Estado americano do Texas quer ampliar negócios com Brasil

Agência Indusnet Fiesp

 

Com o intuito de desfazer percepções errôneas sobre o Texas, a primeira-dama daquele Estado, Anita Perry, se encontrou nesta terça-feira (16) com empresários brasileiros na sede da Fiesp.

Roberto Giannetti, diretor do Derex Fiesp, e Anita Perry, primeira-dama do estado do Texas (EUA)

“Já substituímos os cavalos por carros. E não temos mais tantas ervas daninhas, mas ainda usamos bota e chapéu de cowboy”, brincou.

Acompanhada de uma comitiva do governo texano, Anita destacou facilidades para investidores.

Dentre elas estão: a baixa carga tributária – o Texas faz parte dos 10 estados americanos com menor incidência de impostos – e o moderno aeroporto de Dallas – que tem um sistema de hub (aeroporto de distribuição de vôos) dos mais eficientes do mundo, segundo informações da primeira-dama.

Anita disse ainda que em 2008 a economia do Estado cresceu três vezes mais que a dos Estados Unidos, e que se fosse um país, o Texas seria a 12ª economia do mundo.

As principais indústrias brasileiras instaladas por lá são: Petrobras, Santana Têxtil, Votorantim, Gerdau e Tramontina.


Balança

De acordo com o diretor-titular do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, Roberto Giannetti da Fonseca, a balança comercial entre o Estado do Texas e o Brasil é equilibrada.

Em 2008, o Brasil exportou cerca de US$ 6 bilhões para o Texas e importou US$ 5,2 bilhões do Estado americano.

“Acreditamos que muitas empresas brasileiras ainda encontrarão ambiente de negócios favorável para se instalarem no Texas”, comentou.