24º PRÊMIO FIESP DE MÉRITO AMBIENTAL – MENÇÕES HONROSAS

A edição 2018 do prêmio promovido pelo Departamento de Desenvolvimento Sustentável da Fiesp recebeu 65 cases. Os finalistas premiados com Menção Honrosa receberam o diploma de Mérito Ambiental.

Saiba mais sobre os cases vencedores das menções honrosas nos links abaixo:

Empresas de médio e grande porte:

HP Brasil

Economia Circular nas operações de manufatura da HP Brasil

Companhia Brasileira de Alumínio

Gestão preventiva para melhoria do desempenho ambiental, social e econômico da transformação plástica do alumínio

Eaton

Aterro Zero

BASF

Projeto Triple E – Excelência em Eficiência Energética

MRV Engenharia e Participações

Plano de Gestão de Carbono MRV

 

Empresas de micro e pequeno porte:

GEDi – Desenvolvimento e Inovação

Projeto de reutilização do Lodo da ETA para produção de cargas para Tintas Acrílicas

Solum Ambiental e Equipamentos Eletromecânicos

Vorax DuoTherm – Equipamento para processamento de resíduos de qualquer classe através de gradiente térmico

INICIATIVAS SUSTENTÁVEIS: BASF – INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

Por Karen Pegorari Silveira

Segundo dados do Estudo “Integração dos ODS na Estratégia Empresarial”, elaborado pelo Comitê Brasileiro do Pacto Global, metade das 21 empresas pesquisadas já considera os ODS como referência em suas atividades cotidianas para a condução dos negócios, seja na gestão, seja na estratégia. E outras 20% declaram que usarão os ODS no futuro.

A BASF é uma das empresas que já integra alguns dos ODS em seu negócio, como a meta 9 – investindo em Pesquisa & Desenvolvimento para criar produtos que contribuam cada vez mais com a sustentabilidade. Além disso, a empresa tem metas para o uso de recursos, de gerenciamento de resíduos e de diversidade e inclusão de pessoas, bem como de alcance para projetos de engajamento social.

Buscando equilibrar os pilares da sustentabilidade (econômico, social e ambiental), a BASF analisou mais de 60 mil produtos e soluções do seu portfólio e as classificou de acordo com sua contribuição para a sustentabilidade. Só as soluções mais inovadoras, que contribuem de forma significativa para sustentabilidade em toda a cadeia de valor, representaram 27,2% das vendas globalmente (em 2016).

A companhia também apoia globalmente a Organização das Nações Unidas (ONU) na implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e, na América do Sul, participa das discussões referentes à adoção e às práticas voltadas ao atingimento dos ODS.  No Pacto Global (2000) a BASF ocupa a presidência da diretoria do Comitê Brasileiro do Pacto Global desde 2015 e teve o mandato renovado por mais três anos, em eleições realizadas em 2016. Também participam nos quatro Grupos Temáticos (GTs) criados para aplicar os 10 princípios e implementar os valores do Pacto Global: Anticorrupção; Energia e Clima; Direitos Humanos e Trabalho; Alimentos e Agricultura.

Com relação a gestão energética, o complexo químico de Guaratinguetá, no Vale do Paraíba, é um bom exemplo. Na unidade, a eficiência energética aumentou 40,3% entre 2002 e 2015. Além disso, o consumo de energia elétrica por tonelada produzida foi reduzido em 12,4%, e o de água em 72,7% no mesmo período. Esse resultado foi possível pela aplicação do projeto Triple E (Excelência em Eficiência Energética), que tem como principal objetivo aumentar a competitividade por meio de uma melhor eficiência energética.

Lançado em dezembro de 2015, na América do Sul, o Triple E contribui para as metas ambientais da empresa. Para seu desenvolvimento foi criado um time multifuncional para gestão das ações, que tinha como missão avaliar oportunidades e fomentar melhorias nas práticas para a gestão de energia nos processos. Entre as medidas adotadas está a norma internacional ISO 50001, que auxilia as empresas a estabelecer práticas mais eficientes e modernas no uso desse recurso. A BASF foi a primeira entre as grandes indústrias químicas a receber essa certificação e o complexo químico de Guaratinguetá, no interior de São Paulo, foi o primeiro da América do Sul.

O objetivo da ISO 50001 é permitir que a organização estabeleça sistemas e processos necessários para melhorar o seu desempenho energético, incluindo a eficiência energética, uso e consumo de energia primária. Na BASF a energia primária corresponde a todo e qualquer tipo de energia utilizada, como a elétrica, de combustíveis, vapor, ar comprimido, etc.

O projeto Triple E apresentou bons resultados e deverá ser colocado em prática em outras localidades, sendo que a ISO 50001 será implementada nas unidades fabris que apresentam maior consumo de energia, como São Bernardo do Campo (SP) e Camaçari (BA), no Brasil, e Concón, no Chile.

O gerente de Sustentabilidade da BASF, Emiliano Graziano, conta ainda que “além dos aspectos econômicos, a redução no consumo de energias possibilita o decréscimo na emissão de gases causadores do efeito estufa, pois menos combustíveis são queimados, por exemplo. Além disso, a aplicação de tecnologias limpas é estudada, como a utilização de painéis solares para aquecimento de água”.

Hoje, na fábrica da BASF em Guaratinguetá são produzidos 1.500 tipos de matérias-primas para as mais diversas aplicações. Trata-se da maior unidade da BASF na América do Sul, com capacidade de produção de mais de 320 mil toneladas anuais de produtos. A planta tem uma área total de 380 hectares (ou 3,8 milhões de metros quadrados), sendo 10% de área fabril e 324 hectares de áreas verdes e reserva ambiental.

Um dos exemplos de aplicação das soluções da BASF que contribuem para a sustentabilidade em outras fábricas é a Casa Granado. Para a construção de sua nova fábrica em Japeri (RJ), a empresa utilizou duas soluções da BASF. Uma delas é o piso de alto desempenho, chamado Ucrete. Além de não conter solvente, a solução tem como principais benefícios a grande resistência química, e mecânica e facilidade de limpeza, características essenciais em uma fábrica que lida com produtos químicos e tráfego de empilhadeiras e carrinhos.

A outra solução são os painéis isotérmicos para sistemas construtivos, que tem como principal atributo o conforto térmico.  O uso do sistema isotérmico substitui vigas, pilares, telhas, tijolos e argamassa por painéis que se encaixam numa estrutura autoportante, que permite construir com mais rapidez, eficiência, economia e maior durabilidade. Por meio de um parceiro, as peças são encomendadas na medida do projeto, garantindo baixa geração de resíduos, com uma taxa de desperdício de apenas 0,5%, o que representa oito vezes menos perdas do que o método convencional. Além disso, não é utilizada água em todo o processo produtivo, desde a fábrica até a instalação no local da obra, reforçando a proposta sustentável da edificação.

Sobre a Basf

Mais de 3920 colaboradores formam a equipe no Brasil, com vendas, de aproximadamente, 2,1 bilhões de Euros. As fábricas da companhia estão localizadas em Guaratinguetá, São Bernardo do Campo, Indaiatuba e Jacareí, todas no Estado de São Paulo. Seu portfólio de produtos vai desde químicos, plásticos, óleo e gás, até a agricultura.

Iniciativas Sustentáveis: Basf – Código de Conduta para todos os stakeholders

Por Karen Pegorari Silveira

Com a nova Lei que instituiu no Brasil a responsabilização objetiva administrativa e civil das pessoas jurídicas contra a administração pública, nacional ou estrangeira – também conhecida como “Lei Anticorrupção”, o país se alinha às mais rigorosas e avançadas legislações do mundo de combate à corrupção e com ela vem também um grande desafio para as organizações: melhorar a governança corporativa, a gestão de riscos e ampliar os controles internos.

Este desafio também foi um dos motivos que levou a BASF, uma das maiores indústrias químicas do mundo, a se comprometer com altos padrões de conformidade jurídica e ética corporativa e estruturar o Programa de Compliance – que contempla diretrizes globais com base em um Código de Conduta. Este código prevê padrões de conduta básicos, em todo o mundo, aplicáveis para todos os colaboradores.

O Código de Conduta da Basf passa por temas como os direitos humanos, trabalhistas e sociais; a proteção ao meio ambiente, saúde e segurança; a proteção da privacidade de dados; conflitos de interesse, importações e exportações; leis antitruste, entre outros. Esse Código é periodicamente avaliado pelo Chief Compliance Officer e pelo departamento jurídico para determinar se revisões são necessárias em virtude de mudanças na legislação e para assegurar que os colaboradores cumpram os altos padrões legais e éticos esperados. Revisto em 2013, o código segue o padrão global e as especificidades de todas as regiões – alinhadas por meio de um comitê com representantes dos países – e foi replicado para todos os colaboradores, parceiros e fornecedores em 2014.

Para disseminar o código de conduta, a empresa realiza treinamentos presenciais e eletrônicos que envolvem questões de concorrência e são dirigidos tanto a novos colaboradores quando aqueles que já participaram anteriormente. Em 2014, cerca de 1 mil colaboradores receberam treinamento presencial, o equivalente a 17% do quadro de pessoal da região. Já o treinamento eletrônico, via internet, ocorre a cada dois anos e é alinhado globalmente, sendo replicado aos líderes de cada região de atuação. No exercício, mais de 300 líderes foram treinados acerca de temas relacionados à conduta ética. Em 2015, será desenvolvido o OnBoard Training, um treinamento eletrônico com duas horas de duração sobre o Código de Conduta a ser aplicado no primeiro dia de trabalho dos colaboradores admitidos. É ainda objetivo treinar, na América do Sul, colaboradores com três e seis meses de empresa, bem como os que foram treinados há mais de dois anos. Em 2014, foram realizados 100 treinamentos como teste. Além disso, parte dos colaboradores deve assinar uma declaração anual de compliance, a fim de atestar a regularidade de suas condutas. Em 2014, a declaração passou a ser realizada de forma eletrônica, conferindo mais dinâmica à operação.

Todos os fornecedores também recebem e aderem ao Código de Conduta. Antes da contratação, o parceiro deve cumprir uma lista de atividades e, a partir de 2015, será implantado adicionalmente um compliance internet check, com o intuito de averiguar, de forma mais profunda, o histórico dos parceiros (trabalho infantil, corrupção, cartel, entre outros assuntos) e sua conduta.

Existe ainda uma linha direta 0800 (disponível 24 horas, todos os dias da semana) para ser acessada por colaboradores, parceiros e demais públicos de relacionamento a fim de receber denúncias, informar ou esclarecer de dúvidas. Gerenciado por uma estrutura externa, esse canal preserva a identidade das pessoas que o acessam, uma vez identificadas, as denúncias são investigadas e seu esclarecimento envolve as áreas de apoio. As áreas de recursos humanos e compliance avaliam e decidem as medidas a serem tomadas. Além disso, são efetivadas auditorias anuais de compliance, alinhadas globalmente e realizadas internamente pelo grupo de auditoria

A BASF também criou um personagem, chamado Complinácio – responsável por apresentar os temas de Compliance aos colaboradores. O personagem aparece nos veículos de comunicação interna e representa um colaborador.

Para auxiliar nos direcionamentos e na construção de guidelines para toda a companhia criou-se também um Comitê de Compliance, formado por um time multidisciplinar, com profissionais das áreas de Finanças, Comunicação, Jurídico, RH e Auditoria. Em 2014 os focos principais foram práticas antitruste e concorrenciais, especialmente por conta da nova lei.

Outra iniciativa envolve os programas de avaliação de riscos. Por meio deles, a empresa atua em todas as áreas para estabelecer processos de mapeamento de riscos e atuar com correções proativas.

Juliana Justi, gerente sênior de Recursos Humanos e membro do time de Compliance conta que na BASF eles agem de acordo com os direitos humanos, trabalhistas e normas sociais internacionalmente declarados e cumprindo as leis aplicáveis ao âmbito dos ramos de atividades empresariais. “Nosso programa de Compliance é muito adequado para orientar a todos os colaboradores em suas vidas profissionais. Isto envolve contato com os gestores e líderes diretos, com a área Jurídica, de Recursos Humanos, de outros departamentos ou executivos de Compliance. O comportamento adequado de nossos colaboradores contribui com a reputação de nossa empresa e como indústria séria, comprometida com seus valores”, relata.

A Basf, globalmente, é membro ativo do Pacto Global desde 2000 e na América do Sul atua como parte do Conselho da Rede Brasileira do Pacto Global desde o ano de 2014.

Sobre a Basf

A BASF é uma empresa química alemã fundada em 1865 na cidade de Mannheim para produzir corantes sintéticos para tecidos. Hoje é a maior indústria química mundial, com um volume de vendas de 74.3 mil milhões de euros em 2014, e mais de 113 mil colaboradores nas mais de 390 unidades de produção de 80 países.

Fiesp e Basf assinam compromisso para implantar Programa ‘Meu Novo Mundo’

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) deu um importante passo para a evolução do programa “Meu Novo Mundo”, iniciativa em parceria com a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em São Paulo (SRTE-SP) que tem a finalidade de preparar pessoas com deficiência (PCDs) para a efetiva inclusão no mercado de trabalho.

Em cerimônia na tarde desta terça-feira (28/10), a entidade assinou com a Basf um termo de cooperação em que a multinacional de origem alemã adere ao programa. Além de São Paulo, a Basf vai implementar o programa em suas unidades de São Bernardo do Campo e de Guaratinguetá. As atividades começam em dezembro de 2014.

Fiesp e Basf assinam acordo de cooperação para inclusão de pessoas com deficiência. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

O “Meu Novo Mundo” proporciona a PCDs o acesso à profissionalização por intermédio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) e, com apoio do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), trabalhar autoestima e habilidades intelectuais e corporais.

Na avaliação de Thomas Reineke, vice-presidente de Recursos Humanos da Basf para a América do Sul, o termo de compromisso representa um esforço da companhia, da Fiesp e do Ministério Público para fomentar a inclusão social de PCDs.

“A Basf tem um compromisso com a diversidade. Pessoas com deficiência fazem parte desse conceito e via esse programa conseguimos combinar essa ideia de fomentar a diversidade com a inclusão social, disse Reineke, que vê nesse projeto um piloto, com possibilidade de expansão para outras unidades produtivas da Basf do Brasil.

Thomas Reineke, João Guilherme Sabino Ometto e Sylvio de Barros. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

De acordo com o 2º vice-presidente da Fiesp, João Guilherme Sabino Ometto, a adesão demonstra a visão empresarial da Basf e serve como estímulo para que outras empresas de todos os portes possam ingressar no programa.

“Ela realmente é pioneira, está abrindo caminhos. E isso é muito bom ser divulgado. O programa é muito importante e mostra o nosso trabalho de inclusão. Tenho certeza que vai dar grandes resultados. Não é apenas com leis que se regulam as coisas, mas com boa vontade, tecnologia, inovação, para que as pessoas que estão começando a entrar no mercado de trabalho sejam respeitados e possam ter uma integração com a sociedade.”

Guilherme Bara, gerente de Diversidade e Inclusão da Basf para a América, disse que para a Basf é um privilégio participar do programa. “Isso complementa as nossas ações. Hoje temos mais de 140 pessoas com deficiência trabalhando na Basf em diversos cargos, desde o assistente até um vice-presidente. E trabalhar essa parceria com a Fiesp – onde a gente consegue fazer o que chamamos de inclusão 360 graus, com inclusão no trabalho, na cultura, no esporte – vem ao encontro do nosso desejo para contribuir para uma sociedade mais inclusiva.”

Para o diretor titular do Departamento de Ação Regional (Depar) da Fiesp, Sylvio de Barros, a adesão de uma companhia com a Basf é uma mensagem importante para todas as demais. “Era preciso assinar o termo com uma empresa que trouxesse uma segurança para o mercado. É uma empresa multinacional, que estudou todos os instrumentos jurídicos. É uma empresa que entendeu que tem uma segurança jurídica entrando no programa.”

Para Guilherme Bara, gerente de Diversidade e Inclusão da Basf para a América, é um privilégio participar do programa. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

De acordo com Sylvio de Barros, a assinatura é importante também porque o primeiro mês de inscrições revelou um surpreendente interesse de PCDs. “Temos muito mais candidatos do que empresas estruturadas para participar”, explicou o diretor, revelando que a expectativa do programa até o final de 2015 é de atingir 10.000 participantes contratados por intermédio do programa.

“O próximo passo é difundir esse programa para que a gente não frustre as 380 pessoas que estão aguardando uma oportunidade.”

Também participaram da assinatura do termo de compromisso o gerente de Assistência a Empresa e a Comunidade do Senai-SP, Celso Taborda Kopp, e o diretor de Educação e Cultura do Sesi-SP, Fernando Carvalho.