SP), Antonio Ramalho; o deputado estadual Itamar Borges; o presidente da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), Renato Giusti; o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (Abesc), Arcindo Vaquero; e a diretora da UBM (empresa que promove a feira), Claudia Godoy.