Foto: Fiesp recebe comitiva do Conselho Empresarial da América Latina

Agência Indusnet Fiesp

Representantes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) receberam, nesta terça-feira (11/02), membros do Conselho Empresarial da América Latina (Ceal). O objetivo foi conversar sobre as relações dos Estados Unidos com o Brasil e a América Latina.

Participaram do encontro o presidente do Ceal no Brasil, Ingo Plöger; o coordenador executivo do Ceal no Brasil, Alberto Pfeifer; o terceiro vice-presidente da Fiesp e vice-presidente do Ceal, Josué Christiano Gomes da Silva; e o diretor titular adjunto do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, Antonio Fernando Bessa.

O encontro de empresários na Fiesp nesta terça-feira (11/02). Foto: Everton Amaro/Fiesp

O almoço que reuniu empresários na Fiesp: integração em debate. Foto: Everton Amaro/Fiesp




Conselho Empresarial da América Latina discute panorama econômico da Argentina na Fiesp

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Empresários se reuniram na tarde desta terça-feira (13/08) para discutir oportunidades de negócios entre o Brasil e a Argentina. Participaram do encontro representantes do Conselho Empresarial da América Latina (Ceal) e do Conselho Superior de Comércio Exterior (Coscex) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

“A Argentina tem para nós um significado estratégico. Temos grande preocupação com o país”, afirmou Ingo Plögger, presidente do Ceal no Brasil.

Da esquerda para a direita: Lavagna, Zanotto e Plögger na reunião desta terça-feira (13/08)

A partir da esquerda: Lavagna, Zanotto e Plögger na reunião desta terça-feira (13/08). Foto: Julia Moraes/Fiesp


Uma preocupação do grupo é a falta de acordos de comércio do Brasil com países da América Latina, como a Aliança do Pacífico – bloco comercial que reúne México, Colômbia, Peru e Chile – e a trava que a falta desses entendimentos pode significar para os negócios do Brasil no exterior.

“Nós do Ceal ficamos de certa maneira surpresos com a dinâmica empresarial da Aliança do Pacifico, participamos de várias reuniões e os acordos que eles fizeram já estão sendo encaminhados”, explicou. “Quase 90% dos itens estão acordados”, afirmou Plöger. “A maior parte dos países tem acordo com os Estados Unidos e a União Europeia”, disse.  “Dentro dos próximos quatro anos isso vai favorecer essa parte da América Latina e nós estamos a ver navios”, alertou.

O ex-ministro da Economia e da Produção da Argentina Roberto Lavagna também participou do encontro na sede da Fiesp. Ele está lançando o livro O Desafio da Vontade. Treze meses cruciais na história argentina.

Os representantes do Ceal e o ex-ministro Lavagna foram recebidos pelo diretor-titular do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, Antonio Fernando Bessa, e pelo diretor-titular-adjunto Thomaz Zanotto.

Skaf fala sobre competitividade brasileira para Conselho de Empresários da América Latina

Katya Manira, Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, participou nesta quarta-feira (29/08) de almoço com o Conselho de Empresários da América Latina (CEAL).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540073221

Presidente da Fiesp, Paulo Skaf, fala a empresários latino-americanos. Foto: Junior Ruiz


Convidado pelo presidente do conselho, Ingo Plöger, Skaf apresentou aos empresários as ações da Fiesp em busca de reduzir o Custo Brasil. “A competitividade do empresário brasileiro tem sido prejudicada pelos spreads e juros altos, pela infraestrutura precária e também pelo preço da energia”, resumiu. “Estamos lutando para que o governo tome uma atitude, assim como pedimos o fim da CPMF [Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira], em 2007.”

Apesar de sempre ter criticado os valores da taxa Selic, Skaf reconheceu que o governo tem demonstrado interesse em mudar este cenário. “Agora eu acredito. Porque um governo que muda as regras da caderneta de poupança em pleno ano eleitoral é porque quer mesmo diminuir os juros.”

A entidade também lidera a campanha Energia a Preço Justo, que conta com o apoio popular para pressionar o governo a cumprir a legislação e realizar novos leilões para as concessões de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica.

Para Ingo Plöger tais ações só comprovam que o presidente da Fiesp “tem sido um grande defensor da competitividade brasileira”, atitude exemplar para todos os empresários da América Latina. Ele também alertou que a união entre as indústrias da região é extremamente importante para alavancar o crescimento econômico dos países vizinhos.

“A América Latina tem um mercado em crescimento e, apesar de continuar recebendo investimentos europeus, nós é que teremos que aproveitar as oportunidades”, explicou Plöger. “É essencial que os países da região façam acordos de cooperação e evitem a bitributação.”

Sobre o Conselho

O Conselho Empresarial da América Latina (CEAL) é uma rede de empresários latino-americanos. A missão do CEAL é estimular o envolvimento dos membros no intercâmbio e na cooperação entre os países da região.

A integração via setor privado pode se dar tanto pelo fortalecimento dos vínculos empresariais, como pelo progresso socioeconômico das sociedades nacionais. A integração regional, em sentido amplo, terá maior possibilidade de êxito se os empresários participarem ativamente. Assim, o propósito institucional do CEAL é estimular a presença da empresa privada como agente de transformações.

O CEAL nasceu em 19 de fevereiro de 1989, como resposta às tendências de globalização da economia mundial e de desenvolvimento de uma nova estrutura de blocos político-econômicos. Essas situações fortaleceram o crescimento do livre mercado e dos processos de integração regional, tais como: o Mercado Comum do Sul (Mercosul), a Comunidade Andina de Nações (CAN), o Mercado Comum Centro-Americano (MCCA), o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), além dos relacionamentos dos países latino-americanos com a União Europeia, Ásia, África e com outras partes do mundo.