Câmaras de comércio destacam vantagens para investimento brasileiro na Espanha

Odair Souza e Amanda Viana, Agência Ciesp de Notícias

Para mostrar a Espanha como um mercado em potencial para as empresas brasileiras que queiram investir fora do Brasil, a Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), a Câmara Oficial Espanhola de Comércio no Brasil e a Câmara Brasileira de Comércio na Espanha promoveram, na terça-feira (06/05), o evento “Internacionalização de Empresas Brasileiras: Espanha como Plataforma de Comércio Exterior e Investimentos”.

O encontro contou com a presença do embaixador da Espanha no Brasil, Manuel de La Cámara Hermoso; do diretor do Departamento de Promoção Comercial e Investimentos do Ministério das Relações Exteriores, Rodrigo de Azeredo Marques; e de diretores das entidades da indústria paulista e representantes das Câmaras de Comércio dos dois países.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540274423

Representantes do país europeu destacaram que economia espanhola está se recuperando. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Na abertura do encontro, Vladimir Guilhamat, diretor de Comércio Exterior do Ciesp, classificou como “muito pequeno” o fluxo de comércio entre os dois países, que em 2013 foi de US$ 8 bilhões. “Este evento tem caráter de facilitar a entrada de nossas empresas brasileiras, mas é, também, uma iniciativa para consolidar os resultados do comércio entre as partes”, frisou.

Em 2012, a balança pendeu para o lado brasileiro, enquanto em 2013 o montante positivo – US$ 940 milhões – ficou do lado espanhol.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540274423

Guilhamat: iniciativa para consolidar os resultados do comércio entre os países. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

O diretor titular da Distrital Sul do Ciesp, Leonardo Ugolini, também ressaltou a importância de incrementar as relações bilaterais. “Temos a proximidade da língua e os laços históricos entre nossos países. Este encontro tem todas as condições, porque envolve uma parceria entre a Câmara de Comércio Brasil-Espanha e a Câmara do Brasil na Espanha para divulgar as facilidades de investimentos, importações e exportações e joint ventures”, resumiu o diretor.

Em 2013, mais de mil empresas brasileiras consultaram a Câmara Oficial Espanhola de Comércio no Brasil para se informar sobre as vantagens de investimentos no país europeu. Para orientar os empresários, o organismo espanhol realizou cerca de 80 eventos visando apresentar o ambiente propício a novos negócios na nação ibérica.

De acordo com Antônio Carlos Valente, presidente da Câmara Oficial, os fortes laços econômicos e culturais são fatores importantes nas relações bilaterais. “A Espanha, por exemplo, é o segundo maior investidor no Brasil, logo após os Estados Unidos. O que demonstra a confiança das empresas espanholas no mercado brasileiro.”

Ainda de acordo com Valente, desde a década de 90, as 20 principais empresas espanholas estabelecidas no Brasil totalizam 65 bilhões de euros na economia brasileira, empregando mais de 325 mil brasileiros. Para o triênio 2014/2016, a previsão do representante espanhol é que mais 13 bilhões de euros sejam investidos no Brasil.

José Gasset, presidente da Câmara do Brasil na Espanha, disse que seu país tem oportunidades de crescimento, destacando que os progressos da situação econômica da Espanha, que vem se recuperando de uma crise. Segundo ele, o país tem implementado um programa de reformas bastante completo, como a melhoria da competitividade e da produtividade, o aumento anual das exportações em 5%, o superávit da balança comercial, entre outros. “O superávit do setor comercial gerou um ciclo de investimento, emprego e consumo. A confiança dos investidores estrangeiros também tem crescido e melhorado”, afirmou Gasset.

A conselheira econômica e comercial e chefe da Embaixada da Espanha, Ana Raquel García, apresentou as oportunidades que a Espanha oferece como investimentos aos empresários. “As relações bilaterais entre Brasil e Espanha têm se fortificado nos últimos anos, gerando um aumento dos fluxos comerciais”, disse.

Segundo ela, a Espanha possui uma série de fatores estruturais que torna o país muito atrativo para investidores: “A Espanha é porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras, contribuindo ainda mais para o processo de internacionalização das empresas.”

Ana Raquel García apontou características positivas para se investir na Espanha. “A economia espanhola tem liberdade total para investimentos estrangeiros. É o país com menos barreiras de investimento no mundo, tem boa infraestrutura e grandes empresas líderes. Além disso, é um país bem conectado com o Brasil, devido a sua proximidade geográfica, cultural e histórica”.

Em relação aos investimentos, Rodrigo de Azeredo Santos, diretor do Departamento de Promoção Comercial e Investimentos do Ministério das Relações Exteriores do Itamaraty, foi o responsável por comentar o assunto. Santos falou sobre a importância dos investimentos espanhóis no Brasil, que podem ser diversificados, tanto na questão de setores e segmentos, quanto nos tamanhos das empresas, podendo abranger grandes corporações e pequenas e médias empresas. “As parcerias com empresas espanholas no mercado internacional são de extrema importância para o desenvolvimento de novos projetos e negócios, além de aumentar o fluxo de investimento entre os países”, disse.

O embaixador da Espanha no Brasil, Manuel de La Cámara Hermoso, ressaltou a falta de um maior investimento por parte das empresas brasileiras na Espanha, que seria uma ótima escolha para os dois países. Ele reforçou o fato de a economia espanhola estar se recuperando e crescendo, com forte aumento da produtividade e da competitividade, o que contribui para um momento muito favorável às exportações.

De acordo com o embaixador, investidores brasileiros encontrarão facilidades do ponto de vista jurídico, com leis que ajudam os investidores e empreendedores estrangeiros na Espanha. Esta lei facilita a entrada de pessoas altamente qualificadas. “O governo instaurou um plano estratégico de internacionalização, tornando o país mais interessante para investimentos estrangeiros”, finalizou Manuel Hermoso.

Durante o encontro, foi realizada a assinatura do convênio entre as Câmaras do Brasil e da Espanha.

Com regime tributário específico, País Basco quer brasileiros

Agência Indusnet Fiesp

Pioneiro no processo de industrialização espanhola, o País Basco quer ampliar os negócios com o Brasil. Nesta quarta-feira (24), uma comitiva do governo visitou a Fiesp para promover encontro entre empresários dos dois países.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540274423

Bernabé Unda, secretário de Indústria do País Basco (à esq.) e José Augusto Correa, diretor-adjunto do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp

“Por mais que tenhamos tecnologia da informação, as pessoas precisam se encontrar para criar novas oportunidades de negócios e conquistar resultados positivos no futuro”, afirmou o diretor-adjunto do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, José Augusto Correa.

Já o secretário de Indústria do País Basco, Bernabé Unda, destacou vantagens da região, conhecida por investimentos em inovação. “Temos uma rede de parques tecnológicos e incentivamos as parcerias público-privadas”, disse.

O secretário defendeu também o dinamismo da economia basca e apoio à implantação de empresas brasileiras em seu país. “Temos um dos principais aeroportos de carga do sul da Europa”, acrescentou.

No encontro, que atraiu o interesse de empresários que lotaram o auditório, foram apresentados ainda detalhes dos setores automotivo, máquinas e ferramentas, energia, ferroviário e aeronáutico.