Robótica muda vidas nas escolas do Sesi-SP

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Ele só queria saber de jogar futebol. E inclusive estava participando de testes para tentar ingressar num time profissional. Tudo mudou quando começou a estudar na escola do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), em Ourinhos, no interior paulista. Ao descobrir a robótica, Luiz Felipe Carvalho descobriu também a sua verdadeira vocação.

“Foi a robótica que definiu a minha carreira”, conta ele, hoje estudante de Engenharia Elétrica na Universidade Tecnológica Federal do Paraná. “Valeu a pena gastar cada minuto do meu tempo com isso, uso o que aprendi na faculdade”, diz. “Tive facilidade com algumas disciplinas por já ter um raciocínio lógico mais desenvolvido, que consegui com os treinos e competições das quais participei na época do Sesi”.

E isso não foi tudo: “Acho que me tornei uma pessoa melhor”, diz Carvalho. “Aprendi a trabalhar em equipe e a falar em público, habilidades que vou levar para a vida”.

Assim como Luiz Felipe, muitas outras crianças e jovens têm e para sempre terão as melhores lembranças em relação à robótica nas escolas do Sesi-SP. Para começar, todas as 172 unidades da rede oferecem a prática para os seus alunos, estimulados a ingressar nas equipes e a participar de competições dentro e fora do Brasil.

Prova desse empenho, sete equipes da instituição ocuparam os sete primeiros lugares no Torneio Nacional da área em 2016, sendo o primeiro lugar do time da unidade de Americana. “Desde o primeiro ano do fundamental os nossos alunos têm vivências de ciência e tecnologia”, explica o assessor da Superintendência do Sesi-SP Mario Eugênio Simões Onofre. “O objetivo é estimular o conhecimento, aprender formas diferentes de estudar matemática e física, por exemplo”.

De acordo com Onofre, entre o primeiro e o quinto ano do ensino fundamental os estudantes já começam a montar blocos e ter acesso a conceitos de mecânica como o uso de alavancas e engrenagens. Uma espécie de ensaio para o ingresso nos times de robótica por quem tiver interesse na área, a partir do sexto ano. “Nossos alunos sabem que podem ir longe caso se empenhem”, afirma.

E eles vão longe sim. Com direito a passaporte carimbado. Somente em 2016, 56 jovens já viajaram para dois campeonatos internacionais: o World Festival, em Saint Louis, nos Estados Unidos, e o Open European Championship, em Tenerife, na Espanha. No país de Barack Obama, a equipe da escola de Americana ficou em primeiro lugar na categoria Trabalho em Equipe, com o grupo de Jundiaí em terceiro em Programação do Robô. Já na Espanha o primeiro lugar geral foi para a unidade do Sesi-SP de Ourinhos, com a equipe de Boituva em primeiro no quesito “Gracious Professionalism” (ou profissionalismo gracioso em tradução livre).

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Sesi-SP, Paulo Skaf, o investimento nas viagens internacionais é prova do empenho da indústria paulista no que se refere à educação. “Sabemos que o momento do país não é fácil, isso atingiu fortemente a indústria de São Paulo. Mas, devido ao resultado extraordinário alcançado por vocês, as sete equipes que conquistaram uma vaga terão a oportunidade de disputar as competições no exterior”, disse Skaf em encontro com os participantes da robótica realizado em São Paulo, em abril.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544951515

Skaf e representantes do Sesi-SP durante encontro com os competidores da robótica: apoio da indústria. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Na ocasião, Skaf ressaltou o esforço da indústria de São Paulo para continuar investindo em educação e pediu aos alunos que se dediquem aos estudos e que assumam o compromisso de ser bons cidadãos. “Sabemos que uma nação forte se faz com bons brasileiros, e isso é o que esperamos de cada um de vocês”, disse o presidente aos estudantes.

Para ajudar a equipe

Vencedor na Espanha, Gabriel de Oliveira Rodriguez, do time de Boituva, tem uma razão ainda mais especial para ter orgulho de seu primeiro lugar. Aos 15 anos, ele descobriu um câncer de testículo. Como já era integrante do time de robótica de sua escola, não quis abandonar os treinos e os planos de participar das competições.

“Eu só queria me cuidar logo, estar bem para ajudar a minha equipe”, diz Rodriguez. “A robótica mudou a minha vida”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544951515

Gabriel de Oliveira Rodriguez: “A robótica mudou a minha vida”. Foto: Arquivo Pessoal


Com planos de entrar na faculdade de Automação Industrial, ele já viajou para competir em Brasília, em Joanesburgo, na África do Sul, e em Tenerife, na Espanha. “Foram viagens das quais eu vou lembrar para sempre”, conta.

Testemunha desse entusiasmo, a mãe do adolescente, Paula Rodriguez, conta que o seu filho “não teve muito tempo de pensar na doença”. “Quando íamos fazer quimioterapia, em Sorocaba, ele já ficava ansioso querendo voltar para treinar”, lembra. “O foco dele estava na robótica, não no câncer. Sou muito grata ao Sesi-SP”.

Homenageados

Supervisor técnico educacional do Sesi-SP, Ivanei Nunes conta que a trajetória vitoriosa da instituição na área começou em 2007, com a primeira participação em um torneio estadual em 2009. “Em 2013 tivemos o nosso primeiro prêmio importante, com o time de Ourinhos em segundo lugar no World Festival, nos Estados Unidos”, lembra.

Após as disputas, segundo Nunes, todos os estudantes são recebidos e homenageados na sede do Sesi-SP e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). “A robótica é uma atividade enraizada na rede”, diz. “A vontade de participar e vencer atinge a todos”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544951515

Indústria prioriza educação e esporte, diz presidente da Fiesp e do Sesi-SP em Boituva

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp, de Boituva

O setor produtivo paulista tem estimulado o crescimento do país por meio de suas instituições educacionais, afirmou na tarde desta sexta-feira (07/03), em Boituva, município a 122 kms da capital, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

“A indústria prioriza o esporte, a educação e não é só em seu discurso”, disse Skaf ao participar da homenagem ao esportista Edir De La Matta, nomeado patrono da quadra poliesportiva do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) de Boituva.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544951515

Paulo Skaf com professores e alunos do Sesi-SP de Boituva. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


“Fico muito feliz em ver que toda a orientação e os sonhos daquilo que inauguramos há dois anos continuam sendo realizados”, destacou Skaf ao falar da escola inaugurada em março de 2012. A unidade recebeu um investimento de R$14 milhões para a construção de um novo prédio e de uma quadra poliesportiva.

Nascido em Boituva, Edir De La Matta dedicou mais de 50 de seus 75 anos ao futebol, conciliando a atividade com a carreira em contabilidade abraçada no início dos anos 70.

“Isso é uma emoção muito grande. Eu me sinto muito honrado. Como esportista me resta dizer que o esporte é o que sustenta vida, mas também é preciso que se dedique ao estudo. Educação e esportes é o que o Brasil precisa”, afirmou De La Matta.

Para o diretor da Divisão de Esportes e Qualidade de Vida do Sesi, Alexandre Pflug, a cerimônia “foi mais um momento histórico para o esporte do Sesi-SP e uma justa homenagem”.

O prefeito de Boituva, Edson Marcusso, também participou da cerimônia e aproveitou a ocasião para pedir a Skaf, como presidente do Sesi-SP e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), mais parcerias com as entidades para formação profissional.

“Recentemente uma pesquisa mostrou que Boituva foi a cidade que mais criou emprego em São Paulo. Então, tem demanda para formação de mão de obra. Gostaria pedir ao senhor para olhar com carinho esse nosso pedido”, disse o prefeito.

Skaf inaugura em Boituva mais uma moderna escola do Sesi-SP

Edgar Marcel e Rosângela Gallardo, Agência Indusnet Fiesp

A inauguração da escola do Sesi-SP em Boituva (116 km da capital), nesta sexta-feira (2), foi marcada por uma novidade para alunos e professores: aparelhos de ar-condicionado serão instalados em todas as salas da unidade. Eduardo Cabanas, diretor de Obras do Senai-SP, garantiu ainda que para o próximo verão a iniciativa será estendida a todas as escolas do Sesi no Estado.

A nova unidade do Sesi-SP foi construída em um terreno doado por Paulo Roberto Guerine, empresário de Boituva. Localizado na Rua José Edson Machado de Oliveira, 105, bairro Pau D’Alho, a escola recebeu investimento de R$ 14 milhões e atenderá 512 alunos no ensino fundamental integral e no ensino médio. Ainda este ano, haverá também o Ensino de Jovens e Adultos.

Em seu discurso na cerimônia de inauguração, Paulo Skaf, presidente da Fiesp/Ciesp/Sesi e Senai-SP, enfatizou a prioridade na educação em sua gestão, que desde 2004 investiu na compra de um milhão de toneladas em equipamentos para o Senai-SP.

“Durante os 66 anos de existência do Sesi-SP, foram construídos cerca de 450 mil metros quadrados em instalações escolares. Na minha gestão, foram mais de 600 mil metros quadrados”, revelou Skaf, ao compartilhar a ideia de que a educação transforma as pessoas.

Walter Vicioni, diretor regional do Senai-SP e superintendente operacional do Sesi-SP, exaltou a preocupação do presidente do Sesi-SP com o ensino. “A liderança de Paulo Skaf na educação do Sesi-SP vem de sua vontade de transformar o País”, reconheceu.A prefeita de Boituva, Assunta Maria Labronici Gomes, agradeceu a Skaf pela nova unidade de ensino. “A parceria da Fiesp com a prefeitura de Boituva não para nesta escola do Sesi, pois em breve estaremos inaugurando também uma escola do Senai-SP no bairro Novo Mundo”, antecipou Assunta.

Mais surpresas

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544951515

Festa em Boituva: presidente Paulo Skaf comemora com alunos e professores a inauguração da nova escola do Sesi-SP. Foto: Junior Ruiz

Beatriz André de Lima, aluna do 6º ano do ensino fundamental, fez uma apresentação de violino na solenidade.

Caricaturas gigantes colocadas no pátio da escola pelos alunos homenagearam Skaf e a prefeita Assunta e, em meio aos desenhos, uma árvore de papel crepom sustentava papéis com manuscritos das crianças, contendo seus sonhos e anseios.Beatriz André de Lima, aluna do 6º ano do ensino fundamental, fez uma apresentação de violino na solenidade.

Na próxima quarta-feira (7), a equipe de vôlei masculina profissional do Sesi-SP fará uma clínica do esporte para os alunos, que terão a oportunidade de jogar com os atuais campeões sul-americanos da modalidade.