Coinfra debate planos de privatização e concessão da prefeitura paulistana

Mayara Baggio, Agência Indusnet Fiesp

O Conselho Superior de Infraestrutura da Fiesp (Coinfra) recebeu nesta quarta-feira (8/3) o responsável pela nova secretaria de desestatização e parcerias da cidade de São Paulo, Wilson Poit.

Em exposição aos empresários sobre os planos da gestão tucana no município, Poit falou sobre as 55 prioridades do seu trabalho, com destaque para 10 ações de privatização e concessão que serão realidade até o fim deste ano.

Tais metas envolvem o Autódromo de Interlagos, o complexo da SPTuris, mais conhecido como Anhembi, em que a prefeitura possui 96% de participação, os imóveis vacantes da cidade, que somam mais de 1.000 unidades, e os 107 parques municipais, que atualmente representam uma despesa anual de R$ 160 milhões para a prefeitura.

Além disso, o secretário lembrou da administração de cemitérios, da parceria público-privada (PPP) para iluminação pública, da gestão de mercadões municipais e dos terminais de ônibus paulistas. “Não faz sentido o município gerenciar campos de futebol e ter filas para creche. Temos que focar no essencial”, defendeu.

Poit explicou ainda que a prefeitura prepara um projeto municipal de desestatização que deverá valer também para as próximas gestões. “A ideia é que o recurso economizado com as parcerias vá para um fundo de desenvolvimento que priorizará saúde e educação, seguidos pelas áreas de segurança urbana e mobilidade”, completou.

Reunião do Coinfra, da Fiesp, com a participação de Wilson Poit. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Reunião do Coinfra, da Fiesp, com a participação de Wilson Poit. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Familiaridade com equipamentos é vantagem competitiva para brasileiros na Worldskills

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

Um dia após a abertura oficial do evento, a Worldskills São Paulo 2015 chega ao fim do primeiro dia de provas. O espaço do Anhembi Parque, incluindo o sambódromo, palácio e o pavilhão de exposições, recebeu os mais de 1.200 competidores de 60 países que disputarão medalhas em 50 ocupações da indústria e do setor de serviços.

Para o coordenador da equipe do Senai-SP na competição mundial, José Carlos Dalfré, o fato de competir em casa ajuda bastante, mas não é determinante para o resultado final. “Mais importante é ter a familiaridade com as máquinas utilizadas nas provas. Ao contrário de outras edições, em que os nossos alunos tinham contato com os equipamentos apenas alguns dias antes da competição, na Worldskills São Paulo eles tiveram a chance de treinar nas máquinas escolhidas para o evento com muitos meses de antecedência, e isso será um grande ponto a favor de nossa equipe”, destacou.

A vantagem competitiva não é, no entanto, exclusividade da delegação brasileira. Segundo Dalfré, países como Coreia e Japão investiram pesado para a competição. “Assim que souberam que sediaríamos esta edição do torneio, os asiáticos compraram as máquinas e equipamentos que seriam utilizadas na competição.”

Dalfré também elogiou a cerimônia de abertura, realizada na noite desta terça-feira, no Ginásio do Ibirapuera. “Foi um grande espetáculo. Foi tão belo e contagiante que dava até para ver alguns estrangeiros arriscando passos de dança na arquibancada”.

Qualidade técnica
O alto nível de organização não se restringe ao aspecto artístico e visual que impressiona. Para Roberto Spada, diretor de Relações Externas do Senai-SP, vice-presidente da Worldskills e CEO da Worldskills Américas, a qualidade técnica do evento é algo que também merece destaque.

“Parte do sucesso do evento se deve ao Senai, parceiro da Worldskills e realizador do evento. Para esta edição, a maior de todas, conseguimos atingir um alto nível de excelência. Tão bom quanto um evento bem feito é saber que os conceitos da organização serão difundidos em nosso país”.

A edição de 2019 do mundial será na Rússia. E para o coordenador da delegação russa, Mikhail Evnevich “foi muito emocionante ouvir o anúncio de que nosso país sediará a competição, por saber que poderemos ajudar a difundir os objetivos da Worldskills na Rússia”.

O russo também se disse surpreso com a infraestrutura e elogiou a escolha de São Paulo para a edição deste ano.

“Este é o maior de todos os eventos de que participei. A escolha do Anhembi Parque foi acertada porque todos os eventos estão no mesmo lugar. Ter tudo no mesmo conjunto facilita tudo, porque são muitas competições, todas ao mesmo tempo, com grande quantidade de pessoas envolvidas”, disse Evnevich ao lembrar que já participou de edições divididas em mais de uma cidade. “Isso dificulta toda a logística”.

Treinadores de técnica e de emoções para os competidores da WorldSkills São Paulo 2015

Isabela Barros

A missão deles é nobre. E não se resume a preparar, tecnicamente, os competidores do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) para a WorldSkills São Paulo 2015, a principal competição de formação profissional do mundo. O evento, a ser realizado entre os dias 12 e 15 de agosto no Pavilhão de Exposições do Anhembi, na capital paulista, reúne 1,2 mil jovens de 60 países. Assim, para lidar com tamanha concorrência, só mesmo tendo orientadores que ajudem a trabalhar com dedicação e, ao mesmo tempo, lidar com a ansiedade às vésperas do torneio.

“Meus dois alunos têm chances de ganhar porque são dedicados e têm conhecimento de suas áreas”, afirma a instrutora Patrícia Magi.

Responsável pela preparação de estudantes do Senai-SP que tentam uma medalha de ouro nas áreas de Tecnologia da Informação e Web Design, ela orienta os dois a cuidarem da mente e do corpo para fazer bonito na disputa. “O horário da academia faz parte do cronograma de atividades de um deles”, conta. “É a hora em que ele relaxa e não pensa em nada depois de treinar até 12 horas por dia”.

O outro, menos animado com as atividades físicas, faz caminhada e exercícios de respiração por recomendação da instrutora. “Ele adora dormir, o que também é ótimo para manter a cabeça relaxada”.

Administrando conflitos

Com três estudantes em seu time para a WorldSkills, Marcos Batisttete quer que todos se saiam bem nas provas de Manufatura Integrada. Tendo como desafio desenvolver um produto em pleno Anhembi, se sairá melhor quem for criativo e tiver conhecimento da área. “Todos merecem ter um bom desempenho”, conta.

Para isso, além dos treinos de duração média de oito horas por dia inclusive aos “sábados e feriados” nos últimos cinco meses, é preciso orientar o trio em relação à administração de conflitos. “As exigências técnicas e emocionais são grandes numa competição como essa”, diz. “Por isso falamos muito sobre tolerância e paciência”.

Superação a cada dia

No caso do instrutor Tales Justino, responsável por um estudante que compete na categoria Desenho Mecânico em CAD, outro atributo destacado na preparação para o torneio é a capacidade de se superar a cada dia. “Meu competidor é um jovem centrado e estimulado a se aprimorar sempre”, conta.

Além disso, está a favor dele o histórico de medalhas do Brasil na categoria. “Ganhamos a medalha de prata na WorldSkills em 2013 e de ouro em 2011 e em 2009”, diz.

Quando o discípulo vai além do mestre

Treinador de dois alunos, um na categoria Web Design e outro na de Design Gráfico, William Martins também tem histórico na competição. Ele ficou em quarto lugar na modalidade Web Design na disputa em 2013, quando o evento foi realizado em Leipzig, na Alemanha.

“Meus competidores estão mais preparados do que eu quando participei do torneio”, conta. “Têm todas as chances de ganhar”.

Para ele, a preparação diária de oito horas de trabalho é importante, mas desde que seja complementada por preparo emocional. “É fundamental fazer parte de uma equipe na qual você se sinta amparado”, afirma.

Um amparo que, em cada escola do Senai-SP, não falta aos jovens talentos que sonham com uma medalha na WorldSkills São Paulo 2015.

 

Da esquerda para a direita: Marcos, Patrícia e William são instrutores de alunos do Senai-SP que vão competir no WorldSkills. Acompanhamento para lidar com a ansiedade antes das provas. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Muito treinamento e foco para vencer na WorldSkills São Paulo 2015

Isabela Barros

Não importa que sejam necessárias 12 horas de treinamento por dia, muitas vezes até nos finais de semana. Nem que a pressão só tenda a aumentar nos próximos dias. É com alegria que os participantes da WorldSkills São Paulo 2015, a principal competição de formação profissional do mundo, falam da disputa. E do esforço para chegar ao final do torneio, que será realizado entre os dias 12 e 15 de agosto no Pavilhão de Exposições do Anhembi, com uma medalha de ouro pendurada no peito. O evento reunirá 1,2 mil competidores de 60 países. Fazem parte desse time quatro alunos da Escola Senai Suíço-Brasileira Paulo Ernesto Tolle, no bairro de Santo Amaro, na capital.

“Treino entre dez e 12 horas por dia há três meses”, conta Danilo Rodrigues Oliveira, de 20 anos, aluno da unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) e concorrente da ocupação Redes de Cabeamento Estruturado na WorldSkills São Paulo.

Oliveira: 12 horas de treinamento todos os dias

Oliveira: 12 horas de treinamento todos os dias. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Aluno do curso de Redes de Computadores na Suíço-Brasileira entre 2011 e 2013, ele está disposto a trazer uma medalha inédita para o Brasil em sua modalidade. De tanto treinar, diz que já não se sente mais tão nervoso com a proximidade do torneio. “Essa preparação vai nos deixando mais seguros”, explica. “E universidade nenhuma poderia me dar o embasamento técnico e as oportunidades que o Senai-SP me deu”.

Dieta e foco na solução de problemas

Em preparação para a WorldSkills desde março de 2013, Carlos Eduardo Camargo de Araújo Silva, de 19 anos, adora solucionar problemas. Depois de fazer o curso técnico em Redes de Computadores na Suíço-Brasileira, ele se prepara para tentar uma medalha na ocupação Design Gráfico.

“Na prova, temos que executar, em seis horas, projetos que, no mercado, podemos levar até oito meses para concluir”, explica.

Para chegar à disputa firme e forte, Silva treina oito horas por dia. E cuida da saúde para que nada o atrapalhe no Anhembi. “Fiz dieta e ganhei 16 quilos de massa magra”, conta.

Tanto foco rumo ao primeiro lugar se justifica: Silva tem familiaridade com o topo do pódio. “Tenho mais de 80 medalhas de ouro em casa, do tempo em que participava de competições de natação, dos sete aos 15 anos”, conta.

Lição de paciência

Além de aprenderem a ter foco, os talentos do Senai-SP que se prepararam para encarar a WorldSkills têm a oportunidade de aprimorar, ainda, a habilidade da paciência enquanto esperam pelo torneio. Que o diga o competidor na categoria Soluções de Software para Negócios Patrick Ens, de 20 anos.

“Aprendi a ter paciência, a treinar muito e a ser companheiro”, conta ele.

Aluno da Suíço-Brasileira desde 2011, quando entrou no curso de Redes de Computadores, ele destaca o fato de “nunca ter aprendido nada que fosse inútil” na instituição. Um conhecimento que ele hoje aplica em suas 12 horas diárias de preparação para a disputa no Anhembi. “O clima é de seriedade e de vontade de fazer o melhor”, diz. “Não tenho outra meta hoje além de conseguir uma medalha de ouro na WorldSkills”.

Ens: seriedade e vontade de vencer. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Ens: seriedade e vontade de vencer. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Além da teoria

Também determinado a chegar em primeiro lugar, Giovanni Shiroma, de 22 anos, se prepara para a prova de Web Design desde 2013, seguindo uma rotina diária de 12 horas de treino.

Aluno da Suíço-Brasileira desde 2011, quando entrou no curso de Redes de Computadores, ele destaca o fato de que, na instituição, teve aulas que foram muito além da teoria. “A teoria só faz sentido quando a gente pratica”, afirma.

Assim, ele se prepara para “saber lidar com a pressão e organizar o tempo de execução das provas”. “Na prática, nem eu nem ninguém desenvolve um site em duas horas e meia”, explica.

Shiroma: habilidade para lidar com a pressão. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Shiroma: habilidade para lidar com a pressão. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Independentemente do tamanho do desafio, Shiroma e seus companheiros de Senai-SP estão prontos para brilhar diante do mundo quando a WorldSkills começar.

 

Na Bienal, Sesi-SP Editora lança o livro ‘1ª Mostra Literária do Sesi-SP’

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

“O destino de uma criança/É de acreditar e ser feliz/Ser astronauta ou filósofo/Ou montar seus próprios gibis”. Essa é uma das estrofes do poema Profissão, do aluno do Sesi-SP de Santo Anastácio, Heitor Correia Montagnini Santos, uma das produções que faz parte do livro “1ª Mostra Literária do Sesi-SP”, lançado nesta sexta-feira (29/08), na Bienal Internacional do Livro, no Anhembi, em São Paulo.

A obra reúne contos, poesias e ilustrações dos estudantes de três níveis de ensino, finalistas da mostra literária nas três categorias. Os temas dos trabalhos foram definidos pela organização da iniciativa, que quis destacar o cotidiano dos alunos.

A primeira edição da mostra, realizada em 2013, resultou em cerca de mil trabalhos, que correspondem aos primeiros e segundos colocados em cada categoria de todas as escolas Sesi-SP do estado. Destes, foram selecionados pelos analistas técnicos educacionais de arte e de língua portuguesa as 19 produções que compõem o livro.

O livro com textos e ilustrações dos alunos do Sesi-SP: registros do cotidiano. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

O livro com textos e ilustrações dos alunos do Sesi-SP: registros do cotidiano. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

 

A supervisora de bibliotecas de toda a rede Sesi-SP e idealizadora da mostra literária, Enisete Malaquias, explica que o livro reflete o trabalho realizado na rede.

“O Sesi-SP tem um avanço com relação às outras escolas porque coloca em prática o trabalho do bibliotecário escolar. Hoje, há escolas que têm biblioteca, mas não uma biblioteca escolar, que vai além de estar lá para quando o aluno precisar, mas sim acompanha o professor, agregando no processo de ensino e aprendizado.”

Lançamento

Os alunos que mostraram seus trabalhos no livro estiveram no evento de lançamento, no estande da Sesi-SP Editora na Bienal. E agradeceram a oportunidade de participar do projeto.

“Espero que isso incentive outras pessoas a escreverem”, disse Marina Morales Rigueti, de 15 anos, estudante do 9º ano do Sesi-SP de Guararapes, que participou na categoria conto. “Recebi muito incentivo do bibliotecário e da professora, porque eles sabem que eu sempre gostei muito de ler e escrever. Quando recebi o resultado, foi uma emoção indescritível, algo que eu vou levar para a vida toda.”

Em seu discurso, Célio Henrique Garcia Chiquini, de 12 anos, agradeceu a mãe pelas ideias, a professora pelo apoio, a bibliotecária pelo incentivo e o Sesi-SP pela oportunidade de revelar novos escritores.

“Quando fiquei sabendo do concurso, comecei a pensar, mas não nenhuma ideia boa. Depois que eu vi o filme ‘Truque de mestre’, resolvi misturar os temas magia e literatura. E deu certo”, lembra o aluno do Sesi-SP de Garça. “Foi uma emoção muito grande ver meu conto publicado no livro.”

Guernica

Na categoria ilustração, Erivelton da Silva Pereira, de 16 anos, ficou em 1º lugar na sua faixa etária, representando o Sesi-SP de Suzano. “A proposta era fazer a releitura da obra “Guernica”, do Picasso. Minha ideia foi usar a ilustração para falar de obesidade. Fiquei muito feliz ao ver o livro”, conta o jovem, que pretende seguir carreira na área artística e fazer faculdade de design.

“Participei na categoria ilustração, mas gosto de escrever e desenhar”, disse Juliana Monteiro Peixinho, de 15 anos, aluna do 1º ano do ensino médio, do Sesi-SP de Mogi das Cruzes. Tendo como tema os grandes escritores brasileiros, a estudante fez uma caricatura de Ariano Suassuna. “Fiquei triste quando ele morreu, porque meu sonho era conhece-lo.”

Para Juliana, estudar no Sesi-SP foi fundamental para desenvolver o gosto pela leitura e pela escrita. “Ajudou muito, muito, muito. O Sesi-SP dá o maior apoio em todas as áreas, seja na ciência, no esporte ou na literatura.”

No fim do evento, o escritor José Santos, autor do livro “Matintapereira”, conversou com os estudantes sobre a importância da leitura e da biblioteca.

O estande da Sesi-SP Editora na Bienal fica na Rua I, no número 598. O evento segue até este domingo (31/08) no Anhembi.

Para conferir o catálogo completo da editora, só clicar aqui.

 

Sesi-SP Editora lança box com 4 livros sobre atividade física e treinamentos corporativos

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

A tarde desta quinta-feira (28/08) foi de muita atividade no estande da Sesi-SP Editora na Bienal Internacional do Livro, no Anhembi, em São Paulo. Durante o lançamento do box “Sesi-SP Qualidade de Vida”, com quatro volumes temáticos sobre exercícios e treinamentos variados, monitoras do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) convidaram os frequentadores da feira para se mexer um pouco no espaço.

“Adorei a ginástica”, disse a empresária Mary Stella Cardoso, de 37 anos, no local ao lado do filho, Pietro, de seis anos. “Faço pilates e acho ótima a iniciativa do Sesi de estimular a prática o esporte entre os trabalhadores da indústria”.

A dinâmica realizada nesta quinta-feira no estande da Sesi-SP Editora: qualidade de vida. Foto: Isabela Barros/Fiesp

A dinâmica realizada nesta quinta-feira no estande da Sesi-SP Editora: qualidade de vida. Foto: Isabela Barros/Fiesp

O box, vendido por R$ 121,90, vem com quatro livros, todos voltados para os empreendedores interessados em estimular a qualidade de vida e a qualificação de seus funcionários: “Treinamento sob Medida”, “Assessoria para ADC”, “Treinamento Corporativo” e “Ginástica na Empresa”.

Em “Treinamento sob Medida”, são oferecidas orientações para a prática de atividades físicas com o objetivo de combater doenças e melhorar o clima organizacional nas empresas. As dicas envolvem até a organização de passeios de mountain bike e corrida em grupo.

Já “Assessoria para ADC” tem como objetivo apoiar a gestão das Associações Desportistas Classistas (ADCs), destacando pontos como localização e organização dos ambientes, por exemplo.

“Treinamento Corporativo” traz sugestões de como trabalhar pontos como motivação, liderança e cooperação a partir de práticas e dinâmicas variadas.

Por fim, “Ginástica na Empresa” volta ao tema do esporte com ênfase em pontos como ginástica laboral, ergonomia e qualidade de vida.

O box Sesi-SP Qualidade de Vida, lançado nesta quinta-feira (28/08) na Bienal. Foto: Isabela Barros/Fiesp

O box Sesi-SP Qualidade de Vida, lançado nesta quinta-feira (28/08) na Bienal. Foto: Isabela Barros/Fiesp

 

O estande da Sesi-SP Editora na Bienal fica na Rua I, no número 598. O evento segue até este domingo (31/08) no Anhembi.

Para conferir o catálogo completo da editora, só clicar aqui.

Sesi-SP assina convênio para ‘Atleta do Futuro’ com mais três municípios

Guilherme Abati, Agencia Indusnet Fiesp

Nesta sexta-feira (01/08), o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) firmou parceria para desenvolvimento do convênio esportivo Programa Atleta do Futuro (PAF) com três municípios do estado de São Paulo: Anhembi, Bofete e Itatinga.

No início da manhã, a parceira com a cidade de Anhembi foi formalizada, com a assinatura do contrato no gabinete do prefeito do município, Gilberto Tobias Morato. Em Anhembi, 100 crianças do sistema municipal de educação terão aulas de futebol. “Independente do desempenho esportivo dos jovens, o interessante do programa que firmamos agora é a contribuição humanitária para o futuro cidadão”, disse o prefeito.

Para o diretor da Divisão de Esporte e Qualidade de Vida do Sesi-SP, Alexandre Pflug, o PAF é uma oportunidade única para a criança poder escolher o esporte que quer praticar ao longo da juventude.

“Muitas vezes, um jovem que não tem facilidade com futebol acaba desistindo de praticar esportes. Com o PAF, temos vivências em muitas modalidades. Assim ele tem tempo de encontrar sua inclinação esportiva e praticar atividades físicas continuamente”, disse o diretor.

Bofete

Em seguida, foi formado o convênio com a cidade de Bofete, onde 100 alunos terão aulas de futsal. O prefeito, Claudécio Eburneo, agradeceu a oportunidade que o Sesi-SP dá na qualificação da formação de jovens cidadãos.

“Nosso município, muitas vezes, tem dificuldades de atender a todas as necessidades da população. Temos muitos gastos em saúde aqui em Bofete. Um dos inúmeros fatores positivos do PAF é que ele é preventivo, age diretamente na saúde e bem estar das pessoas”, disse Eburneo.

Itatinga

A última assinatura do dia aconteceu na cidade de Itatinga, onde 400 jovens terão práticas em capoeira, futebol, tênis de mesa, futsal e handebol. Na ocasião, Pflug novamente ressaltou a importância de disponibilizar modalidades esportivas variadas para os jovens. “O PAF tem essa inclinação de fugir do padrão. Também ofertamos modalidades diferentes para que toda garotada tenha vontade de aprender”, explicou.

O prefeito Paulo Apolo agradeceu ao Sesi-SP pela iniciativa. “Formação esportiva faz parte da formação de qualquer cidadão do bem. É uma alegria pra Itatinga receber o PAF”.

Sobre o PAF  

Além da prática esportiva, os alunos do PAF recebem orientação em temas transversais como saúde, trabalho, consumo consciente, meio ambiente e pluralidade cultural, dentre outros. Os instrutores trabalham para difundir valores como ética, superação, autoestima e socialização, com o intuito de ajudar o aluno a se desenvolver de modo pleno.

O Programa contempla crianças e jovens entre 6 e 17 anos e as atividades estão organizadas em três fases, adequadas para cada faixa etária.Na fase que compreende crianças entre seis e oito anos, os instrutores trabalham para promover qualidade de vida, integração e socialização por meio de jogos e brincadeiras lúdicas.

A partir dos oito anos, os participantes iniciam a prática esportiva, conhecendo as diversas modalidades e suas diferenças.  Então, dos 11 aos 17 anos, os alunos optam por uma modalidade e realizam treinos específicos. Nesta fase, os atletas podem representar a equipe do Sesi-SP em competições estaduais e nacionais.

Por se tratar de programa de formação esportiva com metodologia própria do Sesi-SP, as aulas esportivas são complementadas por intensa programação nos finais de semana com a participação da família. Todos os profissionais envolvidos passam por capacitações e os alunos têm acesso a todos os materiais necessários para a prática de diferentes modalidades de esporte.

Retrospectiva 2013 – Depois do sucesso deste ano, Festemp será ampliado em 2014

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Um festival voltado exclusivamente para a educação empreendedora, com programas de capacitação, rodadas de negócios e debates, e que contou com a presença de mais 6 mil pessoas foi a grande realização Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em 2013. Mas não foi apenas o Festemp que se destacou entre as realizações do comitê. Reuniões mensais com a presença de empresários e personalidades de diferentes perfis também agitaram o ano.

Festemp

A edição 2013 do Festival do Empreendedorismo (Festemp) no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em setembro, presenteou o público com palestras e atividades diversas voltadas para a educação empreendedora, com programas de capacitação, rodadas de negócios e debates.

Para o diretor titular do comitê, Sylvio Gomide, o Festemp foi um “divisor de águas”.

Gomide no Festemp: um divisor de águas para os jovens empreendedores. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Gomide no Festemp: um divisor de águas para os jovens empreendedores. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Durante a abertura do evento, Gomide ressaltou a importância do empreendedorismo para a economia nacional. “É o empreendedorismo que gera mais empregos, mais renda, mais arrecadação de impostos”, disse.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, fez questão de elogiar a iniciativa. “O que está acontecendo aqui no Anhembi é algo muito positivo para o país”, afirmou Skaf.  “Empreendedorismo é pensar o futuro”, completou, na ocasião.

Reunindo empreendedores, executivos, universitários, free lancers e pesquisadores, o foco da feira foi a formação de novos líderes, além de refletir sobre a cultura empreendedora, que cada vez ganha mais espaço e relevância na economia nacional.

Entre os palestrantes do evento estiveram o presidente do Grupo Boticário, Artur Grymbaum; o fundador do site Netshoes, Marcio Kumruian; o presidente do Linux Internacional, Jon Maddog Hall; o fundador da rede de lojas de chocolate Cacau Show, Alexandre Tadeu da Costa e a jornalista Renata Fan, primeira mulher a apresentar uma mesa redonda diária na TV aberta no Brasil.

Skaf e Renata, ao centro: estímulo à força de vontade e ao empreendedorismo. Foto: Talita Camargo/Fiesp

Skaf e Renata, ao centro: estímulo à força de vontade e ao empreendedorismo. Foto: Talita Camargo/Fiesp

 

Maratona

Além das palestras, o Festival realizou uma maratona de 15 horas a fim de criar um aplicativo gratuito de apoio aos empreendedores, o Hackathon.  Foram 150 inscritos, entre programadores, designers e demais profissionais ligados à tecnologia da informação.

O vencedor foi o aplicativo “Ponto Certo”, projeto que tem a finalidade de auxiliar pesquisas de mercado, buscando os preços mais acessíveis com o objetivo de facilitar a tomada de decisão do empreendedor.

Outra atração foi o Jovem Executivo, que deu a oportunidade para 30 jovens talentos serem entrevistados por alguns dos cem maiores departamentos de recursos humanos de empresas brasileiras.

Já o Acelera Startup, uma arena de aceleração, teve 950 inscritos. A atividade deu a chance de jovens inovadores apresentarem seu negócio a uma banca de investidores.

Para Gomide, o Festemp ultrapassou o modelo “ultrapassado” de palestras. “Conseguimos realizar dinâmicas voltadas para os desafios do dia a dia. Foram dois dias de muita troca de experiências”, analisou ele, que já prepara as surpresas da edição 2014 do festival.

Segundo Gomide, devido ao sucesso do Festemp, a edição do próximo ano terá que ser ampliada. “Devido à procura, o Acelera, o Hackaton e o Jovem Executivo serão eventos separados do Festemp. O Acelera acontecerá na primeira quinzena de março. O Hackaton na segunda quinzena de março. O Jovem Executivo na primeira quinzena de abril”, revelou.

Alguns números do Festemp: 10 mil inscritos, 300 empresas aceleradas, 30 jovens no Programa Jovem Executivo, 30 programadores no Hackaton e 53 palestras realizadas.

Não faltaram histórias inspiradoras

O CJE realizou, ao longo de todo este ano, reuniões, palestras e encontros. Não faltaram histórias inspiradoras, contadas por personalidades de diferentes perfis.

Nesse sentido, o mês de maio reservou ao público um momento especial. Foi realização de um ‘sonho’ para o CJE, conforme Sylvio Gomide classificou a palestra do prêmio Nobel Muhammad Yunus.  O bengalês emocionou o publico ao relembrar sua luta contra a pobreza extrema.

Yunus também detalhou como foi a fase inicial do Grameen Bank, banco que fundou para oferecer microcrédito para milhões de famílias pobres de Bangladesh. “Tudo o que fiz foi encarar de maneira simples os problemas que se apresentavam”, disse, diante de cerca de 900 pessoas, no Teatro do Sesi-SP.

Presente ao encontro, Paulo Skaf enalteceu o trabalho inspirador do bengalês. “A importância de dar oportunidade para as pessoas e valorizar as boas ideias foi exaltada”, afirmou.

Em março, José Seripieri Filho, fundador de uma das pioneiras no mercado de planos coletivos por adesão, a Qualicorp, considerada a maior administradora de benefícios do Brasil, realizou palestra na Fiesp, a convite do CJE. Na ocasião, afirmou que o Brasil é um país ‘milagroso’ para o empreendedorismo.

No mês de abril, foi a vez de mulheres bem sucedidas compartilharem suas experiências no mundo dos negócios.  Carolina Sandler, Cristiana Arcangeli, Lala Rudge e Sônia Hess contaram como transformaram suas ideias e vontade de empreender um cases de sucesso.

“Apesar de terem perfis diferentes, essas quatro bem sucedidas empresárias compartilham de uma característica em comum: todas são guerreiras”, opinou Skaf após as apresentações.

Em junho, as palestrantes foram a jornalista Ana Paula Padrão e a fundadora e presidente do Lide Futuro e idealizadora do Like the Future, Patrícia Meirelles.

Patrícia Meirelles e Ana Paula Padrão na reunião ordinária do CJE/NJE. Foto: Julia Moraes/Fiesp

Patrícia Meirelles e Ana Paula Padrão na reunião ordinária do CJE/NJE. Foto: Julia Moraes/Fiesp

 

O criador do site Duolingo foi o convidado do CJE de agosto. “Queria fazer algo ligado à educação e que realmente ajudasse a mudar o mundo”, explicou Luis von Ahn, que ainda afirmou ser possível ir longe a partir do trabalho baseado na capacidade de aprendizado e superação.

Em outubro, foi a vez de Jorge Gerdau Johannpeter, presidente do Conselho de Administração do Grupo Gerdau, relembrar sua trajetória de sucesso e trabalho. O empresário aproveitou o encontro para criticar questões que, a seu ver, afetam a competitividade nacional.  “Pelo menos 60% dos problemas do Brasil podem ser resolvidos se o país tivesse qualidade da educação, enfrentasse os gargalos logísticos e revisse o sistema tributário”, opinou.

Para fechar o ano, o empresário e criador do UFC, Rorion Gracie, foi o astro da reunião mais disputada do CJE, em novembro. Por mais de uma hora, Gracie brindou os participantes com lições de força de vontade, astúcia e, claro, empreendedorismo.

Gracie: lições de criatividade e espírito de luta para superar adversidades. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Gracie: lições de criatividade e espírito de luta para superar adversidades. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

 

Campus Party 2013

O Comitê de Jovens Empreendedores marcou presença também na Campus Party 2013, realizada em janeiro.

No evento, Sylvio Gomide mediou o Talk Show Empreendedor, que teve como convidados o sócio fundador da Dry Wash, Lito Rodriguez e o sócio fundador da Soap (State of the Art Presentations), Joni Galvão.

10º Congresso Estadual de Empreendedorismo do Ciesp

No inicio de setembro, o Núcleo de Jovens Empreendedores (NJE) do Ciesp de Santos, realizou o 10º Congresso Estadual de Empreendedorismo do Ciesp, em Santos.

O coordenador do Núcleo, Erik Sanches, abriu o evento falando dos objetivos da iniciativa. “Identificar lideranças locais para melhorar a economia do Estado de São Paulo, mas principalmente daqui de Santos. É o principal objetivo desse Congresso”, disse.

Vencedor do Inova Senai, dispositivo para troca automática de baterias poupa até 20% do tempo gasto com reposições manuais

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Em 320 horas, Andréa Silva Pinto, Bruno Ribeiro Barbosa, Felipe Barros Rojo e Tatiane Lourenço de Siqueira arquitetaram e produziram um dispositivo para a troca de baterias de empilhadeiras que reduz em até 20% o tempo de troca pelo meio convencional. Os quatro jovens, com idades entre 17 e 19 anos, são alunos do Senai Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo, e venceram o Inova Senai deste ano na categoria Processos. A premiação envolve invenções dos alunos e professores do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

A iniciativa foi realizada em setembro de 2013, no Anhembi, durante a São Paulo Skills, maior competição do ensino profissionalizante do estado.

Os alunos desenvolveram o equipamento para a montadora Mercedes-Benz. O processo que antes era feito manualmente, com a ajuda de uma talha para suspender a bateria e levá-la ao recarregador, foi substituído por uma espécie de carro com rodas e trilhos fixados em uma mureta, além de quatro cilindros pneumáticos que erguem e encaixam a mesa de recarga na altura desejada e roletes que garantem um movimento mais livre das baterias de acordo com a altura e tamanho dos recarregadores.

O professor Valdir José Espíndola, orientador do grupo, explicou que o dispositivo é fruto de um projeto que o Senai de São Bernardo do Campo tem há  alguns anos com as fabricantes da região.

A equipe campeã da categoria Processos durante premiação no Inova Senai 2013, no Anhembi, com Paulo Skaf e Walter Vicioni. Foto: Arquivo Pessoal

A equipe campeã da categoria Processos durante premiação no Inova Senai 2013, no Anhembi, com Paulo Skaf e Walter Vicioni (ao centro). Foto: Arquivo Pessoal

 

“A gente identifica um problema na empresa e analisa se os nossos alunos têm condições de trabalhar com esse problema. Feito isso, chegamos a uma conclusão com o grupo”, afirmou Espíndola.  Ele calculou que a escola produz ao menos oito projetos por semestre, envolvendo cerca de 50 alunos no total.

Andréa é uma das 15 alunas da turma de Mecânica Produção Veicular que se forma em dezembro deste ano. De 48 alunos, 15 são meninas.

“Nosso projeto foi voltado para a Mercedes e a patente fica com a fábrica”, afirmou a aluna. “Provavelmente vou ser efetivada de aprendiz para funcionário na empresa”, completou.

Assim como Andréa, Tatiane também é aprendiz na montadora alemã e vislumbra uma posição melhor na empresa após vencer o Inova Senai. O pai e a irmã de Tatiane também trabalham na montadora.  “Eu espero ser efetivada também”, disse ela, que já se sente beneficiada por participar da disputa e ainda vencer o Inova Senai. “E a gente achou que não ia conseguir participar, pensamos que não daria tempo aprontar as máquinas”, disse ela sobre o equipamento que está sendo usado pela Mercedes-Benz desde 2012.

O dispositivo

A bateria de uma empilhadeira deve ser trocada a cada oito horas. Cada bateria pesa entre 350 e 480 quilos. Na operação manual, o funcionário conta apenas com uma talha para erguer a peça até uma espécie de raque onde elas são recarregadas.

Com o carro, o tempo de troca é reduzido em 20%. Além disso, contribui para que o “operário não corra riscos de acidentes”, segundo disseram os criadores.

De acordo com os cálculos dos alunos, o projeto do dispositivo automático para a troca de baterias custou R$ 15.351,14. Os gastos com materiais foram estimados em R$ 4.349,54, enquanto a mão de obra foi calculada em R$ 11.001,60.

São Paulo Skills: clima de estudo e trabalho inspira competidores e visitantes no Anhembi

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Maior competição da educação profissional do estado, o São Paulo Skills vai muito além da disputa em si. Realizado no Anhembi, na capital paulista, numa iniciativa do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), o evento mobiliza professores, avaliadores, coordenadores, alunos que podem ou não estar participando de algumas das provas. Pelos corredores do espaço de exposições, o que se vê são olhares curiosos por todos os lados. E um clima de estudo e trabalho que inspira qualquer um.

“É muito emocionante participar do SP Skills”, contou Jéssica Bardelli, de 19 anos, participante do torneio na categoria tecnologia de moda. “Fica muita gente olhando e falando ao redor, mas não podemos perder a atenção, até porque isso também conta pontos”, explicou ela, aluna da escola Senai “Engenheiro Adriano José Marchini”, no Brás, em São Paulo.

Coordenadora da modalidade, Bárbara Viana explicou que a competição envolve a montagem e a criação de peças a partir de temas. Nesta sexta-feira (27/09), por exemplo, a temática era criar a partir da moda dos anos 1950 e do estilo da grife Christian Dior.

Atentos à prova, Milayne Bonifácio e Luidi Augusto Silva, ambos de 16 anos e estudantes da escola Senai “Luis Varga”, em Limeira, no interior paulista, se disseram impressionados com a estrutura do SP Skills. “Viemos para conhecer o evento, é muito interessante ver os alunos competindo”, disse ela. “Gostei muito do que vi”, completou Luidi.

Alunos do Senai-SP em prova do SP Skills no Anhembi: referência para todo o país. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Alunos do Senai-SP em prova do SP Skills no Anhembi: referência para todo o país. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

 

Não muito longe dali, no espaço dedicado à manutenção aeronáutica, Fabrício Rocha, de 19 anos, estudante da escola Senai “Antonio Adolpho Lobbe”, em São Carlos (SP), era outro competidor que tentava se concentrar nas provas. Até porque ele sabe que, no SP Skills e ao longo de sua vida profissional cuidando de aviões, erros não são permitidos. “Não posso errar”, disse. “Principalmente na hora de consertar os motores”.

A postos para orientar os participantes da disputa, o coordenador da modalidade, Marcos Antônio Escareli, explicou que os três jovens que disputam o primeiro lugar em manutenção aeronáutica são da mesma escola, o que facilitou os treinamentos. “No último mês de preparação para as provas, eles treinaram 14 horas por dia”, contou. “Tem muita gente talentosa aqui a caminho de um mercado que está em expansão no Brasil”.

Quem quer ser torneiro?

Entre todos os setores, o de tornearia era um dos que mais atraíam a curiosidade do público, com muita gente parada ao redor observando as provas. Estudante do Senai “Roservarte Alves de Souza”, no Distrito Federal, Wellington Conceição Dourado, de 19 anos, era um desses observadores atentos. Na disputa por uma vaga na competição nacional, em 2014, em Belo Horizonte, ele fez questão de vir a São Paulo para acompanhar o desempenho dos colegas paulistas. “O SP Skills é um evento importante”, disse. “Os participantes de São Paulo são aqueles a serem vencidos, são referência para todo o país”.

Coordenador da modalidade tornearia, Emerson de Souza explicou que todos os jovens participantes da área têm “nível alto” e um ritmo de trabalho “muito bom”.

Segundo ele, a curiosidade em torno do segmento aumentou depois que um ex-aluno do Senai-SP com essa formação, Luiz Inácio Lula da Silva, chegou à presidência. “Isso trouxe muita visibilidade para a carreira”, disse.

Aos leigos, na explicação mais simplificada possível, de acordo com Souza, um torneiro é alguém que trabalha transformando matéria-prima de qualquer formado em material cilíndrico para uso na indústria.

Disputa apertada

Área afim, a tornearia CNC também atraiu um público interessado. “O nível das provas está alto”, explicou o avaliador André Oliveira. “Estão saindo peças de muita qualidade, a seleção do vencedor vai ser apertada, por detalhes”.

Circulando com um grupo de amigas no corredor ao lado da tornearia CNC, a estudante Amanda Hidemi Miyabara, de 18 anos, da escola Senai Mercedes Benz, em São Bernardo do Campo, resumiu o clima geral no Anhembi nesta sexta-feira (27/09). “Dá muita vontade de participar”.

O SP Skills segue até o domingo (29/09) no Anhembi. A competição reúne alunos de 19 áreas tecnológicas, vindos de 83 unidades escolares da rede Senai-SP. Ao todo, são 726 competidores, 254 avaliadores e 116 coordenadores de modalidades, só para citar alguns números.

Em painel no Festemp, convidados debatem como desenvolver as start-ups no Brasil

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Na manhã desta quinta-feira (26/09), o Festival de Empreendedorismo (Festemp) realizou um painel para debater o desenvolvimento das start-ups brasileiras, chamadas também de empresas nascentes.

Para falar sobre o tema, foram convidados Rodrigo Rocha Loures, fundador da Nutrimental e presidente do Conselho Superior de Inovação e Competitividade (Conic) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp); Ken O’Donnel, consultor e vice-presidente da Oxford Leadership Academy; e Wilson Nobre Filho, conselheiro do Conselho de Inovação e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Rodrigo Rocha Loures. Foto: Beto Moussalem/Fiesp

 

O objetivo do painel foi buscar um modelo para um ecossistema de start-ups no país. “Nossos jovens querem mais do que nunca empreender, mas para isso precisam de um ecossistema propício”, comentou Loures, que dividiu com a plateia sua experiência na fundação da Nutrimental.

“Iniciamos a nossa trajetória se valendo de uma metodologia de gestão participativa. Quando começamos, tínhamos 15 colaboradores e todos participavam dos processos de decisão estratégica da empresa”, contou. “Em 1976, oito anos depois da sua fundação, a Nutrimental já era a maior empresa brasileira de fabricação de alimentos de preparo rápido e de alto valor nutritivo. Isso foi possível graças à soma da contribuição individual de todos.”

O’Donnel também destacou a importância da disposição das pessoas. “Temos dificuldades e complicações, mas não podemos deixar de ter confiança e o propósito. Se eu tenho um propósito interessante, inspirador, diferente, criativo, gera um campo de interesse.”

Mas o consultor também ressaltou que é preciso haver um ambiente propício interno e externo. “A motivação vem de dentro das pessoas, mas o incentivo é o que vem de fora. E se elas não se encontram, se um deles falta, nada acontece.”

Para encerrar a apresentação, o professor Wilson Nobre coordenou uma atividade com o público presente. Divididos em grupos de interesse, entre investidores, empreendedores e inquietos, ele elaborou perguntas para serem discutidas, buscando descobrir o que motiva a criação de novas empresas, o investimento em novos negócios e quais as principais barreiras e dificuldades para realizá-los.

De acordo com os palestrantes, as conclusões produzidas pelos grupos fará parte de um estudo que será encaminhado aos cuidados da ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann.

O Festemp prossegue com atividades no Anhembi até a noite desta quinta-feira (26/09).

 >> Conheça a programação do Festemp

Sesi-SP promove Festival de Robótica no Pavilhão de Exposições do Anhembi

Rosângela Gallardo, Agência Indusnet Fiesp

O Sesi-SP promove de 14 a 16 de novembro, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, o maior festival de ciência e tecnologia para alunos dos ensinos Fundamental e Médio da entidade. O evento será realizado paralelamente à Fase Nacional da Olimpíada do Conhecimento, das 9h às 18h. Haverá transmissão on-line pelo site de Robótica. Para acompanhar ao vivo, acesse o endereço: http://www.sesisp.org.br/robotica.

O festival reunirá mais de 300 competidores entre 9 e 16 anos das escolas do Sesi-SP e abrigará a maior Etapa Seletiva do 4º Torneio Sesi-SP de Robótica (modalidade FIRST® LEGO® League – FLL). Simultaneamente, serão exibidas outras duas categorias da robótica mundial: a WRO Gen II Football (futebol de robôs) e a OBR – Desafio de Resgate.

Os alunos do Sesi-SP também desafiarão dois times internacionais – um da Alemanha e outro da Holanda – nas missões da FIRST® LEGO® League.

WRO GEN II Football

A WRO Gen II Football é a mais nova competição internacional de futebol de robôs e chega pela primeira vez ao Brasil na Olimpíada do Conhecimento. Oito times do ensino médio do Sesi-SP, com três integrantes cada, disputam partidas de futebol com 10 minutos de duração. Cada time deve construir dois robôs autônomos – um goleiro e um atacante – utilizando apenas os kits de tecnologia LEGO® Mindstorms.

Em 2012, o Sesi-SP esteve em Kiev, capital da Ucrânia, e garantiu no gol de ouro  o 4º lugar na categoria para o Brasil.

OBR – Desafio de Resgate

No Desafio de Resgate, um robô simula o comportamento de um bombeiro que tem como principal objetivo resgatar vítimas em um ambiente que sofreu um incêndio. Cabe ao robô entrar no ambiente, e, de forma autônoma, desviar de escombros, transpor áreas que tiveram o caminho obstruído e ajudar a resgatar as vítimas do acidente.

Dez times do ensino médio do Sesi-SP, com quatro integrantes cada, disputam as provas que acontecem durante a Olimpíada do Conhecimento.

4º Torneio Sesi-SP de Robótica

Durante os meses de novembro e dezembro serão realizadas em todo o estado de São Paulo oito etapas seletivas que, ao todo, contarão com a participação de 150 escolas do Sesi-SP e 1.200 competidores. Na seletiva que será realizada no Pavilhão de Exposições do Anhembi, participam 40 times do ensino fundamental II do Sesi-SP.

Os dez melhores colocados carimbam o passaporte para participar da Etapa Estadual do Torneio, em dezembro.

No desafio Senior Solutions, tema da temporada 2012/2013 da FIRST® LEGO® League (FLL), o objetivo dos times é propor soluções inovadoras para manter a qualidade de vida na terceira idade.

Cada equipe (composta por seis alunos, um técnico e um mentor) terá como meta a construção e a programação de um robô autônomo para, posteriormente, conduzi-lo por um circuito com 15 missões. Os grupos serão avaliados levando-se em conta quatro requisitos: realização das missões; apresentação do projeto de pesquisa; projeto de robô; e trabalho em equipe. Em relação à pesquisa, os alunos são estimulados a identificar um problema, buscar uma solução inovadora e compartilhar o resultado com a comunidade.

Trajetória campeã

O Torneio Sesi-SP de Robótica é voltado aos estudantes dos ensinos Fundamental I e II da entidade. Os oito times com as melhores classificações na Etapa Estadual habilitam-se para a Etapa Nacional, que será realizada em dezembro e, posteriormente, têm a chance de conquistar vaga em campeonato internacional.

Na última temporada, que teve como tema o desafio Food Factor, o Sesi-SP foi representado, internacionalmente, pelas escolas de São José do Rio Preto, Catumbi e Itapetininga nos seguintes campeonatos internacionais: FLL World Festival (St. Louis, EUA), FLL Open Championship “Robots in Paradise” (Winter Haven, EUA) e FLL open European Championship (Mannhein, Alemanha).

O primeiro Torneio de Robótica da entidade foi realizado em 2009, no Pavilhão e Exposições do Anhembi, e reuniu 53 times. O desempenho das unidades do SESI-SP garantiu participação no Campeonato Brasileiro e vaga para a equipe da escola SESI de São José do Rio Preto participar do aberto da Ásia, realizado em Taiwan. O time brasileiro concorreu com outros 59 times de 26 países e levou o prêmio de Melhor Técnico e Mentor de Equipe.

Na opinião de Walter Vicioni Gonçalves, Superintendente do Sesi-SP, o objetivo do evento é incentivar o estudo da Ciência e da Tecnologia a partir do Ensino Fundamental II e, posteriormente, fortalecer esse aprendizado nas oficinas e laboratórios do Senai-SP. “A competição testa a capacidade de inovação, criatividade e raciocínio lógico dos nossos alunos, competências determinantes para o futuro profissional dessas crianças e jovens.

Competências

Na metodologia utilizada no Sesi-SP, as crianças são estimuladas a desenvolver competências e habilidades para a aplicação da ciência, desmistificando o uso da tecnologia na vida moderna. Os trabalhos na área de robótica são desenvolvidos com kits didáticos da LEGO ® e supervisionados por analistas de suporte em informática.

O evento tem como parceiro a organização norte-americana For Inspiration and Recognition of Science and Technology (FIRST), fundada em 1989 para estimular o ensino e a prática da ciência e da tecnologia entre os jovens.

Mundialmente, a entidade congrega mais de 212 mil estudantes, 19,5 mil times, 17,5 mil robôs, 57 mil mentores e 33 mil voluntários.

Para saber mais sobre o 4º Torneio Sesi-SP de Robótica e as equipes, acesse: http://pt-br.facebook.com/roboticasesi

Serviço
Festival de Robótica do Sesi-SP
Data: 14 a 16 de novembro de 2012
Horário: das 9h às 17h
Entrada franca
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi
Endereço: Av. Olavo Fontoura, 1209, São Paulo, SP

Fiesp e CNI lançam Olimpíada do Conhecimento 2012 nesta quinta (20/09)

Rosângela Gallardo, Agência Indusnet Fiesp

Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), e Robson Braga de Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), lançam nesta quinta-feira (20/09), às 10h, na sede da Fiesp, a 7º edição da Olimpíada do Conhecimento. Trata-se do maior torneio de educação profissional realizado nas Américas.

Este ano, a Olimpíada do Conhecimento colocará em disputa mais de 600 estudantes do ensino profissional de todo o país, de 12 a 18 de novembro, no Pavilhão de Exposições do Anhembi. Os melhores colocados nas 52 profissões avaliadas classificam-se para o WorldSkills – torneio internacional com a presença de jovens de mais de 50 países que será realizado em 2013 em Liepzig, na Alemanha.

Durante a cerimônia de lançamento, será divulgado o Mapa do Trabalho Industrial – uma pesquisa inédita com a projeção da necessidade de qualificação de mão de obra de nível técnico e de média qualificação para os próximos três anos em todo o Brasil.

No Foyer do Teatro do Sesi São Paulo, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, haverá exposição de equipamentos com  tecnologias de última geração utilizadas na indústria.

Com 809 unidades operacionais em todo o país, o Senai é a maior rede privada de educação profissional da América Latina e que atende 28 setores industriais. No ano passado, a entidade contabilizou mais de 2,5 milhões de matrículas e tem expectativa de chegar a 4 milhões em 2014.

Serviço
Evento: Lançamento da Olimpíada do Conhecimento – Etapa Nacional
Data/horário: 20 de setembro de 2012, às 10h
Local: Espaço Fiesp – Térreo Inferior (Av. Paulista, 1313)