INICIATIVAS SUSTENTÁVEIS: NESPRESSO – TRANSPARÊNCIA PELA SUSTENTABILIDADE

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544507301

Por Karen Pegorari Silveira

O valor compartilhado é mais do que uma nova tendência, trata-se de um novo propósito. Em vista das mazelas sociais e econômicas que ainda persistem no Brasil e no mundo, o valor compartilhado representa a chance de reinvenção das empresas, em diálogo aberto e transparente com a sociedade.

Pensando nisso, a Nespresso, fabricante de café em capsulas, desenvolveu diversas ações para engajar todos os seus stakeholders com o intuito de apresentar histórias reais de pessoas envolvidas na cadeia de produção sustentável do café

Sua campanha de Criação de Valor Compartilhado usa personagens reais e brasileiros como protagonistas de uma campanha para contar as histórias da origem do café. Duas agrônomas, Ana Paula e Gilvânia, e um produtor, Lázaro, contam suas experiências em peças de comunicação on-line e off-line que enaltecem a relevância do Brasil como o maior fornecedor de grãos de café de qualidade para a Nespresso.

Criada com o mote “As escolhas que fazemos”, a campanha enfatiza os principais valores da marca – qualidade e sustentabilidade. As ações 360 incluem as vitrines das lojas brasileiras da marca que trarão fotos dos protagonistas acompanhadas de trechos que relatam suas relações com a marca.

A sócia-diretora da empresa que criou a campanha, Cris Penz, diz que “falar da qualidade do café Nespresso é falar de pessoas. Quando damos voz a quem faz parte da cadeia de produção de café no Brasil, temos a chance de fazer conexões reais com os consumidores. Essa é uma campanha que traduz os valores perenes da marca”, complementa ela.

Pioneira na reciclagem de cápsulas, a Nespresso também inaugurou este mês as visitas oficiais ao seu Centro de Reciclagem. Localizado em Barueri, São Paulo, o Centro estará disponível para visitas do público com inscrições pelo site ou, ainda, por meio do tour virtual.

Com duração de 90 minutos, o programa de visitas envolve a explicação de toda a cadeia de reciclagem Nespresso. O trajeto inclui a visitação da área que realiza, sem água, a separação do pó de café e do alumínio dentro de um maquinário de desenvolvimento próprio.

A gerente de cafés e sustentabilidade, Claudia Leite, diz que atualmente há 54 pontos de coleta para o consumidor da linha doméstica no Brasil. “As cápsulas usadas são coletadas nestes pontos e enviadas ao Centro de Reciclagem por meio de logística reversa. Em 2017, reciclamos 13,3% do total de cápsulas vendidas, um crescimento significativo em relação ao ano anterior, mas temos o compromisso de fazer muito mais”, completa. Atualmente, a Nespresso investe globalmente 25 milhões de francos suíços em reciclagem por ano.

De acordo com o presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), Milton Rego, a reciclagem do alumínio alia uma combinação única de vantagens: “O processo de reciclagem do alumínio utiliza apenas 5% da energia elétrica e, segundo dados do International Aluminium Institute (IAI), libera somente 5% das emissões de gás de efeito estufa quando comparado com a produção de alumínio primário. O processo diminui o volume de lixo gerado que teria como destino os aterros sanitários, estimulando a consciência ecológica”, diz.

Com estas ações a empresa pretende ressaltar sua atuação em toda a cadeia sustentável, do grão à xícara e à reciclagem e divulga o compromisso da marca com o tema sustentabilidade. Por meio do programa denominado The Positive Cup, a Nespresso trabalha os pilares como aquisição de café sustentável, gestão do alumínio e gestão eficiente do clima. No pilar alumínio, a meta é chegar a 100% dos clientes uma solução fácil de reciclagem até 2020.

Sobre a Nespresso no Brasil
A marca está presente no Brasil há dez anos e conta com 17 Boutiques nas principais cidades do país.


Novo Centro Cultural Fiesp ganha café nesta terça-feira (28/03)

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

É só entrar e ficar à vontade. Conforme o anunciado, foi inaugurado, nesta terça-feira (28/03), o café do novo Centro Cultural Fiesp. Agora, no térreo inferior do prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, na Avenida Paulista, funciona uma unidade da rede Pâtisserie Douce France.

Um achado no meio do burburinho de um dos endereços mais conhecidos da capital, o espaço permite uma pausa para conversar, relaxar, ler, fazer uma reunião de negócios numa das mesas oferecidas no espaço.


Imagem relacionada a matéria - Id: 1544507301

O café no térreo inferior do prédio da Fiesp: mais uma atração do novo Centro Cultural. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Entre as opções do cardápio, foram campeãs de vendas no primeiro dia de funcionamento da cafeteria o bolo Saint-Honoré (com base de massa folhada com creme de baunilha coberta de carolinas também recheadas de baunilha e chantili) e os croissants de amêndoas.

Reformado e aberto ao público em 19 de fevereiro de 2017, o novo Centro Cultural Fiesp agora tem mais de 5 mil metros quadrados, incluindo galeria de fotos, mais espaços de exposições e um café com vista para um jardim assinado por Burle Marx. Isso além dos já conhecidos Teatro do Sesi-SP e Galeria de Arte do Sesi-SP.

O Centro Cultural Fiesp funciona diariamente das 10h às 20h. Já a Pâtisserie Douce France abre das 8h às 22h.

Serviço

Pâtisserie Douce France – Unidade Fiesp

Avenida Paulista 1313

Térreo Inferior

Das 8h às 22h

Telefone: 3549-4747

www.patisseriedouce.com.br

Mais informações em www.centroculturalfiesp.com.br.

Do grão à cápsula, café tem preço multiplicado por 37 e arrecada 97 vezes mais

Agência Indusnet Fiesp

Entre o café em grão, antes de ser torrado e moído, e as cápsulas para fazer um expresso, o preço pelo quilo do produto vai de R$ 8,6 para R$ 329. A diferença é de 37 vezes. E na arrecadação de impostos o salto é ainda maior, de 97 vezes, com o quilo do grão gerando R$ 1,32 em tributos, e o do café em cápsula sendo responsável por R$ 128,67.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544507301

Não há milagre no processo. A indústria é responsável pela valorização do café e pela maior arrecadação de impostos. A indústria agrega mão de obra – criando empregos e pagando salários – e uma grande dose de pesquisa e desenvolvimento, tecnologia e investimento.

O café é um bom exemplo da importância da indústria na geração de riqueza. O cálculo do valor adicionado e da diferença na arrecadação de impostos foi feito pelo Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp (Decomtec). A perda de importância da indústria no PIB brasileiro – a desindustrialização – representa enorme perda para o país.

A atual participação da indústria no PIB brasileiro, de 11,4%, representa recuo ao patamar da década de 1940.  É na etapa industrial que há maior geração de valor, salários e tributos. É na indústria que está a maior massa industrial, e ela realiza 30% do investimento produtivo, sendo responsável por 70% do investimento em pesquisa e desenvolvimento e por 77% do valor aplicado em inovação.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544507301

Desafio de Ideias: alunos do Senai-SP apresentam inovações para empresa de café

Isabela Barros

Quinze alunos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) colocaram o seu talento à disposição da indústria de café. Ao participar do concurso técnico e cultural Desafio de Ideias, os estudantes da Escola Senai Professor Dr. Euclydes de Jesus Zerbini, em Campinas, desenvolveram soluções inovadoras de práticas e produtos para o Café Canecão, empresa patrocinadora da iniciativa.

A competição, realizada entre 05 e 07 de maio de 2015, reuniu três equipes com cinco participantes cada. A missão era pensar em novidades para tornar a marca mais inovadora e competitiva no futuro. E isso sem perder o foco na saúde, sustentabilidade e ética.


Imagem relacionada a matéria - Id: 1544507301

Os participantes do Desafio: ideias apresentadas são de propriedade do Café Canecão. Foto: Roncon&Graça Comunicações


De acordo com a analista de Design do Senai-SP Bianca Ayrao, a empresa teve dificuldade de escolher a ideia vencedora. “Todos ficaram impressionados com as soluções apresentadas”, conta.

Segundo ela, as inovações propostas são de propriedade da empresa, que pode coloca-las em prática se quiser. “Os alunos visitaram a fábrica e pesquisaram bem o setor para o Desafio”, explica.

Festival de Poesia de Dois Córregos tem o apoio da Fiesp

Agência Indusnet Fiesp

Será realizado, nos dias 18 e 19 de outubro, o VI Festival de Poesia de Dois Córregos, São Paulo. O tema desse ano é “Poesia, Vida e Harmonia” e o encontro acontecerá durante a primeira Festa da Macadâmia, Café, Cana e Fruticultura da cidade.

Com a abertura marcada para as 14h desta sexta-feira(18/10), o festival, que tem o apoio da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), contará com documentários, palestras, concursos de poesia, além de duas atrações musicais que serão realizados em parceria com o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), o Quarteto Café e o “Musicando Poesias”.

Tanto a feira quanto o festival serão sediadas no Centro de Eventos Orídeo Mazziero. A entrada para todas as atividades é gratuita.

Serviço

Quando: Dias 18 e 19 de Outubro

Onde: Centro de Eventos Orídeo Mazziero. Avenida Helcy Bueno Faulin, s/nº. Dois Córregos, São Paulo.

Site: www.usinadesonhos.org.br