Acessibilidade digital nas favelas e tema de palestra do CJE na Campus Party 2013

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544529984

Claudia Raphael, coordenadora estadual da Cufa-SP). Foto: Talita Camargo

O paradigma existente entre acessibilidade e comunidade foi o tema da palestra ministrada pela coordenadora estadual da Central Única das Favelas de São Paulo (Cufa-SP), Claudia Raphael, que aconteceu na tarde dessa quinta-feira (31/01), no estande do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na Campus Party 2013, na capital.

A coordenadora citou a favela da Paraisópolis – a segunda maior favela de São Paulo  com 120 mil habitantes e onde é sediada a Cufa – que não tem direito a internet de qualidade. “Ainda precisamos recorrer as lan houses, que também tem uma conexão lenta”, explicou. Claudia reconhece que a acessibilidade digital esta crescendo em números, mas está longe da ideal. “Temos wi-fi para acessar serviços públicos, mas não é o suficiente”, afirmou.

Para a coordenadora, a classe C esta na moda pelo crescimento do seu poder de consumo, mas ela acredita que também há a ascendência de jovens conectados na rede.  “Será que existe um direcionamento para que os jovens, esse grande elemento transformador, use a internet não só para o lazer, mas para ter benefícios com essa ferramenta?”, questionou.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544529984

Público no estande do CJE durante palestra na Campus Party 2013. Foto: Talita Camargo

‘Tuitaço’

Claudia explicou que a Cufa se utiliza muito das redes sociais para atingir objetivos comuns em busca de melhorias para as comunidades em todo o pais. “Fazemos o chamado ‘tuitaço’, que são tuites organizados na rede, em um determinado horário, para o Brasil inteiro movimentar-se em prol de uma determinada campanha.

Case de sucesso

A coordenadora estadual da Cufa-SP apresentou na Campus Party a Rede Cufa Brasil Internet, uma rede que atua em favelas de todo o país, em mais de 400 cidades e em todas as capitais. “É a única rede nacional formada por pessoas da comunidade e para a comunidade”, concluiu.