Polo aquático do Sesi-SP é campeão no Havaí

Agência Indusnet Fiesp

Faltava menos de um minuto para terminar o jogo que decidiria o campeão juvenil. A equipe do Sesi-SP, que esteve atrás no placar durante toda a partida, perdia de 5 gols a 4 quando o jogador Marco Antonio roubou uma bola espetacular, o atacante Pedro não desperdiçou e deixou tudo igual a 23 segundos do fim.

Campeões posam para foto já com as medalhas e a bandeira do Brasil. Foto Stephen Harman

E foi assim, no apito final do arbitro, que os brasileiros mostraram que ainda acreditavam no título. A disputa seria por pênaltis. Atletas e comissão técnica, abraçados, deixaram claro que a união do time faria a diferença.

Resultado: quatro pênaltis marcados pelos paulistas e apenas um convertido pelo favorito e tradicional time canadense British Columbia. De repente, a piscina estava verde e amarela com a conquista do primeiro título internacional dos garotos do polo aquático do Sesi-SP.

Para o treinador da equipe, Paulo Henrique Coutinho, os dois times que disputavam a final estavam bem tecnicamente. “A nossa vantagem foi a raça dos meninos, determinante para a nossa vitória”, conclui.

O goleiro brasileiro, Fernando Borrelli, foi escolhido o melhor jogador da competição (MVP). O atleta durante o jogo chegou a pensar que não haveria tempo suficiente pra reverter o resultado, mas quando a partida foi para a penalidade máxima ele aguentou a pressão e não permitiu que os canadenses tirassem onda dos brasileiros no Havaí.

“Esse título é para o meu pai, aproveitando que hoje no Brasil é Dia dos Pais. Ele sempre foi o meu maior incentivador no polo”, vibrou o jogador.


Sub-18

Jogadores vibram com a conquista

Mas as comemorações do dia não pararam por aí. Logo em seguida foi a vez do time sub-18 entrar na água para a disputa do terceiro lugar. O adversário, San José, já era conhecido dos garotos.

As duas equipes se encontraram na fase classificatória e o Sesi-SP já havia vencido por 8 a 5. Sem muita dificuldade, os brasileiros marcaram 15 gols a 8 e ficaram com o bronze, completando o pódio do Sesi-SP. “Estas duas conquistas proporcionaram uma bagagem inexplicável pra cada um desses meninos”, afirma Coutinho.

Assim, os garotos que chegaram ao Havaí desconhecidos para os adversários, ganharam confiança, se tornaram a preocupação dos outros times e venceram, desbancando equipes tradicionais.

“As nossas conquistas aqui nos Estados Unidos mostram que a estrutura montada pelo Sesi-SP chega a ser melhor que a de grandes potências mundiais da modalidade”, completou o preparador físico e fisiologista Paulo Rose.

Equipes de polo aquático do Sesi-SP estão na semifinal de torneio no Havaí

Agência Indusnet Fiesp

O desempenho das equipes de polo aquático do Sesi-SP e a simpatia dos atletas têm rendido torcida para o Brasil no 41st Annual Hawaiian Water Polo Tournament, realizado em Honolulu. As duas categorias que estão na disputa do torneio (júnior e juvenil) partem para a semifinal neste sábado.

Polo aquático do Sesi-SP, no Havaí, vem conquistando admiradores. Foto: Stephen Harman

Para garantir a vaga, a equipe sub-18 precisou vencer o time Fault Valley por 14 a 4. Mesmo com a boa vantagem final no placar, o resultado não explica claramente a dificuldade da partida, especialmente no primeiro quarto.

Os adversários empatavam gol a gol com os brasileiros, e, só depois que balançou a rede pela quarta vez é que o Sesi-SP mostrou a superioridade da equipe. Passada a primeira disputa de mata-mata, agora a vaga na final será decidida no jogo contra o Team BC.

Já a garotada do sub-16 entrou na piscina nesta sexta-feira (7) apenas para cumprir tabela. Com a invencibilidade no torneio, a equipe já havia garantido vaga na semi-final. Ainda assim os garotos mostraram que não estão brincando. Derrotaram o Kings por 22 gols a 5.

Os resultados positivos refletem o trabalho forte na base. Segundo Mário Quaranta, supervisor de esportes de alto de rendimento do Sesi-SP, a estrutura que a entidade oferece é referência.

As atletas têm transporte da escola para os treinos, diariamente, para evitar desgaste físico e estresse. Desde a hospedagem à alimentação planejada, passando pela infraestrutura das piscinas e equipamentos para condicionamento físico, tudo é cuidadosamente estabelecido pela comissão responsável. “Até o nosso uniforme tem feito sucesso. As pessoas me perguntam onde fizemos”, complementa Quaranta.

Com toda esta base, o time de polo aquático do Sesi-SP vem conquistando admiradores dentro e fora do País. Na última partida, a atleta americana Lia Gordon, na disputa feminina do campeonato havaiano, fez questão de ser apresentada aos times do Sesi-SP.

Equipe do Sesi-SP estreia com vitória no mundial de polo aquático

Agência Indusnet Fiesp

Equipe de pólo aquático treina no Sesi. Foto: Mônica Ramos

Na abertura de um dos mais tradicionais torneios de polo aquático do mundo, o time Júnior venceu fácil a equipe americana Wind n Sea. Os garotos do Sesi-SP logo abriram boa vantagem e fecharam a partida marcando 9 gols contra apenas 3 dos adversários.

“Essa primeira vitória foi importante porque estávamos muito ansiosos e derrubamos esta barreira”, confirmou o armador Cássio Ferraro.

Em seguida foi a vez da equipe Juvenil mostrar superioridade. Enfrentando os donos da casa, Iolani High School, o time do Sesi-SP balançou a rede 17 vezes. Os anfitriões, com 9 gols, perderam diante da torcida.

Para o técnico das duas equipes brasileiras, Paulo Henrique Coutinho, a estreia do País na competição foi perfeita. “Os jogadores estão bem sincronizados e ganharam muita confiança. O Brasil mostrou que tem time e, agora, os próximos adversários vão se preocupar mais com a gente”, completou.

O evento será realizado até o próximo dia 9 de agosto, e as provas estão sendo disputadas em cinco piscinas na capital do Havaí.

Equipes recebem orientações do técnico Paulo Henrique Coutinho

Nesta briga pelo primeiro título internacional, não falta vontade para o time do Sesi-SP, afinal a equipe percorreu um longo caminho até aqui. Literalmente, já que 13 mil quilômetros separam São Paulo de Honolulu. Foram 18 horas de voo e sete horas a menos no fuso horário, mas nem mesmo toda essa confusão abalou o entrosamento dos jogadores.

“Eles já pegaram o ritmo da competição e a tendência é melhorar ainda mais a cada jogo”, garantiu o treinador.

Na segunda rodada, é a vez do juvenil enfrentar a equipe californiana Wind n Sea. Os meninos da categoria Júnior encaram o time Long Beach.