Autor da Teoria da Inteligência Multifocal fala na Fiesp sobre gestão da emoção

Patrícia Ribeiro, Agência Indusnet Fiesp

“A humanidade tomou o caminho errado. Somos os únicos que temos a consciência de que pensamos. No entanto, mesmo tendo este mais belo desenvolvimento, isso não nos levou a viver no oásis, como deveria ser”, enfatizou Augusto Cury, médico, psiquiatra, psicoterapeuta e escritor brasileiro, durante reunião ordinária do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na quinta-feira (17/9), na sede da entidade.

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, abriu a reunião e anunciou o lançamento de “uma campanha de combate à recriação do CPMF e contra o aumento de qualquer outro imposto”. Skaf convidou todos os presentes a participar da campanha.

“Como pode o governo ter um gasto de 1 trilhão e não reduzir em 10% o orçamento?”, questionou o presidente. Cury elogiou a campanha e afirmou que “é preciso ter este espirito colaborativo da população”.

Autor da Teoria da Inteligência Multifocal – que analisa o processo de construção dos pensamentos–, Cury é um dos poucos pensadores vivos cuja teoria é estudada em cursos de mestrado e doutorado nos EUA, Europa e Brasil.  Na reunião, falou sobre gestão da emoção.

Seus estudos apontam que pensar demais é uma bomba para o ser humano. “Quem pensa demais sem autocontrole pode gastar mais energia que quatro [trabalhadores] braçais. Pode comprometer sua vida profissional e emocional.” Para Cury, o atual câncer é sinônimo de tudo que vivemos, de toda energia inútil gasta pelo nosso cérebro, projetada no nosso corpo.

Ele faz um teste em todos os lugares do mundo onde faz palestras e constata o quanto temos de dificuldades com o pensamento. “Nunca tivemos um adoecimento coletivo tão grande, como transtornos obsessivos, depressão, ansiedade, fobias e até mesmo dependência de drogas. É muito triste observar que estamos no processo de desmoronamento de transtorno de personalidade. Não devemos ser reféns de nada. É possível nos tornarmos protagonistas”, afirmou.

Reunião do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Fiesp com Augusto Cury. Foto: Everton Amaro

A mente precisa de um diretor

“Se a mente não tiver um bom diretor ela será uma bancarrota. Se não tivermos um bom “eu” gestor, seremos um fracasso”, declarou Cury. Ele alerta que estamos na era da síndrome do pensamento acelerado e temos a obrigação de protegê-lo e não levar todos os conflitos para o túmulo, como temos feito.

O médico afirma ainda, que nos tornamos homo bios [ao qual falta inteligência emocional] quando o nosso cérebro nos leva às janelas erradas. Toda frustação detona uma espécie de gatilho e faz com que a gente tenha acessos a tais janelas, nos tornando vítimas, ferindo quem mais amamos e até nos destruirmos. Cury oferece como exemplo o avião derrubado por um copiloto.  “Aquilo que aconteceu na aeronave é exatamente o que acontece na nossa vida real. Não podemos largar a nossa mente nas mãos de um copiloto doente. Temos de ser nossos próprios pilotos”.

Ele sinaliza que o melhor é pensar antes de reagir e até orar antes de dar uma resposta. “Quem não é fiel consigo mesmo faz com que cometemos atrocidades. Não nos colocamos no lugar do outro. Temos obrigação de pensar com amor.”

Nesse sentindo, Cury propõe a sustentabilidade do cérebro. “Quando fazemos a higiene mental? Quanto tempo temos para intervir e continuar sendo os protagonistas da nossa história?”, questiona. “Nós não deveríamos ser escravos da nossa fobia, mas não conseguimos reciclar nossas mazelas por dentro.”

O médico diz que estamos cada vez mais destruindo nossas relações. Em sua visão, a vida é uma teia, e nós precisamos entender que dependemos uns dos outros. Está faltando romantismo saudável na concepção de Cury.  “Estão faltando políticos que queiram mudar o mundo. Estão faltando pessoas que preservem sua saúde mental. Todas as vezes que saturamos nossa mente nós estamos acabando com nós mesmos.”

E completa: “se a gente não encontrar o nosso próprio endereço, aprender a falar do nosso fracasso para os nossos filhos, formá-los como sucessores e não como herdeiros, ser mais gratos à vida e a todos, vamos exterminar toda uma geração”.

Dicas pra toda vida

Cury fez uma experiência com o público, perguntando quem tinha irritação diária, dor de cabeça, dores pelo corpo e não dormia direito. Como resposta, os mais de 400 participantes levantaram a mão pelo menos duas vezes. “Se vocês estão irritadiços, significa que estão normais, considerando o que vivemos no dia a dia. Não seria normal de estivessem abraçando uma árvore”, brincou.

Então, o médico sugere algumas dicas para vivermos como protagonistas da nossa história.

– Durma pelo menos 8 horas diárias. Se brigar com sua cama, vai perder.  Quem não dorme direito perde sua capacidade de fluxo sanguíneo, capacidade cognitiva, habilidades emocionais, além da possibilidade de desenvolver Alzheimer.

– É preciso administrar melhor o seu tempo. Você pode ter muita responsabilidade, mas ter um tempo qualitativo é fundamental para as relações

– É preciso amar. Quem ama só com o sentimento, está fadado no seu relacionamento. Julgue menos, elogie mais. Cobrar demais é energia emocional inútil.

– Aprender a se perdoar. Dançar a valsa da vida com as duas pernas.  Só os sábios transformam o medo na capacidade de gerir.

– Disciplina. Sonhos são projetos de vida e não desejo. Portanto, sonhos sem disciplina produzem experiências frustradas.

– Decisões são solitárias. Não espere apoio dos outros. As mais importantes escolhas implicam em perdas solenes.  A dor nos destrói ou constrói. Para que a gente seja capaz de construir com dor, todos os dias temos que conversar com os nossos medos e fobias.

– Não seja excessivamente lógico, seja rebelde. Espero que tenha capacidade de viajar pelo território da emoção, que conheça o ser humano que existe em você.

– É preciso ser vendedor de sonhos. Se falhar, não desista. Dê sempre uma nova chance pra quem você ama.

– A melhor estratégia para compreender o outro é exalar o melhor perfume. Brincar mais com nossa estupidez. Abraçar mais e cobrar menos.

– Proteja sua emoção. Assim, conseguirá ser um gênio. Se você entende que por trás de uma pessoa que fere tem um ferido, você tem um gênio na saúde mental.

– Não coloque uma criança em situação de estresse mental. Não precisamos estimular demais o córtex cerebral de uma criança. Precisamos dar amor.