Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação 2015

Neste ano, o governo federal está articulando a volta da CPMF, tributo que poderá elevar ainda mais a carga tributária, que atingiu 33,5% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2014 — uma alta de 9,1 porcentuais desde 1980.

De 1980 a 2014, com o aumento de consumo do governo, que ficou acima do de outros países, foi preciso tributar mais. O agravante é que esse inchaço do governo não significou melhora nos serviços públicos.

Segundo o estudo do DECOMTEC “A Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação”, na comparação com países que respondem por 90% do PIB mundial, a carga tributária brasileira deveria ser de 25% do PIB. A carga tributária atual não é compatível com a renda per capita e o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do país.

Na comparação setorial, a indústria de transformação é o setor mais tributado na economia brasileira, respondendo por 30,3% da arrecadação em 2014. O setor, no entanto, responde por apenas 10,9% do PIB brasileiro.

Existem outros problemas no sistema tributário brasileiro: falta de transparência com a sobreposição de impostos e a complexa burocracia tributária (custo para preparar e pagar tributos). Em 2014, por exemplo, a burocracia tributária na indústria de transformação custou R$ 35,5 bilhões, o equivalente a 1,16% do faturamento do setor no ano.

O estudo do DECOMTEC também mostra que famílias que ganham até 2 salários mínimos gastam uma parcela bem maior (46%) de sua renda com tributos embutidos nas despesas de consumo em relação àquelas que recebem acima de 25 salários mínimos (18%).

O sistema tributário brasileiro é regressivo. Ou seja, quem tem menor renda acaba pagando relativamente mais tributos do que quem tem mais renda. Isso acontece porque, no Brasil, a tributação está mais alicerçada em bens em serviços do que na renda, enquanto que, nos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), a situação é inversa.

Com a volta da CPMF e o aumento de impostos se pune os setores produtivos e a população com menor renda. A Fiesp é contra o retorno da CPMF, defendemos a redução dos gastos do Governo e que Estado seja mais eficiente.

Apresentações do Seminário “O peso da burocracia tributária: a busca pela simplificação”

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544643551

Durante o evento,  realizado no dia 26/09/2013, se discutiu com autoridades, empresários e contadores as dificuldades que um sistema tributário burocrático traz às empresas devido ao excesso e complexidade das normas e do elevado número de tributos.


Para visualizar ou baixar as apresentações acesse no menu ao lado.

Palestras:

  • José Ricardo Roriz Coelho, Vice-Presidente e Diretor Titular do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp
  • Sandra Juliana de Oliveira, Gerente de Planejamento e Contencioso Tributário da Siemens
  • Sérgio Approbato Machado Júnior, Presidente do Sescon-SP
  • Iágaro Jung Martins, Coordenador Geral e Subsecretário de Fiscalização Substituto da Receita Federal do Brasil
  • Bernard Appy, Sócio da LCA Consultores
  • Carlos Roberto Occaso, Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da RFB
  • José Clóvis Cabrera, Coordenador da Administração Tributária da Sefaz-SP

Fiesp realiza seminário ‘O peso da burocracia tributária: a busca pela simplificação’; evento acontece no dia 26/09

Agência Indusnet Fiesp 

O Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) promove o seminário “O peso da burocracia tributária: a busca pela simplificação”, na quinta-feira (26/09). O objetivo é discutir com autoridades, empresários e contadores as dificuldades que um sistema tributário burocrático traz às empresas devido ao excesso e complexidade das normas e do elevado número de tributos. O evento terá dois painéis e contará com a presença de renomados especialistas do setor.

O primeiro painel, que recebe o nome de “Custos e ineficiências enfrentadas pelas empresas”, discute como as experiências brasileiras de desenvolvimento industrial no passado podem contribuir atualmente para a concepção de um novo modelo de desenvolvimento, no qual a indústria de transformação seja protagonista.

Já o segundo painel, “Medidas governamentais e demais propostas para reduzir a burocracia tributária”, apresenta e debate ações governamentais e da sociedade para promover a desburocratização.

Clique aqui para conferir a programação completa.


Serviço

Seminário “O peso da burocracia tributária: a busca pela simplificação”
Data e horário: 26 de setembro, quinta-feira, das 08 às 12h30
Local: Edifício-sede da Fiesp (Avenida Paulista, 1313, São Paulo, SP)