Fiesp recebe ministro e oferece jantar em homenagem às Forças Armadas

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) ofereceu na noite desta sexta-feira (31/10) um jantar em homenagem às Forças Armadas.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544835153

Jairo Cândido, Celso Amorim e Paulo Skaf no jantar. Foto: Everton Amaro/Fiesp


O jantar, servido para aproximadamente 140 convidados, entre autoridades militares e diretores da Fiesp, contou com a presença do presidente da entidade, Paulo Skaf, do ministro da Defesa, embaixador Celso Amorim, e dos comandantes das três Forças: almirante-de-esquadra Julio Soares de Moura Neto (Marinha), general Enzo Martins Peri (Exército) e tenente-brigadeiro-do-ar Juniti Saito (Aeronáutica).

Também participou o diretor titular do Departamento da Indústria da Defesa (Comdefesa), Jairo Cândido.

Em um breve discurso, Skaf cumprimentou o ministro e os comandantes. “As Forças Armadas, como sempre, serviram à pátria nas nossas regiões em todo o canto de nosso país, de diversas formas. Então, muito obrigado em nome de todos os setores produtivos a todos que fazem o dia a dia da nossa Marinha, do nosso Exército, da nossa Aeronáutica”, disse Skaf, pedindo um brinde às Forças Armadas e ao país.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544835153

Cosme Degenar Drumond autografou exemplares do livro “Indústria de Defesa do Brasil”. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A noite teve ainda uma sessão de autógrafos de Cosme Degenar Drumond, integrante do Comefesa/Fiesp e autor do livro “Indústria de Defesa do Brasil” (editora ZLC Comunicações), cujo prefácio foi escrito por Jairo Cândido.

>> Na Fiesp, Escola Superior de Guerra realiza formatura de Curso de Gestão de Recursos de Defesa

Fiesp homenageia as Forças Armadas e recebe ministro da Defesa em jantar nesta quinta-feira (31/10)

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

“O Brasil precisa de suas Forças Armadas estimuladas, valorizadas e bem equipadas”. Essas foram algumas das palavras com as quais o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, recebeu para um jantar de homenagem na sede da entidade, nesta quinta-feira (31/10), diversas autoridades militares. Na ocasião, também esteve presente o ministro da Defesa, Celso Amorim, e o diretor titular do Departamento da Indústria de Defesa (Comdefesa), Jairo Cândido, entre outros nomes.

Em seu discurso aos militares, Skaf disse não saber “quem estava sendo homenageado: se as Forças Armadas ou o setor produtivo, com a presença de vocês aqui”. “Esse é apenas um gesto para dizer o quanto nós queremos bem e respeitamos as Forças Armadas, além do nosso apoio à indústria de defesa no Brasil”, afirmou. “Sinto que precisamos fazer homenagens maiores”.

O ministro Celso Amorim também destacou o papel da indústria no setor. “Trabalhamos para colocar produtos de defesa no mercado e potencializar a indústria de defesa”, explicou. “Sabemos que são as Forças Armadas brasileiras que vão fortalecer esse processo.”

Skaf (ao centro) e as autoridades militares homenageadas com jantar nesta quinta-feira (31/10). Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Skaf (ao centro) e as autoridades militares homenageadas nesta quinta-feira (31/10). Foto: Beto Moussalli/Fiesp


Segundo Amorim, a indústria de defesa é a “indústria do conhecimento, o motor maior da economia no século 21”. “Aquela que cria empregos e potencializa a criação de novos produtos, alimentando a economia”.

Dois pilares

Também na cerimônia, o diretor titular do Comdefesa lembrou que, desde a sua criação, em 2004, o departamento sempre foi baseado em dois pilares: a valorização da missão constitucional das Forças Armadas e a consolidação da indústria de defesa.

“A defesa tem se consolidado com a criação de departamentos na área nas entidades irmãs da Fiesp, como a Firjan, no Rio de Janeiro, a Fiemg, em Minas Gerais e a Fiergs, no Rio Grande do Sul, entre outras”, afirmou Jairo Cândido.

Para Cândido, o jantar oferecido nesta quinta-feira (31/10) foi uma forma de prestigiar “todos os que dispõem da sua vida pela defesa do país”.

Na solenidade, além de Amorim, foram homenageados o comandante do Exército Brasileiro Enzo Martins Peri, o comandante da Marinha Julio Soares de Moura Neto, o comandante da Força Aérea Brasileira Juniti Saito e o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas José Carlos de Nardi.

O jantar oferecido pela Fiesp em homenagem às Forças Armadas. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

O jantar oferecido pela Fiesp em homenagem às Forças Armadas. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Foto: Fiesp recebe ministro da Defesa, Celso Amorim

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544835153

Celso Amorim e Paulo Skaf. Foto: Junior Ruiz/Fiesp


A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) recebeu na tarde desta terça-feira (18/06) o ministro da Defesa, Celso Amorim. O encontro teve a presença do presidente da entidade, Paulo Skaf, e de diversos diretores da entidade. O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, também participou.

Vídeo: Alckmin, Celso Amorim, Edison Lobão e José Serra falam sobre Humanidade 2012

O Humanidade 2012, iniciativa idealizada pela indústrias paulista e fluminense, em parceria com a Fundação Roberto Marinho, que acontece em paralelo á Rio+20, impressionou diversas autoridades e personalidades da política brasileira que passaram pelo circuito expositivo no Forte de Copacabana.

Veja os depoimentos:

Governador de SP, Geraldo Alckmin

Ministro da Defesa, Celso Amorim

Ministro de Minas e Energia, Edison Lobão

José Serra

Humanidade 2012

O Humanidade 2012 é um evento da Fiesp e parceiros paralelo à Conferência das Nações Unidades sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que tem por objetivo realçar o importante papel que o Brasil exerce hoje como um dos líderes globais no debate sobre o desenvolvimento sustentável.

A iniciativa é resultado de uma realização conjunta da Fiesp, Sistema Firjan, Fundação Roberto Marinho, Sesi-Rio, Sesi-SP, Senai-Rio, Senai-SP, com patrocínio da Prefeitura do Rio, do Sebrae e da Caixa Econômica Federal.


Para Celso Amorim, Brasil precisa de soluções “mais criativas” com a Argentina

Agência Indusnet Fiesp,

As negociações comerciais entre Brasil e Argentina enfrentarão um novo embate. O governo argentino publicou nesta quinta-feira (5) em seu Diário Oficial uma nova série de licenças não-automáticas que dificultam ainda as importações brasileiras ao país vizinho.

De acordo com a resolução, somam-se às outras licenças já aplicadas pela Argentina mais 23 posições tarifárias para os setores têxtil (14), objetos do lar (5) e produtos metalúrgicos (4). As medidas devem entrar em vigor vinte dias após sua publicação, ou seja, em 25 de março.

O anúncio das medidas pegou de surpresa o governo brasileiro. O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, que estava reunido na noite de quinta-feira (5) com empresários na Fiesp, disse que ainda não tinha ciência sobre as novas restrições, mas afirmou que neste momento é preciso ter “tranqüilidade” e encontrar “soluções mais criativas” para conter a pressão entre os dois países. O ministro cogitou a possibilidade de que haja uma negociação por blocos setoriais.

“Qualquer medida que possa ser interpretada como protecionismo é ruim, mas não podemos ter medo”, argumentou o chanceler, após jantar com empresários na Fiesp. Celso Amorim não descartou a possibilidade de o governo brasileiro atuar da mesma forma, no entanto, ressaltou que este artifício não é a melhor opção. “Estas questões precisam ser vistas com mais tranqüilidade”, explicou.

As restrições às importações brasileiras à Argentina é uma manobra de Buenos Aires para retrair o déficit comercial que o país mantém com o Brasil. No ano passado, este déficit passou dos US$ 4 bilhões.

E o impacto destas barreiras à importação já pode ser sentido pelo setor privado. No início da semana, a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) divulgou a balança comercial do primeiro bimestre e mostrou uma queda vertiginosa de 46,5% nos embarques brasileiros para o país vizinho, em relação a igual período de 2008.