INICIATIVAS SUSTENTÁVEIS: MRV – TOQUE FEMININO NA CONSTRUÇÃO

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545170163

Por Karen Pegorari Silveira

Nos últimos anos, diversas construtoras passaram a investir na qualificação e contratação de mulheres para seus canteiros de obras e outros cargos, antes ocupados apenas por homens. Prova disso, é o crescimento de 136% de presença feminina na companhia MRV Engenharia, por exemplo, que hoje emprega mais de três mil mulheres no país.

Atualmente, as mulheres correspondem a 65,07% dos trabalhadores dos escritórios e 34,9% do total de trabalhadores das obras, atuando nas mais diversas profissões e distribuídas pelas 140 cidades dos 20 estados onde a companhia tem negócios.

Segundo Marcos Horta, diretor de Desenvolvimento Humano da empresa, entre os principais motivos para o aumento das oportunidades das mulheres ingressarem no setor principalmente nas obras, estão o bom desempenho da mão de obra feminina para a execução de algumas funções que requerem mais habilidade e atenção. “Como o setor da construção civil é bastante artesanal o cuidado e habilidade das mulheres fazem a diferença em diversas áreas da construtora como acabamento, rejunte de azulejos e na pintura. E essas são apenas algumas das funções exercidas pelas mulheres nos canteiros de obras, é grande o número de engenheiras e técnicas nos canteiros da construtora”, ressalta Horta.

Para qualificar e contratar essa mão de obra, um dos programas criados pela empresa foi a Escola de Produção, em parceria com o governo federal e a prefeitura de Curitiba. Neste projeto, a escola oferece capacitação para formação de pedreiros, azulejistas, gesseiros, carpinteiros, encanadores, eletricistas e pintores. E como era de se esperar, as mulheres são maioria nas turmas de azulejistas, segundo a coordenadora de Recursos Humanos da MRV Engenharia na regional Sul, Andressa Crefta.

Para Helaine Borges dos Santos, coordenadora do departamento pessoal da MRV em São Paulo, há uma explicação clara para o crescimento da participação feminina. “As engenheiras, por exemplo, têm qualidades e competências que são valorizadas pelos homens num canteiro de obras, como método, disciplina e sabem conduzir melhor um problema quando falta comunicação”, explica.

Entre os seis municípios do estado do Rio Grande do Sul, onde a MRV mantém negócios, Porto Alegre é a que mais concentra força feminina nos canteiros: são 37 atuando em obras da construtora na capital gaúcha. Em seguida estão Gravataí (13), Canoas (10), Caxias do Sul (5), Novo Hamburgo (4) e São Leopoldo (2).

Na Regional da MRV em São Paulo e no Vale do Paraíba, o número de mulheres contratadas pela empresa saltou de 196 em 2011 para 275 em 2016, um aumento de 40%.

Sobre a MRV Engenharia

Fundada em outubro de 1979, em Belo Horizonte, a MRV Engenharia é líder nacional no mercado de construção de imóveis populares. Em 38 anos de atividades, vendeu mais de 230 mil unidades. É a única construtora brasileira presente em 130 cidades de 19 Estados e no Distrito Federal.