16ª Semana do Meio Ambiente vai debater consequências das mudanças do clima

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Os impactos, vulnerabilidades e a adaptação às mudanças do clima serão os assuntos centrais da 16ª Semana do Meio Ambiente, promovida pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) a partir desta segunda-feira (02/06). O evento segue até sexta-feira (06/06).

A iniciativa é uma realização da Fiesp e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) com apoio do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

>> Confira a programação completa da 16ª Semana de Meio Ambiente da Fiesp

Participaram da abertura da Semana  o vice-presidente da Fiesp e coordenador do Comitê de mudanças do clima, João Guilherme Sabino Ometto, o vice-presidente e diretor titular do Departamento de meio ambiente (DMA) da Fiesp, Nelson Pereira dos Reis, o secretário de Estado do Meio Ambiente, Rubens Naman Rizek Junior, o secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Carlos A. Klink, e o secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Vanderlei Meira Nascimento.

Nelson Pereira dos Reis destacou os eventos que serão promovidos pela Fiesp e também pelo Sesi-SP e pelo Senai-SP no decorrer da semana, entre eles a entrega do 20º prêmio de mérito ambiental, na noite desta segunda (02/06).

“Durante esses dias vamos desenvolver uma série de atividades, lembrando toda questão do meio ambiente e fazendo reflexões sobre os temas que vivemos diariamente e sobre os quais nem sempre temos oportunidades de refletir, discutir e trazer propostas e soluções”, disse Reis.

16ª Semana do Meio Ambiente: abertura com debate sobre parcerias com a indústria para discutir questão. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

16ª Semana do Meio Ambiente: abertura com debate sobre parcerias com a indústria. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


Educação ambiental

A importância da educação ambiental foi destacada pelo secretário municipal do Verde, que falou sobre as ações desenvolvidas pela Prefeitura, como a criação do projeto de compostagem nos parques, a implantação da coleta seletiva em toda a cidade e a construção da primeira central de triagem automatizada da América Latina, que será inaugurada no dia 5 de junho.

“A educação ambiental é o investimento nº 1 nessa área, porque nenhum outro tipo de mitigação vai chegar a lugar nenhum se não tivermos mudança de hábitos”, afirmou Nascimento. “Nesse momento, o investimento fundamental, sem prejuízo das tecnologias e de outros projetos, é a educação”.

O representante do governo estadual aproveitou para agradecer a parceria com a Fiesp em diversas áreas. “Graças à parceria do governo com a Fiesp, avançamos em questões como resíduos sólidos, qualidade do ar, recuperação de áreas contaminadas, inventário de emissões e a comissão paulista de biodiversidade”, declarou Rizek Junior, que destacou que, com ajuda da Fiesp, mais de 10 mil CNPJs firmaram termos de compromisso de logística reversa.

Rizek Junior: avanços em função da parceria com a Fiesp. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Rizek Junior: avanços em função da parceria com a Fiesp. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Mas, segundo ele, há ainda outros temas a serem desenvolvidos em parceria com a indústria paulista. “Falta melhorar a questão da construção civil sustentável, o Cadastro Ambiental Rural (CAR), a organização da legislação ambiental, os acertos fiscais e a renovação de frota de veículos.”

A Fiesp e o meio ambiente

Falando sobre o trabalho realizado pelo Comitê de Mudanças Climáticas, formado por representantes dos departamentos de Meio Ambiente, Infraestrutura, Agronegócio, Competitividade e Comércio Exterior da federação, Ometto mostrou a importância que a Fiesp dá ao meio ambiente.

“Há vários anos, a visão da Fiesp é que as questões ambientais são transversais aos processos econômicos e sociais. A conservação e o uso racional dos recursos naturais é essencial para os processos industriais e para a manutenção da qualidade de vida.”

Para o vice-presidente da Fiesp, é fundamental o equilíbrio entre meio ambiente, economia e sociedade. “Estamos construtivamente trabalhando em prol do meio ambiente somando esforços para que as soluções sejam práticas, economicamente viáveis e com a colaboração de todos os órgãos ambientais”, explicou. “Na gestão ambiental, social e econômica, o objetivo é melhorar a qualidade de vida e gerar riqueza para o País, em um ambiente de sustentabilidade.”