Ao lado do Rei da Suécia, presidente da Fiesp inaugura exposição ‘O Prêmio Nobel – Ideias Mudando o Mundo’

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Ao lado de Carl XVI Gustaf, rei da Suécia e patrono da Academia Real Sueca de Ciências e Engenharia, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp),  Paulo Skaf, abriu oficialmente a exposição “O Prêmio Nobel– Ideias Mudando o Mundo”, em cerimônia na noite desta segunda-feira (11/11), no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso.

A exposição é resultado de um convênio entre a Fiesp, o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e a Câmara de Comércio Sueco-Brasileira. E prossegue até dia 10 de dezembro, sendo aberta ao público diariamente das 10h às 20h.

Para Carl XVI Gustaf, a exposição celebra os benefícios que as criações dos laureados com o Prêmio Nobel proporcionaram à humanidade. “Tais esforços ecoam e continuaram a ecoar para sempre”.

O rei da Suécia, à direita, em cerimônia com Paulo Skaf e demais autoridades: ideias que vão ecoar para sempre. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

O rei da Suécia, Carl XVI Gustaf, à direita, em cerimônia com Paulo Skaf (à esquerda) e demais autoridades: orgulho pelos esforços que vão ecoar para sempre.Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


Segundo o monarca, a exposição carrega importância histórica da mais alta magnitude e deve influenciar os jovens brasileiros a investirem na vida intelectual.

Para Olov Amelin, diretor do Museu Nobel, o momento é especial, já que é a primeira vez que a exposição chega a um país latino-americano. “Estamos gratos por abrir a exposição no coração do Brasil”, afirmou.

Segundo Leif Johansson, presidente do Conselho da Academia Real Sueca de Ciências e Engenharia, a inauguração celebra a mistura intelectual sueca e brasileira e as possibilidades que essa interação pode criar. “Com esses trabalhos expostos, nós queremos retratar a vida e o trabalho de todos os laureados com o Nobel. Aqui temos projetos fundamentais, que mudaram a maneira como a humanidade vive”, disse.

Walter Vicioni Gonçalves, superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), também participou da cerimônia.

Na Fiesp, membros da Academia Real Sueca participam de encontro sobre inovação e competitividade

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Nesta segunda-feira (11/11), foi realizado na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) o painel Inovação e competitividade nas relações Brasil-Suécia. O evento teve a presença da delegação da Academia Real Sueca de Ciências e Engenharia e de seu patrono, o rei Carl XVI Gustaf. A coordenação do painel foi de Roberto Giannetti da Fonseca, diretor titular do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp (Derex/Fiesp), e contou com participação do 2º vice-presidente da Fiesp, João Guilherme Sabino Ometto, entre outros representantes da entidade.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537756594

Rei Carl XVI Gustaf (2º à esquerda) e 2º vice-presidente da Fiesp, João Guilherme Sabino Ometto (3º à esquerda) no encontro da delegação sueca com representantes da Fiesp. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Depois da apresentação de um panorama atualizado da economia brasileira, Giannetti respondeu a perguntas feitas pelos membros da delegação, sobre a política nacional e os investimentos em educação e em infraestrutura no país. Ele falou sobre alguns desafios brasileiros, mas mostrou que há espaço para investimentos.

“Muitas empresas suecas já estão no Brasil e tiveram ótimos resultados. Esperamos que os negócios entre os dois países cresçam em muitos setores, em especial nesse momento em que nosso país fará grandes investimentos em infraestrutura. Certamente, mais empresas suecas poderão participar do desenvolvimento da economia brasileira”, afirmou Giannetti.

O presidente do Conselho da Academia e líder da delegação, Leif Johansson, falou sobre os motivos que trouxeram a delegação para o Brasil. “Temos viajado por muitos países e decidimos vir para o Brasil em 2013 pela sua importância atual, não só pelas empresas suecas que estão aqui, mas pela mudança que a economia brasileira teve recentemente, que chamou nossa atenção para as oportunidades de investimento.”