Leandro Karnal usa Hamlet para falar sobre individualismo moderno

Agência Indusnet Fiesp

O professor e historiador Leandro Karnal fez a palestra Shakespeare, o Indivíduo, a Noz e Nós, na noite desta terça-feira (24/10), no palco do Teatro do Sesi-SP. Durante o evento, que teve casa lotada e contou com transmissão on-line ao vivo para mais de 480 pessoas, Karnal abordou questões relacionadas aos campos e limites do individualismo moderno, com base na obra shakespeariana Hamlet.

A palestra, gratuita, integrou a programação do 8ª Ciclo do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council, cujo tema é Dramaturgia e Relações de Poder. Coordenada pela jornalista e dramaturga Marici Salomão, com assistência do diretor e dramaturgo César Baptista, esta edição propõe uma reflexão sobre a produção teatral, tomando como base o trabalho do autor britânico, cuja morte completa 400 anos em 2016. As atividades, iniciadas no último dia 17 de outubro, seguem até dia 1º de novembro com bate-papos, oficina e mesa-redonda. A programação completa pode ser conferida no site http://www.sesisp.org.br/cultura/nucleo-de-dramaturgia.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544506052

Leandro Karnal durante palestra no Teatro do Sesi-SP. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Expoentes das artes cênicas estarão no Ciclo de Dramaturgia Sesi-British Council

Agência Indusnet Fiesp

Com o objetivo de revelar novos autores teatrais brasileiros, o Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council chega ao seu 6º Ciclo de Dramaturgia com workshops, palestras, encenações e leituras dramáticas inspirados no tema Dramaturgia e Memória. Expoentes das artes cênicas do Brasil, Argentina, Escócia e Alemanha comandam a programação gratuita. As atividades serão realizadas entre os dias 8 de setembro e 2 de outubro, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso (Av. Paulista, 1313), com entrada gratuita.

A edição deste ano traz como proposta uma reflexão sobre os processos de criação que se valem da memória como tema ou como fonte de pesquisa.Respostas para alguns destes questionamentos serão debatidas durante o ciclo por mestres reconhecidos da dramaturgia como o argentino Rafael Spregelburd e o brasileiro Leonardo Moreira, que participarão de encontros, oficinas e leituras dramáticas.

Figura aguardada no Brasil, Rafael Spregelburd, prestigiado dramaturgo, diretor de teatro e cinema, popularizado como ator em filmes recentes – The Man Next DoorRoundDias de VinilCornelia no EspelhoO Escaravelho de OuroThe Critic, além de assinar títulos como SpamStatelessAllA EstupidezLa ModestiaLúcidoAcassusoPânicoBizarra será entrevistado, no dia 8 de setembro, pela dramaturga brasileira Grace Passô e pelo jornalista da Folha de São Paulo, Gustavo Fioratti.

Spregelburd recebeu diversos prêmios, entre eles, o cubano Casa de las Américas, o espanhol Tirso de Molina, o italiano Ubu Prêmio de melhor autor por três vezes, o argentino Argentores Prêmio. Seus textos foram traduzidos para 14 idiomas e publicados em vários países. Rafael é autor comissionado de grandes teatros na Europa e na América Latina e vem traduzindo autores como Harold Pinter, Steven Berkoff, Sarah Kane, Martin Crimp, Mark Ravenhill, Marius von Mayenburg, Reto Finger e Wallace Shaw.

Com ele, também, acontecerá um workshop de três dias (8, 9 e 10 de setembro), no Sesi-SP, sobre construção de narrativas contemporâneas. A inscrição é gratuita.

A dramaturga escocesa Jo Clifford, além de participar de mesa redonda com o ator e diretor Kiko Marques (Cais ou da Indiferença das Embarcações), também ministrará o workshop A Empatia na Escrita Dramatúrgica, uma oficina prática que propõe o desenvolvimento da escuta e do olhar a partir da observação da cidade e de seus habitantes e também dos encontros casuais que ela proporciona.

No dia 17, acontece a leitura dramática de Paquiderme, com Daniel Alvim e Luciano Gatti, texto de Daniel Farias, autor da 5ª turma do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council e direção de Johana Albuquerque.

O alemão Dirk Laucke e o brasileiro Leonardo Moreira participarão da mesa redonda Tema e Memória com mediação da crítica e jornalista Marici Salomão. No encontro serão discutidos sobre quais os recursos podem ser atribuídos à memória pessoal (do artista, coletiva, da sociedade) nos processos de investigação da realidade como busca temática. Laucke também ministra workshop de 22 a 25 de setembro com o tema Todas as Peças São sobre Mentiras. 

Na última semana do 6º ciclo, Kiko Marques ministra workshop baseado nos processos dramatúrgicos desenvolvidos no grupo Velha Companhia para realizar um estudo prático sobre o momento que antecede o escrever. Os participantes podem ir ao palco para improvisar, segundo a sua condução, visando abrir camadas de entendimento do material. Não é necessário ter experiência em atuação, já que é feito um trabalho prévio de preparação.

Finalizando a programação, no dia 1º/10, em parceria com o Sesi do Paraná, será apresentada, no Espaço Mezanino, a peça Melhor ir mais cedo Pular da Janela escrita e dirigida pelo brasileiro Léo Moita, com atuação de Val Salles.

Sobre Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council

O Núcleo de Dramaturgia nasce, em 2007, da ideia de promover o intercâmbio de conceitos e práticas brasileiras e britânicas dentro do campo das artes cênicas. Descobrir novos talentos em dramaturgia e oferecer a eles um aprimoramento de excelência da escrita e de outros textos criativos para artes cênicas é função essencial do Núcleo, que incentiva a criação de dramaturgias que expressem novas visões de mundo, linguagens e experimentações estéticas.

O foco do projeto, no entanto, não é investir em autores e autoras talentosos que já tiveram projeção na mídia, mas criar oportunidade para que textos oriundos de talentos desconhecidosse desenvolvam e se tornem conhecidos. Importante também é facilitar o encontro entre dramaturgos brasileiros e internacionais, com intuito de manter viva, renovada e criativa a produção teatral de ambas as partes.

Serviço

Todas as atividades acontecerão no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso: Av. Paulista, 1313 – São Paulo (em frente à estação Trianon-Masp do metrô).

Confira a programação completa no site do Sesi Cultura. Reservas para os encontros e leituras dramáticas pelo telefone: (11) 3146-7439

Maior exposição de fotos da cena britânica estreia na Galeria de Arte do Sesi-SP dia 25/09

Danusa Etcheverria, Agência Indusnet Fiesp

A Galeria de Arte do Sesi-SP, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, apresenta de 25 de setembro a 25 de novembro de 2012 a exposição Observadores: fotógrafos da cena britânica desde 1930 até hoje. Parceria entre o Sesi-SP e o British Council, esta é a primeira e maior mostra já apresentada na América Latina que traça um perfil da fotografia britânica nos últimos 80 anos.

Exposição "Obervadores" - Humprey Spender - Open market - shoppers, 1937-1938

Humprey Spender - Open market - shoppers, 1937-1938

Com curadoria de João Kulcsár e Martin Caiger-Smith, a exibição cobre desde os novos rumos fotográficos, na década de 1930, até a fotografia contemporânea. São 240 imagens – selecionadas de acervos como TATE Gallery, National Portrait Gallery, British Council Collection, Arts Council Art Collection e Bolton Museum – de 36 fotógrafos que voltaram suas lentes para a cultura, os costumes e as pessoas da Grã-Bretanha.

A mostra é focada na tradição da prática documental presente na fotografia produzida no Reino Unido, e revela quase um século da cena britânica com imagens captadas no universo analógico e na era digital, retratando uma época que viu o nascimento da televisão, do cinema falado e da circulação em massa de jornais e revistas.

Os trabalhos exibidos vão desde a cena urbana até a alta sociedade, passando pelo realismo subversivo e corajoso da cultura de rua inglesa. Entre os influentes fotógrafos que assumiram uma postura voyer diante de seu próprio país, seja por nascimento ou longa estadia, estão Bill Brandt, Martin Parr, Wolfgang Tillman, Cecil Beaton, George Rodger, Richard Billingham, Derek Ridgers, Tony Ray-Jones, Daniel Meadows, Chris Killip, Paul Nash e Keith Arnatt.

Hábitos e costumes

Exposição "Obervadores" - Shirley Baker - Cheeky Young Graffiti artist, Manchester, 1967

Shirley Baker - Cheeky Young Graffiti artist, Manchester, 1967

A exposição teve seu título inspirado no projeto Mass Observation, criado em 1937 pelo antropólogo Tom Harrisson, pelo poeta Charles Madge e pelo cineasta Humphrey Jennings. A proposta foi examinar e documentar de forma antropológica como a classe trabalhadora inglesa vivia, por meio de seus hábitos e costumes.

No período entre guerras, os criadores do Mass Observation perceberam que havia uma diferença entre o que se conhecia e a vida real das pessoas comuns da Inglaterra.
Esse cenário foi uma oportunidade para artistas, antropólogos, sociólogos e artistas trabalharem juntos de forma criativa e desenvolverem a melhor forma de entender o que as pessoas, de fato, estavam fazendo na Grã-Bretanha.

Observadores: fotógrafos da cena britânica desde 1930 até hoje é uma parceria do Sesi-SP com o British Council e faz parte da temporada UK Season – programação de atividades culturais e educativas do Reino Unido no Brasil, que acontece de setembro de 2012 a março de 2013.

Serviço
Exposição: Observadores: fotógrafos da cena britânica desde 1930 até hoje
Local: Galeria de Arte do Sesi-SP – Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso
End.: Av. Paulista, 1313 (metrô Trianon-Masp)
Visitação: 25 de setembro a 25 de novembro de 2012
Datas e horários: segunda-feira, das 11h às 20h; terça a sábado, das 10h às 20h; e domingo, das 10h às 19h (entrada até 20 minutos antes do fechamento)
Agendamentos escolares e de grupos: de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h, pelo telefone (11) 3146-7439
Classificação indicativa: livre
Informações: (11) 3146-7405 e 7406
Entrada franca. O espaço tem acessibilidade
Leia mais

Sesi-SP lança projeto de rúgbi que beneficia 10 mil crianças no Estado de São Paulo

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544506052

Paulo Skaf (ao centro) e Walter Vicioni (1º à direita), com os técnicos britânicos, diretores dos CATs do Sesi-SP e representantes das entidades parceiras do projeto Try Rugby SP, durante o lançamento na sede da Fiesp

Reforçando o compromisso da indústria paulista com a utilização da prática esportiva como ferramenta de inclusão social e educacional, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), Paulo Skaf, participou, nesta terça-feira (04/08), do lançamento oficial do projeto Try Rugby SP.

A iniciativa, resultado de uma parceria do Sesi-SP com o British Council e a Premiership Rugby, a liga do esporte na Inglaterra, será realizado simultaneamente em 12 unidades do Sesi-SP, atendendo a 10 mil crianças no período de dez meses.

Durante este tempo, os 12 técnicos britânicos selecionados pela Premiership Rugby realizarão ações de desenvolvimento do projeto com crianças e adolescentes de 6 a 17 anos. O projeto entra em vigor a partir do dia 10 de setembro de 2012.

“O rúgbi no Brasil ainda está engatinhando e o Sesi-SP dará esta contribuição, até porque nos Jogos Olímpicos de 2016 [Rio de Janeiro] esta modalidade esportiva estará de volta”, afirmou o presidente das instituições.

Walter Vicioni, superintendente do Sesi-SP e diretor Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), acrescentou: “Vocês têm uma missão extraordinariamente importante. Nós queremos que eles [alunos] possam ter a mesma habilidade e o dinamismo que vocês têm. Esperamos que vocês possam nos deixar um legado ”.

O evento contou com a participação do diretor da Divisão de Esporte do Sesi-SP, Alexandre Pflug; do presidente da Confederação Brasileira de Rugby (CBRu), Sami Arap; do diretor de esporte da British Council Brasil, Eric Klug; e do Chefe da Comunidade da Premiership Rugby, Wayne Morris e do Gerente de Desenvolvimento da Comunidade do Programa Premiership Rugby , Scott Watson.

Paulo Skaf: Try Rugby SP é contribuição da indústria paulista ao Brasil para Rio-2016

Edgar Marcel e Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544506052

Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Sesi-SP, fala por que a indústria paulista abraçou o projeto Try Rugby


No evento de lançamento do Projeto Try Rugby, cooperação do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) em parceria com o British Council e a Premiership Rugby (liga do esporte na Inglaterra), o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Sesi-SP, Paulo Skaf, explicou por que a indústria paulista abraçou o programa.

“O rúgbi no Brasil ainda está engatinhando e o Sesi-SP dará esta contribuição, até porque nos Jogos Olímpicos de 2016 [Rio de Janeiro] esta modalidade esportiva estará de volta. E os atletas brasileiro competirão com atletas de todo o mundo. Então, o Sesi-SP e a indústria paulista pretendem ajudar o Brasil com o maior número possível de atletas para defender as cores brasileiras nas Olímpiadas de 2016”, afirmou o presidente das instituições.

Skaf incentivou os técnicos britânicos a conhecer a rede de ensino do Sesi-SP e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP). “Acho fundamental que vocês passem pelas unidades do Sesi e do Senai do nosso Estado para que saibam o que essas entidades fazem pelas pessoas”, afirmou Skaf, destacando as 12 modalidades de esporte de rendimento mantidas pelo Sesi-SP.

Sesi-SP lança programa inédito de rugby para jovens em parceria com British Council e Premiership Rugby

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

O Sesi-SP lançará no próximo dia 4 de setembro, às 11h, na sede da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), o “TRY RUGBY – SP”, projeto inédito do esporte no Brasil em parceria com o British Council e a Premiership Rugby, a liga do esporte na Inglaterra.

O programa será realizado simultaneamente em 12 unidades do Sesi no Estado de São Paulo, atendendo a 10 mil crianças no período de dez meses. Durante este tempo, os 12 técnicos britânicos selecionados pela Premiership Rugby realizarão ações de desenvolvimento do projeto com crianças e adolescentes de 6 a 17 anos.

As cidades atendidas pelo projeto TRY RUGBY – SP do Sesi serão Matão, Itapetininga, Rio Claro, São Carlos, Votorantim, Indaiatuba, Mogi Guaçu, Tatuí, Piracicaba, Araras, Campinas e Sumaré.

Os técnicos têm entre 19 e 43 anos, se formaram em diversas universidades da Inglaterra e possuem vasta experiência em clubes do Reino Unido. Como parte de suas funções, além dos treinamentos, eles desenvolverão atividades de rugby com a comunidade. Além disso, atuarão no desenvolvimento e capacitação dos professores de educação física do Sesi-SP, possibilitando a continuidade do programa após os 10 meses iniciais. Os objetivos principais do projeto são democratizar o acesso ao esporte e aumentar sua popularização no país, promover intercâmbio cultural, esportivo e educacional entre as crianças e jovens participantes construindo um legado de desenvolvimento do rugby no Brasil.

Todos os técnicos selecionados possuem experiência e formação em treinamento educacional, tanto no Reino Unido como em outros países, como França e Malta. Para a viabilização deste projeto, eles tiveram aulas de português online como forma de iniciação na língua. Mas também é proposta do programa que as aulas tenham sessões em inglês, principalmente no que diz respeito aos termos específicos do esporte, para maior aprofundamento por parte dos alunos e professores.

Além do presidente Paulo Skaf, o evento de lançamento contará com as presenças de Sami Arap, presidente da CBRu, e Wayne Morris, Chefe da Comunidade da Premiership Rugby, e todos os técnicos participantes do projeto.

O rugby no Brasil

Segundo a Confederação Brasileira de Rúgbi (CBRu), atualmente o Brasil conta com cerca de 30 mil praticantes do esporte. Com o projeto, este número será automaticamente elevado em 30%.

Para o presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, o programa é mais uma oportunidade para os jovens alunos da instituição e da comunidade de conhecer e vivenciar a modalidade, atualmente praticada por grupos restritos, apoiando o desenvolvimento não só do esporte, mas também da prática esportiva como um todo no Brasil.

“Queremos oferecer novas oportunidades de práticas esportivas aos nossos jovens, pois acreditamos no esporte como ferramenta para a educação. Por meio da democratização do acesso à prática esportiva, temos a oportunidade de revelar novos talentos contribuindo com o fortalecimento do esporte nacional e, com a melhoria da qualidade de vida das pessoas – uma das missões da indústria paulista”, declarou Skaf, que ressaltou a ideia de intercâmbio cultural entre técnicos e alunos que, além do esporte, aprofundarão os conhecimentos na língua inglesa. “Por isso, o projeto é muito especial. É um grandioso intercâmbio envolvendo 10.000 crianças e jovens. ao mesmo tempo. Isso é inédito no Brasil”, apontou o presidente.

A opinião é compartilhada pelo diretor de esportes do British Council, Guilherme Guimarães. “O objetivo do TRY RUGBY – SP é promover a inclusão social e disseminar a modalidade no Brasil. O rugby fará parte do programa olímpico pela primeira vez nos Jogos do Rio em 2016, portanto, este é o momento ideal para o lançamento de um projeto como esse”, declarou Guimarães.

O segundo esporte mais popular do mundo

O rugby é o segundo esporte mais praticado no mundo, atrás apenas do futebol, com números estimados de cinco milhões de praticantes profissionais. Com mais de quatro bilhões de pessoas em audiência acumulada, a Copa do Mundo de Rugby fica atrás apenas da Copa do Mundo de Futebol e das Olimpíadas como evento mais visto do mundo. Para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, será a primeira vez que o esporte será disputado e valerá medalha, não participando apenas para demonstração.

A seleção brasileira feminina de rugby conquistou a 10ª posição no último Campeonato Mundial realizado em Dubai (2009) e é apontada como a melhor equipe da América do Sul. No masculino, o Brasil ocupa a 27ª posição no ranking geral, mostrando destacada evolução ao longo dos últimos anos.

Serviço:
Lançamento oficial do programa TRY RUGBY – SP
Data – 04 de setembro de 2012 às 11h
Local – Sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Avenida Paulista, 1313

Veja outras notícias no site do Sesi Esporte www.sesisp.org.br/esporte

Fernanda Jaber acompanha apresentações de “Entre Quatro Pedaços” na Escócia

Edgar Marcel, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544506052

Fernanda Jaber, roteirista e cineasta

A roteirista e cineasta Fernanda Jaber acompanhou, a convite do British Council em fevereiro último, a breve temporada do espetáculo de sua autoria Entre Quatro Pedaços, no Reino Unido. A montagem já esteve em cartaz no Teatro do Sesi São Paulo em dezembro de 2009, ano em Fernanda obteve menção honrosa no Prêmio Luso-Brasileiro de Dramaturgia Antônio José da Silva.

O sucesso da peça ganhou adaptação para Four Parts Broken, que fez parte da Latin American Season, uma temporada de apresentações latino-americanas do projeto A play, a pie and a pint (uma peça, uma torta e um chope), realizado pelo National Theater of Scotland nos teatros Oran Mor e Traverse, respectivamente em Glasgow e Edimburgo, na Escócia.

Como Four Parts Broken estava escalada no meio da programação, a autora pode assistir a outros dois espetáculos (argentino e colombiano), que lhe proporcionaram uma visão ampla do projeto internacional.

Fernanda Jaber observou a tradição local, na qual o espectador come uma torta e bebe um “pint” de chope (que equivale a pouco mais de meio litro) no teatro. ”Devíamos levar isso para o Brasil: ‘uma peça, uma pilsen e um pastel’, como disse um amigo”, defende a autora, que diz ter guardado os detalhes da logística escocesa para tentar um patrocínio de um futuro projeto quando voltar para o Brasil. Atualmente ela mora na China, e retrata a experiência de viver do outro lado do mundo em seu blog www.fernandajaber.com.

A seguir, uma rápida entrevista com a autora:

Qual a sua percepção quanto à organização desta temporada teatral latino-americana na Escócia?

As peças foram designadas a diferentes equipes e cumpriram o seguinte itinerário: ensaios e temporada em Glasgow e, finalmente, temporada em Edimburgo. Enquanto Four Parts Broken estava sendo encenada em Glasgow, as produções anteriores, dois textos do argentino Teatro da Identidade, permaneciam em cartaz em Edimburgo. O espetáculo seguinte, adaptação do texto de Esteban Navajas, estava sendo preparado na casa que serve aos ensaios, onde fiquei hospedada. Não apenas pude acompanhar o trabalho dos produtores articulando toda essa operação, como foi muito instrutivo e divertido acordar com atores ensaiando no quarto ao lado e ir dormir com um caixão cenográfico no corredor.

Você conseguiu identificar peculiaridades em relação ao público?

O público em Glasgow é maior e mais diversificado, e a conformação do espaço tornou a experiência sui generis. Lá, as pessoas comem e bebem enquanto assistem ao espetáculo, em mesas labirinticamente arranjadas em torno do palco. Isso fez toda a diferença e proporcionou algo de mágico. Quando a peça começou, ouvíamos ainda as últimas garfadas. Em Edimburgo vivenciamos algo tradicional: os assentos são arranjados em arquibancada, de forma semicircular em torno do palco, e não é permitido entrar com comes e bebes.

E o desempenho dos atores na adaptação de sua peça em “Four Parts Broken”?

O diretor David Betz acreditava que o espaço em Edimburgo beneficiaria o meu texto, mas eu não pude conferir as apresentações de Four Parts Broken ali. O que sei é que fiquei satisfeita com o que vi em Glasgow. Pude acompanhar as conversas entre ele e os atores após cada apresentação e confirmar o grande entendimento do diretor em relação ao texto. O desempenho dos atores, todavia, foi o que mais impressionou, principalmente os intérpretes dos meninos, Connor e Tom. O primeiro estreou como ator agora, num filme sobre delinquentes juvenis, “Neds”, o grande sucesso da temporada por lá. Ele tem apenas 17 anos, roubava a cena completamente e o David ainda achava que ele não estava tão bom quando deveria. Complicada essa vida de ator.

Como o público e a crítica reagiram ao espetáculo?

Quanto ao público, fiquei envergonhada, mas também muito feliz em admitir que não consegui sentar próxima ao palco em nenhuma das apresentações. Mesmo chegando uma hora antes, conseguia lugares apenas razoáveis. No último dia, havia gente de pé. Não sei se isso foi devido às criticas favoráveis na imprensa local ou ao sucesso do filme do Connor nos cinemas. Esse tipo de coisa é melhor a gente não investigar muito. Aceita-se e pronto.

Texto e autora inéditos são destaque do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council

Agência Indusnet Fiesp,

Um sol cravado no céu da boca, texto inédito de Drika Nery, autora formada na segunda turma do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council, ganha leitura dramática do diretor Leonardo Moreira.

A peça terá única sessão na próxima quarta-feira (1º/09), às 20h, no Mezanino do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso. Para assistir é necessário inscrever-se previamente pelos telefones (11) 3146-7401. A entrada é gratuita e a lotação, de 50 lugares.

O evento conta com a participação de quatro atores que já integraram o Núcleo Experimental de Artes Cênicas do Sesi-SP.

O texto narra os dramas de uma mulher que não sai de casa há um ano; de um homem que planeja se matar, e de uma garota que desconfia estar grávida e que atravessa suas vidas. As três histórias se transformam em uma. Passado, presente e futuro engarrafados em São Paulo.

A leitura dramática é resultante de uma das criações desenvolvidas durante o processo de aprendizagem oferecido pelo Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council, criado em outubro de 2007, atualmente sob a coordenação da jornalista e dramaturga Marici Salomão.


Sobre a autora

Drika Nery cursou Cinema na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e participou de oficinas de dramaturgia com Samir Yazbek e Ivan Delmanto. Ela também estudou interpretação com os diretores Sérgio Ferrara e Olayr Coan. E frequentou laboratórios de criação literária e poética coordenados por Marcelino Freire e Donizete Galvão, além de laboratório de roteiro cinematográfico coordenado por Di Moretti.

A paulistana roteirizou e dirigiu os curtas-metragens Augusta rua (2005),
Realidade experimental (2004) e Réstias (2003).  Desde 2006 integra o Centro de Dramaturgia Contemporânea, grupo de pesquisa em dramaturgia coordenado por Paula Chagas Autran. É autora do livro de poesia Desde que comecei a desafinar. Escreve prosa, teatro e poesia no blog literário
Peixe Cybernéticom
.


Sobre o diretor

Formado em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (USP) e mestrando em Dramaturgia pela mesma instituição, Leonardo Moreira é um dos fundadores da Companhia Hiato.

Ele escreveu e dirigiu os espetáculos Cachorro Morto e Escuro. O primeiro recebeu duas indicações ao Prêmio Femsa de Teatro, enquanto o outro, obteve uma indicação ao Prêmio CPT 2009 na categoria Melhor Autor Teatral e três indicações ao Prêmio Shell 2010: Melhor Autor, Melhor Diretor e Melhor Cenário (com Marisa Bentivegna).

Atualmente, dirige O Jardim , terceiro trabalho do grupo, e faz a dramaturgia de um dos espetáculos da Cia. Teatro Balagan, com direção de Maria Thaís.

Serviço
Núcleo de Dramaturgia Sesi – British Council
Leitura Dramática do texto
Um sol cravado no céu da boca
Local: Mezanino do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso
Endereço: Av. Paulista, 1.313 – em frente ao metrô Trianon-Masp, Capital
Data e horário: dia 1º/09/2010 (quarta-feira), às 20h
Capacidade: 50 lugares
Inscrições antecipadas: tel. (11) 3146-7401
Informações:
www.sesisp.org.br/dramaturgia
Entrada franca

Sesi-SP e British Council promovem workshop sobre dramaturgia

Agência Indusnet Fiesp,

Introdução às Técnicas Dramatúrgicas, é o título do workshop que a atual coordenadora e consultora literária do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council, Marici Salomão, ministrará nos dias 31 de agosto, 2 e 3 de setembro de 2010, das 18h30 às 21h30, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso.

Os encontros permitirão aos aprendizes entrar em contato com as principais ferramentas da escrita para o teatro, fornecendo o percurso da escolha do tema à criação do texto – passando por enredo, personagens e diálogos.

Com carga horária de 12 horas, o workshop alinhará à prática alguns dos principais fundamentos teóricos para se entender os desdobramentos sofridos pelo texto teatral ao longo do tempo.

Para se inscrever, o candidato deverá apresentar uma cena curta, além de currículo e carta de interesse. As inscrições já terminaram. Confira os trabalhos selecionados no site: www.sesisp.org.br/dramaturgia.

O evento integra as atividades do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council, projeto criado em outubro de 2007 e voltado para a descoberta e desenvolvimento de novos autores de teatro.

Serviço
Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council –
Workshop Introdução às Técnicas Dramatúrgicas, com Marici Salomão
Local: Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso
Endereço: Av. Paulista, 1313, em frente a estação Trianon-Masp do metrô, Capital
Datas e horários: 31/08, 2 e 3/09/2010 (terça-feira, quinta-feira e sexta-feira), das 18h30 às 21h30
Entrada franca
Vagas: 12

Inscrições:
www.sesisp.org.br/dramaturgia
Informações: 
ccfproducao@sesisp.org.br
tel. (11) 3146-7383

Inscrições para novos autores do Sesi-SP e British Council terminam hoje (30)

Terminam nesta sexta-feira (30) as inscrições para a terceira turma de novos autores do Núcleo de Dramaturgia Sesi-SP e British Council. Os extratos de textos dramatúrgicos serão avaliados para a identificação de novos dramaturgos com potencial a ser desenvolvido.

Os novos autores selecionados passarão por um processo de desenvolvimento e aprimoramento de sua dramaturgia, de agosto de 2010 a junho de 2011, em um programa que promove troca de experiências e de técnicas entre profissionais e instituições brasileiras e britânicas voltadas a novos dramaturgos.

Os interessados – pessoas com mais de 16 anos e que nunca tiveram um texto publicado ou encenado profissionalmente – deverão preencher a ficha de inscrição, que pode ser obtida no site do projeto (www.sesisp.org.br/dramaturgia) e anexar um extrato do texto criado, composto por um ato da peça com no mínimo 15 e no máximo 20 laudas (de 21 mil a 28 mil caracteres).

A avaliação dos textos encaminhados ao Núcleo, coordenado pela jornalista e dramaturga Marici Salomão, será feita por uma equipe de avaliadores preparados com base em metodologia exclusiva desenvolvida pela professora Munira Mutran, livre docente da área de literatura da Universidade de São Paulo (USP).

Como se trata de um processo de portas abertas – isto é, os interessados poderão enviar seus textos durante todo o ano –, o Núcleo manterá atividades regulares voltadas a aperfeiçoar a escrita de potenciais candidatos abertas ao público.

O projeto prevê a produção e a realização de leituras dramáticas de alguns textos selecionados e produzidos durante o processo de trabalho.
Serviço

Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council
Envio de textos até 30 de abril de 2010 para:
Sesi-SP / Divisão de Desenvolvimento Sociocultural
Av. Paulista, 1313 – Andar Intermediário
CEP: 01311-923 – São Paulo – SP

Informações: 
www.sesisp.org.br/dramaturgia
ou
sesicultural@sesisp.org.br