Fiesp e TCU realizam seminário sobre gestão das entidades do Sistema ‘S’

Agência Indusnet Fiesp

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e o Tribunal de Contas da União  (TCU) promovem nesta segunda-feira (23/07), às 9h, na sede da entidade, o seminário “O papel do TCU junto das Entidades do Sistema S”. O painel será ministrado pelo secretário-geral de Controle Externo do TCU, Guilherme Henrique de La Rocque Almeida, e pelo professor Carlos Nivan.

Durante o evento será lançado o livro Manual do Gestor do Sistema S. A publicação apresenta de forma objetiva, orientações e recomendações para a boa e regular gestão dos recursos das entidades de Formação Profissional e de Assistência Social, vinculadas ao sistema sindical – órgãos integrantes do Sistema “S”, tendo como base a consulta de aproximadamente 1.000 acórdãos do TCU sobre questões como licitações, contratos e convênios.

Além de professor do Instituto Serzedello Corrêa (TCU) e da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Carlos Nivan, autor do Manual, integra o Conselho de Dirigentes de Controle Interno dos Poderes da União.

A programação do encontro é destinada a  membros de órgãos e entidades públicas federais, estaduais e municipais, além de gestores das entidades do Sistema “S”.

Estarão presentes no evento, o presidente da Fiesp, do Ciesp, do Sesi e do Senai-SP, Paulo Skaf; o presidente do Tribunal de Contas da União, ministro Benjamin Zymler; o superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni Gonçalves; e o presidente do Conselho Sebrae-SP, Alencar Burti.

Serviço
Seminário “O papel do TCU junto as Entidades do Sistema S” e lançamento do livro “Manual do Gestor do Sistema S”
Data/horário: Segunda-feira (23/07), às 9h
Local: Fiesp – Espaço Nobre, 15º andar – Av. Paulista, 1313

Projeto ViraVida estará em todo Brasil até o final de 2012

Rodrigo Marinheiro, Agência Indusnet Fiesp

O presidente do Conselho Nacional do Serviço Social da Indústria (Sesi), coordenador geral do Fórum Nacional do Sistema S e idealizador do Projeto ViraVida, Jair Meneguelli, informou nesta segunda-feira (21), em palestra sobre a campanha “Carinho de Verdade”, durante a 5ª Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental, que no prazo de um ano a tecnologia social do programa estará empregada em todos os estados.

O ViraVida consiste em formar profissionalmente, dando toda uma assistência psicológica de recuperação à autoestima, jovens e adolescentes entre 16 e 21 anos que foram vítimas de exploração sexual. O projeto piloto nasceu em Fortaleza, no ano de 2008. Ainda em 2009, a tecnologia social criada já havia sido transferida para os estados de Pernambuco, Natal e Pará. Hoje, presente em 12 estados e no Distrito Federal, o projeto carrega consigo a credibilidade de garantir trabalho a 70% dos assistidos.

“Queremos chegar a 100% e ampliar o número de estados, atingindo todo o país e, consequentemente, aumentando muito o número de jovens assistidos. O projeto é do Sesi, o sistema S banca e coordena. A participação do público privado seria somente o de viabilizar as vagas”, explicou Meneguelli.

Formação e inserção profissional

Na prática, o Projeto ViraVida busca elevar a autoestima dos jovens revelando seu potencial por meio da formação profissional e inserção no mercado de trabalho, para que eles descubram a própria virtude e conquistem a própria autonomia profissional.

Para conscientizar os empresários da importância social do programa, foi lançada recentemente no Rio de Janeiro a campanha “Carinho de Verdade”. O foco é o fortalecimento da exposição de iniciativas realizadas por organizações da sociedade civil no combate ao abuso e violência sexual contra meninos e menina, além de escancarar a importância dos serviços públicos de denúncia, como o Disque 100 e os Conselhos Tutelares. Estas ações buscam contribuir para o fortalecimento da rede de proteção dos jovens, desenvolvendo uma espécie de compromisso social contra a exploração sexual no Brasil.

A campanha “Carinho de Verdade” – iniciativa do Conselho Nacional do Sesi de sensibilização contra a exploração sexual infanto-juvenil – objetiva desenvolver ações que levem informação e estimulem o debate em diferentes grupos da população, utilizando como instrumento principal as redes sociais (Orkut, Facebook, Twitter etc.).

A prática consiste em colaborar a edificação de uma sociedade mais preocupada em enfraquecer a apatia e a tolerância da exploração sexual de crianças e adolescentes. É um trabalho de educação social com a finalidade de arquitetar uma nova cultura no povo brasileiro, tendo a conscientização da gravidade do problema como propósito maior.

Com a palestra desta segunda-feira, a ideia de Meneguelli é aproximar as empresas dos jovens assistidos ainda durante o período de formação profissional. “Quando as empresas demandarem o perfil do profissional que precisam, ficará mais fácil garantirmos o futuro destes jovens no mercado de trabalho. Precisamos de parceiros para garantir a empregabilidade dessas pessoas”, concluiu.