Centro Cultural Fiesp mostra 100 anos de arte da Bélgica

Agência Indusnet Fiesp

Estreia nesta quarta-feira (4 de abril) no Centro Cultural Fiesp a exposição 100 Anos de Arte Belga, com obras da coleção formada ao longo de três décadas pelo casal Françoise e Heinhich Simon. Inédita na América Latina, a mostra convida o público a conferir trabalhos de expoentes renomados, como René Magritte (1898-1967), Paul Delvaux (1897-1994) e James Ensor (1860-1949), e também de outros menos conhecidos internacionalmente, como Emile Claus (1849-1924), Louis Van Lint (1909-1986), Pol Bury (1922-2005) e Pierre Alechinsky (1927). A mostra fica em cartaz até 10 de junho, com entrada grátis.

“A Coleção Simon é provavelmente a mais importante coleção privada de arte moderna belga mantida fora da Bélgica”, afirma a curadora Laura Neve. “Por mais que reflita o gosto pessoal de Heinrich e Françoise, ela traça um panorama impressionante de quase um século de arte belga [de 1880 a 1980]”, completa.

Das cerca de 90 peças da coleção, 69 obras foram trazidas para o Brasil. Feitas por 37 artistas, elas estão divididas em cinco áreas temáticas – Vida e Luz, Realidades Alternativas, Entre Engajamento e Escapismo, Da Natureza ao Poema Pictórico e No Rigor. Cada uma apresenta, de maneira não cronológica, a temática comum do binômio arte-realidade e a evolução da arte belga ao longo do tempo. “Podemos reconhecer correntes artísticas internacionais, do impressionismo ao Abstracionismo, passando pelo Simbolismo, Fauvismo, Expressionismo e Surrealismo”, comenta Laura.

Gustave De Smet - Le jeune Capitaine - 1927 - Hugo Maertens, Bruges

Gustave De Smet – Le jeune Capitaine – 1927 – Hugo Maertens, Bruges

Relação antiga

Desde 2003 o acervo tem sido gerenciado pela Patrick Derom Gallery, em Bruxelas (Bélgica), tendo percorrido museus de Bruxelas (2003), Holanda (2004), Japão (2005 e 2006) e EUA (2007). Somente agora, sete anos após a morte de Heinrich, Françoise decidiu retomar a divulgação das obras, trazendo-as pela primeira vez ao Brasil, em particular a São Paulo, com quem já têm um forte vínculo histórico.

“Nas décadas de 1950 e 1960, artistas como Constant Permeke (1886-1952), Gustave De Smet (1877-1943), Frits Van den Berghe (1883-1939), Paul Delvaux, René Magritte, Jean Brusselmans (1884-1953), Edgard Tytgat (1879-1957), Jo Delahaut (1911-1992), Anne Bonnet (1908-1960), Antoine Mortier (1908-1999), Pierre Alechinsky, Gaston Bertrand (1910-1994) e Louis Van Lint regularmente participavam das Bienais em São Paulo. Dessa forma, expor a coleção Simon exatamente aqui é uma maneira de renovar essa relação entre Bélgica e Brasil”, afirma Laura.

Serviço:

Exposição 100 Anos de Arte Belga – do Impressionismo ao Abstracionismo

Coleção Simon | Curadoria de Laura Neve

Local: Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp

Período expositivo:  de 4 de abril a 10 de junho de 2018

Horários: terça a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 10h às 20h

Agendamentos escolares e de grupos: 3146-7439

Classificação indicativa: livre

Grátis. Mais informações em www.centroculturalfiesp.com.br