Aline Silva conquista o bronze no terceiro dia de luta olímpica no Pan

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp

Lutadora do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e da seleção brasileira, Aline Silva venceu a disputa pelo bronze na noite desta sexta-feira (17/7), terceiro dia de luta olímpica nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. Aline venceu a atleta de Porto Rico, Ana Gonzalez, por 10 a 1 e conquistou a medalha de bronze na categoria até 75kg, no estilo livre.

Aline, vice-campeã mundial, estreou na competição enfrentando a norte-americana Adeline Gray, campeã do torneio, reeditando a final do Mundial do Uzbequistão, em 2014. Adeline foi melhor na luta e venceu a brasileira por superioridade técnica (10 a 0). Aline voltou para repescagem e na disputa pelo bronze não deu chances para Ana Gonzalez, de Porto Rico. A brasileira aplicou o encostamento, golpe que encerra a luta imediatamente, e conquistou a medalha.

Com o pódio, Aline chega a sua segunda medalha em Jogos. Na edição de Guadalajara, em 2011, a paulista ficou com a medalha de prata.

Aline Silva com sua medalha de bronze do Pan. Foto: Washington Novaes/COB

Aline Silva com sua medalha de bronze do Pan. Foto: Washington Novaes/COB


Campeã dos Jogos Sul-americanos, Gilda Oliveira, categoria até 69kg, foi neutralizada durante toda luta pela argentina Luz Vazquez e não conseguiu avançar na chave. Como a disputa já era em fase de semifinal, a brasileira ficou impedida de disputar a repescagem. O ouro da categoria ficou com Dori Yeats do Canadá, a prata com a venezuelana Maria Acosta, e os bronzes com a argentina Luz Vazquez e com a mexicana Diana Miranda.

Estreando nos Jogos Pan-americanos, Kamila Barbosa disputou de igual para igual com a cubana Yusnylys Guzman na categoria até 48kg. A brasileira acertou uma queda de quatro pontos, fez 4 a 1 no placar e quase executou o encostamento na cubana. Mas no segundo tempo Guzman reagiu, virou o placar e avançou para semifinal por superioridade técnica (15 a 4). Com o resultado da atleta cubana na outra luta, que não conseguiu chegar até final, Kamila não foi repescada. A medalha de ouro da categoria ficou com a canadense Genevieve Morrison, a prata com atleta do Peru, Thalia Mallqui, e os bronzes com a norte-americana Alyssa Lampe e a colombiana Caroline Bustos.

Equipe de natação do Sesi-SP deixa Tóquio e retorna ao Brasil com bronze

Agência Indusnet Fiesp

Após participarem da sexta etapa da Copa do Mundo de Natação realizada no Tokyo Tatsumi International Swimming Center, na cidade de Tóquio, nos dias 28 e 29/10, os atletas do Serviço Social da Industria de São Paulo (Sesi-SP) desembarcam no Brasil nesta quinta-feira (30/10) trazendo na mala a medalha de bronze conquistada por Etiene Medeiros.

O primeiro dia de competições foi marcado pela conquista de Etiene. A atleta se classificou para a prova dos 50m costas na 4ª posição com o tempo de 26s56. Na prova valendo medalha, ela bateu o mesmo tempo e conquistou o 3º lugar, ficando atrás de Felicia Lee (26s47) e da campeã Francesca Halsall (26s42).

Na prova classificatória dos 50m livre, Etiene fez o melhor tempo com 24s82, mas não conseguiu subir no pódio na prova final, ficando em 6º. Além dela, Daynara de Paula participou da prova dos 100m borboleta e ficou na 6ª posição com o tempo de 57s75 e Bruna Primatti nadou nos 800m livre e chegou em 8º lugar com 8m35s64.

Na manhã de quarta-feira (29/10), segundo dia de competições, Daynara se classificou para a final dos 50m borboleta na oitava colocação com o tempo de 26s65. Melhorando a marca na fase final alcançando 26s52, a brasileira terminou a prova na sétima colocação e não conseguiu subir no pódio.

A vencedora foi a holandesa Inge Dekker, com 25s18. A britânica Francesca Halssal (25s29) ficou com a prata e o bronze foi para a australiana Marieke D’Cruz com o tempo de 25s46.

Os atletas desembarcam no Brasil e já se juntam aos outros integrantes da equipe para participarem do Campeonato Paulista de Natação que será realizado entre 31 de outubro e 2 de novembro.

Agora como trainees do Senai-SP, medalhistas do WorldSkills esperam vencer como instrutores em 2015, em São Paulo

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

É tempo de mudança para os vencedores do WorldSkills 2013. Muitos dos quais agora circulam pelas unidades Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) como instrutores ou trainees.

É o caso do  medalhista de prata na categoria projeto assistido por computador (CAD), o ex-aluno do Senai-SP Paulo Inoue, de 20 anos. Ele  falou sobre os dias passados na Alemanha. Mais precisamente na cidade de Leipzig, onde o evento foi realizado entre os dias 2 e 7 de julho. “Foram quatro dias de competições. Um clima muito sério, no qual todos queriam vencer”, relembra.

Inoue: medalha de prata na Alemanha e salto na carreira. Foto: Arquivo Pessoal

Paulo Inoue: medalha de prata na Alemanha na categoria CAD e salto na carreira. Foto: Arquivo Pessoal


De volta ao Brasil, Inoue já tem uma nova missão. Como trainee contratado pelo Senai-SP, ele passa a ensinar novos alunos. “Já estamos trabalhando com corda total para o estadual de setembro, treinando os futuros medalhistas”, conta.

Para Inoue, a conquista da medalha de prata foi um passo importante em sua carreira. “É uma alavanca profissional. Em uma competição do nível de um WorldSkills, você adquire um conhecimento que demoraria anos para aprender na indústria”, diz.

A prata foi o resultado de oito horas de treinos, durante seis dias por semana, por mais de um ano. De acordo com o jovem, o ouro não veio por pouco. “O primeiro colocado ganhou por menos de um ponto na classificação final”, explica.

Aluno do Senai-SP de 2009 a 2011,  o medalhista lembra um momento especial da viagem à Alemanha, fora da rotina de competições. “Chegamos alguns dias antes para conhecer o país. Em um desses dias, fomos recebidos em uma escola alemã por alunos entre nove e dez anos”, diz. “Eles estavam muito felizes por nos receber, jogamos futebol com eles e alguns até choraram quando fomos embora”.

Superação pelo bronze

Felipe Benício, de 22 anos, aluno que iniciou sua trajetória no Senai-SP em 2009, conquistou a medalha de bronze na categoria refrigeração e ar condicionado. Foram três anos de total dedicação com esse objetivo. “Treinei desde 2010 para Leipzig, é uma competição de alto nível e de muita competitividade”, conta.

Benício: bronze e força de vontade para levar o ouro como instrutor em 2015. Foto: Divulgação

Felipe Benício: bronze em 2013 e força de vontade para levar o ouro como instrutor em 2015. Foto: Divulgação


Dono do bronze, Benício relata que enfrentou um grave problema físico durante a competição, que o impediu de alcançar sua meta de ser o melhor do WorldSkills em sua categoria. “A bancada na qual realizávamos as tarefas era mais baixa na Alemanha do que aquela em que nós treinávamos no Brasil”, explica.

De acordo com Benício, essa diferença de altura impediu que ele realizasse as provas de pé e prejudicou seu desempenho. “No primeiro dia precisei fazer a prova de joelhos. No segundo, curvado, já com o corpo bastante dolorido, perdi muito rendimento”. Com isso, Benício fez a prova em 16 horas, quando seu tempo normal é de 14 horas. Apesar dos problemas, Benicio comemorou muito o resultado. “Foi o auge da minha vida profissional”.

Admitido no Senai-SP desde de março como assistente técnico trainee, Benício inicia uma nova etapa em sua carreira profissional depois do feito na Alemanha. “A partir de agora passo para o outro lado. Trabalharei ensinando novos talentos, dando meu melhor”, diz.

Nessa linha, Benício já se imagina na próxima edição do WorldSkills, a ser realizada em 2015, em São Paulo. “Minha meta ainda é a medalha de ouro. Espero conquistá-la como instrutor”.

Atleta do Sesi-SP recebe medalha de bronze no Sul-Americano Juvenil de Esportes Aquáticos

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Em sua estreia no Sul-Americano Juvenil de Esportes Aquáticos, realizado na cidade de Lima, no Peru, o atleta Lucas Cortini, de 15 anos, conquistou a medalha de bronze na prova Maratonas Aquáticas, circuito de 5 km. Convocado pela primeira vez para integrar a seleção juvenil de natação brasileira, ele fez bonito no circuito internacional.

Durante a prova, o mar agitado e ondas com cerca de 1,5 metro de altura representaram um grande empecilho para os competidores. A disputa acirrada pela medalha de prata, protagonizada por Lucas e seu companheiro de seleção, Diogo Villarinho, foi o ponto alto da competição. No final, venceu o argentino Juan Marcos, de 18 anos.

Segundo Nilson Garbaz, supervisor de natação do Sesi-SP, Lucas é um dos grande talentos da categoria de base da instituição. Em 2010 o atleta brasileiro sagrou-se campeão brasileiro das maratonas aquáticas e dos 1500 metros em piscina.

Leia mais:

Confira outras notícias do Sesi-SP esporte