Especialistas mostram técnicas para geração de lucro pela internet

Katya Manira, Agência Indusnet Fiesp

[640x440] Reunião conjunta Comtextil e Comcouro. Mathias Susemihl e Carlos Eduardo Raia. Foto: Julia Moraes

Mathias Susemihl e Carlos Eduardo Raia, da Reweb apontam técnicas de geração de lucro pela internet. Foto: Julia Moraes

A geração de lucro pela internet. Este foi o tema da primeira reunião conjunta dos Comitês da Cadeia Produtiva da Indústria Têxtil e de Couro e Calçados (Comtextil/Comcouro) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) realizada na terça-feira (26/02), na sede da entidade.

Convidados pelos coordenadores Elias Miguel Haddad (Comtextil) e Samir Nakad (Comcouro), os sócios da empresa Reweb, especializada em faturamento pela internet, Carlos Eduardo Raia e Mathias Susemihl, mostraram técnicas para os industriais aumentarem os lucros aproveitando ferramentas pagas e gratuitas, disponíveis na rede mundial de computadores.

“A maioria dos empresários brasileiros ainda utiliza a internet apenas para divulgar o histórico da empresa, através do site institucional, quando o potencial para gerar lucros é altíssimo”, explicou Raia. “O faturamento por e-commerce no Brasil está estimado em mais de R$ 23 bilhões, somente para o ano de 2012.”

Na opinião do diretor da Reweb, o sucesso em lucrar com a internet está baseado em ter um site amigável, um atendimento eficiente e uma entrega rápida, além de marcar presença nas mídias sociais – o que gera indicações e visibilidade para a empresa.

ICMS

[601x318] Reunião Comtextil e Comcouro. Foto: Julia Moraes

Da esquerda para a direita: Ramiro Sanchez Palma, Rafael Cervone Netto, Samir Nakad, Elias Miguel Haddad, Oswaldo de Oliveira Filho, Heitor Alves Filho e Joao Luiz Martins Pereira. Foto: Julia Moraes

Outro tema debatido entre os participantes dos comitês foi a aplicação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para o setor calçadista e de vestuário paulista, que vem sofrendo com a perda de competitividade para indústrias de outros Estados.

Os incentivos fiscais recebidos por indústrias situadas fora do Estado de São Paulo geram uma diferença no preço nominal do produto de 5,63%, se comparado com mercadorias fabricadas aqui.

De acordo com Elias Haddad, foi solicitada, na última semana, à Secretaria da Fazenda, a aplicação de crédito outorgado nas compras de produtos de indústrias paulistas, realizadas por empresas de lucro real.

“Dessa forma, recuperamos um pouco o fôlego”, explicou Haddad. “Foi possível notar que o governo ficou sensibilizado com nosso pedido, principalmente porque o beneficio que a mudança gerará na economia dos setores será maior do que o impacto da renúncia fiscal.