Sesi-SP Editora lança box com 4 livros sobre atividade física e treinamentos corporativos

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

A tarde desta quinta-feira (28/08) foi de muita atividade no estande da Sesi-SP Editora na Bienal Internacional do Livro, no Anhembi, em São Paulo. Durante o lançamento do box “Sesi-SP Qualidade de Vida”, com quatro volumes temáticos sobre exercícios e treinamentos variados, monitoras do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) convidaram os frequentadores da feira para se mexer um pouco no espaço.

“Adorei a ginástica”, disse a empresária Mary Stella Cardoso, de 37 anos, no local ao lado do filho, Pietro, de seis anos. “Faço pilates e acho ótima a iniciativa do Sesi de estimular a prática o esporte entre os trabalhadores da indústria”.

A dinâmica realizada nesta quinta-feira no estande da Sesi-SP Editora: qualidade de vida. Foto: Isabela Barros/Fiesp

A dinâmica realizada nesta quinta-feira no estande da Sesi-SP Editora: qualidade de vida. Foto: Isabela Barros/Fiesp

O box, vendido por R$ 121,90, vem com quatro livros, todos voltados para os empreendedores interessados em estimular a qualidade de vida e a qualificação de seus funcionários: “Treinamento sob Medida”, “Assessoria para ADC”, “Treinamento Corporativo” e “Ginástica na Empresa”.

Em “Treinamento sob Medida”, são oferecidas orientações para a prática de atividades físicas com o objetivo de combater doenças e melhorar o clima organizacional nas empresas. As dicas envolvem até a organização de passeios de mountain bike e corrida em grupo.

Já “Assessoria para ADC” tem como objetivo apoiar a gestão das Associações Desportistas Classistas (ADCs), destacando pontos como localização e organização dos ambientes, por exemplo.

“Treinamento Corporativo” traz sugestões de como trabalhar pontos como motivação, liderança e cooperação a partir de práticas e dinâmicas variadas.

Por fim, “Ginástica na Empresa” volta ao tema do esporte com ênfase em pontos como ginástica laboral, ergonomia e qualidade de vida.

O box Sesi-SP Qualidade de Vida, lançado nesta quinta-feira (28/08) na Bienal. Foto: Isabela Barros/Fiesp

O box Sesi-SP Qualidade de Vida, lançado nesta quinta-feira (28/08) na Bienal. Foto: Isabela Barros/Fiesp


O estande da Sesi-SP Editora na Bienal fica na Rua I, no número 598. O evento segue até este domingo (31/08) no Anhembi.

Para conferir o catálogo completo da editora, só clicar aqui.

Diferenciais podem estar nos detalhes, defendem designers do Senai Mix Design

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Se o fabricante produz 50 modelagens, que aumente esse número para 54, mostre quatro produtos diferenciados e ofereça-os aos poucos para o mercado, orienta a designer de artefatos de couro e instrutora do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Melissa Bosquê.

Ela é uma das autoras do box Senai Mix Design Outono/Inverno 2015, formado por quatro livros que reúnem tendências e inspirações para os setores de vestuário, artefatos de couro, calçados e joias folheadas e bijuterias.

“É difícil sair da cópia porque, quando o empresário vai vender, as pessoas já estão querendo o que está na tendência e ele sente a necessidade de seguir esse parâmetro”, reconhece Melissa. “Mas é possível ganhar o volume de dinheiro com o que o mercado está pedindo e, em paralelo, fazer algumas experiências”, complementa.

Melissa destaca que as empresas que têm mais liberdade para sair dessa opção são as que atuam em segmentos específicos.

Melissa: desafio de inovar sem perder o foco no mercado. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Melissa: desafio de inovar na produção sem perder o foco no mercado. Foto: Beto Moussalli/Fiesp


“A gente conhece uma empresa que fabrica bolsas para cinegrafistas. Ela atende o pessoal que trabalha em TV, portanto não tem muito concorrente e consegue sair mais da tendência”, conta. “Agora quem trabalha com a bolsa para moda precisa fazer realmente o que o mercado aceita, mas sem deixar de ter diferenciais. Se você tem 50 peças, faça 54 e mostre quatro opções diferenciadas”, orienta a designer.

Questão de estilo

O desafio de sair da cópia também se aplica ao setor de semi joias e bijuterias finas. Na avaliação da designer e também autora do Senai Mix Design Maysa Neves Pimenta, o conforto de copiar ainda se sobrepõe ao desafio de criar.

“Não só no setor da joia, mas em todos os setores é muito mais cômodo olhar o que lançou na novela, no desfile e copiar. É importante acreditar no trabalho do designer e ter isso como um norteador, ter a visão de que a marca precisa ter um direcionamento e estilo”, defende.

Embora defenda a independência criativa do fabricante, Maysa ressalta a importância do equilíbrio entre tendência global e o viés da cultura local para emplacar um produto no mercado.

“Não é só uma questão de tendência de moda, mas de consumo. Então pode ser um produto totalmente autoral, mas ele tem de ter uma carinha do que está sendo traçado internacionalmente, caso contrário ele não está inserido no mercado”.

Sustentabilidade

Referência de moda e comportamento, a produção e o consumo sustentáveis de vestuário e acessórios também podem ser aplicados à realidade dos fabricantes de pequeno porte.

A designer Melissa alerta, no entanto, para que a mudança de hábito da empresa ocorra aos poucos. “Não adiantar levar a fábrica de ponta cabeça. O negócio é fazer inovação com uma linha pequena de produto com matéria-prima 100% orgânica e testar a reação dos clientes. Depois ele [empresário] pode investir mais no processo inteiro”, orienta.

Para micro e pequenas empresas

Os cadernos de inspirações do Senai Mix Design Outubro/Novembro – 2015 são voltados para a empresa de micro e pequeno porte, afirma Melissa Bosquê.

“O empresário grande sai para pesquisa, eles estão nas feiras de matéria-prima, têm equipes próprias para esse trabalho. O box é mais um material que ele consegue. Para a pequena e micro empresa, é um material essencial, com todas as informações compiladas para que ele as use no dia-a-dia”, explica a designer.

Há uma preocupação da equipe do Senai Mix Design, segundo Melissa, em adequar as tendências encontradas nas feiras e nos desfiles fora do país para a realidade do consumidor brasileiro. “A gente traz tudo o que viu de matéria-prima em feiras e desfiles lá fora como filtro para o Brasil”, conta.

A designer de joias, Maysa Neves Pimenta, pensou até no empresário que fabrica suas peças sozinho enquanto elaborava o caderno de joias folheadas e bijuterias finas. “Eu enxergo o Senai Mix Design como um orientador para que essas pessoas desenvolvam produtos com diferencial e não tenham que brigar só pelo preço, mas ter seu lugar no mercado com identidade de marca”, garante.


Senai Mix Design apresenta tendências de moda e estilo para a indústria

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Uma tendência minimalista, que prima pela reaproximação do indivíduo com a natureza e se reflete em tons terrosos e acabamento fosco para as peças de couro e materiais como madeira reciclada para as semi joias e bijuterias. Essas e outras inspirações foram apresentadas para empresários e profissionais da indústria de artefatos de couro e de semi joias na noite desta quarta-feira (30/07).

A iniciativa faz parte do projeto Senai Mix Design Outono/Inverno – 2015, que envolve um box com um compilado de direções criativas que, a partir de pesquisas das principais tendências globais, apresentam referências de moda e estilo para a indústria.

Segundo a designer Melissa Bosquê, instrutora de artefatos de couro do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), verifica-se uma tendência global muito forte para uma fuga ao imaginário, ao mundo da fantasia.

“É um mundo romântico, com muitos detalhes, mas também muito sombrio. A gente vai ver muito preto e tons mais fechados, como o vinho”, afirmou Melissa ao apresentar a cartela de cores para os artefatos de couro.

Camurças e napas

Os materiais que devem ser mais usados, segundo a designer, são as camurças e napas de pelos bovinos e caprinos. “Como o nosso inverno é menor que o europeu, temos que ter o cuidado de usar os pelos apenas nos detalhes da peça, num punho da jaqueta, por exemplo”, alertou.

Para o fabricante de bolsas, a dica da designer é apostar em muitas aplicações em uma mesma peça. A regra do uso de pelos bovinos e caprinos, nesse caso, é um pouco diferente. “Nesse caso a bolsa pode ser pequena e toda de pelo”.

Os recortes assimétricos para vestuário de couro devem ser predominantes. “A saia rodada também vai ser bastante vista”, disse. “Mas pode explorar a saia plissada também, embora essa seja mais cara para fazer”.

Sem brilho

Melissa explica que as peças sem brilho, com poucas aplicações, sobretudo de metal, e jaquetas com mangas mais ajustadas devem agradar aos que seguem a tendência minimalista. “Para as bolsas, acreditamos que devem ser exploradas os modelos satchel ou sacola”, disse.

Outra inspiração criativa elaborada pela design é o conceito experimental, o qual acena para a experiência com novas misturas, potencializadas pela tecnologia. “Nessa direção há uma necessidade de criação, o aspecto tecnológico também está muito presente. Há um apelo artístico, de colocar o seu olhar”, orientou Melissa.

Todas as inspirações apresentadas por Melissa estão mais detalhadas no box do Senai Mix Design. Mas algumas dicas apresentadas pela designer já alcançaram pessoas como Kelly Cristina Cavani, assistente comercial de uma fabricante de brindes em couro e sintético.

Kelly: materiais e texturas aplicados à produção de brindes. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Kelly: materiais e texturas aplicados à produção de brindes. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

“Minha área é de confecção de brindes para fabricantes de cosméticos, a gente produz estojos e necessaires para maquiagens. Vamos conseguir aplicar alguns tipos dos materiais e texturas que foram apresentados”, contou Kelly Cristina logo após a apresentação do novo catálogo.

Um recomeço

A designer de joias Maysa Neves Pimenta, instrutora no Senai de Limeira, também apresentou as inspirações do próximo outono/inverno para o mercado de joias folheadas e bijuterias.

Para os temas que remetem ao minimalismo e à natureza, a frente deve ter materiais de madeira reciclada ou com aspecto ecológico, com banhos em prata e ouro. “O MDF com corte a laser também pode ser usado, dá um aspecto rústico e tem baixo custo”.

Os banhos em prata e materiais acrílicos em diversas formas e cores traduzem o conceito da tendência experimental para as semi joias e bijuterias. Já os banhos e ouro e ródio negro, além de materiais como pérolas, pedras preciosas, cristais e tecidos expressam a chamada vertente surreal do trabalho.

As direções criativas de Maysa foram de encontro com a fase de recomeço de Sandra Regina Gonçalves de Oliveira Bento, de 56 anos. Ela é uma empresária de semi joias e bijuterias finas que tenta retomar as atividades de sua oficina.

Em 2008, Sandra iniciou uma cooperativa virtual de design de bijuterias finas com ao menos 12 artesãs de estados diferentes. “A gente fez nossa primeira coleção em 2008, tudo feito à distância. Isso deu certo durante um tempo, mas, era uma questão de logística, elas moravam muito longe”, relembrou Sandra.

Sandra: recomeço a partir das tendências apresentadas pelo Senai Mix Design. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Sandra: recomeço a partir das tendências apresentadas pelo Senai Mix Design. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Antes de o projeto ser desfeito em 2011, Sandra chegou a expor as peças da cooperativa em feiras no interior e na capital de São Paulo. Algumas chegaram a ser exportadas. Agora sem as artesãs, Sandra se prepara para retomar seu negócio.

“A minha oficina está lá eu quero continuar com a empresa em uma nova cara, o meu forte mesmo vai ser a bijuteria fina com couro e pedras. Estou me preparando para recomeçar com uma visão mais profissional”, garantiu.

Senai Mix Design tem site com informações sobre tendências para a indústria

Agência Indusnet Fiesp

Você já viu o novo site do  Senai Mix Design? A iniciativa consiste na apresentação de inspirações e tendências para os setores de vestuário, calçados, artefatos de couro, joias folheadas e bijuterias. Trata-se de um projeto desenvolvido pelas unidades especializadas nas áreas relacionadas e publicado pela Senai-SP Editora.

Assim, para saber o que vai chamar a atenção dos consumidores nas próximas temporadas, vale ficar de olho nas dicas apresentadas.

Todas as informações estão organizadas no chamado Box. O material é formado por cinco cadernos. Um deles é direcionado para as macrotendências e comportamentos de consumo, sendo chamado de Direções Criativas. Os outros quatro são voltados para cada setor da cadeia, com informações e aplicações específicas, sempre considerando o mercado brasileiro. Tudo ilustrado com imagens de inspiração, texturas e cores. Um guia para produções futuras que pode ser adquirido pelo site.

E isso não é tudo: o portal traz ainda a agenda de lançamento da publicação, sempre acompanhado de palestras e oficinas de especialistas. Vale a pena conferir, só clicar aqui.