Espetáculo Black Box acontece por fora e por dentro da caixa preta

Agência Indusnet Fiesp

Fora do comum, engenhoso, instigante e divertido. O trabalho do projeto coletivo Bootworks Theatre propõe em seu teatro itinerante o nome de Black Box. Originário do Reino Unido e inédito no Brasil, o grupo estreou a peça “Une Boite Andalouse” na Temporada de Teatro Contemporâneo Sesi-British Council, que acontece desde 1º de julho e segue até o próximo domingo (10) no Foyer do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso.

Um tributo inesperado e adaptado do filme de Luis Buñuel e Salvador Dali, “Un Chien Andalou” (1928), com um toque de exclusividade ao vivo, o público adentra ao mundo dos clássicos do cinema em preto e branco.

A performance, apresentada em uma caixa preta desenvolvida especialmente para o espetáculo, possui diferentes linguagens artísticas. Na encenação, uma pessoa por vez entra na caixa e assiste ao show através de três janelas, manipuladas pelos próprios atores. Cada participante fica até 5 minutos dentro da caixa preta.

Ao mesmo tempo em que o espectador observa, é observado pelo público e pode ter uma leitura extraordinária e diferenciada do espetáculo por dentro ou fora da caixa. O ambiente possui som estéreo integrado para a música, e as três pequenas aberturas da caixa, que na realidade são pequenas abas, levantam-se em momentos diferentes para que o espectador assista ao show, enquanto a mecânica externa e as ações dos artistas intrigam os demais espectadores.

Há proximidade com os artistas e, por causa da caixa preta, a impressão é de que o espectador faz parte do show de alguma forma, por meio da capacidade única de utilizar diferentes ângulos, perspectivas e efeitos. Há acesso para pessoas portadoras de necessidades especiais, que poderão assistir ao espetáculo pelo lado de fora da caixa.