Iniciativas Sustentáveis: Braskem – Crise hídrica como oportunidade

Por Karen Pegorari Silveira

Cada vez mais as empresas estão sendo cobradas por suas ações e atentas à fiscalização que pode vir do governo, de entidades de defesa dos recursos naturais, mas principalmente do consumidor final. As companhias que não se atentarem a isso poderão ser seriamente afetadas financeiramente e se tornarem insustentáveis a um curto espaço de tempo.

O estudo Gerenciamento de riscos hídricos no Brasil e o setor empresarial: desafios e oportunidades, realizado pela Câmara Temática de Água, do Conselho Empresarial Brasileiro pelo Desenvolvimento (CEBDS/CTÁgua), relata que, no mundo, a captação de água triplicou nos últimos 50 anos e estima-se que 20% das reservas subterrâneas são explorados acima de sua capacidade de recuperação natural, afetando diretamente a sociedade e a economia.

Ainda, segundo o estudo, em poucos países no mundo se observa uma dependência tão forte em relação aos recursos hídricos e, dessa forma, muitas empresas perceberam que a crise poderia ser uma oportunidade de intensificar ainda mais os investimentos e ações para garantir a economia dos recursos hídricos e aprimorar o uso eficiente da água em seus processos.

A Braskem é uma dessas empresas que decidiu estabelecer o consumo consciente dos recursos hídricos como uma de suas principais metas. Para isso a companhia já investiu R$ 250 milhões em projetos voltados à eficiência hídrica e obteve uma economia de R$ 154 milhões em redução de custos com tratamento de efluentes líquidos e gastos operacionais. Com essa estratégia, a empresa manteve um índice de consumo estável, com aumento de apenas 0,5% desde 2002, seis vezes inferior à média da indústria química mundial (ICCA- International Council of Chemical Associations).

Para cumprir a meta de atingir o índice de 40% de utilização de água de reuso até 2020, uma das iniciativas tomadas em 2009, foi a parceria para o desenvolvimento dos Projetos Aquapolo, na região metropolitana de São Paulo, e o Agua Viva, em Camaçari, na Bahia. O objetivo era se antecipar a um cenário de restrição de recursos hídricos já previsto para essas regiões.

O Aquapolo tem a finalidade de produzir água industrial de alta qualidade a partir do esgoto doméstico gerado na Bacia do ABC. Ele é um projeto da SABESP e Foz do Brasil, do Grupo Odebrecht Ambiental, com parceria da Braskem, e irá fornecer água para 10 grandes indústrias do polo petroquímico da região que antes utilizavam água do Rio Tamanduateí e outras fontes complementares, num total de 380 litros por segundo, além de água potável da Sabesp num volume de 191 litros por segundo. A Braskem é o principal cliente deste projeto, com o consumo de 65% de sua capacidade, e utilizou cerca de 19 bilhões de litros de água de reuso apenas nos dois últimos anos. O Aquapolo é o maior empreendimento para a produção de água de reuso industrial na América do Sul, e quinto maior do planeta.

Já o Projeto Água Viva, fruto de uma parceria entre a Braskem e Cetrel, é considerado o maior projeto de reaproveitamento de água na indústria baiana e vai gerar economia mínima de 4 bilhões de litros ao ano para a companhia. Inaugurado em dezembro de 2012, com investimento superior a R$ 20 milhões, o projeto tem como objetivo garantir o suprimento hídrico a partir do tratamento de efluentes industriais e do aproveitamento de água de chuva. A iniciativa possibilita reduzir o uso de energia elétrica com a substituição de métodos de tratamento de água fluvial e efluentes por um processo único de reaproveitamento.

Para o gerente de Desenvolvimento Sustentável, Mário Pino, com essas iniciativas, a Braskem, traduz de maneira muito eficaz o compromisso público da companhia com o desenvolvimento sustentável, tendo a gestão hídrica como uma de suas principais preocupações. “Não nos limitamos a melhorar a pegada hídrica apenas das operações industriais, mas também atuamos em parceria com os clientes para desenvolver novos produtos ou novas aplicações que contribuam para a melhoria da eficiência no uso da água em sua cadeia de valor, inclusive com soluções intersetoriais e relacionadas a áreas como agricultura e saneamento, entre outras”, diz.

Mário Pino relata ainda que o consumo cada vez maior de água de reuso trouxe vantagens competitivas para a Braskem, principalmente em um cenário em que a preocupação com o desenvolvimento sustentável vai muito além do discurso, exigindo metas reais e tangíveis.

Sobre a Braskem

A Braskem é a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas. Com 36 plantas industriais distribuídas pelo Brasil, Estados Unidos e Alemanha, a empresa produz anualmente mais de 16 milhões de toneladas de resinas termoplásticas e outros produtos petroquímicos. Maior produtora de biopolímeros do mundo, a Braskem tem capacidade para fabricar anualmente 200 mil toneladas de polietileno derivado de etanol de cana-de-açúcar.