Compartilhando informações, Reino Unido reduz prejuízos provocados por ataques cibernéticos

Bernadete de Aquino, Agência Indusnet Fiesp

Dois anos atrás, Governo e empresas do Reino Unido decidiram atuar conjuntamente para prevenir ataques cibernéticos. Lançaram o Cyber-security Information Sharing Partnership (CiSP), programa que compartilha entre seus membros informações sobre ameaças e ataques. Alexandre Pacheco da Silva, coordenador do Grupo de Trabalho em Direito e Inovação da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Direito, apresentou esse caso bem-sucedido nesta terça-feira (1º/12), durante o seminário Compartilhamento de Informações para Segurança e Defesa Cibernética, promovido pelo Departamento de Segurança da Fiesp (Deseg).

Na plataforma CiSP, representantes dos setores privados, do Governo e de universidades se integram, discutem as informações sobre ameaças cibernéticas que sofrem e tentam, juntos, encontrar solução para evitá-las ou combatê-las.  “Uma empresa, por exemplo, detecta um tipo de ataque, compartilha isso, que vai ser de interesse de alguma empresa do setor ou de outros setores”, explica o coordenador do GT.

De acordo com Pacheco da Silva, o programa conseguiu reduzir o prejuízo dos ataques para os cofres britânicos. Nos três anos anteriores ao lançamento oficial da plataforma, em 2013, a perda foi de 23 bilhões de libras esterlinas. “O foco do programa é a colaboração. É um intercâmbio entre setores que queremos fazer aqui”, afirma.

Embora o foco seja as empresas relatarem os ataques, também há uma área na plataforma no qual há o relato de melhores práticas, que podem ser adotadas ou adequadas para cada setor,

O ponto mais importante do programa, segundo o palestrante, é o Fusion Cell, um grupo de analistas seniores, cedidos por empresas de telecomunicação, setor financeiro, departamento do Governo, dentre outros membros do grupo, para monitorar as informações e alertas sobre os ataques cibernéticos.

Cerca de 1.200 entidades e mais de 3.300 usuários estão registrados na plataforma, que trata também de grandes eventos, como reuniões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Painel do seminário da Fiesp sobre segurança cibernética em que foi relatada experiência do Reino Unido. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp