Sonegar imposto e copiar segredo industrial não tem mais lugar nas empresas, diz vice-presidente da Fiesp

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Em um mercado cada vez mais competitivo, o compromisso da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) com a ética se traduz na prestação de serviços de esclarecimentos ao empresariado sobre as leis do país e orientações de como produzir com eficiência e competitividade. A afirmação é do 2º vice-presidente da entidade, João Guilherme Sabino Ometto. Ele abriu o Ciclo de Debates 10+10, do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (Etco), realizado na sede da Fiesp, na capital paulista, na manhã desta quarta-feira (16/10).

“Sonegar impostos, praticar pirataria, copiar segredos industriais não tem mais lugar na vida empresarial moderna”, afirmou Ometto.

Criado há dez anos, o Etco luta contra a concorrência desleal e busca, por meio de publicações, estudos e debates entre autoridades e empresários do país, melhorar o ambiente de negócios.

Ometto: discussão sobre ética e práticas que já não têm espaço no cotidiano das empresas. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Ometto: discussão sobre ética e práticas que já não têm espaço nas empresas. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Segundo o presidente-executivo do Etco, Roberto Abdenur, a elevada carga tributária, o excesso de legislação e a burocracia “até para pagar impostos” condicionam o desequilíbrio do ambiente competitivo de negócios.

O objetivo do Etco é contribuir para a redução da sonegação e para melhorar a situação tributária.

“O Etco nesses dez anos fez a diferença, deu contribuições concretas para a melhoria do ambiente de negócios. Agora o novo caminho para a próxima década é promover esforços maiores para aproximar estudos entre ética, direito e economia”, disse Abdenur.

Abdenur: contribuições concretas para a melhoria do ambiente de negócios. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Abdenur: contribuições concretas para a melhoria do ambiente de negócios. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O Ciclo 10+10 chega a São Paulo depois de passar por Brasília e pelo Rio de Janeiro. Um dos objetivos do encontro é traçar perspectivas de ética concorrencial que devem ser perseguidas pelos próximos dez anos.

“Esse encontro tem o poder de disseminar a importância da transparência e da lealdade na vida econômica e na concorrência empresarial”, acrescentou Ometto.