Conferência “Marca-País: Qual a vantagem competitiva?”

Agência Indusnet Fiesp

Dia 24 de março de 2015 se reuniram no Anfiteatro Turgot da Sorbonne, em Paris, empresários, acadêmicos e representantes do Brasil e da França para debater o tema “Marca-País” como estratégia de internacionalização de empresas.

Intitulado “Marca-País: Qual a vantagem competitiva?”, o evento organizado pela Cátedra Fiesp-Sorbonne Globalização e Mundo Emergente contou pela manhã com a participação de Almir Lima Nascimento, Conselheiro Comercial da Embaixada do Brasil em Paris, de Paulo Nassar, Presidente da Aberje (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial) e Professor da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), e de representantes da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM): Geraldo Alonso, Diretor do Instituto Cultural da ESPM, Ricardo Zagallo, Diretor do Centro de Altos Estudos da ESPM (CAEPM) e Vivian Strehlau, professora da instituição.

Almir Lima Nascimento (Embaixada do Brasil em Paris), Mario Frugiuele (FIESP), Nadia Jacoby (Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne) e Geraldo Alonso (ESPM). Foto: Ricardo Esteves/Divulgação

No intuito de conceituar a Marca-País, o Conselheiro Almir Lima Nascimento fez uma análise histórica do tema focando no papel da diplomacia brasileira na construção de uma imagem do Brasil. Em seguida, Paulo Nassar e a ESPM apresentaram a visão da academia sobre o tema, em que a ESPM mostrou o resultado de pesquisas empíricas sobre como a Marca-País é utilizada pelas empresas e distribuiu aos convidados sua publicação “Brasil: Múltiplas Identidades”.

Pela tarde, empresas brasileiras e francesas – EMBRAER, Carmem Steffens e Casino – representadas por Luiz Fuchs, Presidente da EMBRAER Europa, Eric Portelli, Diretor Europa e Oriente Médio da Carmen Steffens e Rafael Russowsky, Diretor de Desenvolvimento Corporativo do Casino debateram a importância da Marca-País no processo de internacionalização de empresas a partir de suas experiências no mercado internacional.

Anfiteatro Turgot na Sorbonne, o mesmo anfiteatro onde Oliveira Lima, Ministro do Brasil em Bruxelas, proferiu 12 palestras sobre o Brasil em 1911. Foto: Ricardo Esteves/Divulgação

A conferência teve repercussão positiva entre o público e o interesse dos empresários por pesquisas empíricas em relação ao tema foi expressivo, indicando não apenas a atualidade do tema Marca-País, mas também a necessidade crescente de se compreender o papel dela na internacionalização de empresas brasileiras.

Debate sobre o Teatro Contemporâneo Brasileiro no Salão do Livro de Paris

 Agência Indusnet Fiesp

A Cátedra Fiesp-Sorbonne Globalização e Mundo Emergente participou do Salão do Livro de Paris 2015 cujo país homenageado foi o Brasil. Com um público estimado de cerca de 200 mil pessoas, o Salão do Livro de Paris é um dos mais importantes eventos culturais da Europa contando com a participação de 1.200 editores de todo o mundo de um total de 50 países participantes.

No fechamento do evento, dia 23 de março, a Cátedra organizou um debate sobre o Teatro Contemporâneo Brasileiro para comemorar o lançamento de uma coletânea de peças de dramaturgos brasileiros contemporâneos traduzida para o francês, uma iniciativa do Ministério da Cultura e do Ministério de Relações Exteriores do Brasil com o apoio da Embaixada do Brasil em Paris.

Pavilhão do Brasil no Salão do Livro de Paris 2015 (Pavilhão 1 do Centro de Exposições Paris Porte de Versailles). Foto: Ricardo Esteves/Divulgação

Com a participação da atriz e produtora executiva Danielle Cabral, da diretora do Núcleo de Fomentos Culturais da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, Marisabel Lessi de Melo, de Walter Vicioni Gonçalves, Diretor Regional do Senai-SP e Superintendente do Sesi-SP, além dos dramaturgos Bosco Brasil, Jô Bilac, Sergio Roveri e Newton Moreno, o debate abordou o tema do teatro contemporâneo sob duas perspectivas: a do financiamento e fomento teatral e a da dramaturgia e processo criativo.

O público participou intensamente do debate marcando o sucesso do evento. Assim, com mais este projeto, a Cátedra Fiesp-Sorbonne dá continuidade às iniciativas culturais não somente em São Paulo, mas também em Paris.

Jornal O Globo: Fiesp terá Cátedra com a Universidade Sorbonne

Agência Indusnet Fiesp

A coluna Negócios & Cia, do jornal O Globo, publicou a nota En français, na sexta-feira (02/11), na qual afirma que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) terá cátedra com a Sorbonne, universidade de Paris, França.

O presidente Paulo Skaf anunciará o acordo nesta terça-feira (06/11), em Paris. As aulas de “Globalização e mundo emergente” terão início em janeiro de 2013.