‘Estou surpresa com o que vi’, diz designer sobre o novo Centro Cultural Fiesp

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Bem acomodada em uma das mesas do ponto que, em março, receberá um café no novo Centro Cultural Fiesp, a pedagoga Genedite Yokoyama, de 62 anos, era só elogios ao espaço dedicado à cultura no prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, na Avenida Paulista. A área foi inaugurada neste domingo (19/02).

“São Paulo precisava de um local assim”, disse. “Nunca tinha vindo e agora vou passar a frequentar: todo o meu respeito e a minha gratidão à indústria do estado por ter nos proporcionado esse privilégio”.

Ao seu lado, a estudante Genuska Yokoyama, de 25 anos, concordava com a mãe. “Ficou um espaço muito harmonioso, com tudo combinando bem”, afirmou.

Designer e confeiteira, Silmara Andrade, de 37 anos, gostou de todos os ambientes do novo centro, com destaque para a exposição de esculturas Modulações, instalada numa das novas áreas do centro. “Estou surpresa com o que vi”, disse.

A animação do atendente de call center Caio Wengler, de 18 anos, não era menor. Morador de Ferraz de Vasconcelos, na Zona Leste da capital, ele veio passear na Paulista especialmente para a inauguração do novo espaço do prédio da Fiesp. “Vim com os meus pais, um tio e uma tia”, contou. “Gostei muito, quero vir mais para cá”.

O novo Centro Cultural Fiesp tem agora mais de 5 mil metros quadrados dedicados às artes, o que inclui ambientes para exposições, teatro, cinema, café e um jardim assinado por Burle Marx, entre muitas outras atrações.

A festa de inauguração foi aberta com uma apresentação da Bachiana Filarmônica do Sesi-SP e encerrada por um show dos irmãos Luciana Melo e Jairzinho, no final do dia. Isso além da apresentação, às 19h, da peça Tróilo e Créssida no Teatro do Sesi-SP.

Para saber mais, só clicar aqui.

Área de convivência do novo Centro Cultural Fiesp ficou lotada durante todo o domingo. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Novo Centro Cultural Fiesp: um presente da indústria para São Paulo e para o Brasil

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

A arquiteta Moema Wertheimer não escondia o orgulho. E não tinha que esconder mesmo: estava ali, na frente dela, o resultado de um trabalho que já foi inaugurado fazendo toda a diferença, o novo Centro Cultural Fiesp. Aberto na manhã deste domingo (19/02), com uma apresentação da Bachiana Filarmônica do Sesi-SP, o espaço agora tem mais de 5 mil metros quadrados, incluindo galeria de fotos, mais espaços de exposições e um café com vista para um jardim assinado por Burle Marx. Isso além dos já conhecidos Teatro do Sesi-SP e Galeria de Arte do Sesi-SP.

[tentblogger-youtube HgdtRe35XFI]

“Estou emocionada de ver as pessoas se apropriando desse espaço de forma tão bonita”, disse Moema, responsável pelo projeto de revitalização do centro. “Todo mundo bem acomodado nas poltronas e sofás, ouvindo piano e vendo o jardim projetado por Burle Marx”.

O público foi convidado a entrar e ficar à vontade logo após a apresentação da Bachiana, realizada num palco montado na frente do prédio, lotando a Avenida Paulista. Não teve calor de 34 graus que impedisse a plateia de aplaudir e gritar “bravo” durante o concerto liderado pelo maestro João Carlos Martins, que ainda acompanhou seus músicos ao piano.

Entre muitos clássicos e sucessos populares, canção nenhuma emocionou mais do que Trem das Onze, de Adoniran Barbosa, “um hino de São Paulo e do novo Centro Cultural Fiesp”. “Esse espaço já é um ponto de encontro na Paulista, reúne todos os segmentos da sociedade, fico feliz de ver”, disse Martins.

Martins, à esquerda, e Skaf: emoção de entregar à Paulista um novo ponto de encontro. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

“Foi uma apresentação maravilhosa”, afirmou a supervisora de vendas Rejane Melo, de 45 anos, que veio de Ferraz de Vasconcelos, na Zona Leste da capital, especialmente para a inauguração do centro. “Quero frequentar ainda mais o prédio da Fiesp a partir de agora”.

O pianista Fábio Caramuru, de 60 anos, também aprovou o concerto. E disse estar ansioso para frequentar o café a ser aberto em março, com vista para o já citado jardim de Burle Marx. Até lá, todos os visitantes do centro podem circular pelo local, sentar nas mesas e poltronas e relaxar entre uma exposição e outra. “Esse espaço é um local único”, disse.

Um dos convidados da inauguração, o líbero Serginho, astro da seleção brasileira de vôlei nas Olimpíadas do Rio de Janeiro e atleta do Sesi-SP, também era só elogios. “Venho muito ao prédio da Fiesp e considero esse espaço um destaque na Paulista”, afirmou. “É incrível que a Fiesp sempre apoie a cultura”.

Um presente

Anfitrião da festa, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, agradeceu a presença do público e destacou o fato de que o novo centro cultural ficará aberto todos os dias, sempre com programação gratuita. “Todo mundo que estiver passando pela Paulista poderá entrar aqui, conferir as nossas exposições, conhecer o nosso café”, disse. “O novo Centro Cultural Fiesp é um presente da indústria de São Paulo para a cidade e para o Brasil”.

A programação especial deste domingo segue até o final do dia, com show de Luciana Melo e Jairzinho no palco da Paulista às 16h15 e a apresentação da peça Tróilo e Créssida, às 19h, no Teatro do Sesi-SP.

Para saber mais sobre o novo centro, é só clicar aqui.

>> Ouça boletim sobre o novo Centro Cultural Fiesp

Público lotou as instalações do novo Centro Cultural Fiesp na inauguração deste domingo. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp