Comunicação, direito empresarial e marketing em debate no segundo dia do 10º Congresso Estadual de Empreendedorismo em Santos

Odair Souza, Agência Indusnet Fiesp, de Santos

Os mais de 600 participantes do 10º Congresso Estadual de Empreendedorismo, promovido pelo Núcleo de Jovens Empreendedores (NJE) do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) em Santos, São Paulo, acompanharam, na manhã desta sexta-feira (06/09) três palestras focadas na arte de empreender – tema do evento.

Na primeira apresentação, o consultor Reinaldo Polito falou da importância da comunicação na gestão dos negócios. Ele chamou a atenção para quatro posturas que o empresário deve ter para ganhar credibilidade junto ao cliente na hora de vender seu produto: conduta exemplar, naturalidade, conhecimento e emoção.

Polito: investimento em comunicação para ter mais credibilidade junto aos clientes. Foto: Odair Souza

Polito: investimento em comunicação para ter mais credibilidade junto aos clientes. Foto: Odair Souza/Ciesp

 

“Se a comunicação com o cliente tiver qualidade, emoção, naturalidade, envolvimento e interesse pelo assunto que está sendo transmitido, o empreendedor pode se sair muito bem em uma negociação”, completou.

Na sequência, o advogado e especialista em direito empresarial Eduardo Moretti falou do papel que o profissional jurídico tem na condução dos negócios do empreendedor. “Ter um departamento jurídico ajuda, e muito, o empresário a reduzir riscos e evitar conflitos, principalmente os de origem trabalhista”, observou o palestrante. Segundo ele, é fundamental que o homem de negócios trabalhe sempre com foco na prevenção de riscos.

Moretti: menos riscos e conflitos com orientação jurídica. Foto: Odair Souza

Moretti: menos riscos e conflitos se há boa orientação jurídica. Foto: Odair Souza

De acordo com Moretti, no estado de São Paulo há, em média, 3 mil novos processos tramitando em tribunais. E eles levam anos para serem julgados e finalizados. “Esse acúmulo de processos se torna uma longa jornada para o empresário e uma fonte inesgotável de recursos financeiros”, disse o advogado.

Moretti falou ainda sobre fusão, cisão, incorporação e transformação da empresa. “Investidores estrangeiros procuram empresas que não têm problemas, principalmente com ações trabalhistas”, reiterou.

Óculos escuros

Para fechar os trabalhos da manhã, o NJE convidou o empresário Caito Maia para falar sobre sua trajetória de sucesso à frente da Chilli Beans, marca brasileira de óculos escuros.

Formado em música, Maia criou uma empresa que hoje tem 600 pontos de vendas, sendo 80 no exterior. “Nosso objetivo é chegar a 1000 pontos até a Olimpíada de 2016”, diz o empreendedor.

Maia: foco nos funcionários e na opção pelo varejo. Foto: Odair Souza

Maia: foco nos funcionários e na opção pelo varejo, além da vitrine aberta. Foto: Odair Souza/Ciesp

O segredo de sucesso da Chilli Beans? “Investimento nas pessoas que fazem a diferença dentro da empresa, os trabalhadores”, observou Maia. Ele também citou a opção “pelo varejo e não pelo atacado” como um diferencial.

Outros fatores que influenciam no sucesso da empresa são “as vitrines abertas, que não chegam a registrar 1% de roubos”. “O cliente não pode ter obstáculos na hora da compra”, ensinou o empreendedor.

Mencionou ainda segredos que fazem crescer as vendas da Chilli Beans: “Preço, agilidade e bom atendimento”, disse Maia. “E cuidar do rosto do cliente utilizando um importante apelo de marketing, a moda”.