Ciesp e Fiesp iniciam Módulo 3 do Nagi – PG em São Paulo

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Com o objetivo de ajudar as empresas a se prepararem melhor para atender as demandas da cadeia de petróleo e gás, está sendo realizado, nesta sexta-feira (14/06), na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o III Módulo de Capacitação para os participantes do Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação na Cadeia de Petróleo e Gás (Nagi-PG). A iniciativa é uma parceria entre a Fiesp e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), junto com o Senai-SP e a Agência de Inovação da USP.

Os trabalhos estão sendo conduzidos pelo diretor do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp (Decomtec) e membro do Comitê de Petróleo e Gás Natural da Fiesp/Ciesp (Competro), Eduardo Berkovitz. Com a participação ainda do analista de projetos do Decomtec Egídio Zardo Jr. e da professora e pesquisadora do Núcleo de Política de Gestão Tecnológica da USP, Claudia Pavani. O engenheiro Virgilio Calças Filho, ex-gerente de Engenharia da Petrobras, foi o responsável pela apresentação sob o tema “Oportunidades e desafios no fornecimento para a cadeia de petróleo e gás”.

Claudia, Berkovitz e Zardo Jr no terceiro módulo de treinamento do Nagi - PG. Foto:  Helcio Nagamine/Fiesp

Claudia, Berkovitz e Zardo Jr no terceiro módulo de treinamento do Nagi - PG. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

“As ações do Nagi fazem parte dos trabalhos do Competro, criado para atender ao aumento da demanda no setor, principalmente com o pré-sal”, disse Berkovitz. “Estamos presentes ainda em missões comerciais, como aquelas já realizadas na Escócia e na Inglaterra e na Finlândia e na Noruega”, explicou.

Já Claudia destacou o fato de que o Nagi ajuda as empresas principalmente no que se refere à gestão da inovação. “O Nagi vai realizar um diagnóstico de como está a inovação nas empresas e capacitar as indústrias paulistas da cadeia de petróleo e gás”, disse.

Em sua apresentação, Calças Filho lembrou aos empreendedores que não faltam possibilidades de bons negócios num contexto em que, até 2020, devem ser investidos US$ 400 bilhões na cadeia de petróleo e gás no país. “Será um salto para a indústria”, afirmou. “Nunca tivemos um cenário semelhante a esse no Brasil”.

Calças Filho: investimentos de US$ 400 bilhões no setor até 2020. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Calças Filho: investimentos de US$ 400 bilhões no setor até 2020. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

De acordo com o engenheiro, somente a Petrobras vai investir, entre 2013 e 2017, US$ 236,7 bilhões. “A Petrobras é parceira de mais de 120 universidades e centros de pesquisa no Brasil”, disse.

Em termos de produção, também é esperado um aumento. “Devemos passar dos atuais 2,3 milhões de barris produzidos por dia no Brasil para 5,4 milhões de barris diários em 2021”, explicou Calças Filho.

Até 20% do PIB

Mais um dado animador para as indústrias que atendem a cadeia de petróleo e gás. “Até 2020 o setor vai representar 20% do PIB brasileiro”, disse o engenheiro. “E São Paulo tem tudo para ser referência mundial em inteligência do petróleo e gás natural”.

Participante do Nagi também por meio da sua empresa, a Usiman, de peças de manutenção, o diretor de Energia, Petróleo e Gás do Ciesp e diretor do Competro, Kalenin Branco, disse que as atividades do núcleo ajudam os empresários a terem “uma visão mais real” do mercado e dos processos. “Isso além da ajuda para a preparação de estratégias”, completou.

Também presente no treinamento, o assistente técnico da HollBras, de filtros industriais, Bruno Reis, foi outro que aprovou a iniciativa. “Vale muito a pena participar do Nagi”, disse. “Aqui temos uma visão boa do mercado e conseguimos direcionar as nossas metas e ações de inovação”, explicou.

O Nagi-PG reúne empresas de São Paulo, Baixada Santista, Vale do Paraíba e de Sertãozinho. Serão realizados, mais adiante, módulos em Campinas, Ribeirão Preto, Mogi das Cruzes, ABC Paulista, Sorocaba, Piracicaba e São Carlos. O programa tem como objetivo formar, até 2014, cerca de 400 empresas.