Sesi-SP seleciona talentos para curso de formação de atores em teatro musical; aprovados podem pleitear bolsas de estudo

Agência Indusnet Fiesp

Está aberta a temporada de seleção de novos talentos do teatro musical no Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP). O período para inscrições foi aberto na segunda-feira (02/12) com a finalidade de formar a primeira turma de atores na área – um curso inédito no Brasil.

A iniciativa faz parte do Projeto Educacional em Teatro Musical, lançado em maio de 2013, com três diretrizes: desenvolver o potencial criativo dos alunos da rede Sesi-SP de ensino, promover a capacitação profissional de atores e incentivar a formação de plateias para espetáculos do gênero.

Para se inscrever no curso de formação de atores, é preciso ter 18 anos completos até 10 de março de 2014 e concluir o ensino médio até o período da matrícula, a ser realizada entre os dias 3 e 7 de fevereiro de 2014. Todos os candidatos vão passar por audições com uma banca examinadora em São Paulo, na sede do Sesi-SP e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na Avenida Paulista, 1313.

O processo seletivo prevê quatro etapas de testes: aptidão musical, aptidão para atividade teatral, aptidão para dança e atividade corporal e aptidão para o canto. A somatória do desempenho em cada teste é o fator que define os selecionados.

O curso de formação de atores em teatro musical tem carga horária de 2 mil horas, divididas em três anos, com turmas para os períodos da manhã e tarde. O valor anual do curso é de R$ 10 mil, totalizando R$ 30 mil. Um total de 64 vagas está disponível para a primeira turma de 2014.

A boa notícia é que o Sesi-SP vai oferecer bolsas de estudo com percentuais entre 20% e 100% de isenção do valor do curso. Todos os 64 aprovados pela banca examinadora são elegíveis para as bolsas. Os selecionados que comprovarem renda familiar per capita de até um salário mínimo terão gratuidade no curso. A aferição vai levar em conta o Índice Econômico Familiar (IEF), calculado pelo total da renda familiar dividido pelo número de pessoas que dependem da renda informada.

Importante: o período de inscrição para concorrer a uma vaga deve ser feita no site do Sesi-SP até 15 de dezembro, com divulgação da lista de inscritos para a participação no processo seletivo com a banca examinadora em 17 de dezembro. O início das aulas está programado para 10 de março de 2014.

>> Mais informações: projeto Educacional do Sesi-SP em Teatro Musical

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544843832 

Produção científica brasileira é a que mais cresce no mundo, diz presidente do CNPq

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544843832

Oliva falou sobre os desafios e oportunidades para a inovação no país (Foto: Helcio Nagamine)

A produção científica brasileira é a que mais cresce no mundo, segundo Glaucius Oliva, presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O professor – titular do Instituto de Física de São Carlos e com doutorado pela Universidade de Londres – esteve nesta sexta-feira (17/05) na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) para reunião do Conselho Superior de Inovação e Competitividade (Conic) da entidade.

Oliva falou sobre os desafios e oportunidades para a inovação no país e também sobre a atual situação da produção científica nacional.

O dirigente afirmou que houve grandes avanços na pesquisa científica nas últimas décadas. “Na década de 1950, tínhamos pouquíssimos cientistas e pesquisadores no Brasil. Em 2010, formamos 40 mil mestres e 12 mil doutores – 2,7% da produção científica do mundo nascem no Brasil”, disse Oliva.

“É a que mais cresce no mundo”, garantiu.

Oliva afirmou que o país conta com recursos humanos qualificados em todas as áreas de conhecimento e em todas as regiões do país. O docente também apontou a inovação como principal caminho para o Brasil ser um país cada vez menos pobre.

Conhecimento e Inovação

“Nós já temos no Brasil os exemplos de sucesso de como transformar inovação e conhecimento em riqueza”, disse Oliva, lembrando a Petrobras, líder mundial em prospecção de óleo e gás em águas profundas, e a Embraer, que, segundo destacou, “desde que investiu em inovação, tornou-se uma das maiores fabricantes de aeronaves”.

Para o presidente do CNPq, ciência, tecnologia e inovação são os eixos estruturantes do desenvolvimento nacional.  “Desde que a Embrapa criou parcerias com grandes escolas de Agronomia, o Brasil é líder mundial em pesquisa e desenvolvimento em agropecuária tropical.”

Oliva também abordou os principais desafios da área. “Avançar em direção à economia do conhecimento e também transitar para a economia de baixo carbono e sustentável são os atuais obstáculos que enfrentamos”, opinou.

‘Ciência sem Fronteiras’

Durante sua participação no conselho, o presidente do CNPq falou sobre o programa “Ciência Sem Fronteiras”, que deverá oferecer 100 mil bolsas para estudantes brasileiros no exterior.

“Com o programa queremos aumentar a presença de estudantes e pesquisadores brasileiros em instituições de excelência no exterior e fortalecer a internacionalização das universidades brasileiras”, disse Oliva.

“Empresas como a Petrobras e a Vale já estão aderindo ao programa, o que mostra sua importância”, encerrou.