Autoridades e personalidades participam de inauguração de escritório do AfroReggae em São Paulo; iniciativa conta com apoio da Fiesp

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Nomes como Hélio de la Peña (humorista), Dráuzio Varela (médico) e Serginho e Fabiana Claudino (medalhistas olímpicos de voleibol), entre autoridades, empresários, jornalistas e personalidades, prestigiaram na noite de quinta-feira (11/04) a inauguração do escritório do AfroReggae em São Paulo, o primeiro do grupo fora do Rio de Janeiro. O evento, que lotou o 18º andar do edifício Altino Arantes, o Banespão, no centro, marca o início da parceria entre a ONG carioca e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Paulo Skaf discurso na abertura do escritório do AfroReggae em São Paulo. Foto: Ayrton Vignola/FIESP

“Utilizaremos a experiência que o AfroReggae conquistou com sua atuação no Rio de Janeiro para criar políticas sociais e projetos aqui no nosso estado. O primeiro projeto da parceria beneficiará os egressos do sistema penal. Com o trabalho conjunto faremos coisas concretas para ajudar as pessoas que precisam. É uma união que não vai apenas somar, mas vai multiplicar. Ao lado do AfroReggae podemos fazer ainda mais pela sociedade”, disse Paulo Skaf, presidente da Fiesp.

Skaf informou que a parceria começará sua atuação na capital, mas depois poderá ser ampliada para todo o estado de São Paulo. “Investir em pessoas sempre dá resultado. Esse encontro é apenas o começo. Muita coisa ainda virá”, garantiu.

José Júnior, coordenador do AgroReggae, foi enfático ao resumir seu sentimento com a inauguração. “É a realização de um sonho ver isso acontecendo. Sempre trabalhamos no Rio de Janeiro com pouca estrutura, mas com muita criatividade. Agora, aqui, com o apoio da Fiesp, temos uma megaestrutura. Podemos fazer ainda mais, qualificar ainda mais a sociedade. A cara do AfroReggae é a mistura, a miscigenação. São Paulo é assim. Aqui na inauguração temos empresários, políticos, professores, agentes culturais. Rico, pobre. Preto, branco. O cosmos é o limite para o AfroReggae”, disse Júnior.

Uma das pessoas beneficiadas pelas ações do AfroReggae, o carioca Washington Rimas, o Feijão, deu seu depoimento durante a cerimônia sobre a importância da ONG em sua transformação. “Eu era traficante. Com 19 anos era chefe do tráfico. O AfroReggae mudou minha vida, fui transformado pelo trabalho. No fim do mês participarei de um Fórum Econômico Mundial na América Latina. Não só eu fui mudado. Mais de três mil pessoas já foram transformadas. Muitos mais serão – agora também em São Paulo”, disse.

Autoridades

De acordo com o professor Walter Vicioni, diretor regional do Senai-SP, que vai proporcionar formação profissionalizante para egressos do sistema penitenciário, utilizando a tecnologia social do AfroReggae, a parceria é uma iniciativa excepcional da Fiesp.

“Temos um programa muito forte, mas juntar a experiência deles nós dará ainda mais chance de alcançar resultados muito melhores e de colocar mais gente em posição de adentrar o mercado de trabalho. Estou feliz pela ousadia do presidente [Paulo Skaf] de apoiar um movimento desse quilate”, disse o diretor regional do Senai-SP.

José Junior (do AfroReggae) Paulo Skaf (Fiesp) e Fabio Barbosa (Grupo Abril). Foto: Ayrton Vignola/FIESP

Ex-executivo do Santander Brasil, o presidente do grupo Abril, Fabio Barbosa, também falou sobre a parceria. “Conheci o trabalho de Junior há dez anos e ele me encantou. É uma referência de perseverança para todos nós. O AfroReggae é um presente para nossa cidade”, disse.

Marcial Portela Álvarez, presidente do Santander Brasil, outro parceiro da iniciativa, falou do relacionamento entre a instituição financeira e a ONG. “Nossa parceria com o AfroReggae é privilegiada, de longa data. É admirável ver a capacidade de transformação social que proporciona. Estamos muito satisfeitos com a chegada deles a São Paulo”, comentou.

O dirigente aproveitou a ocasião para comunicar que a inauguração do escritório é o primeiro passo de um projeto de conversão do Banespão em um centro para debates e ações de cunho social.

Personalidades

O humorista Helio de la Peña, do grupo “Casseta e Planeta”, celebrou a chegada do projeto a São Paulo. “O AfroReggae já faz trabalho bastante significativo no Rio, com repercussão no Brasil inteiro. Fincar o pé em São Paulo, centro financeiro, maior centro urbano, é um grande passo. É bom para São Paulo, e bom para o AfroReggae”, comentou.

Jogadores do time de vôlei do Sesi-SP também marcaram presença. “Quanto mais iniciativas como essa, melhor para todos. O AfroReggae abrirá novos espaços e dará mais oportunidade para quem precisa”, afirmou a jogadora Fabiana Claudino, do Sesi-SP. “É um projeto importante, que só vai beneficiar São Paulo”, disse o líbero Serginho.

O médico Dráuzio Varela analisou as possibilidades de atuação do grupo no estado de São Paulo. “Há tanta coisa para ser feita aqui em São Paulo. O desafio do AfroReggae é se adaptar às condições existentes aqui. Mas tenho certeza que eles conseguirão. São Paulo é uma cidade misturada. Não tenho dúvidas de que eles terão muito sucesso”, disse.

No encerramento do evento, o maestro João Carlos Martins se apresentou ao lado de jovens músicos da comunidade de Paraisópolis. “Eu me sinto pequeno diante do trabalho do AfroReggae. Apesar de eu fazer um trabalho social muito forte, o que eles fazem é uma lição para este velho maestro”, afirmou.