Skaf assina em Bauru convênios de esporte, capacitação profissional e empreendedorismo

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp, do Sesi-SP, do Senai-SP e do Sebrae-SP, Paulo Skaf, assinou nesta quinta-feira (3 de maio), em Bauru, convênios com a Associação Bauruense de Desportos Aquáticos (ABDA), beneficiando 4.000 de seus alunos.

O convênio prevê a participação de alunos da ABDA em Ligas de Treinamento do Sesi-SP, capacitação profissional gratuita em cursos do Senai-SP e cursos de empreendedorismo no Sebrae-SP.

No Sesi-SP, o Treinamento Esportivo é a área de estímulo à prática esportiva situada entre os projetos Atleta do Futuro e Rendimento Esportivo. Participam jovens de 10 a 17 anos que têm predisposição natural para uma das modalidades ofertadas: atletismo, natação e polo aquático. O programa vai além da prática esportiva, pois trabalha valores como ética, disciplina, motivação, liderança e trabalho em equipe, tudo com o objetivo de promover a formação do cidadão e a transformação do jovem como atleta.

O Senai de Bauru disponibilizará cursos gratuitos de Formação Inicial e Continuada nos seguintes títulos: Auxiliar Mecânico de Motocicletas (duas turmas), Inspetor da Qualidade, Ajustador Mecânico, Costureiro de Máquina Reta Overloque. São cursos de 160 horas que capacitam mão de obra e proporcionam oportunidades de rápida inserção no mercado de trabalho.

 

Skaf na assinatura de convênios com a a Associação Bauruense de Desportos Aquáticos. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Estudantes precisam de exemplo, afirma Skaf em Bauru ao batizar escola com nome de educador

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, participou nesta sexta-feira (6 de abril) em Bauru de homenagem a Gerson Trevizani (Duda), batizando com seu nome o Centro Educacional do Sesi localizado no Horto Florestal. A escola, que atende 864 alunos no Ensino Fundamental, sendo 480 em tempo integral, passou a se chamar Escola Sesi Gerson Trevizani – Duda. “O nome vai se eternizar aqui, como um exemplo a ser seguido”, afirmou Skaf na cerimônia. “Para que crianças e jovens possam se inspirar. Nada substitui o exemplo humano.”

Skaf também assinou parceria entre o Sesi-SP e o Vôlei Bauru, além de apresentar o projeto de novo ginásio que será construído na área da escola do Horto. Com capacidade para 5.000 espectadores, o ginásio poliesportivo atenderá quatro modalidades: handebol, futsal, basquete e vôlei. O projeto inclui a adequação de área externa com infraestrutura para receber foodtrucks durante os jogos. “A cidade merecia ter e precisava ter o ginásio”, disse Skaf.

Os times de Robótica das Escolas Sesi de Ourinhos, Bauru e Barra Bonita, presentes à homenagem, tiveram uma surpresa. Skaf anunciou que o Sesi-SP vai enviar as equipes para participar das etapas europeias do campeonato mundial de robótica, na Hungria e na Estônia. “Tem que trazer troféu”, brincou Skaf ao dar a boa notícia.

O time de robótica do Sesi de Ourinhos com Skaf. Foto: Ayrton VIgnola/FIesp

 

Paulo Skaf na Escola Sesi Gerson Trevizani – Duda, em Bauru. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Paulo Skaf na Escola Sesi Gerson Trevizani – Duda, em Bauru. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Gerson Trevizani, o Duda, morreu em outubro de 2017. Professor, comunicador e empresário, nascido em Pirajuí, em 6 de novembro de 1943, quando jovem Duda tinha como sonho ser químico, mas o convite para um trabalho temporário como professor de química em sua cidade natal o fez mudar de rumo. Apaixonou-se pela docência.

Nos anos 1970 ajudou a formar o Grupo Prevê, de curso pré-vestibular. Também fundou duas faculdades – a Associação Bauruense de Ensino Superior e Cultura, que se fundiu à Unip, e o Instituto Superior de Bauru.

Além da educação, Duda teve marcante presença na mídia bauruense. Na década de 1990, seu grupo foi o último proprietário do jornal Diário de Bauru e, em 1995, ao lado do sócio José Luiz Garcia Peres e do jornalista Samuel Ferro, iniciou as transmissões da TV Prevê. Duda Trevizani deixa os filhos Maria Augusta, Paulo Eduardo, Gerson, Mônica, Miriam e Márcia, além da atual esposa, Eliana.

 

Senai-SP Superação: ‘Me sinto realizado ao ver os meus alunos fazendo sucesso’

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

A cada caminhão de areia carregado com a ajuda da enxada, crescia a vontade de mudar de vida. Aos 17 anos, ele já sabia até como isso seria feito: fazendo a matrícula em algum curso do Senai-SP em Lençóis Paulista. A questão era conseguir levar o plano adiante sem comprometer as finanças da família, que dependiam do seu trabalho para fechar as contas da casa. A solução veio quando a mãe se ofereceu para ficar no seu lugar durante um turno, de modo que ele pudesse estudar. E assim foi feita a matrícula no curso de Desenho Técnico Mecânico que há tempos estava no radar do hoje instrutor de Formação Profissional do Senai-SP em Bauru, Alessandro Junior Bento.

“Comecei a trabalhar com o meu pai aos 11 anos”, diz Bento. “Nessa época, um amigo do colégio me falava muito do Senai, por isso eu sempre quis estudar lá”.

Assim, ele não perdeu tempo quando a mãe se ofereceu para encher o caminhão de areia em seu lugar todos os dias, na primeira viagem da manhã. “Quando ela chegava em casa, eu já tinha voltado e estava com o almoço pronto”.

O passo seguinte foi emendar o curso de Desenho Mecânico com o de Mecânica Geral. “Foi quando consegui um emprego e passei a dar aulas no Senai à noite”.

O movimento de mudança foi além de Bento, mexendo com toda a família. “Meu pai e meu irmão também se matricularam no Senai, foram estudar Marcenaria”, conta. “Meu pai chegou a ser instrutor da escola de Macatuba e meu irmão é funcionário da instituição em Lençóis Paulista até hoje”.

Em 2003, apareceu a oportunidade de prestar um concurso para uma vaga de instrutor na unidade do Senai de Bauru, no qual Bento foi aprovado. “Com muito orgulho, tive a oportunidade de ajudar a preparar três alunos para as provas da WorldSkills, que é a olimpíada mundial do ensino profissionalizante”, diz. “Dos três, um conseguiu uma medalha de bronze na Finlândia, em 2005, outro um diploma de excelência no Canadá em 2009 e o terceiro uma medalha de prata na Inglaterra, em 2011”.

Para ele, uma das maiores motivações profissionais é justamente acompanhar o desenvolvimento de jovens que um dia sonharam em fazer carreira no Senai como ele. “Me sinto realizado ao ver esses alunos fazendo sucesso e ajudando as suas famílias”, afirma. “Aprendi tudo aqui, os valores que tento passar para os meus dois filhos, Bruno e Felipe”.

Entre esses valores, estão a conquista pelo esforço e pela persistência. “Procuro estar sempre motivado, gosto de ver os resultados do meu trabalho”.

Alessandro: “Procuro estar sempre motivado, gosto de ver os resultados do meu trabalho”. Foto: Divulgação

Entre esses resultados, está o exemplo dado aos filhos. O mais velho, Bruno, estudou Mecânica de Usinagem no Senai em Bauru. Hoje, aos 20 anos, está no terceiro ano de Engenharia. O caçula, Felipe, de sete anos, é aluno do Sesi-SP. “Também está encaminhado”, diz o pai. “Acorda sozinho todos os dias para ir para a escola, é independente”.

No saldo de tantas conquistas, prevalece a gratidão. “O Senai-SP mudou a minha vida e a da minha família”.

Skaf vai a concerto da Bachiana em homenagem aos 120 anos de Bauru

Agência Indusnet Fiesp

A Bachiana Filarmônica Sesi-SP, regida pelo maestro João Carlos Martins, fez apresentação na noite desta segunda-feira (1/8) em Bauru, em homenagem aos 120 anos da cidade. Paulo Skaf, presidente da Fiesp, do Ciesp e do Sesi-SP, assistiu à apresentação.

Nesta terça-feira (2/8), Skaf visitou as obras do 1º Polo Pet do Brasil, em Cafelândia. É um polo industrial, a ser instalado em área de 240 mil metros quadrados, aproveitando a vocação da cidade para a fabricação de produtos para animais de estimação. Skaf, que também preside o Sebrae-SP, participou em seguida de reunião com empresários do setor pet da região.

Em Lins, também nesta terça-feira, Skaf visitou o Centro Municipal de Formação Profissional, feito em parceria com o Senai-SP, entidade de ensino profissionalizante também presidida por ele.

Concerto da Bachiana em homenagem aos 120 anos de Bauru. Foto: Ayrton Vignola

Senai-SP Superação: ‘Me mandavam parar e eu não parava’

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Professor da Escola Senai João Martins Coube, em Bauru, Ezequiel Martins Vieira nunca conheceu aluno mais determinado. Humilde, cheio de vontade e muito ligado ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Thiago Augusto Blanco da Costa tinha uma meta e dela não desistiu. Disposto a superar todos os resultados já obtidos pela instituição na modalidade de Aplicação e Revestimento Cerâmico na WorldSkills, maior competição da educação profissional no mundo, ele não parou até chegar lá, levando a medalha de ouro na prova em 2015, quando a disputa foi realizada na capital paulista, com estudantes de mais de 50 países.

“O Thiago é muito focado, largou tudo para se preparar para a WorldSkills”, lembra Vieira.

Tendo ingressado no curso técnico de Edificações da unidade de Bauru em 2012, ele queria realizar o sonho do avô, Manoel, que sempre quis ser engenheiro. “Estudar Edificações seria o primeiro passo para isso”, diz. “Meu avô chegou a entrar na universidade e estudar por três anos, mas não conseguiu se formar. Queria ser um reflexo dele, atingir esse objetivo”, conta ele, hoje estudante de Engenharia.

Thiago: estudante de Engenharia para realizar um sonho que era do avô e hoje também é dele. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

 

Em seu segundo mês como aluno do Senai-SP, Thiago foi estimulado pelos professores a se preparar para as competições na área em âmbito estadual (São Paulo Skills), nacional (Olimpíada do Conhecimento) e internacional (WorldSkills). Não parou mais. “Treinei um ano direto para a Olimpíada do Conhecimento, mesmo pegando dengue duas vezes e sentindo dores fortes no nervo ciático nesse período”, lembra. “Além disso, tinha que lidar com a cobrança da minha mãe para trabalhar e ajudar nas contas da casa”, diz. “Me mandavam parar e eu não parava”.

No topo entre os alunos brasileiros na sua modalidade, com a medalha de ouro, só restava encarar a disputa internacional. Com o apoio do Senai, ele ficou um ano em Brasília (DF) se preparando para o torneio. “Tinha passagens para voltar para casa a cada 15 dias, mas voltava uma vez por mês ou a cada dois meses, para não me desligar muito do treinamento”, diz. Uma jornada que ia das 7h às 22h de segunda a sexta e das 7h às 17h aos sábados.

Thiago no pódio da WorldSkills 2015: poucas pausas no treinamento e foco na vitória. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

 

Vitória alcançada, foi contratado como trainee pelo Senai-SP. Além de pagar a faculdade de Engenharia, já conseguiu comprar um carro e uma moto. “O Senai me deu base para tudo: minha maturidade hoje é outra, penso antes de fazer as coisas”, diz. “Gosto muito do lema da instituição, que procuro seguir: “sei fazendo, faço sabendo”.

Testemunha dessa história de superação, o avô Manoel Anastácio Blanco, funcionário público aposentado e corredor de maratona aos 84 anos, conta que nunca precisou dizer “faça isso ou faça aquilo” aos seus herdeiros. “Ele sempre se espelhou na gente”, diz. “A minha filha, mãe dele, não teve a oportunidade de estudar, mas lutamos para proporcionar isso a ele”.

Um conselho para o neto? “A vida é curta, a gente precisa aproveitar cada momento”. O futuro engenheiro tem consciência disso: “Quando quero alguma coisa, não desisto até conseguir”.

 

 

 

 

 

Senai-SP Superação: Melhor do mundo na WorldSkills é exemplo de força de vontade em Bauru

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Pai de quatro filhos, Luis Carlos Sanches Machado não pensou duas vezes quando decidiu ampliar a sua jornada como mototaxista em Bauru, no interior paulista. E passou a trabalhar das 7h à 0h para aumentar a renda da família e assim permitir que o filho Luis Carlos Sanches Machado Júnior seguisse com os estudos na escola do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP). Isso  após o fim da bolsa do jovem como aprendiz numa empresa local. Em retribuição ao esforço do pai, o estudante, hoje com 21 anos, chegou onde nenhum outro brasileiro conseguiu ir até hoje: foi escolhido o melhor do mundo na última edição da WorldSkills, maior competição do ensino profissionalizante no mundo, realizada em São Paulo, em 2015. Isso além de garantir a medalha de ouro na modalidade Tecnologia Automotiva.

“Como eu não tive oportunidade de estudar, quis que ele tivesse”, conta o pai. “Vi que ele tinha vontade e potencial de crescer. O Luis trabalhou muito para ser o melhor do mundo na área dele”.

Estudante do Senai-SP desde os 14 anos, quando entrou no curso de aprendizagem industrial em Mecânica Automobilística, Júnior fez também o curso técnico em Manutenção Automotiva. Hoje, faz faculdade de Engenharia Mecânica. E trabalha como trainee (auxiliar) na Escola Senai João Martins Coube, em Bauru, emprego que conseguiu logo após a WorldSkills, em agosto do ano passado.

“Passei quatro anos treinando para a WorldSkills”, diz o campeão. “Nos últimos três meses antes da competição, ficava no Senai das 8h às 22h, de domingo a domingo”, lembra.

Luis no pódio da WorldSkills 2015: medalha de ouro em Tecnologia Automotiva e melhor do mundo. Foto: Helcio Nagamine/Divulgação

 

Prova de que a disposição para o trabalho é uma marca de sua família, Júnior ainda conseguia trabalhar na oficina de um amigo depois dos treinamentos. “Ficava até meia-noite ajudando nos consertos”, diz.

O empenho foi recompensado com a honraria máxima na WorldSkills e com a melhoria na renda familiar, hoje mantida por um comércio de gás em Bauru.

E por falar em honraria máxima, o título de melhor do mundo na disputa é dado ao competidor cujo desempenho mais se distanciou do segundo colocado na modalidade, ou seja, aquele que mais se destacou. “A meta era conseguir o primeiro ouro na minha modalidade para o Brasil”, diz. “Cheguei lá porque tive o apoio da minha família e do Senai-SP”.

Para ajudar os outros

Agora treinador de jovens talentos, Júnior diz se sentir revigorado com a missão de ajudar outros alunos a brilharem mundo afora. “No Senai-SP existe essa cultura de ajudar, de dividir o trabalho para treinar os estudantes seja quando for”, explica.

O esforço pelos outros é confirmado pelo diretor da escola do Senai-SP de Bauru, Ademir Redondo. “O Júnior tinha o compromisso de ser o melhor para honrar a dedicação do pai dele”, afirma Redondo. “Sempre trabalhou com vontade e hoje aplica essa determinação como trainee”.

Após a vitória no WorldSkills, o vencedor foi recebido com festa em Bauru junto com os outros destaques da escola na competição. Além de uma carreata pelas ruas da cidade, os campeões ainda foram cumprimentados pelo prefeito local, Rodrigo Agostinho, entre outras autoridades. “Ele virou um exemplo para os outros alunos, uma prova da qualidade do ensino no Senai-SP”, conta Redondo.

Luis (o primeiro a partir da esquerda), os outros dois vencedores de Bauru na WorldSkills e Ademir Redondo. Foto: Divulgação

 

Exatamente por ser um exemplo, Júnior foi convidado para fazer uma palestra na escola pública em que estudou, também em Bauru. “Os professores, que enfrentam muitas dificuldades para motivar os alunos, acharam ótimo tê-lo como um exemplo de que a educação é o melhor caminho para prosperar”, afirma Redondo.

Nesse sentido, Júnior não tem planos de parar de estudar. “Quero concluir a faculdade e seguir trabalhando no Senai-SP”, diz ele. “Acordo todos os dias com objetivos a vencer”.

 

 

 

Times de robótica do Sesi-SP de Bauru e Rio Preto conquistam prêmios em torneio nas Filipinas

Agência Indusnet Fiesp 

Dois times de robótica do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) que participaram do Philippine Islands Invitation, encerrado no último sábado (04/06), estão voltando para a casa com troféus na bagagem: a equipe Sesi Fênix, de Bauru, conquistou o primeiro lugar na categoria Solução Inovadora, e os competidores do Sesi Robotic Generation, de São José do Rio Preto, garantiram o prêmio no quesito Estratégia e Inovação.

Esse foi o terceiro torneio internacional com participação de alunos do Sesi-SP este ano. Em abril, no FLL World Festival, o time Red Rabbit, de Americana, conquistou o primeiro lugar da categoria Trabalho em Equipe e a equipe Jedi’s, do município de Jundiaí, levou a terceira colocação na categoria Programação. As equipes paulistas estiveram entre as nove melhores do mundo, do total de 104 times que disputaram a competição.

No mês seguinte, na Espanha, o time de Ourinhos (Sesi Robotic School) foi o campeão geral do torneio, que também teve a participação das equipes de Rio Claro (Sesi Thunderbóticos) e de Boituva (Sesi Mega Snakes). No quesito Profissionalismo Gracioso, o primeiro lugar ficou para o time de Boituva.

Os campeões da robótica do Sesi-SP comemoram a vitória na competição nas Filipinas. Foto: Divulgação

 

O torneio

Além das provas práticas, com os robôs, os estudantes também apresentam um projeto de pesquisa. Nas competições internacionais, o idioma oficial é o inglês. Para a temporada que se encerra agora, a competição teve como tema Trash Trek.

Como parte do desafio, os alunos identificaram problemas relacionados ao lixo e apontaram soluções inovadoras para diminuir sua produção, indicar maneiras eficientes de realizar o reaproveitamento de resíduos, bem como o transporte e o armazenamento desses materiais descartados.

Para saber mais sobre o Torneio de Robótica e as equipes participantes, acesse: facebook.com/roboticasesi

 

“Tem o que fazer, sim: sair na rua e pedir a renúncia da presidente”, afirma Skaf em Bauru

Agência Indusnet Fiesp

Em Bauru, cidade que visitou nesta sexta-feira (4/3), o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, responsabilizou a crise política pelas más condições da economia. Para ela se recuperar é preciso reestabelecer a confiança e a credibilidade, afirmou Skaf, o que exige algum fato forte na área política. “Acredito que o pode acontecer de mais forte e rápido é a renúncia da presidente da República”, disse.

Na opinião de Skaf, a sociedade pode ajudar. “Tem o que fazer, sim. É sair na rua e pedir a renúncia da presidente da República, é isso o que tem que fazer, hoje, amanhã, depois de amanhã.” A alternativa, diz, é que o processo de impeachment caminhe com celeridade no Congresso Nacional. Resolvida a crise política, as coisas voltariam a seu lugar. “Rapidamente nós teríamos uma mudança de ambiente, de confiança, e as coisas começariam a se recuperar.”

Erros do governo

Gastar demais, desperdiçar demais e se endividar demais foram erros de Dilma na condução da economia, explicou Skaf. Isso levou a taxas de juros elevadas. As despesas superaram o aumento da arrecadação. “E como em toda casa, empresa ou na vida da gente, quando você gasta muito mais do que você ganha, um dia a bomba estoura”, afirmou.  Para piorar, há muita burocracia, e os projetos de infraestrutura não são tocados com a velocidade necessária.

Os problemas acabam afetando toda a sociedade brasileira. “Todos fazem parte, todos nós, comércio, indústria, agricultura”, disse Skaf. Todos estão no mesmo barco. “Você não tem alguém fora. Ou vai bem, ou vai mal. Quando o país não vai bem não há milagre.” Skaf lembrou que o PIB (produto interno bruto, a soma das riquezas produzidas) do Brasil encolheu 4% no ano passado, enquanto o mundo cresceu 4%. Para este ano, a perspectiva é de nova queda do PIB, e o desemprego está acelerado. “A indústria caindo, como caiu o ano passado, em torno de 10%, está indo mal, lojas fechando, indústrias fechando. Vai todo mundo mal.” Em compensação, “no momento em que se recuperar, recupera para todos também”.

Não ao aumento de impostos

Skaf participou em Bauru do lançamento da campanha “Não Vou Pagar o Pato”, contra o aumento de impostos e a volta da CPMF. Em giro por cidades da região, o presidente da Fiesp e do Ciesp foi ao lançamento da campanha também em Jaú. O símbolo da campanha, um pato gigante, foi montado em praças das cidades em que ela foi lançada. “É o trabalho que o pato faz”, explicou Skaf. “Ele anda, vai de uma cidade para outra, colhe assinaturas e depois vai para Brasília, para fazer a pressão necessária.” A campanha já conseguiu a adesão de mais de 1,2 milhão de pessoas, que assinaram seu manifesto ou se registraram no site.

A campanha “Não Vou Pagar o Pato” teve início em São Paulo, em setembro de 2015, em frente à sede da Fiesp, e vem percorrendo cidades do interior paulista e de outros Estados. O pato já esteve também na Baixada Santista, Brasília (DF), Rio de Janeiro, Salvador e Curitiba.

Lançamento, com a participação de Paulo Skaf, da campanha Não Vou Pagar o Pato em Bauru. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

Programa Atleta do Futuro

Também presidente do Sesi-SP, Skaf participou da renovação de parcerias da entidade com prefeituras da região no Programa Atletas do Futuro. Em Jaú o convênio atenderá 1.545 alunos com a prática de xadrez, karatê, natação, futsal, judô, capoeira, basquete, atletismo e handebol. Em Igaraçu do Tietê atenderá 320 alunos nas modalidades de futebol, basquete e futsal. São 380 os alunos contemplados em Pederneiras, em futsal, judô, caratê e futebol. Handebol é a modalidade oferecida em Agudos, para 40 alunos. Em Borebi, 150 alunos, no futsal. Os 250 alunos beneficiados em Macatuba poderão praticar basquete, futebol, voleibol e futsal.

Na renovação do PAF em Bauru 760 alunos serão atendidos, com a prática de futsal, natação e judô.

O Programa Sesi-SP Atleta do Futuro contempla crianças e jovens entre 6 e 17 anos, com atividades organizadas em três fases, adequadas para cada faixa etária.

Na fase que compreende crianças entre 6 e 8 anos, os instrutores trabalham para promover qualidade de vida, integração e socialização por meio de jogos e brincadeiras lúdicas. A partir dos 8 anos, os participantes iniciam a prática esportiva, conhecendo as diversas modalidades e suas diferenças.

Dos 11 aos 17 anos, os alunos optam por uma modalidade e realizam treinos específicos. Nesta fase, os atletas podem representar a equipe do Sesi-SP em competições estaduais e nacionais.

Por se tratar de programa de formação esportiva com metodologia própria do Sesi-SP, as aulas esportivas são complementadas por intensa programação nos finais de semana com a participação da família. Todos os profissionais envolvidos passam por capacitações e os alunos têm acesso a todos os materiais necessários para a prática de diferentes modalidades de esporte.

Perfil Exportador Paulista

O Perfil Exportador Paulista (PEP) é um relatório anual que oferece uma perspectiva mais detalhada das exportações do Estado, por meio de uma abertura setorial e também regional.  O estudo classifica os produtos conforme seu nível de intensidade tecnológica e tem por objetivo contribuir para a elaboração de políticas públicas, que aumentem a competitividade do comércio exterior paulista. As informações foram cedidas pelo Departamento de Estatística e Apoio à Exportação (Deaex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic). A elaboração da análise é do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

‘Sei que eu estou fazendo o que eu amo’, diz aluno do Senai-SP de Bauru

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

O plano de Rafael Luis Pereira, de 19 anos, era fazer o curso técnico em impressão gráfica, na unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) de Bauru e entrar para o mercado de trabalho. Mas um convite inesperado mudou seu caminho.

“Eu achei que ia fazer o curso, sair de lá e só. Veio o convite para a Olimpíada, foram surgindo novas oportunidades e isso abriu muitas portas”, conta o aluno que mudou da gráfica para a confeitaria. “Se não fosse o Senai-SP, seria tudo diferente na minha vida. Eu estava em um caminho completamente diferente. E eu estou muito feliz com o caminho que estou percorrendo agora.”

Rafael Luis Pereira: a Olimpíada do Conhecimento o fez mudar de carreira e se apaixonar pela confeitaria. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Enquanto frequentava o curso de impressão gráfica, Rafael sempre dava uma passada pela confeitaria, curioso com a mágica dos ingredientes e a beleza das decorações. Até que recebeu um convite para experimentar o curso e, talvez, defender a modalidade na Olimpíada do Conhecimento.

Ele fez um curso intensivo em confeitaria e sua paixão pela atividade resultou em um ótimo desempenho no estadual e uma vaga para a disputa nacional. “Desde quando comecei, eu me apaixonei pela confeitaria e a cada dia, gosto cada vez mais”, diz Rafael. Os olhos dele brilham enquanto ele lista os produtos que precisa fazer na prova. 

“Temos que fazer de 6 a 7 produtos, como um entremet, bolo feito com mousses; um small cake; esculturas de açúcar, que eu adoro fazer; quatro variedades de chocolate; sobremesas empratadas”, conta empolgado, mesmo sabendo que o tempo limite é de apenas 22 horas.

Mas Rafael confessa que já até sonhou em receber a medalha de ouro no Nacional e no Mundial. “É uma responsabilidade muito grande representar a minha escola e o meu estado. Por isso, tenho que dar o meu melhor. Mesmo tendo que me esforçar muito e saber que preciso fazer mais ainda, sei que estou fazendo o que eu amo. Então, é muito gratificante.”

Até a noite

Para alcançar os objetivos, Rafael treina nos períodos da manhã e da tarde, mas deixa escapar que, muitas vezes, acaba ficando até à noite. O objetivo é chegar à perfeição, já que na confeitaria a maior parte dos pontos são subjetivos e dependem da opinião pessoal de cada avaliador. 

“Nos treinamento, eu foco nas minhas dificuldades, buscando transformar isso em desafio e vencer esse obstáculo.”

Para o futuro profissional, Rafael ainda não tem nada definido. Mas não faltam ideias. “Já imaginei abrir um negócio. Também já pensei em dar cursos na área. E muitas outras coisas. Também quero continuar aprendendo, melhorar ainda mais o que eu já sei e, quem sabe, ensinar os próximos competidores das Olimpíadas.”

Mais 4 municípios confirmam convênio com o Programa Atleta do Futuro do Sesi-SP

Dulce Moraes, Agência Indusnet Fiesp

Nesta quarta-feira (09/04) o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), Paulo Skaf,  acompanhou a renovação do convênio do Programa Atleta do Futuro (PAF), do Sesi-SP, em mais municípios paulistas.

Prefeitos de quatro cidades confirmaram a parceria com o programa, garantindo assim a formação esportiva de 1.200 crianças e jovens, com idade entre 6 a 14 anos.

Paulo Skaf, presidente do Sesi-SP, assina convênio para formação esportiva em Avaré. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Na parte da manhã, foram assinados os convênios com os municípios de Bauru e Paranapanema. Em Bauru, o programa já promovia a formação esportiva nas modalidades judô, vôlei e rugby.  Com a renovação do convênio, 400 jovens, receberão a formação em modalidades como atletismo, futsal, ginástica rítmica, handebol e voleibol. E, na cidade de Paranapanema, 200 jovens serão atendidos pelo programa nas práticas de judô, futebol e voleibol.

“Nós acreditamos que esporte é educação, esporte é saúde”, afirmou  Skaf durante a assinatura dos convênios do PAF com os prefeitos de Bauru e Paranapanema. “Com esses dois convênios assinados chegamos ao número de 213 municípios  paulistas que implantaram o programa” completou.

No início da tarde, o presidente do Sesi-SP  esteve no gabinete do prefeito de São Manuel, Marcos Monti, para celebrar a assinatura de convênio do PAF com a prefeitura. O programa irá oferecer, nessa cidade, a formação esportiva em futsal, futebol e basquetebol para 400 estudantes.

Ainda, nesta quarta-feira, o município de Avaré firmou o convênio com o PAF para proporcionar treinamentos e formação esportiva em natação e judô para 100 crianças e jovens.

‘A indústria cumpre o seu papel’, diz presidente da Fiesp em entrevista para rádio

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Paulo Skaf, foi entrevistado, nesta quinta-feira (13/02), pelas locutoras Camila Ravanelli e Telma Gobbi, da Rádio Auriverde, de Bauru, no interior paulista. O superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni Gonçalves, também participou da entrevista.

Em sua participação, Skaf destacou que “a única forma de dar oportunidades iguais é oferecer educação de qualidade para as pessoas”. “Certamente assim você transforma a sociedade. Assim, não vamos precisar de penitenciárias para esses jovens”, disse.

De acordo com Skaf, o Senai-SP vai ter 1 milhão de matrículas e o Sesi-SP 500 mil matrículas em 2014. “A indústria cumpre o seu papel”, afirmou.

Ao responder a pergunta de uma ouvinte sobre a possibilidade de matricular um filho na unidade do Sesi-SP de Bauru, o presidente da instituição explicou que a prioridade “é dos filhos de industriários”, mas, se as vagas não são preenchidas, são abertas para toda a comunidade. “Por isso,  40% dos nossos alunos são da comunidade, não filhos de trabalhadores da indústria”.

Perguntado sobre as novidades do Sesi-SP em Bauru, Vicioni explicou que a unidade será ampliada. “Vamos aumentar o Sesi de Bauru, é apenas uma questão de acertar o terreno, que fica ao lado da escola”, disse.

Bossaball agita final de semana nas unidades do Sesi em Jaú e Bauru

Rodrigo Marinheiro, Agência Indusnet Fiesp

O Sesi-SP levará neste sábado e domingo à população das cidades de Jaú e Bauru, respectivamente, a modalidade esportiva chamada Bossaball. Praticado em alguns países da Europa, o esporte foi criado em 2004 pelo produtor musical belga Filip Eyckmans.

Bossaball, esporte que combina elementos do futebol, ginástica, vôlei e música

O nome Bossaball é uma homenagem à Bossa Nova, ritmo do qual Filip se tornou fã durante uma viagem que fez ao Brasil.

Quem quiser arriscar umas jogadas no Bossaball ou somente assistir à prática deste esporte inusitado deve aproveitar a quadra inflável que estará no Sesi Jaú no sábado (25) e no Sesi Bauru no domingo (26).

“Este é um daqueles programas de esporte, lazer e recreação que toda a família deve participar. Ações como esta unem a família e a comunidade e fazem bem para toda a sociedade”, ressalta o presidente do Sesi-SP e da Fiesp, Paulo Skaf. “O Sesi continuará estimulando a prática de atividades desportivas para toda a população porque sabemos que o esporte é um composto de educação e saúde. Espero que o Estado dê continuidade ao nosso trabalho e atenda às expectativas e necessidades da população”, completa.

O Sesi-SP levará o Bossaball para 53 de suas unidades, totalizando 49 cidades no Estado de São Paulo. Depois deste final de semana, a novidade viaja para Birigui e Araçatuba, respectivamente, nos dias 10 e 11 de março.

O jogo

Somente participantes com idade superior a 12 anos podem praticar deste novo esporte que combina elementos do futebol, ginástica, vôlei e música. No máximo cinco jogadores disputam de cada lado, em uma quadra formada por um grande colchão inflável e duas camas elásticas, separadas por uma rede de vôlei. Tudo ao som de muita música. Cada time pode tocar na bola até oito vezes consecutivas. A bola pode ser tocada por qualquer parte do corpo do jogador, mas apenas uma vez com a mão ou duas vezes seguidas com os pés ou com a cabeça.

 

Diferente do que acontece em outros esportes, os juízes não são hostilizados. No Bossaball, eles são parte admirável da disputa, uma vez que, além do clássico apito, os árbitros utilizam instrumentos de percussão e uma mesa de DJ.O objetivo do Bossaball é fazer com que cada equipe faça a bola cair no lado adversário. O time conquista um ponto quando a bola cai no campo inflável da equipe adversária. Se a bola cair na cama elástica no do outro lado da rede, o time que jogou a bola marca três pontos.

Como não poderia deixar de ser, a segurança dos jogadores é prioridade. Por isso, toda a quadra é feita com material inflável. Nas laterais da cama elástica, o material protetor tem três metros de largura, evitando que os jogadores caiam para fora do campo. A altura da rede que separa os dois lados da quadra é ajustada em diferentes níveis como, por exemplo, para homens, mulheres e crianças.

Serviço

Sesi Jaú
Sábado, 25 de fevereiro, das 9h às 16h.
Centro de Atividade (CAT) Ruy Martins Altenfelder Silva.
Av. João Lourenço Pires dos Campos, 600, Bairro Jardim Pedro Ometto, Jaú, SP

Sesi Bauru
Domingo, 26 de feveiro, das 8h às 15h
Centro de Atividade (CAT) Raphael Noschese
Rua Rubens Arruda, 08-50, Bairros Altos da Cidade, Bauru, SP

Leia mais