Cluster aeronáutico de Montreal é tema de workshop na Fiesp

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Visando ao fomento de clusters (Arranjos Produtivos Locais) da indústria aeronáutica, o Departamento da Indústria de Defesa (Comdefesa) da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) realizou nesta sexta-feira (17/08), na sede da federação, o workshop “Promovendo vantagens competitivas institucionais e inovação em gestão de Recursos Humanos como forma de fomento à indústria: estudo sobre o cluster aeronáutico”, em parceria com o Centre de Recherche sur la Mondialisation et Le Travail (CRIMT), de Montreal.

O evento contou com a participação do codiretor de Pesquisa do CRIMT e professor de gestão de Recursos Humanos e Relações Industriais na HEC-Montreal, Christian Lévesque; do doutor Ph.D. em sociologia pela Universidade de Milão, Lorenzo Frangi; da mestre em administração de empresas pela Universidade de São Paulo (USP), Marcia Silveira; e do diretor do Comdefesa, Sérgio Vaquelli, que moderou o workshop.

Durante a explanação, representantes do CRIMT apresentaram o cluster aeronáutico de Montreal. Além disso, os convidados conheceram o trabalho de pesquisa desenvolvido pela instituição sobre os arranjos produtivos locais do setor aeronáutico na Europa, México, Estados Unidos e, agora, no Brasil.

De acordo com Marcia Silveira, o objetivo da parceria com a Fiesp é fomentar a indústria local para sua inserção no mercado global. “O que é importante para gente [CRIMT] é saber como cada indústria local pode se beneficiar da atuação das instituições, para mobilizar os melhores recursos de maneira mais adequada e conseguir fazer com que a empresa seja competitiva e gere empregos de qualidade”, avaliou.

Após a apresentação do projeto do CRIMT, os convidados participaram de uma dinâmica de grupo na qual foram discutidos os limites e potencialidades do cluster aeronáutico brasileiro.

Inovação

A gerente do Comdefesa, Maura Curci, destacou algumas ações desenvolvidas pelo Senai-SP nas áreas de aeronáutica e defesa, como a construção do Centro Senai de Tecnologias Aeronáuticas, localizada no Parque Tecnológico de São José dos Campos. A unidade será projetada para oferecer cursos regulares e de Formação Inicial e Continuada para a manutenção e montagem de aviões e helicópteros.

Além disso, segundo Maura Curci, o Comdefesa promoverá ciclo de debates com instituições tecnológicas. O primeiro encontro acontecerá no dia 14 de setembro, com representantes da Escola Politécnica da USP.

“A indústria que quiser inovar está convidada a participar e conhecer os projetos da Poli”, disse a gerente do Comdefesa, que adiantou: “No dia 21 [de setembro], vamos ouvir os representantes do Senai-SP e, na sequência, do Ita [Instituto de Tecnologia Aeronáutica], além de todos os institutos que estejam desenvolvendo tecnologia para que a indústria possa conhecer e neste momento se relacionar com os coordenadores dos projetos e, quem sabe, investir em inovação”.

Avançam estudos para criação de APLs de Movelaria e Vestuário em Araçatuba

Rubens Toledo, Agência Ciesp de Notícias

O bom momento econômico do Noroeste Paulista, ancorado na expansão do setor sucroalcooleiro, fez renascer um velho projeto no meio empresarial da região: a formação de Arranjos Produtivos Locais para as indústrias moveleiras e de vestuário.

Depois de 14 reuniões, sob a liderança do Ciesp Alta Noroeste, o projeto, com contornos definitivos, foi apresentado na última quinta-feira (27/1) a cerca de 30 empresas dos dois setores.

“Este é um passo importante. Mas as adesões devem continuar, tanto de empresas como também no âmbito da governança dos futuros APLs”, salientou Luiz Antônio Santos Pinto, diretor do Ciesp Alta Noroeste.

“Queremos contar com participação da Fatec e Etec de Araçatuba e também do nosso Sebrae, que não vimos aqui hoje”, lamentou o diretor do Ciesp. Uma nova reunião já está agendada para 24 de fevereiro.

Palestras e oficinas

No plano de ação, um programa de palestras e oficinas vai contemplar conhecimentos em gestão de tecnologia, gestão empresarial, marketing estratégico e noções de comércio exterior.

“No diagnóstico levantado, foram detectadas fortalezas e fragilidades dos setores. Teremos ações em três níveis: básico, médio e avançado, apropriados ao porte e perfil das empresas participantes”, afirmou a consultora Joene Pereira, que colaborou na formatação do programa juntamente com Ciesp e técnicos do Senai, Sesi e Sindicato da Indústria do Calçado e do Vestuário (Sinvest), de Araçatuba.

“Capacitação profissional é o nosso negócio”, pontuou Hamilton César Lucia, coordenador técnico da Escola Senai Duque de Caxias, de Araçatuba, unidade que abrigou o encontro.

“Estamos formatando cursos focados especialmente para a capacitação de operadores de produção em Móveis e também na área de confecção”, arrematou o coordenador.

Gestão Tecnológica e Empresarial

A execução do programa tem parceiros de peso na região, como o Centro de Tecnologia em Madeira (Cemad) do Senai de Votuporanga, unidade já com vasta experiência no Arranjo Produtivo de Mirassol e Jaci, na região de São José do Rio Preto, um dos mais importantes polos moveleiros no Estado.

O Sesi de Araçatuba já colocou dois produtos gratuitos à disposição das empresas: o diagnóstico de clima organizacional (que compõe o Programa Sesi de Qualidade no Trabalho) e o programa Indústria Saudável, com a participação de técnicos em Saúde (dentistas e enfermeiros).

“Acompanhamento clínico, relacionado com a saúde bucal, pressão arterial, hábitos alimentares e mesmo sessões de ginástica laboral influem significativamente no rendimento do trabalhador”, observou Salete Fracalossi, diretora do CAT Francisco da Silva Vilella, de Araçatuba. “Trabalhador com saúde produz mais e melhor, com menos faltas ao trabalho”, reforçou.

A Universidade Toledo ratificou sua participação no programa: “Vamos oferecer palestras, cursos e seminários em marketing estratégico, gerenciamento de marcas e outras ferramentas para a competitividade”, informou a pró-reitora Cristina de Souza. “Estamos trabalhando sobre dados levantados numa pesquisa de fôlego, uma verdadeira radiografia do setor, realizada pelas entidades da Indústria”.

O slogan “cooperar para competir”, vitorioso em Birigui, está sendo aplicado no programa de móveis e vestuário. “Sem esse espírito de união, nosso projeto estaria fracassado desde o início. Numa economia global, o concorrente pode estar do outro lado do Planeta, como é a China”, alertou a consultora Joene Pereira.

Investimentos em alta

A expansão do setor moveleiro e do setor de confecção vem na esteira de outro segmento, carro-chefe da economia na Alta Noroeste: o energético. A instalação de estaleiro pela Braspetro, à margem do Tietê, abre excelentes expectativas para os produtores de etanol, que visam não só ao mercado interno como também ao externo.

“O polo hidroviário de Araçatuba vai permitir escoamento da produção conjugado com dutovias e rodovias”, assinalou o secretário municipal de Desenvolvimento, Carlos Farias. “A esse investimento, a Prefeitura está aportando mais R$ 1,2 milhão em projetos de infraestrutura e serviços, em conjunto com o setor imobiliário”, completou Farias.