General Santa Rosa participa de reunião com integrantes do Departamento de Defesa e Segurança da Fiesp

Agência Indusnet Fiesp

A reunião mensal do Departamento de Defesa e Segurança da Fiesp, realizada nesta segunda-feira (6/5), contou com a participação do Secretário Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, o general de Exército, Maynard Marques de Santa Rosa, e do presidente da Financiadora de Inovação e Pesquisa (FINEP), o general de divisão Waldemar Barroso Magno Neto.

Na abertura, Carlos Erane de Aguiar, diretor titular do Departamento de Defesa e Segurança da FIESP, enfatizou o apoio à base nacional de defesa e colocou-se à disposição quanto à segurança pública que deve caminhar em conjunto com a pesquisa e a inovação. “A defesa é um dos setores intensivos em capital na fronteira tecnológica”, afirmou.

Para Santa Rosa, deve-se viabilizar a transversalidade do planejamento estratégico. Sua área envolve o tripé análise estratégica, planejamento estratégico e articulação institucional, entre ministérios e a sociedade civil. O general detalhou o processo de construção do orçamentário atual, elencando projetos prioritários para o governo federal.

Barroso Magno, por sua vez, apresentou a gênese da Finep, empresa pública voltada à pesquisa básica, à pesquisa aplicada e ao desenvolvimento tecnológico.  O general tratou do apoio necessário às iniciativas da Finep que precisa trabalhar de forma integrada com laboratórios públicos, universidades, Institutos de Ciência e Tecnologia (ICTs), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Coordenação de Aperfeiçoamento de pessoal de Nível Superior (Capes), entre outros institutos. Barroso Magno também frisou a possibilidade de estabelecimento de convênios com universidades e parceria com empresas para o desenvolvimento setorial.

Também estiveram presentes ao encontro, Dagmar Cupaiolo, vice-presidente e diretor titular adjunto do Departamento de Defesa e Segurança da FIESP, diretores e outras autoridades, além de representantes da indústria da defesa.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1558546758

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, recebe a visita do general de Exército, Santa Rosa, na Fiesp. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Soft-Power é ferramenta que permite ao Brasil exercer liderança que o mundo espera, afirma ministro

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Seminário Soft-Power. Ministro Moreira Franco. Foto: Everton Amaro

Ministro Moreira Franco, da Secretária de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Foto: Everton Amaro

Empresários e autoridades se reuniram na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) nesta terça-feira (11/12) para avaliar a atuação do Brasil no cenário internacional e como fortalecer a presença brasileira no exterior. De acordo com o ministro da Secretária de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Moreira Franco, o mundo espera do Brasil um papel de liderança, já que o país é a sexta maior economia mundial.

“As outras nações têm interesse em saber qual a posição do Brasil, afinal de contas, temos uma economia com grandes possibilidades no futuro. Nós precisamos ter no Soft-Power uma alternativa de presença nacional”, afirmou Franco ao participar do seminário A Influência do Brasil no Sistema Internacional: Soft-Power – conceito conhecido como a capacidade de o país influenciar ações políticas sem usar força ou coação, mas com estratégia de cooperação.

“O Soft-Power é mais que uma estratégia, é uma ferramenta que nos permite exercer nossa presença, responder a uma liderança que o mundo, de alguma maneira, espera, demanda do Brasil”, afirmou o ministro.

Segundo Moreira Franco o cenário favorável para o Brasil fomenta a discussão sobre como o país deve se apresentar para o mundo. “Somos um país grande, temos uma democracia sólida e uma experiência de crescimento. Nós colocamos 40 milhões de brasileiros no mercado de consumo. Este quadro impõe uma reflexão sobre o que somos”, destacou o ministro, enfatizando que essa reflexão vai ser útil para que “a gente defina a política mais adequada, preservando a nós próprios como comunidade e tendo relações absolutamente pacíficas, colaborativas com os outros países do mundo”.

O seminário Soft-Power é uma inciativa da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República em conjunto com a Fiesp e contou com a presença de empresários, embaixadores e especialistas em consultoria internacional.

“Precisamos trazer a academia para esse debate, os pensadores, os pesquisadores e todos os órgãos e instituições da sociedade civil. Isso não é um problema do governo, é da sociedade brasileira. Precisamos saber por que e como utilizar o Soft-Power”, completou Moreira Franco.

Fiesp e USP realizam seminário sobre competitividade industrial chinesa

Katya Manira, Agência Indusnet Fiesp

A competitividade da indústria chinesa tem perdido força devido ao aumento nos custos de trabalho. Esse é um dos resultados do estudo realizado pela Universidade de São Paulo (USP) que será apresentado nesta terça-feira (04/09), na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), durante o seminário “A Competitividade Industrial Chinesa no Século 21”.

A melhora do acesso à informação e a dificuldade de locomoção dos trabalhadores no interior da China foram apontados como alguns dos motivos causadores do aumento no custo de trabalho chinês.

O seminário também irá abordar a conjuntura econômica e as perspectivas do país, tecnologia e inovação de seus setores básicos e o impacto ambiental de seu crescimento.

O ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Moreira Franco, irá discorrer sobre a visão estratégica do Governo Federal para a China.

Confira aqui a programação.